ELABORADO DE ACORDO COM O REFERENCIAL CURRICULAR                ESCOLA ESTADUAL LINO VILLACHÁ
             DO ENSINO MÉDIO...
CAMPO GRANDE, ABRIL DE 2010


            O VERBO FILOSOFAR PODE SER USADO COM TRÊS
                            SIGNIFICAD...
SUMÁRIO



APRESENTAÇÃO....................................................................................4
BIBLIOGRAFIA....
2.1.2.3. SINAIS OU SÍMBOLOS.............................................................25                               3...
de cada estudante. Introdução, do latim Intus (dentro) Ducere                REALE, G; ANTISERI, D. História da Filosofia....
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1997.                 qual o mundo vai permanecer tal e qual”2. Po...
caminho historicamente possível para a organização da vida em                              Vida natural de   Vida material...
ou como diria Paulo Freire: é preciso fazer primeiro a leitura do      •  Elaborar criticamente seu próprio pensar a parti...
nascer: é uma cosmologia. A palavra cosmologia é composta de                processos educativos que visem à transformação...
apresentar-se como neutra, escondendo interesses políticos ou
                                                            ...
Esta atividade é favorecida pelo diálogo filosófico, onde                      o que é a chuva? Lágrimas de anjos. Passou ...
divisões existentes na sociedade e na política, mostrando uma forma   philos que significa amigo, e sophon, que significa ...
Portanto filosofia é o que se pensa. Pensar o que somos e como                 conhecimento pode ser descrito como conheci...
poderíamos saber que existe, e que não teria para nós importância         não o esquema, que o substitua, mas ele próprio....
filosofia de vida de cada um resume o significado mais amplo que        idéias eram tomadas como atos de apreensão, transf...
árvore não estivesse sendo percebida. Mas este é um ponto                        são terrenos privilegiados e também objet...
um sistema religioso, sem corpo sacerdotal e sem livro sagrado,                 Há neste argumento algumas falácias que ti...
está em alguma mente, e que tudo o que é conhecido sem estar na        sagradas, não tendo quaisquer argumentos para supor...
O enigma proposto pela Esfinge era o seguinte: “Qual o animal      que poderia continuar se as mentes deixassem de existir...
(que põe em relevo o poder do pecado e a necessidade de                 suas andanças ele encontra um homem arrogante e o ...
racionais, portanto é preciso deixar bem claro que não se pretende                           Para os racionalistas, as idé...
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Livro primeiro ano de filosofia
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Livro primeiro ano de filosofia

15,927 views

Published on

0 Comments
18 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
15,927
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
613
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
18
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Livro primeiro ano de filosofia

  1. 1. ELABORADO DE ACORDO COM O REFERENCIAL CURRICULAR ESCOLA ESTADUAL LINO VILLACHÁ DO ENSINO MÉDIO / SED/MS OLÍVIO MANGOLIM VAMOS FILOSOFAR? OLÍVIO MANGOLIM “ENSAIOS DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA” OU Possui LICENCIATURA PLENA EM FILOSOFIA pela “DE COMO SE DEU A ELABORAÇÃO DO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (1981) PENSAMENTO RACIONAL” e CURSO INSTITUCIONAL DE TEOLOGIA pelo STUDIUM THEOLOGICUM agregado à PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (1985). É MESTRE em Educação pela UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO (1999). Atualmente é presidente do INSTITUTO TÉCNICO JURÍDICO E EDUCATIVO. Tem experiência na área de Educação, com CONTEÚDO PARA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO ênfase na Área de Concentração: EDUCAÇÃO ESCOLAR e FORMAÇÃO DE PROFESSORES, atuando principalmente nos seguintes temas: a questão indígena e o desenvolvimento regional, Educação Indígena, sociedade e “NÃO SE ENSINA FILOSOFIA, índios. É professor de Filosofia e Sociologia, Geografia e ENSINA-SE A FILOSOFAR” (KANT). História na Escola Estadual Lino Villachá do Bairro Nova Lima em Campo Grande/MS. olívio-m@hotmail.com ou olivio2009@gmail.com (067) 3354-9265 – (067) 9284-0544
  2. 2. CAMPO GRANDE, ABRIL DE 2010 O VERBO FILOSOFAR PODE SER USADO COM TRÊS SIGNIFICADOS DISTINTOS1: • Como simples sinônimo de pensar. Doenças ou morte de pessoas próximas, decepções, perdas irreparáveis... Fazem-nos pensar (filosofar) sobre o sentido de nossa vida. Mas este ainda não é o sentido pleno de filosofar. • Como sinônimo de “saber viver”. Aqui, filosofar é viver com sabedoria. O sábio é aquele que se torna um exemplo vivo das virtudes apreciadas em uma sociedade e é tomado como ponto de referência para fortalecer o valor das tradições vigentes. É nesse sentido que as sabedorias orientais são também chamadas “filosofias”. • Como “filosofar propriamente dito”, que teve início da Grécia, em torno dos séculos VI e V a.C. PARA OS FILÓSOFOS DE TODOS OS TEMPOS: A RAZÃO É O ÚNICO INSTRUMENTO PARA LER E INTERPRETAR A REALIDADE. FILOSOFAR É ENCONTRAR A VERDADE POR MEIO DA RAZÃO. 1 Cfr. Cassiano Cordi. O que é filosofar? – Do mito à razão. Em: Para Filosofar, 3 ed., São Paulo: Scipione, 1997, p. 7-21.
