Revisão para enem 2011

3,740 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Revisão para enem 2011

  1. 1. REVISÃO ENEM 2011<br />ALFREDO ROSENDO<br />
  2. 2. ECO 92 – Cúpula da Terra – Rio 92 RIO DE JANEIRO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (AGENDA 21)<br />1997 – PROTOCOLO DE KYOTO<br />RIO + 10 (2002) JOHANNESEBURGO <br /> II cúpula mundialsobre o desenvolvimento sustentável (AGENDA 21)<br />
  3. 3. "Agenda 21"<br />"Agenda 21" é um programa de ação para viabilizar a adoção do desenvolvimento sustentável e ambientalmente racional em todos os países. <br />
  4. 4. Dimensões Sociais e Econômicas<br />Cooperação Internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento.<br />Combate à Pobreza.<br />Mudança dos Padrões de Consumo.<br />Dinâmica Demográfica e Sustentabilidade.<br />Proteção e Promoção das Condições da Saúde Humana.<br />Promoção do desenvolvimento sustentável dos assentamentos humanos<br />Integração entre Meio Ambiente e Desenvolvimento na Tomada de Decisões<br />
  5. 5. Tempo atmosférico e clima<br />Deslocamentos de massas de ar<br />Tempo atmosférico<br />O clima é uma combinação duradoura dos elementos temperatura, pressão e umidade.<br />
  6. 6. Classificação das massas de ar<br />
  7. 7. Zona polar de alta pressão<br />Ventos polares<br />Os deslocamentosdas massas de ar<br />60°<br />Zona subpolar de baixa pressão<br />Zona dos ventos de oeste<br />Zona subtropical de alta pressão e com ventos variáveis<br />30°<br />Ventos alísios do nordeste<br />Baixa pressão<br />Zona de convergência intertropical<br />0°<br />Ventos alísios do sudeste<br />30°<br />Zona subtropical de alta pressão com ventos variáveis<br />Zona dos ventos de oeste<br />Zona subpolar de baixa pressão<br />60°<br />Circulação geral do ar sobre a Terra<br />Ventos polares<br />Zona polar de alta pressão<br />
  8. 8. Frentes frias e frentes quentes<br />Parte da umidadeda porção superior das nuvens transforma-se em gelo.<br />Nas camadas altas, os ventos empurrama parte superior das nuvens.<br />Ar quenteem ascensão<br />Ao longo<br />da superfície<br />frontal podem ocorrer<br />chuvas e ventos fortes.<br />Após a ocorrência<br />de chuvas fortes, sobrevêm chuvas fracas.<br />
  9. 9. OBSERVE COM ATENÇÃO<br />Fatores climáticos<br />latitude<br />
  10. 10. ALTITUDE<br />
  11. 11. Maritimidade e Continentalidade<br /><ul><li>Continentalidade: diminuição das influências marítimas sobre as condições climáticas (temperatura, umidade etc.) em direção ao interior de um continente
  12. 12. Maritimidade:influência dos mares e oceanos sobre o conjunto de características climáticas</li></li></ul><li>Ação Antrópica<br />
  13. 13.
  14. 14. Aquecimento Global<br />
  15. 15. Efeito Estufa<br />
  16. 16. Países recordes na emissão de Gás Carbônico<br /><ul><li>EUA
  17. 17. União Européia
  18. 18. Rússia</li></ul>Índice Brasileiro<br />menos de 4% do total americano<br />
  19. 19.
  20. 20.
  21. 21. Resfriamento Global<br />“O aquecimento global não passa de uma farsa montada por grandes grupos financeiros que dominam a economia mundial. E mais: não há indícios científicos que comprovem essa teoria.(...)”<br />Ao invés de aquecimento, o planeta começou a entrar numa fase de resfriamento, que deve durar 20 anos.<br />O autor da polêmica idéia, também defendida por poucos estudiosos é o doutor em Meteorologia pela Universidade de Wisconsin (EUA) e representante da América Latina junto à Organização Meteorológica Mundial, o brasileiro Luiz Carlos Baldicero Molion. <br />
  22. 22. Pacífico<br />O termômetro da temperatura global é o oceano Pacífico, que ocupa 35% da superfície terrestre. Ele passa 30 anos aquecendo suas águas e outros 30, resfriando.<br />De 1977 a 1998, o oceano esteve mais quente. Esse período coincide com o aumento da temperatura média do planeta. Mas, desde 1999, o Pacífico dá sinais de que está esfriando.<br />“(...) de acordo com as análises efetuadas, Carter concluiu que o 'aquecimento global' atingiu o pico em 1998. Desde então, há uma tendência de queda das temperaturas médias do planeta.(...)”<br />
  23. 23.
