Aula de macroeconomia

14,240 views

Published on

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
14,240
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
408
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula de macroeconomia

  1. 1. Argentina tenta conter corrida ao dólar no país. PIB britânico acelera no 3º trimestre; indústria encolhe em outubro. Japão gasta US$ 89 bi para defender iene. Desemprego na zona do euro cresce e atinge 16 milhões. Grécia quer fazer referendo sobre pacote anticrise. Beijing will not ride to eurozone’s rescue.
  2. 2. Questões conjunturais <ul><li>Do que dependerá o seu sucesso profissional nos próximos 20 anos? </li></ul><ul><li>Você terá muitas ou poucas ofertas de emprego após sua graduação? </li></ul><ul><li>O que leva uma empresa a falência? Ou a contratar mais empregados? </li></ul>
  3. 3. Questões conjunturais <ul><li>Por que há períodos de fartura e outros de miséria? </li></ul><ul><li>Quanto o seu salário poderá comprar daqui a 12 meses? </li></ul><ul><li>Qual o atual “estado” da economia ? </li></ul><ul><li>Como avaliar se o aumento do salário é bom ou ruim para a economia como um todo? </li></ul>
  4. 4. Porque compreender macroeconomia? <ul><li>A sobrevivência das empresas , o nível de empregos disponíveis, as expansões ou retrações do consumo, o nível de inflação e até a manutenção do governo no poder dependem muitas vezes do sucesso ou fracasso das atuações econômicas dos responsáveis pela política econômica de cada governo . </li></ul>
  5. 5. Outro Bric na parede ? Nouriel Rubin <ul><li>Rússia se desqualifica </li></ul><ul><li>Indonésia </li></ul><ul><li>Turquia </li></ul><ul><li>Coreia do Sul </li></ul><ul><li>Bric ? Brimc ? </li></ul>Sigla criada em 2001 por economista do grupo Goldman Sachs
  6. 7. O que é a Doença Holandesa <ul><li>O conceito econômico tenta explicar a relação entre a exploração de recursos naturais e o declínio do setor manufatureiro . </li></ul><ul><li>“ Um aumento de receita decorrente da exportação de recursos naturais irá desindustrializar uma nação devido à valorização cambial , que torna o setor manufatureiro menos competitivo aos produtos externos.” </li></ul>Brazil’s new capital tax
  7. 8. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>à </li></ul><ul><li>Economia </li></ul><ul><li>Prof. Dr. Ricardo Bezerra Cavalcanti Vieira </li></ul><ul><li>E-mail: prof@ricardobezerra.com </li></ul>Cap. 4
  8. 9. Prêmio Nobel de Economia 2011 <ul><li>Thomas J. Sargent e Christopher A. Sims, ganhadores do Nobel, provaram que não apenas o governo influencia a economia, como também é afetado por ela. </li></ul>Premia pesquisadores da causa e efeito na macroeconomia.
