Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Complexo de Vira-lata

1,774 views

Published on

Apresentação feita no Proxxima 2008. Fala sobre o "complexo de vira-lata" que o mercado brasileiro de publicidade tem,

Published in: Business
  • Be the first to comment

Complexo de Vira-lata

  1. 1. TV (digital ou n ão), conteúdo e o complexo de vira-lata do Brasil Maurício Mota
  2. 2. Discuss ões profundas sobre a TV Digital no Brasil TV Digital: Formatos e impactos Será que antes de se preocupar com a interatividade da TV, não deveríamos explorar ao máximo a Internet?
  3. 3. Conte údo audio-visual hoje: Já sabemos como contar histórias relevantes para todas essas plataformas? Quantas vezes você já viu o mesmo filme na TV a cabo?
  4. 4. “ Quem converge é o público e não as plataformas” Henry Jenkins, MIT O racioc ínio de que estamos na “era da convergência tecnológica” nos faz comenter erros estratégicos. Inclusive o de continuar subestimando os meios digitais. As plataformas s ão naturalmente divergentes. A propaganda é um formato de contar histórias. A marca é uma matriz infinita de histórias. O único código universal em todas essas plataformas é a história
  5. 5. Contando hist órias convergentes
  6. 6. Case EUA A import ância de se contar uma história para cada platéia
  7. 7. <ul><li>9th Wonders: Selo virtual de quadrinhos, criado por um dos personagens do seriado </li></ul><ul><li>In ício da audiência em diversos países </li></ul><ul><li>veio de fãs dos quadrinhos </li></ul><ul><li>virtuais </li></ul>Case Heroes
  8. 8. <ul><li>Revistas em quadrinhos no site www . nbc . com/heroes </li></ul>V ídeo “passivo” PDF para imprimir flash interativo :: Revistas escondem pistas e prêmios. Os leitores se habituaram a descobrir e divulgar.
  9. 9. CONTE ÚDO + PUBLICIDADE = SERVIÇO ÚTIL <ul><li>As revistas feitas para f ãs contam histórias paralelas às da TV. </li></ul><ul><ul><ul><li>Possibilitam explorar a fundo a vida dos personagens da TV </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Criar novos personagens na revista e j á test á-l os (quanto custaria fazer um piloto?) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Leitores da revista divulgam o seriado mundo a fora </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>As marcas envolvidas no broadcast podem se conectar com novas bases do público de maneira mais interativa e envolvente. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Troca e soma de audiências (quem começa na TV quer mais na revista e quem começou na revista vai para a TV, para o vídeo online ou para o DVD ) </li></ul></ul></ul>
  10. 10. <ul><li>Audi ência mais leal </li></ul><ul><li>Consomem muita informação sobre o programa e sobre as marcas e subprodutos relacionados </li></ul><ul><li>Espalham o conteúdo favorito, divulgam para espectadores potenciais </li></ul><ul><li>Funcionam como “testadores” de novos produtos ou conteúdos </li></ul>HIST Ó RIAS M Ú LTIPLAS = M ÚLTIPLOS F ÃS
  11. 11. O site do Heroes tem 10 mil p áginas e é responsável por 25 % de todo o tráfego da NBC. F ÃS = OPORTUNIDADE:
  12. 12. Personagem “Hana Gliterman”: f ãs levaram dos quadrinhos virtuais para a TV
  13. 13. <ul><li>Considerada a revista em quadrinhos mais lida da história norte-americana. </li></ul><ul><li>A DC Comics comprou o selo virtual e fez a primeira edição em capa dura para vender no mundo real. Já é um best-seller. </li></ul>9th Wonders: Desdobramentos após um ano
  14. 14. FORMATO COMERCIAL <ul><li>Nissan USA era o principal anunciante. </li></ul><ul><li>- Patrocinou as revistas interativas </li></ul><ul><li>Criou an úncios em formato de quadrinhos </li></ul><ul><li>Patrocinadora premium do break comercial do programa na TV </li></ul><ul><li>Branded entertainment: product placement do Nissan Sentra como o carro do personagem Hiro Nakamura </li></ul>
  15. 16. Case Jap ão Exportando cultura atrav és de histórias
  16. 17. <ul><li>A partir dos anos 90: estratégia para aumentar o peso do entretenimento na economia. </li></ul><ul><li>Foco inicial na distribuição digital de: </li></ul><ul><li>Animes </li></ul><ul><li>Animaç ão </li></ul><ul><li>M úsica </li></ul><ul><li>Cinema </li></ul>Cool Japan <ul><li>Hoje os quadrinhos japoneses vendem quatro vezes mais do que os quadrinhos </li></ul><ul><li>norte-americanos. </li></ul><ul><li>Por que? </li></ul>
  17. 18. Afro Samurai
  18. 19. Case Índia De mero executor à fonte de inspiração e inovação em entretenimento
  19. 20. <ul><li>População terá, em dez anos, 550 milhões de jovens com idade abaixo de 20 anos. Uma start-up se organizou a partir das seguintes premissas: </li></ul><ul><li>Criar histórias e desdobramentos originais que reinventem o vasto repertório das mitologias indiana e asiática de maneira única, envolvente e divertida. </li></ul><ul><li>Começar a formação de audiência pelos quadrinhos e depois - com a ajuda de artistas de todo o mundo - desdobrar essas histórias para cinema, tv, animação, games, mobile e internet. </li></ul><ul><li>Convidar artistas consagrados de outras mídias para criar as histórias com uma liberdade que nunca tiveram em suas mídias de origem. Artistas convidados: John Woo, Guy Richie, Nicolas Cage e outros. </li></ul>Case Índia
  20. 21. Índia: sede da Virgin Comics Sociedade entre Richard Branson, Deepak Chopra e Shekhar Kapur (aclamado diretor indicado a 9 Oscars). Hoje a empresa é líder tanto na venda de revistas físicas quanto no formato digital - que se tornou seu maior foco, junto com games para celular e filmes para a Internet.
  21. 22. <ul><ul><ul><li>CASE BRASIL? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ O Complexo de Vira-Lata” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>&quot;Por 'complexo de vira-lata' entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O que fazemos nunca é melhor do que outro país faz. ” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Nelson Rodrigues </li></ul></ul></ul>
  22. 23. <ul><ul><ul><li>“ A culpa é do govermo” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ A culpa é dos veículos que não dão espaço para inovar” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ A culpa é dos clientes que têm suas metas pra atingir” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ A culpa é da base maior de usuários de celular pré-pago” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Não dá para se fazer esse tipo de coisa no Brasil” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Ninguém no Brasil consegue pensar conteúdo inovador” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Temos que ir lá pra fora para poder criar coisas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>incríveis” </li></ul></ul></ul>
  23. 24. <ul><ul><ul><li>E dessa maneira, n ão sabemos (ou não valorizamos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>o que está acontecendo bem perto de nós. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>N ós estamos em extremos: ou olhamos muito </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>para o nosso umbigo ou olhamos demais para </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a “grama mais verde do vizinho”. </li></ul></ul></ul>
  24. 25. Maur ício Mota mmota@autoria.com . br

×