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27. Água - A energia da vida<br />Água Doce, Recurso Escasso<br />Em 2025, 1 bilhão de pessoas no mundo não terão água potável para consumir, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS)<br />
  28. 28. Aquífero Guarani<br />
  29. 29. A Q U Í F E R O G U A R A N I<br />O Aquífero Guarani, antigamente chamado de Aquífero Gigante do Mercosul, é talvez o maior manancial de água doce subterrânea trans-fronteiriço do mundo que engloba quatro países: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. <br />Suas águas ocorrem preenchendo espaços (poros e fissuras de rochas que se convencionaram denominar guarani). <br />
  30. 30. Matriz Energética<br />
  31. 31. Matriz Energética Veicular - 2020<br />Matriz Energética Veicular - 2006<br />OUTROS<br /> 7%<br />BIODIESEL<br />0%<br />OUTROS<br />7%<br />BIODIESEL<br />5%<br />ÁLCOOL<br />13%<br />ÁLCOOL<br />19%<br />GNV<br />3%<br />ÓLEO DIESEL<br />51%<br />GNV<br />4%<br />ÓLEO DIESEL<br />41%<br />GASOLINA A<br />26%<br />GASOLINA A<br />24%<br />13,0 % renovável<br />24,0 % renovável<br />Fonte: BEN - Balanço Energético Nacional da EPE-Empresa de Pesquisa Energética – www.epe.gov.br<br />Matriz Energética Veicular<br />
  32. 32. Biodiesel<br /> Matérias-primas brasileiras<br />Fonte: CONAB (Abril/2004)<br />
  33. 33. Biodiesel<br />Motivação para o uso de Biodiesel <br /><ul><li>Fonte renovável
  34. 34. Combustível limpo
  35. 35. Crédito de carbono
  36. 36. Economia no uso do petróleo
  37. 37. Substituição da importação
  38. 38. Geração de emprego e renda</li></li></ul><li>BIODIESEL DO BRASIL<br />É URGENTE PORQUE É INCLUDENTE !!!<br />X<br />
  39. 39. PETRÓLEO<br />
  40. 40.
  41. 41. A GRANDE NOVIDADE...<br />As rochas pré-sal situam-se a mais de 5000 metros de profundidade e estendem-se do Espírito Santo a Santa Catarina.<br />
  42. 42. BIODIESEL<br />É um biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição por compressão ou, conforme regulamento, para a geração de outro tipo de energia que possa substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem fóssil <br />O fornecimento dos grãos de oleaginosas para as unidades experimentais de biodiesel gera emprego e renda para cerca de 2.500 famílias de agricultores<br />1 tonelada de biodiesel evita a emissão de 2,5 toneladas de CO2 para a atmosfera.<br />
  43. 43. ALCOOL<br />
  44. 44. PRÓ-ÁLCOOL<br />1970: CRISE MUNDIAL DO PETRÓLEO<br />(20% GASOLINA)<br />CRISE: PETRÓLEO FICA ESTÁVEL NO MUNDO<br /> e os subsídios do governam quebram<br />1980: AUGE<br />SÍMBOLO: MONZA<br />HOJE: VOLTA DO PRÓ-ÁLCOOL:<br />PROTOCOLO DE KYOTO<br />(SUSTENTABILIDADE)<br />E CARROS FLEX<br />
  45. 45. ETANOL<br /><ul><li> O Brasil é reconhecido mundialmente por seu pioneirismo na introdução de um biocombustível - o etanol (álcool etílico), produzido a partir da cana-de-açúcar - em sua matriz energética .
