Autor do mês João Mancelos

861 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
861
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
566
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Autor do mês João Mancelos

  1. 1. JOÃO DE MANCELOS
  2. 2. INFORMAÇÃO BIOBLIOGRÁFICA: Joaquim João Cunha Braamcamp de Mancelos- conhecido literariamente por João de Mancelos- nasceu em Coimbra, em 12 de novembro de 1968. É licenciado em Estudos Portugueses/Ingleses (Universidade de Aveiro, 1992), mestre em Estudos Anglo-Americanos (Universidade de Coimbra, 1996), doutorado em Literatura Norte-Americana (Universidade Católica Portuguesa, 2003), e pós-doutorado em Literaturas Comparadas (Universidade de Aveiro, 2012). Na Universidade Católica Portuguesa (Viseu), lecionou sobretudo Introdução aos Estudos Literários, Literatura Norte-Americana (vários níveis) e Escrita Criativa. Na Universidade de Aveiro, ministrou Escrita Criativa I e II, Guionismo e Português para Estrangeiros. Atualmente, é professor de Laboratório de Guionismo e de Teoria da Narrativa Cinematográfica na Universidade da Beira Interior (Covilhã). Escreveu obras de poesia, conto e ensaio, com destaque para Línguas de fogo, As fadas não usam batom, O que sentes quando a chuva cai?, O labor das marés, A oeste deste céu, Veleiros do tempo cósmico, O marulhar de versos antigos: A Intertextualidade em Eugénio de Andrade, Introdução à Escrita Criativa e Uma canção no vento: A poesia de Eugénio de Andrade. Publicou mais de uma centena de crónicas, recensões e artigos científicos sobre literatura e cinema, em Portugal e no estrangeiro. NOTA CRÍTICA: O escritor Baptista-Bastos, que já se debruçara sobre a primeira edição de As fadas não usam batom, saudou a segunda edição com as seguintes palavras: «De novo me encontro com a ironia cáustica e com a ternura calorosa de histórias onde o humor sobreleva, sempre, a circunstância fortuita». A revista Entreletras comenta a propósito da obra de poesia e prosa poética Línguas de fogo: «São textos de uma grande limpidez e rigor, de um forte poder evocativo, quase fotográfico [...]».

×