  9. 10. Prêmio Nobel de Economia <ul><li>Como o PIB e a inflação são afetados por um temporário aumento dos juros e por um corte desta taxa? </li></ul><ul><li>O que acontece se um Banco Central faz uma mudança permanente em sua meta de inflação ou quando um governo modifica seus objetivos de Política Fiscal ? </li></ul>
  10. 11. Políticas econômicas e eventos macros são geralmente relações bilaterais . <ul><li>O que o setor privado espera da atividade e das políticas econômicas influenciam suas decisões sobre salários , poupança e investimento . </li></ul><ul><li>Ao mesmo tempo, as decisões dos governos na economia são influenciadas pelas expectativas sobre o que fará a iniciativa privada no longo prazo . </li></ul>
  11. 12. MACROECONOMIA <ul><li>É uma das divisões das Ciências Econômicas dedicada ao estudo , medida e observação de uma economia regional ou nacional como um todo. </li></ul><ul><li>Bens e Serviços </li></ul><ul><li>Trabalho </li></ul><ul><li>Monetário </li></ul><ul><li>Títulos </li></ul><ul><li>Divisas </li></ul>MERCADOS John Maynard Keynes Crise 29
  12. 13. MACROECONOMIA <ul><li>Desemprego conjuntural é provocado por uma situação momentânea no mercado de trabalho, uma crise por exemplo. Desemprego estrutural é causado pela deficiência do mercado de trabalho em absorver todas as pessoas aptas a trabalhar. É um problema na estrutura da economia. </li></ul>
  13. 14. MACROECONOMIA Principais Conceitos : <ul><li>Balança de Pagamentos </li></ul><ul><li>Taxa de Câmbio </li></ul><ul><li>Banco Central </li></ul><ul><li>Inflação </li></ul><ul><li>Moeda </li></ul><ul><li>Poder de compra </li></ul><ul><li>Política Monetária </li></ul><ul><li>Produto Interno Bruto </li></ul><ul><li>Política Fiscal </li></ul>Análise Estrutural do Turismo Autor: BENI, MARIO CARLOS Editora: SENAC SÃO PAULO
  14. 15. INSTRUMENTOS DE POLÍTICA MACROECONÔMICA <ul><li>A política macroeconômica envolve a atuação do governo sobre a capacidade produtiva (produção agregada) e despesas planejadas (demanda agregada), com o objetivo de permitir à economia operar a pleno emprego , com baixas taxas de inflação e distribuição justa de renda . </li></ul>
  15. 16. Política Fiscal <ul><li>Refere-se a todos os instrumentos de que o governo dispõe para arrecadação de tributos ( política tributária ) e controle de suas despesas (política de gastos ). </li></ul><ul><li>Manipulação da estrutura e alíquotas de impostos , pode estimular (ou inibir) os gastos do setor privado em consumo e em investimento. </li></ul>
  16. 17. Política Monetária <ul><li>Atuação do governo sobre a quantidade de moeda , de crédito e de taxas de juros . </li></ul><ul><li>Os instrumentos disponíveis para tal são: </li></ul><ul><li>1) Emissões ; </li></ul><ul><li>2) Reservas Compulsórias dos Bancos; </li></ul><ul><li>3) Open Market (compra e venda de títulos); </li></ul><ul><li>4) Redesconto (empréstimos de banco central aos </li></ul><ul><li>bancos); </li></ul><ul><li>5) Regulamentação sobre crédito e taxa de juros. </li></ul>
  17. 18. Políticas de Rendas (Controle de preços e salários) <ul><li>A característica especial é a de que, nesses controles, os agentes econômicos ficam proibidos de levar a cabo o que fariam, em resposta a influência econômica normais de mercado. </li></ul>
  18. 19. Política Cambial e Comercial <ul><li>São políticas que atuam sobre as variáveis relacionadas ao setor externo da economia . </li></ul><ul><li>A política cambial refere-se ao controle do governo sobre a taxa de câmbio (câmbio fixo, flutuante, etc). </li></ul><ul><li>A política comercial diz respeito aos instrumentos de incentivo às exportações e/ou desestímulo às importações , sejam fiscais, creditícios, sejam cotas, ou outras. </li></ul>
  19. 20. Fluxo Circular de Renda
  20. 21. Fluxos Monetários e Físicos (modelo mais complexo)
  21. 22. MULTIPLICADORES DA RENDA NACIONAL <ul><li>Segundo Keynes, variações de atividade de uma indústria poderiam influir no nível de atividade de outras indústrias, criando um efeito múltiplo em toda a economia. </li></ul>
  22. 23. MULTIPLICADORES DO TURISMO <ul><li>Renda </li></ul><ul><li>Emprego </li></ul><ul><li>Produto </li></ul><ul><li>Importações </li></ul><ul><li>Receitas do Governo </li></ul>Permitem quantificar as variações em decorrência dos níveis iniciais de gastos com o turismo
  23. 24. IMPACTOS ECONÔMICOS DO TURISMO <ul><li>Diretos </li></ul><ul><li>Indiretos </li></ul><ul><li>Induzidos </li></ul>Renda criada nos setores turísticos pelos gastos com esses produtos Renda criada pelos gastos dos setores de turismo em bens e serviços produzidos e ofertados na economia Níveis de renda aumentam em toda a economia como resultado dos impactos diretos e indiretos dos gastos turísticos.