  46. 46. Ecológico, limpo e renovável, o etanol tem sido essencial para a autonomia energética do país.
  47. 47. Desde a década de 70, a Petrobras foi a principal responsável pelo sucesso do maior programa de utilização de combustível renovável no mundo, o Proálcool.
  48. 48. Esse projeto possibilitou a adição de 25% de etanol na gasolina, permitindo a retirada do chumbo e gerando grandes benefícios para o meio ambiente e para a sociedade brasileira </li></li></ul><li>ORIENTE MÉDIO<br />
  49. 49. ISRAEL X PALESTINA<br />1947 – Partilha da Palestina/Israel pela ONU<br />1948-49 – implantação do Estado de Israel / guerra contra árabes<br />1956 – Guerra de Suez pelo controle do canal contra o Egito<br />1967 – Guerra dos Seis Dias – ocupação de vários territórios por Israel (Cisjordânia, Faixa de Gaza, Sinai, colinas de Golan)<br />1973 – Guerra do Yom Kippur – choque do petróleo<br />Década de 1980 – primeira Intifada – “revolta das pedras” <br />1993-95 – assinatura de acordos de paz entre Israel e a OLP de Yasser Arafat – devolução gradual dos territórios palestinos<br />2001 – eleição de Ariel Sharon e paralisação das negociações; nova Intifada, seqüência de atentados terroristas.<br />2004 – morte de Arafat; indefinição do conflito<br />Problemas : Jerusalém, assentamentos judaicos, Estado Palestino<br />
  50. 50.
  51. 51. CLANDESTINIDADE HOJE<br />
  52. 52. A IMIGRAÇÃO CLANDESTINA: é o ato ou efeito de imigrar ilegalmente, ou seja, neste caso, sem a autorização dos governantes para onde se deseja imigrar .<br />
  53. 53.
  54. 54.
  55. 55.
  56. 56. Radiografia de um Brasil mais velho <br />
  57. 57. IDH<br />EDUCAÇÃO<br />SAÚDE<br />RENDA<br />Esperança<br />de Vida<br />PIB<br />(per capita)<br />Matrícula<br />Combinada<br />(3 níveis)<br />Taxa de<br />Alfabetização<br />PRINCÍPIOS NORTEADORES<br />FOCALIZAÇÃO PROGRAMÁTICA<br />
  58. 58.
  59. 59.
  60. 60.
  61. 61. URBANIZAÇÃO<br />Antes de 1850 – urbanização não se aplicava a nenhum país.<br />1900 – somente a Inglaterra se enquadrava nessa condição.<br />Os primeiros países a se urbanizarem foram justamente os que se industrializaram.<br />Pós-II Guerra – urbanização se expande aos países subdesenvolvidos.<br />Atualmente não se pode fazer a associação somente entre industrialização-urbanização. <br />
  62. 62. Alphavile<br />
  63. 63.
  64. 64. São medidas que visam a distribuir melhor as terras modificando o regime de sua posse e uso.<br />Tem intenção de atender aos princípios da justiça social e ao aumento de produtividade, conforme o estatuto da terra.<br />
  65. 65. AGRONEGÓCIO<br />definição de agronegócio: engloba todas as atividades do setor agrícola e pecuário e ainda as etapas de produção,exportação e comercialização dos produtos. <br />Importância desse setor para economia brasileira: representa 27% do PIB, 41% do total das exportações brasileiras e, ainda, o fato de o setor gerar cerca 37% de todo o emprego nacional.<br />
  66. 66. 11 de Setembro<br />
  67. 67. MORRE BIN LADEN 01/05/2011<br />
  68. 68. Políticas Mundiais: Os BRIC’s<br />
  69. 69. Políticas Mundiais: Os BRIC’s<br />OS BRIC’s<br />BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001 pelo economista Jim O´Neill, do grupo Goldman Sachs. O termo foi criado para designar os 4 (quatro) principais países emergentes do mundo, a saber: Brasil, Rússia, Índia e China.<br />
  70. 70. Políticas Mundiais: Os BRIC’s<br />
  71. 71. Os números ao lado indicam a importância desses países para o desenvolvimento da economia mundial e para o abastecimento alimentício e industrial de outros países. <br />