  3. 3. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO....................................................................................4 BIBLIOGRAFIA.........................................................................................5 INTRODUÇÃO..........................................................................................6 1. GRÉCIA: BERÇO QUE EMBALA A FILOSOFIA..................................8 1.1. A ORIGEM DA FILOSOFIA...............................................................8 CONCLUSÃO...........................................................................................9 1.2. ETIMOLOGIA DA PALAVRA...........................................................11 4.4.2. TENDÊNCIA HUMANISTA...........................................................11 4.3.2. IDEOLOGIA..................................................................................11 4.4. POSITIVISMO E MATERIALISMO..................................................12 4.4.1. TENDÊNCIA NATURALISTA........................................................12 1.3. O QUE É FILOSOFIA......................................................................13 1.4. A IMPORTÂNCIA DA FILOSOFIA...................................................14 1.5. FILOSOFIA, MITO, RELIGIÃO, RAZÃO .........................................16 1.5.1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE MITO E FILOSOFIA?...................17 1.5.2. RESUMO DO RELATO MÍTICO: COMPLEXO DE ÉDIPO...........18 4.2.1. UMA OUTRA TEORIA: KANT.......................................................19 4.3. IDEALISMO, IDEOLOGIA................................................................20 4.3.1. IDEALISMO..................................................................................20 1.5.3. MAS ENFIM O QUE É O MITO?..................................................20 CONCLUINDO........................................................................................21 QUADRO SINOPSE DA HISTÓRIA FILOSOFIA....................................22 2. LINGUAGEM, CONHECIMENTO E PENSAMENTO..........................23 2.1. A LINGUAGEM COMO ATIVIDADE HUMANA................................23 2.1.1. O QUE É LINGUAGEM?...............................................................23 2.1.2. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM........................................23 2.1.2.1. FATORES DE CONSTITUIÇÃO DA LINGUAGEM....................23 55............................................................................................................23 4.2. RACIONALISMO E EMPIRISMO.....................................................24 4. IDADE MODERNA E CONTEMPORÂNEA........................................24 4.1. HUMANISMO...................................................................................24 23............................................................................................................24 2.1.2.2. A LINGUAGEM PODE SER:......................................................24
  4. 4. 2.1.2.3. SINAIS OU SÍMBOLOS.............................................................25 3.1.2. SÓCRATES (469 – 399 a.C.): MARCO DIVISÓRIO DA FILOSOFIA 2.2. A TEORIA DO CONHECIMENTO...................................................25 GREGA...................................................................................................39 2.2.1. SUJEITO E OBJETO: OS DOIS ELEMENTOS DO PROCESSO DE 3.2. PLATÃO E ARISTÓTELES (PERÍODO DA MATURIDADE)...........40 CONHECIMENTO..................................................................................26 3.2.1. PLATÃO (428-348 a.C).................................................................40 2.2.2. AS POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO..............................27 3.2.1.1. Alegoria da Caverna..................................................................40 2.2.2.1.CETICISMO ABSOLUTO: TUDO É ILUSÓRIO E PASSAGEIRO .......................................................................................................................27 3.3.2. SÃO TOMÁS DE AQUINO (1225-1274).......................................28 3.3.1.1. O TEMPO PARA SANTO AGOSTINHO....................................28 2.2.2.2.CETICISMO RELATIVO: O DOMÍNIO DO APARENTE E