Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
ATRAÇÃO INTERPESSOAL: DAS PRIMEIRAS IMPRESSÕES AOS RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psico...
OS GRANDES ANTECEDENTES DA ATRAÇÃO <ul><li>Um dos determinantes mais simples da atração interpessoal é a  proximidade </li...
O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>O que é  o efeito da proximidade ? </li></ul><ul><li>As pessoas com as quais você tem um  ...
O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>Devido à  familiaridade,  ou ao  efeito da mera exposição , ele funciona </li></ul><ul><li...
O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>Na ausência de aspectos negativos, a familiaridade gera atração e simpatia </li></ul><ul><...
O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>“ Ao contrário da crença popular, não acredito que os amigos sejam  necessariamente  as pe...
SEMELHANÇA OU COMPLEMENTARIDADE? <ul><li>Somos mais atraídos por  pessoas que se parecem conosco  ou pelos  nossos opostos...
SIMPATIA RECÍPROCA <ul><li>O determinante mais importante de gostarmos da pessoa talvez seja a medida em que  acreditamos ...
EFEITOS DA ATRAÇÃO FÍSICA  <ul><li>Que importância tem a aparência física sobre as  primeiras impressões  de uma pessoa? <...
PADRÕES CULTURAIS DE BELEZA <ul><li>Forte papel da Publicidade (mídia) </li></ul><ul><li>O estereótipo “o que é belo é bom...
RECORDAÇÕES DA ATRAÇÃO INICIAL <ul><li>As pessoas parecem esperar que uma pessoa atraente faça alguma coisa para que elas ...
<ul><li>Os determinantes da atração discutidos até aqui dizem respeito a:  </li></ul><ul><li>Aspectos da Situação:  proxim...
TROCA SOCIAL E EQÜIDADE <ul><li>Passemos agora para às teorias de atração interpessoal que  reúnem em um todo esses difere...
TEORIA DA TROCA SOCIAL <ul><li>“ O amor, freqüentemente nada mais é do que uma  boa troca entre duas pessoas  que consegue...
TEORIA DA TROCA SOCIAL <ul><li>Histórias de relacionamentos nos embasam a ter expectativas de como serão nossos  relaciona...
TEORIA DA TROCA SOCIAL <ul><li>A satisfação com o relacionamento também depende da  percepção de probabilidade  de  substi...
TEORIA DA EQÜIDADE <ul><li>Alguns pesquisadores criticaram a teoria da troca social </li></ul><ul><li>Por desconsiderar a ...
TEORIA DA EQÜIDADE <ul><li>As partes sub-beneficiadas e super-beneficiadas deveriam ficar  contrafeitas  e  motivarem-se  ...
RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>Indo além das primeiras impressões </li></ul><ul><li>O que é o amor? </li></ul>
RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>Amor  Apaixonado  X   Amor   de  Companheirismo </li></ul>
<ul><li>Teoria Triangular do Amor </li></ul><ul><li>-   intimidade, paixão e compromisso </li></ul><ul><li>O compromisso c...
<ul><li>Teorias básicas para tentar compreender do amor que as pessoas têm e que orientam seus relacionamentos </li></ul><...
EROS  (EM GREGO: AMOR) <ul><li>Leva muito em consideração os  aspectos físicos,  se apaixona com r apidez </li></ul>
