Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Slides NBR ISO/IEC 9126-1

9,749 views

Published on

Seminário sobre NBR ISO/IEC 9126-1 apresentado à Faculdade Anhanguera Unidade Limeira, na disciplina de Engenharia de Software, do curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas Web.

Published in: Technology, Business
  • Muito interessante colaborando bastante para auxílio em monografia
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Slides NBR ISO/IEC 9126-1

  1. 1. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN Faculdade Anhanguera de Limeira Desenvolvimento de Sistemas para a Web Módulo 2 - Engenharia de Software Prof. Renato Cividini Matthiesen NBR ISO/IEC 9126-1 Cláudio Maesi Evandro Santaclara Luis André Claudiano Paulo William A NBR 13596 foi substituída por duas séries de normas: - NBR ISO/IEC 9126 – Qualidade do produto de software - NBR ISO/IEC 14598 – Avaliação de produto de software ISO: The International Standardization Organization, fundada em 1947, coordena o trabalho de 127 países membros para promover a padronização de normas técnicas em âmbito mundial IEC: The International Electrotechnical Commission, fundada em 1906, conta com mais de 50 países e publica normas internacionais relacionadas com eletricidade, eletrónica e áreas relacionadas
  2. 2. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN A ISO/IEC 9126 é composta das seguintes partes: - ISO/IEC 9126-1: Modelo de Qualidade - ISO/IEC 9126-2: Métricas Externas - ISO/IEC 9126-3: Métricas Internas - ISO/IEC 9126-4: Métricas de Qualidade em Uso !quot;# !quot; $ % # ! !quot;
  3. 3. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN O Modelo de Qualidade divide-se em duas partes: 1- Qualidade interna e externa 2- Qualidade no uso - A primeira parte define 6 características que são divididas em subcaracterísticas. Estas subcaracterísticas são externas quando o software é usado como parte de um sistema de computadores, e são resultado de atributos interno do software. - A segunda parte divide-se em 4 características de utilização. São os efeitos da combinação das 6 características anteriores. & # $ % & quot; +( ,%+ * +( ,%+ * +( ,%+ * $ % # ! !quot; !quot; !quot; !quot; !quot; -% # ! !quot; -% # ! !quot; -% # ! !quot; '( )quot;** .+quot;(. quot;/+quot;(. . %* .+quot;/+ * !quot; %* ! quot;
  4. 4. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN # $ % & quot; ! quot; && quot;quot; ! quot; '' * quot; 4quot;quot;!, )5 !! && quot;quot; ! quot; # ! 23 ! quot; ! ! & quot; & quot; ! quot; quot;( 1 ) 23 ! quot; 0 & quot; - Conjunto de características do produto de software que avaliam o produto segundo uma visão interna - Usados para definir estratégias de desenvolvimento e critérios para avaliação e verificação durante todo o desenvolvimento 6
  5. 5. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; - Conjunto de características do produto de software que avaliam o produto segundo uma visão externa - Qualidade quando o software é executado - Avaliado através de testes em ambientes simulados & quot; ( ) - Visão do utilizador sobre a qualidade do produto quando em uso num ambiente especifico dentro de um contexto de utilização - É medida em relação ao resultado da utilização do software e não em relação a características do produto - Representa o efeito combinado da qualidade externa e interna
  6. 6. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN quot; & quot; $ % # ! !quot; /+quot;(. quot; .+quot;(. Funcionalidade Confiabilidade Usabilidade Eficiência Manutenibilidade Portabilidade - Maturidade - Inteligibilidade -Comportamento - Analisabilidade - Adaptabilidade - Adequação Adequaç - Tolerância a - Apreensibilidade em relação ao relaç - Modificabilidade - Capacidade - Acurácia Acurá falha - Operacionabilidade tempo - Estabilidade para ser instalado - Interoperabilidade - Recuperabilidade - Atratividade - Utilização de Utilizaç - Testabilidade - Coexistência - Segurança de Seguranç - Conformidade - Conformidade recursos - Conformidade - Testabilidade] Testabilidade] Acesso relacionada à relacionada à - Conformidade relacionada à - Capacidade para - Conformidade confiabilidade usabilidade relacionada à manutenibilidade substituir relacionada à eficiência - Conformidade funcionalidade relacionada à portabilidade & quot; 1- Funcionalidade Conjunto de funções que atendem às necessidades para a finalidade a que o produto se destina 1.1 - Adequação Possuir um conjunto apropriado de funções para realizar as tarefas especificadas 1.2 – Acurácia Prover com grau de precisão necessário, resultados ou efeitos corretos ou conforme acordados 1.3 – Interoperabilidade Capacidade de interagir com um ou mais sistemas especificados 1.4 - Segurança de acesso Proteger informações e dados, de forma que pessoas ou sistemas não autorizados não possam lê-los nem modificá-los e que não seja negado o acesso às pessoas ou sistemas autorizados. 1.5 - Conformidade relacionada à funcionalidade Estar de acordo com normas, convenções ou regulamentações relacionadas à funcionalidade