  24. 25. IMPACTOS POSITIVOS <ul><li>Aumenta a renda do lugar visitado via entrada de divisas </li></ul><ul><li>Estimula investimentos e gera empregos </li></ul><ul><li>Meio de distribuição de riquezas </li></ul><ul><li>Os efeitos multiplicadores do turismo </li></ul>RAZÃO DE REFLEXÃO DO TURISMO: Divisas gastas em importações para apoio ao turismo
  25. 26. IMPACTOS NEGATIVOS <ul><li>A pressão inflacionária </li></ul><ul><li>A grande dependência em relação ao turismo </li></ul><ul><li>Os custos socioambientais </li></ul><ul><li>As prioridades de investimentos </li></ul>
  26. 27. Balança de Pagamentos <ul><li>É um instrumento da contabilidade social referente à descrição das relações comerciais de um país com o resto do mundo. Ele registra o total de dinheiro que entra e sai de um país, na forma de importações e exportações de produtos , serviços , capital financeiro , bem como transferências comerciais. </li></ul>
  27. 28. Balança de Pagamentos <ul><li>Conta Corrente - registra as entradas e saídas devidas ao comércio de bens e serviços , bem como pagamentos de transferência ; </li></ul><ul><li>Conta de Capital - registra as transações de fundos, empréstimos e transferências. </li></ul>
  28. 29. Estrutura do Balanço de Pagamentos Transações Correntes Balança Comercial Balança de Serviços Exportações / Importações VIAGENS INTERNACIONAIS Transportes / Seguros / Rendas de capitais / Serviços Governamentais / Serviços Diversos Transferências unilaterais Transações de Capital Investimentos e reinvestimentos estrangeiros líquidos/ Empréstimos a médio e longo prazo / Empréstimos a curto prazo / Amortizações
  29. 30. Balança de Pagamentos
  30. 32. Fundo de Riqueza Soberana Sovereign Wealth Funds - SWF <ul><li>Criados para administrar as imensas reservas de divisas dos países exportadores de bens manufaturados que tiveram suas receitas multiplicadas de maneira formidável nos últimos anos. Entre os mais importantes, figuram os de Dubai , Noruega , Qatar , Cingapura e China . </li></ul><ul><li>Essa modalidade de investimento estatal vem sendo utilizada, na maioria das vezes, para adquirir participações em empresas estrangeiras, com objetivos financeiros e estratégicos . </li></ul>
  31. 33. Câmbio na Mídia
  32. 37. TAXA DE CÂMBIO <ul><li>É o preço de uma unidade monetária de uma moeda em unidades monetárias de outra moeda e, reflete o custo de uma moeda em relação a outra, dividindo-se em taxa de venda e taxa de compra . </li></ul>
  33. 38. TAXA DE CÂMBIO Regimes Cambiais Fixos ou Flutuantes <ul><li>Câmbios Fixos a taxa de câmbio é definida pelas autoridades monetárias nacionais. </li></ul><ul><li>Câmbios Flutuantes é formada no mercado cambial, através dos movimentos de oferta e demanda por ativos em moeda estrangeira. </li></ul>http://www.bcb.gov.br/?TXCAMBIO
  34. 40. POLÍTICA CAMBIAL <ul><li>É o conjunto de medidas e ações do governo que influem no comportamento do mercado de câmbio e da taxa de câmbio . </li></ul>
  35. 41. Descida das Taxas de Câmbio <ul><li>Torna a moeda nacional mais barata face às restantes. Ocorre uma desvalorização da moeda. </li></ul><ul><li>Efeito benéfico sobre as exportações , que se tornam mais competitivas </li></ul><ul><li>Efeito negativo sobre as importações , funcionando como instrumento corretor de desequilíbrios da balança de pagamentos </li></ul>