LUDUS  (EM LATIM: JOGO) <ul><li>Muito divertidos ao encarar o amor,  jogam.  Os  amantes lúdicos  não têm intenção de mago...
PRAGMA  (EM GREGO: NEGÓCIO) <ul><li>Amor realista , sensato, de pés no chão, os  amantes pragmáticos </li></ul>
ESTORGE  (EM GREGO: TERNURA) <ul><li>Evolui e se sustenta pela afeição, amor, amizade, carinho </li></ul>
MANIA  (EM GREGO: EXALTAÇÃO) <ul><li>Os  amantes maníacos  desenvolvem obsessão recíproca, ajustam-se ao estereótipo da no...
ÁGAPE  (EM GREGO: AMOR) <ul><li>Amor  sem egoísmo , doador, altruístico,  mais espiritual do que físico </li></ul>
O PAPEL DA CULTURA NA  DEFINIÇÃO DO AMOR <ul><li>Embora o amor seja, claro, uma  emoção humana  vivenciada em toda parte <...
O PAPEL DA CULTURA NA  DEFINIÇÃO DO AMOR <ul><li>Cultura Ocidental </li></ul>
O PAPEL DA CULTURA NA DEFINIÇÃO DO AMOR <ul><li>Cultura Oriental </li></ul>
AS CAUSAS DO AMOR <ul><li>Como o amor se desenvolve e é mantido?  Atração inicial, semelhanças, cultura? </li></ul>
TROCA SOCIAL E  RELACIONAMENTOS DE LONGA DURAÇÃO <ul><li>De acordo com a teoria da  troca social , se queremos que alguém ...
<ul><li>Apesar de insatisfeitos, muitos não abandonam seus/suas parceiras/os </li></ul><ul><li>Outro fator fundamental   p...
<ul><li>Tudo o que a pessoa  aplica em um relacionamento  e  perderá romper essa segurança familiar tradicional </li></ul>
EQÜIDADE EM  RELACIONAMENTOS DE LONGA DURAÇÃO <ul><li>Em relações mais comunais, familiares, menos tende a se esperar o “t...
<ul><li>As interações entre novos conhecidos são levadas mais pela eqüidade,  relacionamentos de troca </li></ul><ul><li>C...
EXPLICAÇÕES EVOLUCIONÁRIAS DO AMOR <ul><li>Terá o comportamento humano evoluído por caminhos específicos para maximizar o ...
<ul><li>A procriação para as fêmeas  =>  despende de muita  energia, tempo, esforço </li></ul><ul><li>Para os homens,  não...
ESTILOS DE APEGO E  RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>Os  tipos de laços  que formamos cedo na vida influenciam os tipos de ...
ESTILO DE APEGO SEGURO
ESTILO DE APEGO ESQUIVO
ESTILO DE APEGO AMBIVALENTE
OS RELACIONAMENTOS COMO  PROCESSO INTERPESSOAL <ul><li>Dialética Relacional   =>  os relacionamentos estão sempre em estad...
O FIM DOS RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>O rompimento sempre é um processo </li></ul>
<ul><li>São basicamente quatro estágios pelos quais passamos ao terminar um relacionamento: </li></ul><ul><ul><li>Intrapes...
<ul><li>A partir da teoria da troca social, é formulada uma  tipologia de quatro tipos de comportamentos  vista em relacio...
<ul><li>Esses quatro tipos de comportamento diferem em duas dimensões </li></ul><ul><li>Quanto  são  destrutivos ou constr...
A EXPERIÊNCIA DO ROMPIMENTO <ul><li>Em um relacionamento romântico, se parece que o parceiro ou a parceira está inclinado(...
OBRIGADA!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Atração Interpessoal