  7. 7. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; 2- Confiabilidade O desempenho mantêm-se ao longo do tempo nas condições estabelecidas 2.1- Maturidade Evitar falhas decorrentes de defeitos no software - 2.2 - Tolerância a falhas Manter um nível de desempenho especificado em caso de falha 2.3 - Recuperabilidade Restabelecer o nível de desempenho e recuperar dados 2.4 - Conformidade relacionada à confiabilidade Estar de acordo com normas, convenções ou regulamentações relacionadas à confiabilidade & quot; 3- Usabilidade Capacidade do software ser compreendido, aprendido, operado e atraente ao usuário, quando usado sob condições especificadas. 3.1- Inteligibilidade Possibilitar ao usuário compreender se o software é apropriado e como ele pode ser usado para tarefas e condições de uso específicas. 3.2 - Apreensibilidade Possibilitar ao usuário aprender sua aplicação. 3.3 - Operacionalidade Possibilitar ao usuário operá-lo e controlá-lo 3.4 - Atratividade Ser atraente ao usuário 3.5 – Conformidade relacionada à usabilidade Estar de acordo com normas, convenções, guias de estilo ou regulamentações relacionadas à usabilidade.
  8. 8. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; 4- Eficiência Apresentar desempenho apropriado, relativo à quantidade de recursos usados, sob condições especificadas 4.1- Comportamento em relação ao tempo Fornecer tempos de resposta e de processamento, além de taxas de transferência, apropriados, quando o software executa suas funções, sob condições estabelecidas. 4.2 – Utilização de Recursos Usar tipos e quantidades apropriados de recursos, quando o software executa suas funções sob condições estabelecidas. 4.3 – Conformidade relacionada à eficiência Estar de acordo com normas e convenções relacionadas à eficiência. & & quot; 5- Manutenibilidade Capacidade de ser modificado. As modificações podem incluir correções, melhorias ou adaptações devido a mudanças no ambiente e nos seus requisitos. 5.1- Analisabilidade Permitir o diagnóstico de deficiência ou causa de falhas no software, ou a identificação de partes a serem modificadas. 5.2 – Modificabilidade Permitir que uma modificação especificada seja implementada. 5.3 – Estabilidade Evitar efeitos inesperados decorrentes de modificações no software. 5.4 – Testabilidade Permitir que o software, quando modificado, seja validado 5.5 – Conformidade relacionada à manutenibilidade Estar de acordo com normas ou convenções relacionadas à manutenibilidade.
  9. 9. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN & quot; 6- Portabilidade Capacidade do produto de software de ser transferido de um ambiente para outro. 6.1- Adaptabilidade Ser adaptado para diferentes ambientes especificados, sem necessidade de aplicação de outras ações ou meios além daqueles fornecidos para essa finalidade. 6.2 – Capacidade de ser instalado Ser instalado em um ambiente especificado. 6.3 – Coexistência Coexistir com outros produtos de software independentes, em um ambiente comum, compartilhando recursos comuns. 6.4 – Capacidade para substituir Ser usado em substituição a outro produto de software especificado, com o mesmo propósito e no mesmo ambiente. 6.5 – Conformidade relacionada à portabilidade Estar de acordo com normas ou convenções relacionadas à portabilidade. 0 quot; & quot; ( ) 6
  10. 10. FACULDADE ANHANGUERA DE LIMEIRA – ENGENHARIA DE SOFTWARE – PROF. RENATO CIVIDINI MATTHIESEN quot; & quot; ( ) 7- Qualidade em uso Capacidade de permitir que usuários especificados atinjam metas especificadas com eficácia, produtividade, segurança e satisfação em contextos de uso especificados. 7.1- Eficácia Permitir que usuários atinjam metas especificadas com acuária e complenitude, em um contexto de uso especificado. 7.2 – Produtividade Permitir que seus usuários empreguem quantidade apropriada de recursos em relação à eficácia obtida, em um contexto de uso especificado. 7.3 – Segurança Apresentar níveis aceitáveis de riscos de danos a pessoas, negócios, software, propriedades ou ao ambiente, em um contexto especificado. 7.4 – Satisfação Satisfazer usuários, em um contexto de uso especificado. Referência 1- NBR ISO/IEC 9126-1 Engenharia de Software – Qualidade de produto. Parte 1: Modelo de qualidade

×