  36. 42. Subida das Taxas de Câmbio <ul><li>As exportações perdem competitividade no mercado concorrencial , tornando as importações mais baratas. A moeda nacional se valoriza. </li></ul><ul><li>Empresas nacionais reduzem o seu volume de vendas, o que gera menos cash flow empresarial, menos receitas fiscais e desemprego . A demanda pelas importações pode gerar uma dependência estrutural de produtos do mercado externo </li></ul>
  37. 43. Taxas de Câmbio <ul><li>No longo prazo, Estados com baixa elasticidade e elevada dependência das importações, a descida das taxas de câmbio é geradora de inflação . </li></ul><ul><li>FMI - fiscalização e controle de abusos de manipulação deste instrumento. Os Estados não podem usar sistematicamente instrumentos conjunturais como este para corrigir problemas e déficits estruturais da sua economia. </li></ul>
  38. 44. Equilíbrio da Taxa de Câmbio
  39. 45. Exportação/Importação/Taxa de Câmbio / Juros na Mídia <ul><li>Governo estuda taxar exportações de minério de ferro da VALE </li></ul><ul><li>(O Caso da Argentina) </li></ul>http://oglobo.globo.com/economia/miriam/video/2009/14003/default.asp Questões políticas/ partidárias
  40. 46. BANCO CENTRAL <ul><li>É a autoridade monetária do país integrante do Sistema Financeiro Nacional , vinculado ao Ministério da Fazenda . </li></ul>Banco Central americano Independente? Autônomo ?
  41. 47. TAXA BÁSICA DE JUROS (SELIC) <ul><li>É um índice pelo qual as taxas de juros cobradas pelo mercados se balizam. É a taxa básica utilizada como referência pela política monetária. É divulgada pelo Comitê de Política Monetária (Copom). </li></ul>
  42. 48. Reuniões do COPOM Comitê de Política Monetária do Banco Central criado em 1996 <ul><li>As reuniões ordinárias são realizadas em duas sessões, a primeira, as terças-feiras, reservada as apresentações técnicas de conjuntura , e a segunda, as quartas-feiras, para decisões das diretrizes de política monetária. </li></ul><ul><li>A função é definir quais serão as diretrizes da Política Monetária e assim como a Taxa Básica de Juros </li></ul>
  43. 49. O que acontece quando a Selic sobe? <ul><li>O sistema financeiro redefine as taxas que serão cobradas, com isso eleva o custo do dinheiro diretamente reflete no crédito com Juros maiores. Ex. Cheque Especial, Cartão de Crédito, Empréstimos e Financiamentos. </li></ul><ul><li>Quanto maior o valor da taxa básica maior também será a taxa de desemprego , serve também de termômetro para o crescimento do PIB . </li></ul>
  44. 50. Porque o COPOM aumenta a Selic? <ul><li>O governo está tentando frear a inflação ou mesmo para se proteger das crises, se a taxa for muito pequena os investidores começam a tirar dinheiro do país. </li></ul><ul><li>Política monetária não é ciência , muito menos exata. Portanto, não há conta matemática que comprove qual a melhor atitude a ser tomada numa determinada situação. </li></ul>
  45. 51. Crescimento do PIB x Taxa de Juros Menor <ul><li>Com a redução da Selic o país tem mais oportunidade para ter um aumento significativo no PIB , já que o crédito não está com valor elevado gerando um aumento no consumo e com isso um aumento na produção de bens e serviços. </li></ul>
