Figuras de som

2,492 views

Published on

Revisão Recuperação 7o Ano

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,492
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
277
Actions
Shares
0
Downloads
115
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Figuras de som

  1. 1. Figuras deLinguagemFiguras ligadas aoaspecto sonoro
  2. 2. Recursos sonoros: Figuras de linguagem que investem nonível fonético. Aparecem na poesia e na prosa e, é claro,na música. O aluno deve perceber a implicaçãosemântica do uso desses recursos.
  3. 3. Aliteração: É a repetição de um fonema consonantal:Ex:“Leve véus velam nuvem vãs, a lua.”(Fernando Pessoa)
  4. 4. Assonância: É a repetição de um fonema vocálico(reiteração de vogal).Ex:“Desejo de ser eu mesmo de meu ser medeu.” (Fernando Pessoa)
  5. 5. Assonância:lá?ah!Sabiá...papá...maná...Sofá...sinhá...cá?bah! (J. P. Paes)
  6. 6. Paronomásia: Consiste no emprego de palavrassemelhantes na grafia e/ou no som, masdiferentes ou opostos no sentido. Todo trocadilho se vale de paronomásia. Muito usada na publicidade.Ex: “Deve ser legal ser negão no Senegal”(Chico César)
  7. 7. Paronomásia:Sobre o sentar-/estar-no-mundo(A Fanor Cumplido Jr.)1 Onde quer que certos homens se sentem2 sentam poltrona, qualquer o assento.3 sentam poltrona: ou tábua-de-latrina,4 assento além de anatômico, ecumênico,5 exemplo único de concepção universal,6 onde cabe qualquer homem e a contento.
  8. 8. Paronomásia:1 Onde quer que certos homens se sentem2 sentam bancos ferrenhos de colégio;3 por afetuoso e diplomado o estofado,4 os ferem nós debaixo, senão pregos,5 e mesmo a tábua-de-latrina lhes nega6 o abaulado amigo, as curvas de afeto.7 A vida toda, se sentam mal sentados,8 e mesmo de pé algum assento os fere:9 eles levam em si os nós-senão-pregos,10 nas nádegas da alma, em efes e erres.(J.C. de Melo Neto, A educação pela pedra, 1968)
  9. 9. Onomatopéia: Consiste no emprego de palavras quereproduzem sons da natureza, de animais, deobjetos.Ex: Vozes na noiteCloc cloc clocSaparia no brejo?Não, são os quatro cãezinhos policiaisbebendo água.(Manuel Bandeira)
  10. 10. Onomatopéia:“A língua do nhemHavia uma velhinhaQue andava aborrecidaPois dava a sua vidaPara falar com alguémE estava sempre em casaA boa velhinhaResmungando sozinha:Nhem-nhem-nhem-nhem-nhem..."(Cecília Meireles)
  11. 11. Onomatopéia: “ Não obstante expediente universal epermanente, a onomatopéia tornou-se modadurante a hegemonia do Simbolismo, a pontode atribuir-se a cada vogal uma carga sonora,correspondente a um instrumento: A – orgão E – harpa I – violino O – metais U – flauta”(Maussad Moisés, Dicionário de termos literários)
  12. 12. ATENÇÃO: Em certos textos, a aliteração e aassonância criam efeitos onomatopaicos,ou seja, as consoantes são utilizadas parareproduzir certos sons:“Em tempo de tormenta e vento esquivo,De tempestade escura e triste pranto”(Camões, Os lusíadas)
  13. 13. Compreendendo osrecursos sonoros:“Vozes veladas, veludosas vozes,Volúpias dos violões, vozes veladas,Vagam nos velhos vórtices velozesDos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.”(Cruz e Sousa)
  14. 14. Compreendendo osrecursos sonoros:[...] Num tempoPágina infeliz da nossa históriaPassagem desbotada na memóriaDas nossas novas geraçõesDormiaA nossa pátria mãe tão distraídaSem perceber que era subtraídaEm tenebrosas transações [...] (Buarque, Chico e Hime, Francis, Vai passar)
  15. 15. Compreendendo osrecursos sonoros:A ondaa onda andaaonde andaa onda?a onda aindaainda ondaainda andaaonde?aonde?a onda a onda (Manuel Bandeira)
  16. 16. Compreendendo osrecursos sonoros:Rio na sombra O frioSom bomfrio. do longo rio.Rio Tão longe,sombrio. tão bom,tão frioO longo som o claro somdo rio do riofrio. sombrio!(Cecília Meireles)
  17. 17. Compreendendo osrecursos sonoros: “Ao final do processo de reciclagem, aquele lixo delata vira lata de luxo, embalando as bebidas quetodo mundo gosta, das marcas que todo mundopode confiar.” “Um jornal era isso, o sobressalto da novidade e agarantia de que a nossa rotina continuava.Simultaneamente um espalhafato – um espalhafatos – e um repetidor das nossas confortáveisbanalidades municipais.” (L. F. Veríssimo, OEstado de S. Paulo)
  18. 18. Compreendendo osrecursos sonoros:CigarraDiamante. Vidraça.Arisca, áspera asa riscaO ar. E brilha. E passa(Guilherme de Almeida)
  19. 19. ATENÇÃO: O uso de tais recursos em situaçãoimprópria pode ser defeito de estilo.ECO: Dissonância produzida pela ocorrênciade terminações iguais ou semelhantes.Ex: “O Biodiesel promete e o Brasil investe”(dissertação de aluno)
  20. 20. ECO:Ex:“A constante presença do declarante torna-oparticipante e principal integrante do grupode meliantes.”“Geralmente, ninguém mostra claramente oque é intimamente”“Foi ao casamento sem o meu consentimento”
  21. 21. CACÓFATO: Trata-se do mau som resultante da junçãode duas ou mais palavras.Ex: “Nunca gasta além do necessário”“O estudantes cantaram nosso hino”“Acho linda a boca dela”
  22. 22. Hiato: É o efeito dissonante produzido por umaseqüência ininterrupta de vogais.Ex: “Ou eu o ouço, ou não saberei o quedizer.”

×