Carta aberta

407 views

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
407
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Carta aberta

  1. 1. Date: Mon, 6 Dec 2010 23:25:29 +0000From: fernando_190@netvisao.ptTo: latneuq@quentaline.com.brSubject: FW: TENHAM VERGONHA - Carta aberta a Mário Soares, António José Seguro e atodos os políticos-------Original Message-------Subject: FW: TENHAM VERGONHA - Carta aberta a Mário Soares, António José Seguro e atodos os políticos TENHAM VERGONHA Carta aberta ao Sr. Mário Soares, Sr. António José Seguro e a todos os políticos de Portugal Sr. Mário Soares,Sou um cidadão que trabalha, paga impostos, para que o Sr. e todos os restantes políticos de Portugal andem na boa vida. Há dias, ouvi o Sr, doutamente, nas TVs, a avisar o povo português para que não se pusesse com greves, porque ainda ia ser pior. Depois ouvi o Sr. António José Seguro, revoltar-se contra os impostos e colocar-se ao lado do povo. Ouvi o Sr. perguntar onde estava a alternativa ao aumento de impostos, e aqui estou eu para lhe dar a alternativa.
  2. 2. Como o Sr. Mário Soares pediu que alguém lhe desse a alternativa à subida de impostos, aqui lhe deixo 10 medidas que me vieram à mente assim, de repente: 1 - Acabar com as pensões vitalícias e restantesmordomias de todos os ex-presidentes da República (os senhores foram PRs, receberam os seus salários peloserviço prestado à Pátria, não têm de ter benesses por esse facto);2 - Acabar com as pensões vitalícias e / ou pensões emvigor dos primeiros-ministros, ministros, deputados e outros quadros (os Srs deputados receberam o seuordenado aquando da sua actividade como deputado, não têm nada que ter pensões vitalícias nem seremreformados ao fim de 12 anos; quando muito recebem uma percentagem na reforma, mas aos 65 anos de idade como os restantes portugueses - veja-se o caso do Sr. António Seguro que na casa dos 40 anos de idade já tem direito a reforma da Assembleia da República; 3 - Reduzir o nº de deputados para 100;4 - Reduzir o nº de ministérios e secretarias de estado, institutos e outras entidades criadas artificialmente, algumas desnecessárias e muitas vezes até redundantes, apenas para dar emprego aos "boys"; 5 - Acabar com as mordomias na Assembleia da República e no Governo, e ao invés de andarem emcarros de luxo, andarem em viaturas mais baratas, ou
  3. 3. de transportes públicos, como nos países ricos do Norte da Europa (no dia em que se anunciou o aumento dosimpostos por falta de dinheiro, o Estado adquiriu uma viatura na ordem dos 140 mil ¤ para os VIPs que nos visitarão); 6 - Acabar com os subsídios de reintegração social atribuídos; aos vereadores; aos presidentes de Câmara; e outras entidades (multiplique-se o número de vereadores existentes pelo número de municípios eveja-se a enormidade e imoralidade que por aí grassa); 7 - Acabar com as reformas múltiplas, sendo que umcidadão só poderá ter uma única reforma (ao invés de duas e três, como muitos têm); 8 - Criar um tecto para as reformas, sendo que nenhuma poderá ser maior que a do PR; 9 - Acabar com o sigilo bancário;10 - Criar um quadro da administração do Estado, de modo a que quando um governo mude, não mudem centenas de lugares na administração do Estado;  Com estas simples 10 medidas, a classe política que vai desgraçando o nosso amado Portugal, daria o exemplo e deixaria um sinal inequívoco de que afinal, vale a pena fazer sacrifícios, e que o dinheiro dos portugueses não é esbanjado em Fundações duvidosas, em TGVs, em aeroportos, em obras sumptuosas.
  4. 4. Enquanto isso não acontecer, eu não acredito no Sr. Mário Soares, não acredito no Sr. AntónioSeguro, e não acredito em nenhum político desde o Bloco de Esquerda ao CDS, nem lhes reconheço autoridade moral para dizerem ao povo o que deve fazer. Em último caso, têm a palavra as Forças Armadas, que têm o ónus de defendero povo português de qualquer agressão externa e / ou interna e que paradoxalmente têm estado em silêncio perante o afundamento de Portugal. Zé do Povo Portugal

×