DO PROVÁVEL..................................................................................................29 2.2.2.3.DOGMATISMO: A CERTEZA DA VERDADE.............................29 2.2.2.4.CRITICISMO: A SUPERAÇÃO DO CETICISMO E DO DOGMATISMO............................................................................................29 3.3. PATRÍSTICA E ESCOLÁSTICA......................................................29 3.3.1. SANTO AGOSTINHO (354-430)...................................................29 3.2.2.3. QUAL A CAUSA?.......................................................................30 2.2.3. A ORIGEM DO CONHECIMENTO...............................................30 2.2.3.1.EMPIRISMO: A VALORIZAÇÃO DOS SENTIDOS COMO FONTE PRIMORDIAL................................................................................30 2.2.3.2.RACIONALISMO: A CONFIANÇA EXCLUSIVA NA RAZÃO..31 2.3. DO NASCIMENTO À MATURIDADE DA FILOSOFIA.....................31 3.2.2.1. O PAPEL DA RAZÃO................................................................31 3.2.2.2. ATO OU POTÊNCIA..................................................................32 APRESENTAÇÃO 3.2.2. ARISTÓTELES (384-322 a.C.).....................................................32 2.3.1. OS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS (PERÍODO DA ELABORAÇÃO)..........................................................................................32 “Se não tivermos presente a tradição histórica, seremos como selvagens 2.3.1.1. TALES DE MILETO (623 – 546 a.C.)............................................33 modernos na selva da cidade” (Jostein Gaarder). 2.3.1.2. ANAXÍMENES (588 – 524 a.C.).....................................................33 2.3.1.3.ANAXIMANDRO (610 – 547 a.C.).................................................33 O objetivo de elaborarmos esta apostila é colocar às mãos dos 2.3.1.4.DEMÓCRITO (460 – 370 a.C.)........................................................33 alunos do Ensino Médio o conhecimento dos conteúdos básicos de 2.3.1.5.PITÁGORAS (570 – 490 a.C.)..........................................................34 Filosofia que permita o desenvolvimento do raciocínio lógico, 2.3.1.6.HERÁCLITO (535 – 475 a.C.).........................................................35 aprofundado, sistemático, questionador. 2.3.1.7.PARMÊNIDES ( cerca de 540 – 460 a.C.).......................................35 Trata-se da disciplina Filosofia e pretende-se apresentar aqueles 2.3.1.8.EMPÉDOCLES (490 – 430 a.C.)......................................................35 aspectos da Filosofia que darão uma contribuição importante na 3.2.1.2. DO SENSO COMUM AO SENSO CRÍTICO OU FILOSÓFICO. 36 3. ANTIGUIDADE E IDADE MÉDIA........................................................37 formação dos estudantes em relação ao pensar, o aprender, o 3.1. OS SOFISTAS E SÓCRATES (PERÍODO DA CRISE)...................37 conhecer e o falar. Não se ensina e não se aprende a Filosofia. 3.1.1. OS SOFISTAS..............................................................................38 Aprende-se a filosofar. Por isso é um convite: vamos filosofar. 3.1.1.1. PROTÁGORAS (480 – 410 a.C.)...............................................38 Ensaios porque as atividades do aprender a aprender, do 3.1.1.2. GÓRGIAS (487 – 380 a.C.).......................................................39 conhecer como se conhece, do saber como se sabe, serão feitas coletivamente, reelaborando o conhecimento a partir da contribuição
  5. 5. de cada estudante. Introdução, do latim Intus (dentro) Ducere REALE, G; ANTISERI, D. História da Filosofia. Vol. I. São Paulo: (conduzir), porque coloca os estudantes em contato com a ciência do Paulus, 1991. ser e do pensar. E, finalmente, a Filosofia. O conhecer é obra dos RÓNAI, Paulo. Dicionário universal de citações. RJ: Círculo do Livro, que pensam, querem e sentem. Na medida em que se vive se 1985. filosofa. Filosofia é uma atividade do ser humano, é a dinâmica do SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: ser. É a idéia, sangue do meu sangue. Produzir a idéia, o Cortez, 2003. pensamento. Não ser apenas meros repetidores. Filosofia é ser e SCURO, Neto Pedro. Sociologia Ativa e Didática. SP: Saraiva, 2003. pensar. Consegue viver melhor quem pensa. Portanto, Filosofia é SILVA, F. L. Teoria do Conhecimento, In: CHAUÍ et al. Primeira aprendizado do saber em proveito do homem. Filosofia. São Paulo: Brasiliense,1985. A coruja na capa é o símbolo da filosofia, pois consegue TELES, Antônio Xavier. Introdução ao estudo de filosofia. 