  72. 72. Políticas Mundiais: Os BRIC’s<br />Características comuns destes países:- Economia estabilizada recentemente;- Situação política estável;- Mão-de-obra em grande quantidade e em processo de qualificação;- Níveis de produção e exportação em crescimento;- Boas reservas de recursos minerais;- Investimentos em setores de infraestrutura (estradas, ferrovias, portos, aeroportos, usinas hidrelétricas, etc);- PIB (Produto Interno Bruto) em crescimento;- Índices sociais em processo de melhoria;- Diminuição, embora lenta, das desigualdades sociais;- Rápido acesso da população aos sistemas de comunicação, como, por exemplo, celulares e internet (inclusão digital);- Mercados de capitais (Bolsas de Valores) recebendo grandes investimentos estrangeiros;- Investimentos de empresas estrangeiras nos diversos setores da economia. <br />
  73. 73. Catástrofe no Japão<br />Terremotos Tsunamis Vazamento Nuclear<br />
  74. 74. A escala Richter : começa na magnitude 1 e não tem limite definido. Cada unidade de magnitude representa uma energia liberada dez vezes maior que o grau anterior. Terremotos que atingem ate a magnitude 2 são considerados microterremotos e praticamente não são sentidos. A partir das magnitudes entre 4 e 5 na escala Richter, um tremor já é suficientemente forte e libera tanta energia mecânica que pode ser detectado por instrumentos instalados em vários locais do planeta.<br />Sismógrafo<br />
  75. 75.
  76. 76. A escala de Mercalli: é uma escala qualitativa usada para determinar a intensidade de um sismo a partir dos seus efeitos sobre as pessoas e sobre as estruturas construídas e naturais. <br />
  77. 77.
  78. 78. Japão<br />O Anel de Fogo do Pacífico, assim designado devido à concentração de aparelhos vulcânicos ativos nesta faixa que contornam parcialmente o oceano Pacífico, é também caracterizado por intensa sismicidade. Na maior parte, esta sismicidade está associada às fossas abissais (representadas a azul), isto é, às zonas de subducção. Estas têm como expressão morfológica superficial não só as fossas, mas também os arcos vulcânicos paralelos a essas fossas, localizados nas placas subductantes. Por essa razão, embora não estejam assinalados no mapa, os arcos vulcânicos localizam-se sempre junto às fossas, mas do lado do continente<br />
  79. 79. Tragédia Anunciada<br />O Japão prepara-se há 3 décadas para o que os sismólogos previam ser o maior terremoto da história do país, com 8,4 pontos na escala RICHTER.<br />Na sexta-feira passada, ele ocorreu no fundo do mar, mas uma magnitude ainda maior: 8,9 pontos. Na progressão geométrica da escala Richter, a diferença de 0,5 ponto equivale à energia liberada por 58.500 bombas atômicas.<br />O que aconteceu:<br />1- A 24,4 Km abaixo do solo marítimo, a Placa do Pacífico chocou-se contra a Placa Norte-Americana, provocando um tremor de 8,9 pontos na escala Richter.<br />
  80. 80. 2- O movimento das placas fez com que a água do oceano imediatamente acima do Epicentro se deslocasse para o alto e, em seguida, para os lados, a uma velocidade de 700 a 800 km por hora.<br />3- Cinco minutos depois, onda de aproximadamente 10m de altura atingiram o litoral japonês, a apenas 130km de distância.<br />Obs: A infraestrutura japonesa resistiu bem aos tremores, mas não pôde evitar a destruição causada pelo tsunami<br />Terremotos mais Letais:<br />Sumatra Indonésia 26/12/2004 – 9,1 de magnitude –mortes 227.898<br />Sichuan, China 12/05/2008 - 7,9 de magnitude – mortes 87.587<br />Paquistão 8/10/2005 – 7,6 de magnitude – mortes 86.000<br />Irâ 20/06/1990 – 7,4 – mortes 50.000<br />Haiti 12/01/2010 – 7,0 – mortes 222.570<br />