ARONSON, E.; WILSON, T.D. & AKERT, R. M. (2002). Psicologia Social. 3ª ed. Rio de Janeiro: LTC.
Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Disciplina: Psicologia Social II
Professora: Doutora Adriana B. Pereira
Monitora: Alice Canuto
11/maio/2010

  • Be the first to comment

Atração Interpessoal

  1. 1. ATRAÇÃO INTERPESSOAL: DAS PRIMEIRAS IMPRESSÕES AOS RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Social II Professora: Doutora Adriana Bernardes Pereira Monitora: Alice de Alencar Arraes Canuto
  2. 2. OS GRANDES ANTECEDENTES DA ATRAÇÃO <ul><li>Um dos determinantes mais simples da atração interpessoal é a proximidade </li></ul>
  3. 3. O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>O que é o efeito da proximidade ? </li></ul><ul><li>As pessoas com as quais você tem um maior contato , têm maior probabilidade de tornarem-se seus/suas amigos(as) </li></ul><ul><li>Seus vizinhos, suas companhias na sala, os lugares que freqüenta te levam a conhecer determinados tipos de pessoas </li></ul>
  4. 4. O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>Devido à familiaridade, ou ao efeito da mera exposição , ele funciona </li></ul><ul><li>Quanto mais exposto estamos ao estímulo , torna-se mais provável gostarmos dele </li></ul>
  5. 5. O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>Na ausência de aspectos negativos, a familiaridade gera atração e simpatia </li></ul><ul><li>Mesmo pela internet, chats, e-mails </li></ul>
  6. 6. O EFEITO DA PROXIMIDADE <ul><li>“ Ao contrário da crença popular, não acredito que os amigos sejam necessariamente as pessoas de quem gostamos mais. Eles são simplesmente as pessoas que chegaram primeiro” </li></ul><ul><li>Sir Peter Ustinov, 1977 </li></ul>
  7. 7. SEMELHANÇA OU COMPLEMENTARIDADE? <ul><li>Somos mais atraídos por pessoas que se parecem conosco ou pelos nossos opostos? </li></ul><ul><li>Desacordos em atitudes nos leva a repulsa </li></ul><ul><li>Pessoas semelhantes nos proporciona segurança </li></ul>
  8. 8. SIMPATIA RECÍPROCA <ul><li>O determinante mais importante de gostarmos da pessoa talvez seja a medida em que acreditamos que ela gosta de nós </li></ul>
  9. 9. EFEITOS DA ATRAÇÃO FÍSICA <ul><li>Que importância tem a aparência física sobre as primeiras impressões de uma pessoa? </li></ul>
  10. 10. PADRÕES CULTURAIS DE BELEZA <ul><li>Forte papel da Publicidade (mídia) </li></ul><ul><li>O estereótipo “o que é belo é bom” </li></ul>
  11. 11. RECORDAÇÕES DA ATRAÇÃO INICIAL <ul><li>As pessoas parecem esperar que uma pessoa atraente faça alguma coisa para que elas possam interpretar como afeição , a esperança sem fim </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Os determinantes da atração discutidos até aqui dizem respeito a: </li></ul><ul><li>Aspectos da Situação: proximidade, exposição repetida </li></ul><ul><li>Atributos do Indivíduo: atração física, semelhança, auto-estima </li></ul><ul><li>Comportamento do Indivíduo: o portador da simpatia </li></ul>
  13. 13. TROCA SOCIAL E EQÜIDADE <ul><li>Passemos agora para às teorias de atração interpessoal que reúnem em um todo esses diferentes fenômenos </li></ul>
  14. 14. TEORIA DA TROCA SOCIAL <ul><li>“ O amor, freqüentemente nada mais é do que uma boa troca entre duas pessoas que conseguem o máximo que podem esperar, considerando seu valor no mercado da personalidade” (Erich Fromm, 1955) </li></ul><ul><li>Como o indivíduo se sente nos relacionamentos: quanto mais benefícios sociais (e quanto menores os nossos custos ), mais gostamos da outra pessoa </li></ul>
  15. 15. TEORIA DA TROCA SOCIAL <ul><li>Histórias de relacionamentos nos embasam a ter expectativas de como serão nossos relacionamentos </li></ul><ul><li>(variável: nível de comparação) </li></ul>
  16. 16. TEORIA DA TROCA SOCIAL <ul><li>A satisfação com o relacionamento também depende da percepção de probabilidade de substituí-lo por outro melhor: </li></ul><ul><li>nível de comparação para alternativas </li></ul>