  46. 52. Fonte: http://www.pads.ufrj.br/~rapoport/juscelino/taxas_juros.png
  47. 54. MOEDA <ul><li>Qualquer coisa geralmente aceita como meio de troca. </li></ul><ul><li>Funções : Meio de troca / Reserva de um valor / Unidade de medida </li></ul>Monetaristas X Keynesianos
  48. 55. MOEDA <ul><li>O dilema de Triffin </li></ul><ul><li>País detentor da moeda de reserva em uma situação em que existe um conflito na determinação de sua política monetária entre a perseguição de objetivos domésticos de um lado e a necessidade de atender à demanda de liquidez pela comunidade internacional de outro. </li></ul>Robert Triffin
  49. 56. Política Monetária <ul><li>Atuação das autoridades monetárias, por meio de instrumentos de efeito direto ou induzido, com o propósito de se controlar a liquidez global do sistema econômico . </li></ul><ul><li>Emissão de papel-moeda </li></ul><ul><li>Depósito compulsório (percentual sobre os depósitos que os bancos comerciais devem reter junto ao Banco Central ) </li></ul><ul><li>Compra e venda de títulos da dívida pública </li></ul><ul><li>Redescontos (Empréstimos do Banco Central aos bancos comerciais) </li></ul><ul><li>Regulamentação sobre crédito e taxas de juros. </li></ul>
  50. 57. Política Monetária <ul><li>VISÃO CLÁSSICA : </li></ul><ul><li>Não pode ser usada para resolver problemas de renda, produção e emprego. </li></ul><ul><li>VISÃO KEYNESIANA </li></ul><ul><li>Usada para combater a recessão e a inflação, mas pode ser preciso ser complementada pela Política Fiscal . </li></ul>
  51. 58. Política Monetária : Keynes <ul><li>Contracionista : redução da oferta de moeda </li></ul><ul><li>aumento da taxa de juros redução de investimentos redução (renda=produção) </li></ul><ul><li>Expansionista : aumento da oferta de moeda </li></ul><ul><li>redução da taxa de juros aumento de investimentos aumento (renda=produção) </li></ul>
  52. 59. Política Monetária : Monetarismo ( Milton Friedman) <ul><li>Pode controlar a inflação </li></ul><ul><li>A oferta monetária aumenta à mesma taxa do crescimento da economia </li></ul><ul><li>Não tentar cobrar multa sobre o crescimento monetário </li></ul>
  53. 60. Inflação <ul><li>A ) Inflação de demanda </li></ul><ul><li>B ) Inflação de custos </li></ul><ul><li>C ) Inflação inercial </li></ul><ul><li>D ) Inflação estrutural </li></ul><ul><li>Contínuo, persistente e generalizado aumento de preços </li></ul>Metas de Inflação Vs Crescimento Econômico?
  54. 61. Ainda de Olho na Inflação? Adaptado do Jornal OGLBO 09.9.2011 1 AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIIMO 13.6 % Jan 2012 2 TAXA DE DESEMPREGO 6 % + Consumo 3 REAJUSTE SALARIAL GA REAL SOBRE A INFLAÇÃO 4 PROBLEMAS CLIMÁTICOS Preços dos Alimentos 5 INFLAÇÃO ALTA Reajustes maiores de serviços 6 INFLAÇÃO DE SERVIÇOS 8,93 % em 12 meses 7 AUMENTO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO atípico: Receita da VALE R$ 6 bilhões
  55. 62. SUPERÁVIT PRIMÁRIO <ul><li>Ocorre quando os impostos arrecadados pelo governo são maiores que as despesas realizadas , excluindo-se os juros e a correção monetária da divida pública, em virtude de não fazerem parte da natureza operacional do governo. </li></ul>Termômetro para sinalizar como o governo está administrando suas contas.
