Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Oriana1 121015143714-phpapp01

530 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Oriana1 121015143714-phpapp01

  1. 1. Era uma vez uma fada chamada Oriana, que era muito bonita e boa. Vivia alegra e feliz dançando nos campos, nos montes, nos jardins e nas praias. Um dia, a Rainha das Fadas chamou-a e ela foi ao seu encontro.
  2. 2. - Oriana, entrego-te esta Floresta!
  3. 3. Certa manhã de Abril, Oriana acordou ainda mais cedo que o habitual e, mal o primeiro raio de Sol entrou na floresta, ela saiu de dentro do tronco de carvalho onde dormia todas as noites, e respirou fundo os perfumes da madrugada.
  4. 4. Todos os dias, logo pela manhã, Oriana ia visitar a velha, uma senhora de muita idade, por quem ela sentia um carinho especial e que vivia sozinha numa casa muito velha.
  5. 5. A seguir, passava pela casa do lenhador e do moleiro e ajudava-os também.
  6. 6. À noite, ia ter com o poeta solitário, que era a única pessoa crescida que a podia ver e conversava com ele toda a noite.
  7. 7. Ora um dia, ao abeirar-se do rio para ajudar um peixe, Oriana viu a sua cara reflecti- da na água. Viu os seus olhos azuis como safiras, os seus cabelos loiros como searas a sua pele branca como lírios e as suas asas cor do ar, claras e brilhantes. A partir daquele dia passou a ir com frequência ao rio para admirar a sua beleza.
  8. 8. Pouco a pouco, Oriana foi abandonando a floresta, os animais e os amigos. Deixou de visitar a velha e até o poeta. Os animais começaram a partir e as plantas iam morrendo pouco a pouco...
  9. 9. Quando apareceu a Rainha das Fadas e viu o abandono da floresta ficou tão zangada que a castigou severamente, tirando-lhe as asas e a sua varinha de condão. Arrependida, Oriana suplica-lhe que a perdoe...
  10. 10. Oriana, lembrando-se dos amigos antigos que abandonara e que deixara de visitar, chorou numa tristeza profunda e suplicou, de novo, à Rainha das Fadas para que esta lhe devolvesse as asas e a varinha de condão, mas a Rainha esta- va muito desiludida com ela que não a desculpou. Disse-lhe, apenas, que as de- volveria se e quando ela fizesse algo para as merecer.
  11. 11. Levantando-se, Oriana limpou as lágrimas e começou a percorrer a floresta. Pensou, pensou e, determinada a recuperar a confiança dos seus amigos, decidiu ir à cidade conversar com o poeta. No caminho para a cidade, avistou a velha junto do abismo...
  12. 12. Pôs-se, então, a correr muito depressa, com a esperança de a alcançar. Mas, quando lá chegou já a velha estava a cair do abismo. Então, mesmo sem asas, Oriana não hesitou por um momento sequer, em saltar do abismo para a agarrar. De súbito, como um relâmpago, apareceu no ar a Rainha das Fadas...
  13. 13. A Rainha das Fadas estendeu o seu braço, tocou em Oriana com a sua varinha de condão e, no mesmo instante, ela parou de cair e ficou imóvel, suspensa no ar, segurando a velha. Levou-a para sua casa e, já no regresso pôde, finalmente, perceber que tudo aquilo tinha sido possível graças à bondade da Rainha das Fadas que lhe devolvera as suas asas e a sua varinha de condão. Agora tudo fazia sentido na sua cabecinha linda e bondosa... Levantando a sua varinha de condão, devolveu à floresta todo o encanto e magia que a mãe Natureza a dotara. Sophia Mello Breyner Andresen ( adaptado )

×