  17. 17. TEORIA DA EQÜIDADE <ul><li>Alguns pesquisadores criticaram a teoria da troca social </li></ul><ul><li>Por desconsiderar a variável da Eqüidade: </li></ul><ul><li>Há uma preocupação de que os benefícios e os custos experimentados sejam aproximadamente iguais aos benefícios e custos do outro </li></ul>
  18. 18. TEORIA DA EQÜIDADE <ul><li>As partes sub-beneficiadas e super-beneficiadas deveriam ficar contrafeitas e motivarem-se a restabelecer a eqüidade no relacionamento </li></ul>
  19. 19. RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>Indo além das primeiras impressões </li></ul><ul><li>O que é o amor? </li></ul>
  20. 20. RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>Amor Apaixonado X Amor de Companheirismo </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Teoria Triangular do Amor </li></ul><ul><li>- intimidade, paixão e compromisso </li></ul><ul><li>O compromisso consiste em duas decisões: </li></ul><ul><li>Curto Prazo </li></ul><ul><li>- que você ama seu parceiro </li></ul><ul><li>Longo Prazo </li></ul><ul><li>- manter esse amor e permanecer com o parceiro </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Teorias básicas para tentar compreender do amor que as pessoas têm e que orientam seus relacionamentos </li></ul><ul><li>Estilos de Amor </li></ul>
  23. 23. EROS (EM GREGO: AMOR) <ul><li>Leva muito em consideração os aspectos físicos, se apaixona com r apidez </li></ul>
  24. 24. LUDUS (EM LATIM: JOGO) <ul><li>Muito divertidos ao encarar o amor, jogam. Os amantes lúdicos não têm intenção de magoar mas também não levam muito a sério </li></ul>
  25. 25. PRAGMA (EM GREGO: NEGÓCIO) <ul><li>Amor realista , sensato, de pés no chão, os amantes pragmáticos </li></ul>
  26. 26. ESTORGE (EM GREGO: TERNURA) <ul><li>Evolui e se sustenta pela afeição, amor, amizade, carinho </li></ul>
  27. 27. MANIA (EM GREGO: EXALTAÇÃO) <ul><li>Os amantes maníacos desenvolvem obsessão recíproca, ajustam-se ao estereótipo da nossa cultura sobre o “amor romântico” </li></ul>
  28. 28. ÁGAPE (EM GREGO: AMOR) <ul><li>Amor sem egoísmo , doador, altruístico, mais espiritual do que físico </li></ul>
  29. 29. O PAPEL DA CULTURA NA DEFINIÇÃO DO AMOR <ul><li>Embora o amor seja, claro, uma emoção humana vivenciada em toda parte </li></ul><ul><li>A cultura , de fato, desempenha um papel no modo como as pessoas classificam suas experiências, no que esperam e toleram </li></ul><ul><li>A definição de amor, varia segundo a cultura </li></ul>
  30. 30. O PAPEL DA CULTURA NA DEFINIÇÃO DO AMOR <ul><li>Cultura Ocidental </li></ul>
  31. 31. O PAPEL DA CULTURA NA DEFINIÇÃO DO AMOR <ul><li>Cultura Oriental </li></ul>
  32. 32. AS CAUSAS DO AMOR <ul><li>Como o amor se desenvolve e é mantido? Atração inicial, semelhanças, cultura? </li></ul>
  33. 33. TROCA SOCIAL E RELACIONAMENTOS DE LONGA DURAÇÃO <ul><li>De acordo com a teoria da troca social , se queremos que alguém goste de nós, temos também que lhe dar algo em troca </li></ul><ul><li>Baseado em pesquisas, descobriu-se alguns dados que indicam que os benefícios sempre são importantes, mas os custos tornam-se cada vez mais importantes no passar do tempo </li></ul>
  34. 34. <ul><li>Apesar de insatisfeitos, muitos não abandonam seus/suas parceiras/os </li></ul><ul><li>Outro fator fundamental para compreender os relacionamentos íntimos: </li></ul><ul><li>O Nível de Investimento do indivíduo no relacionamento : Modelo de Investimento </li></ul>
  35. 35. <ul><li>Tudo o que a pessoa aplica em um relacionamento e perderá romper essa segurança familiar tradicional </li></ul>
  36. 36. EQÜIDADE EM RELACIONAMENTOS DE LONGA DURAÇÃO <ul><li>Em relações mais comunais, familiares, menos tende a se esperar o “troco social” </li></ul>
  37. 37. <ul><li>As interações entre novos conhecidos são levadas mais pela eqüidade, relacionamentos de troca </li></ul><ul><li>Contudo, quanto mais nós conhecemos alguém, mais relutamos em acreditar que estamos simplesmente trocando favores </li></ul>