  56. 63. ESTAGFLAÇÃO <ul><li>Combinação entre crescimento econômico lento e alto nível de desemprego e altas de preços (inflação). </li></ul><ul><li>Processo inflacionário caracterizado por alguma inércia . </li></ul><ul><li>O termo surgiu na década de 70. </li></ul>
  57. 64. CENÁRIOS E PREVISÕES
  58. 65. Regime de Metas de Inflação <ul><li>O Brasil adotou o Regime de Metas de Inflação em junho de 1999 após um forte ataque especulativo. </li></ul>
  59. 66. PRODUTO INTERNO BRUTO <ul><li>Representa a soma (em valores monetários ) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (quer seja, países , estados , cidades ), durante um período determinado (mês, trimestre, semestre, ano). </li></ul><ul><li>PIB= C + I + G + X - M </li></ul>
  60. 67. 29/09/2009 - 12:16h ”Inflação vai ficar dentro da meta” Henrique Meirelles: presidente do Banco Central; apesar do alerta feito pelo BC na semana passada sobre a pressão dos gastos públicos, Meirelles diz que inflação está sob controle.
  61. 68. <ul><li>PNB = PIB + &quot;total de rendas recebidas do exterior&quot; - &quot;total de rendas enviadas ao exterior&quot; </li></ul><ul><li>PIB pc = PIB </li></ul>N POPULAÇÃO PRODUTO NACIONAL BRUTO Em geral, os países desenvolvidos possuem um PNB maior que o PIB , ao contrário que acontece com países em desenvolvimento. ÍNDIA CHINA Suiça Noruega Dinamarca
  62. 69. Outros Indicadores <ul><li>Coeficiente de Gini - É utilizado para calcular a desigualdade de distribuição de renda mas pode ser usada para qualquer distribuição. </li></ul>Renda Quantidade de Pessoas
  63. 70. Política Fiscal <ul><li>É administração das receitas e despesas do governo . Se a receita é maior que a despesa, temos superávit do orçamento. </li></ul><ul><li>Afeta o nível de demanda ao influir na renda disponível que os indivíduos poderão destinar para consumo e poupança . Tal prática pode ser expansionista ou restritiva. </li></ul>
  64. 72. Curva de Laffer <ul><li>Cortes de impostos aumentarão as receitas deles provenientes em razão dos efeitos na Oferta. </li></ul><ul><li>Nem sempre o aumento da tributação gera um aumento de arrecadação, se a atividade econômica decresce. </li></ul>Arthur Betz Laffer
  65. 73. Curva de Laffer Tributação exagerada acaba por ser ineficaz em termos de receita fiscal Era Regan Utilizou o conceito para justificar redução de impostos dos mais ricos.
  66. 74. Curva de Laffer Taxas de Imposto <ul><li>1. A partir de certa altura, os trabalhadores preferem não aumentar o seu nível de atividade profissional e ficar numa taxa de imposto mais baixa </li></ul><ul><li>2. Aumento exagerado sobre a despesa reduz o consumo e o investimento levando à redução da receita fiscal </li></ul><ul><li>3. Quanto maior for a carga fiscal maior é o incentivo às práticas de fuga e evasões fiscais </li></ul>
  67. 75. Bibliografia complementar <ul><li>VASCONSELLOS, M. Economia –Micro e Macro. 3 ed., São Paulo:Atlas, 2002.p. 187-201 </li></ul><ul><li>PINHO, D.B. e VASCONCELLOS,M.A (orgs.) Manual de Economia-professores da USP. 4 ed.; São Paulo:Saraiva,2003, p.261-268. </li></ul><ul><li>BYRNS, R. e STONE, G. Macroeconomia. São Paulo: Makron Books,1995.p. 97-123. </li></ul>
  68. 76. <ul><li>? </li></ul>
  69. 77. Cronograma <ul><li>11/11 - Microeconomia – Cap.3 / Exercício em Sala de Aula </li></ul><ul><li>18/11 - Entrega do Artigo </li></ul><ul><li>25/11 - V.S. </li></ul>
  70. 78. Questões: ( grupo de 3 alunos ) <ul><li>O Banco Central deve estabelecer uma política monetária apenas para manter a inflação baixa? Justifique sua resposta </li></ul><ul><li>A política monetária deve ser utilizada para estimular uma economia fraca? Por que? </li></ul><ul><li>O Banco Central deve controlar a oferta de moeda ou as taxas de juros? Por que? </li></ul>

×