19 ed., SP: enxergar o mundo mesmo nas noites mais escuras. A constituição Ática, 1982. física de seu pescoço permite que ela veja tudo a sua volta. Essa TOBIAS, J.A. Iniciação à filosofia. 8 ed. Presidente Prudente/SP: seria a pretensão da filosofia, por meio da razão poder ver Unoeste, 1987. racionalmente e entender o mundo mesmo nos seus momentos mais VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis (trad. Luiz Fernando Cardoso). obscuros. E ainda, procurar enxergá-lo sob os mais diversos ângulos Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. possíveis. VERNANT, J. P. Entre Mito e Política. São Paulo: Editora da Penso logo não me arrependo. Universidade de São Paulo, 2001. Pensar é produzir conhecimento, é ação sobre a realidade circundante. ________, J. P. Mito e Pensamento entre os gregos. São Paulo: Arrependo por não executar o que penso, por executar diferente do pensado, ou executar sem ter planejado. Editora Difusão Européia do Livro, Ed. Da Universidade de São Recordo-me de ter pensado e isto é conhecimento de fato. Paulo, 1973. ZINGANO, M. Platão e Aristóteles – os caminhos do conhecimento. 73 São Paulo: Editora Odysseus, 2002. HESSEN, J. Teoria do Conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003. BIBLIOGRAFIA LEFEBVRE, H. Introdução à Modernidade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1969. LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da educação. SP: Cortez, 1994. ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. SP: Mestre Jou, 1970. MERLEAU-PONTY, M.; Elogio da Filosofia. Lisboa: Guimarães Ed., ARISTÓTELES. Ética a Nicômacos. 4ª ed. Tradução de Mário da s/d. Gama Kury. Brasília: Editora Universidade de Brasília – UNB, 2001. MOSER, P. K.; DWAYNE, H. M.; TROUT, J. D. A Teoria do _________. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultura, 1991. Conhecimento: Uma introdução Temática. São Paulo: Martins ASSIS, M. de. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Fontes, 2004. Scipione, 1994. PLATÃO; Defesa de Sócrates. Pensadores, São Paulo: Abril ARAGON, L. O camponês de Paris. Rio de Janeiro: Editora Imago, Cultural, 1972. 1996. PLATÃO; República. São Paulo: Abril Cultural, 1972. BLACKBURN, S. Dicionário Oxford de Filosofia. Rio de Janeiro: PRADO JUNIOR, C. O que é filosofia. SP: Brasiliense, 1983. Jorge Zahar, 1994.
  6. 6. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1997. qual o mundo vai permanecer tal e qual”2. Por isso há os que COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia. História e Grandes zombam. Mas como disse Pascal: “Zombar da filosofia já é filosofar”3. Temas. São Paulo: Saraiva, 2006. Estimulado por buscar na filosofia a razão última das coisas. CUNHA, José Auri. O conceito de pessoa na comunidade dialógica Com sabedoria afirmou o cineasta americano John Huston: “O futuro de investigação. Transcrição da palestra proferida na Mesa-Redonda do homem não poderá estar dissociado de seu retorno às origens”4. ‘Racionalidade, Ética e Educação’, II Encontro Nacional de Educação A grande busca da contemporaneidade é a questão da qualidade. Lá para o Pensar. Leia o texto integral em www.cbfc.com.br. (Clique em na Grécia Antiga encontramos Platão absorto na discussão de como “Biblioteca CBFC” e em “Volume 3”). administrar a Pólis com justiça, buscando sempre com sabedoria o DROZ, G. Os mitos Platônicos. Brasília Editora Universidade de melhor caminho. Assim a filosofia hoje há que se preocupar com um Brasília, 1997. elemento muito importante: o ser humano, aquele que cria e FAGUNDES, Márcia Botelho. Aprendendo Valores Éticos. Belo reproduz a qualidade. Horizonte: Autêntica, 2001. A cada dia que passa é maior a necessidade de que os FARIA, M. C. B. Aristóteles: a plenitude do Ser. São Paulo: Moderna, indivíduos sejam sujeitos de si mesmos conscientes de sua história. 