  38. 38. EXPLICAÇÕES EVOLUCIONÁRIAS DO AMOR <ul><li>Terá o comportamento humano evoluído por caminhos específicos para maximizar o sucesso na procriação? </li></ul><ul><li>Ao longo tempo da história, diferentes papéis foram sendo atribuídos ao homem e a mulher </li></ul>
  39. 39. <ul><li>A procriação para as fêmeas => despende de muita energia, tempo, esforço </li></ul><ul><li>Para os homens, não há tantos custos </li></ul><ul><li>Animais machos fariam o melhor procurando acasalar freqüentemente com muitas fêmeas </li></ul><ul><li>X </li></ul><ul><li>E a s fêmeas, acasalar raramente apenas com um macho selecionado </li></ul>
  40. 40. ESTILOS DE APEGO E RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>Os tipos de laços que formamos cedo na vida influenciam os tipos de relacionamentos que temos como adultos </li></ul>
  41. 41. ESTILO DE APEGO SEGURO
  42. 42. ESTILO DE APEGO ESQUIVO
  43. 43. ESTILO DE APEGO AMBIVALENTE
  44. 44. OS RELACIONAMENTOS COMO PROCESSO INTERPESSOAL <ul><li>Dialética Relacional => os relacionamentos estão sempre em estado de fluidez </li></ul><ul><li>Devido a existência de forças opostas de </li></ul><ul><ul><li>Autonomia / conexão </li></ul></ul><ul><ul><li>Novidade / previsibilidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Abertura / fechamento </li></ul></ul>
  45. 45. O FIM DOS RELACIONAMENTOS ÍNTIMOS <ul><li>O rompimento sempre é um processo </li></ul>
  46. 46. <ul><li>São basicamente quatro estágios pelos quais passamos ao terminar um relacionamento: </li></ul><ul><ul><li>Intrapessoal – pensa muito sobre ele estar insatisfeito </li></ul></ul><ul><ul><li>Diádico – discute o rompimento com o/a parceiro(a) </li></ul></ul><ul><ul><li>Social – anuncia-se o rompimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Intrapessoal , novamente – o indivíduo recupera-se do rompimento e produz explicações/versões de como e por que isso aconteceu </li></ul></ul>
  47. 47. <ul><li>A partir da teoria da troca social, é formulada uma tipologia de quatro tipos de comportamentos vista em relacionamentos perturbados: </li></ul><ul><ul><li>Saída – machucar/terminar propositalmente </li></ul></ul><ul><ul><li>Voz – de maneira ativa tentar melhorar a relação </li></ul></ul><ul><ul><li>Lealdade – de modo passivo mas otimista esperar que as condições melhorem </li></ul></ul><ul><ul><li>Esquecimento – recusa aos problemas, permitir que passivamente as condições se deteriorem </li></ul></ul>
  48. 48. <ul><li>Esses quatro tipos de comportamento diferem em duas dimensões </li></ul><ul><li>Quanto são destrutivos ou construtivos </li></ul><ul><li>Os comportamentos destrutivos (saída ou negligência) machucam muito mais </li></ul><ul><li>E quanto são ativos ou passivos </li></ul><ul><li>Os comportamentos construtivos (voz ou lealdade) a fim de salvar o relacionamento </li></ul>
  49. 49. A EXPERIÊNCIA DO ROMPIMENTO <ul><li>Em um relacionamento romântico, se parece que o parceiro ou a parceira está inclinado(a) a terminar, tente fazer isso a dois </li></ul><ul><li>E a amizade construída não precisa ser destruída, ao contrário: tentar ser preservada </li></ul>
  50. 50. OBRIGADA!

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • SandraMontanha1

    Nov. 22, 2012
  • rubensooriginal

    Aug. 17, 2014
  • FabioMoraes14

    May. 26, 2015
  • NatalirdesNevesdeBot

    Mar. 20, 2016
  • nathaliacamargo33

    Jun. 17, 2016
  • Flviajeremias

    Sep. 27, 2016
  • NdiaLeito

    Nov. 5, 2016
  • EllenKarine1

    Nov. 10, 2017
  • MariaElviraSilveiraG

    Jun. 28, 2018
  • FbiaRosa

    Jun. 1, 2020

ARONSON, E.; WILSON, T.D. & AKERT, R. M. (2002). Psicologia Social. 3ª ed. Rio de Janeiro: LTC. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Disciplina: Psicologia Social II Professora: Doutora Adriana B. Pereira Monitora: Alice Canuto 11/maio/2010

Views

Total views

20,278

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

5,211

Actions

Downloads

489

Shares

0

Comments

0

Likes

10

×