  81. 81. Altura da Onda<br />O que é uma Tsunami?<br />
  82. 82. Apesar dos riscos, o Japão depende dos reatores. <br />Não existem poços de petróleo no Japão e as escassas reservas de fontes naturais são insuficientes para abastecer toda a energia consumida pelos 127,71 milhões de japoneses que vivem na ilha. Isso explica a importância da energia nuclear na política energética nacional.<br />Existem, atualmente, 52 usinas nucleares gerando energia. Cinco estão em construção e muitas outras estão em projeto. Elas constituem a principal fonte de produção de energia no Japão. Em termos de quantidade, o Japão só fica atrás dos Estados Unidos e França.<br />Apesar dos riscos que elas acarretam e o curto tempo de vida, as usinas nucleares ainda são uma saída para a geração de uma energia mais limpa, com menos emissão de gases que provocam o efeito estufa. <br />
  83. 83. O acidente nuclear ocorrido neste sábado (12) na central número 1 de Fukushima, no nordeste do Japão, foi avaliado no nível 4, numa escala que vai até 7, anunciou a Agência Japonesa de Segurança Nuclear e Industrial. <br />
  84. 84. Nuvem radioativa pode chegar à Rússia<br />A nuvem radioativa emitida por um reator nuclear acidentado neste sábado (12) na usina de Fukushima 1, no Japão, pode atingir a península Kamtchatka, na Rússia, em menos de 24 horas. A informação é de uma dirigente local do serviço de vigilância sanitária, citada pela agência de notícias russa Ria-Novosti.<br />Natalia Jdanova disse que a nuvem de partículas radioativas “deverá atingir logo a região”, em parte por causa DA DIREÇÃO DAS MASSAS DE AR E DA POUCA DISTÂNCIA ENTRE O LOCAL DO INCIDENTE E O EXTREMO LESTE DA RÚSSIA. A PENÍNSULA FICA A NORDESTE DO JAPÃO E DO ARQUIPÉLAGO RUSSO DE KURILES.<br />Segundo Jdanova, medições de radioatividade são realizadas de hora em hora em 28 estações de controle russas.<br />Rússia se prepara para risco nuclear<br />O primeiro-ministro russo Vladimir Putin ordenou neste sábado (12) a execução dos planos e meios de socorro e emergência na zona oriental da Rússia, informou a agência de notícias russa Ria-Novosti. O anúncio acontece em seguida ao incidente na usina nuclear de Fukushima, no Japão.<br />
  85. 85.
  86. 86.
  87. 87.
  88. 88.
  89. 89.
  90. 90.
  91. 91. Fotos da Tragédia Japonesa<br />
  92. 92.
  93. 93.
  94. 94. CRISE NOS EUA<br />
  95. 95. COMO TUDO COMECOU<br />
  96. 96.
  97. 97.
  98. 98.
  99. 99. Os protestos pró-democracia que se espalharam pelo mundo árabe ameaçam agora derrubar o ditador líbio Muammar Kaddafi. Quase 300 pessoas já morreram desde o início das manifestações na Líbia. Kaddafi, porém, está cada vez mais isolado. Ele enfrenta deserções em seu Exército e a pressão internacional para que deixe o cargo, que ocupa há 41 anos.<br />No último dia 22 de fevereiro, o Conselho de Segurança da ONU condenou o uso da violência contra os libaneses. Em pronunciamento na TV, Kaddafi disse que “morreria como um mártir”, e ameaçou reprimir os manifestantes<br />A Líbia é o quarto maior produtor de petróleo na África e tem o maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do continente. A riqueza, contudo, não é bem distribuída entre a população.<br />
  100. 100. Kaddafi chegou ao poder em 1969 por meio de um golpe de Estado. Nos anos 1980, financiou grupos terroristas, sofreu bombardeio americano e sanções da ONU. Na última década, se reaproximou dos Estados Unidos e da Europa. A atual crise no país mudou a situação favorável do país junto ao Ocidente.<br />
  101. 101. QUEM É KHADAFI<br />
  102. 102. África/Brasil<br />“EM QUE ESPELHO FICOU PERDIDA A MINHA FACE”<br />(Cecília Meireles)<br />

×