1994. Até mesmo o mercado já exige um perfil profissional que supõe uma GAARDER, J. O Mundo de Sofia: romance da história da filosofia. mão de obra criativa e atuante, e não mais meros executores de SP: Cia das Letras, 2001. tarefas. GALEANO, E. De pernas pro ar – A escola do mundo ao avesso. Porto Alegre: Le PM, 1999. GRAMSCI, A. Concepção Dialética da História (trad. Carlos Nelson 06 Coutinho). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1991. GUTHRIE, W.K.C. Os Sofistas. São Paulo: Paulus, 1995. HESÍODO, Teogonia: a origem dos deuses. São Paulo: Iluminuras, Nossa preocupação, para além do mercado, é com a formação 2001. de um indivíduo crítico e responsável socialmente pelos seus atos. A possibilidade da formação deste indivíduo deve ser viabilizada para o adolescente e o jovem. Ela não se dá espontaneamente. Uma INTRODUÇÃO das formas de viabilizá-la é através do processo ensino- aprendizagem das ciências, da filosofia, das artes, e da experiência de vida de cada um. “Nada caracteriza melhor o homem do que o fato de pensar” (Aristóteles). Neste contexto, cabe à Filosofia garantir não só a visão de totalidade da história e do processo do conhecimento, sem negar a Neste primeiro encontro com a ciência chamada FILOSOFIA, necessidade de especialização hoje imposta, mas também berço de todas as demais ciências, para um grupo de alunos do desenvolver no educando - junto com outras disciplinas - a sua Ensino Médio, o filósofo ressente-se de duas atitudes: apreensão e capacidade de buscar, através da leitura, da observação, da estímulo. percepção de transformações ocorridas a partir da sua própria Apreensivo porque na maioria das vezes se têm a idéia, que a interferência em situações político-econômico-sociais, o melhor muito vem sendo disseminada, de que a filosofia é coisa de maluco, 2 Gregório Marañon (1887-1960), nota à margem de uma de suas obras, Apud. árida e de nenhuma utilidade para a vida. Sem dúvida a ideologia PAULO RÓNAI, Dicionário universal de citações, p. 374. dominante assim a define, porque interessa. É conhecida aquela 3 Pensamentos I, 4. definição de que “filosofia é uma ciência que com a qual ou sem a 4 Apud Irene Tavares de Sá, Você também faz a história, p. 58.
  7. 7. caminho historicamente possível para a organização da vida em Vida natural de Vida material de Vida material Vida terrena e Acumulação e sociedade. subsistência escravos e sem material pobreza Desta forma, a disciplina de Filosofia busca fornecer ao opulência dos importância também é reis importante. Luta de classes estudante do Ensino Médio o instrumental básico à elaboração de uma reflexão sobre o mundo, e sobre si mesmo no mundo, de forma Respeito e Medo e Conformismo Crença no Progresso para a possibilitar-lhe a conquista de uma autonomia crescente no seu utilização obediência progresso privilegiados ordenada da pensar e agir. natureza Os trabalhos e atividades serão desenvolvidos a partir de aulas expositivas; leituras e pesquisas orientadas; seminários; análise, Natureza= Natureza= Natureza= Natureza= Natureza= a luta pela interpretação e discussão de temas atuais; integração com outras provedora do esconderijo e fonte de beleza, onde o sua preservação homem protetora pecado homem se disciplinas; avaliações. Pois como disse Kant: “Não se ensina insere. Consciência ecológica Filosofia, ensina-se a filosofar”5. Ao longo dos três anos do Ensino Médio, espera-se do Vida instintiva Mitologismo e Ascetismo Hedonismo Ecletismo estudante: cristianismo • Aprender e fixar a leitura interpretativa de textos teóricos; Naturalismo Compreender Dogmatismo Fé é diferente Fé e razão se • Aprender conceitos, saber relacioná-los entre si e aplicá-los em para crer, crer da razão entrelaçam sua realidade; para compreender. • Reconhecer-se como ser produtor de cultura e, portanto, da história; 71 CARACTERÍSTICAS DO PENSAMENTO NOS DIFERENTES 70 PERÍODOS DA HISTÓRIA E NA PRÉ-HISTÓRIA PRÉ- ANTIGÜIDADE IDADE IDADE IDADE A aprendizagem não mora no podium, ela mora no trajeto. A HISTÓRIA MÉDIA MODERNA CONTEMPORÂNEA aprendizagem não se dá na conquista ela se dá na luta. A aprendizagem é um processo. Respostas prontas aprisionam. Nosso Naturalismo Guerra e caos Teocentrismo Antropocentris- Humanismo e papel é libertar. A necessidade de atividade para a construção do mo capitalismo conhecimento demanda práticas objetivas do aluno e não só o Verdade= Verdade= força Verdade= Verdade= Verdade? Esperança “prestar atenção” ou fazer tarefas. Cabe ao professor descobrir naturalismo bruta bíblia experimentação a última que morre a novas formas ou velhas formas que ainda fazem sentido para , observação. primeira que mata. ensinar sem complicar ou ensinar com alegria. Como dizia Platão: Tragédias são transformadas em “Não ensine aos meninos pela força e severidade, mas leve-os por grandes espetáculos. aquilo que os diverte, para que possam descobrir a inclinação de suas mentes” (Platão. A República, VII). Afinal aquilo que 5 aprendemos vale bem mais do que aquilo que nos ensinam. Não citado em "Revista Brasileira de Filosofia" - Volume 16, Página 149, 1966. Disponível em: http://pt.wikiquote.org/wiki/Immanuel_Kant, acessado em 23 de existe ensino sem aprendizagem. É preciso criar condições para que março de 2010 às 14h:01min. os alunos possam refletir antes de mergulhar nos textos filosóficos,
  8. 8. ou como diria Paulo Freire: é preciso fazer primeiro a leitura do • Elaborar criticamente seu próprio pensar a partir de mundo para depois fazer a leitura da palavra. notícias/análises de jornais/revistas e de suas vivências concretas. Este é o caminho que devemos percorrer. A esperança de caminhar nas linhas que traçamos é infinda, esperamos consegui-lo, senão o conseguir na totalidade, ao menos em parte. Olívio Mangolim. 07 • Compreender a produção do pensamento como enfrentamento dos desafios humanos; • Compreender o papel da reflexão, em especial, o da filosófica; • Saber construir universos históricos de diferentes tempos em seu 1. GRÉCIA: BERÇO QUE EMBALA A FILOSOFIA pensamento sem preconceitos; 1.1. A ORIGEM DA FILOSOFIA • Situar-se como cidadão no mundo em que vive percebendo o seu “Você é aquilo que você pensa. Pense nisso!” (livro “o Segredo”). caráter histórico e a sua dimensão de liberdade; • Compreender o conhecimento como possibilidade de libertação Os historiadores da filosofia dizem que ela possui data e local de nascimento: final do século VII e inicio do século VI antes de Cristo, social; nas colônias gregas da Ásia Menor (particularmente as que • Compreender o pensamento do seu mundo como síntese de formavam uma região denominada Jônia), na cidade de Mileto. E o diferentes culturas anteriores e concomitantes a ele; primeiro filosofo foi Tales de Mileto. Alem de possuir data e local de nascimento e de possuir seu primeiro autor, a filosofia também possui um conteúdo preciso ao
  9. 9. nascer: é uma cosmologia. A palavra cosmologia é composta de processos educativos que visem à transformação da sociedade em duas outras, cosmos que significa mundo ordenado e organizado; e que vivemos, necessariamente, advirão de experiências de grupos logia que vem da palavra logos, que significa pensamento racional, concretos, onde o processo da construção dessa experiência de discurso racional, conhecimento. Assim, a filosofia nasce como verdadeiros cidadãos seja coletivo, tanto na formação dos conhecimento racional da ordem do mundo ou da Natureza, donde educadores quanto dos educandos, no caso, o cidadão brasileiro em cosmologia. geral. O homem pode ser identificado e caracterizado como um ser “O homem é a única criatura que precisa ser educada (...) Por ser dotado de que pensa e cria explicações. Criando explicações, cria instinto, um animal, ao nascer, já é tudo o que pode ser; uma razão alheia já pensamentos. Na criação do pensamento, estão presentes tanto o cuidou de tudo para ele. O homem, porém deve servir-se de sua própria mito como a racionalidade, ou seja, a base mitológica, enquanto razão. Não tem instinto e deve determinar ele próprio o plano de sua conduta. Ora, por não ter de imediato capacidade para fazê-lo, mas, ao pensamento por figuras, e a base racional, enquanto pensamento contrário, entrar no mundo, por assim dizer, em estado bruto, é preciso que por conceitos. Esses elementos são constituintes do processo de outros o façam para ele” (Kant, fim do século XVIII). formação do conhecimento filosófico. Este fato não pode deixar de ser considerado, pois é a partir Nós somos protagonistas da história e como disse o pequeno dele que o homem desenvolve suas idéias, cria sistemas, elabora príncipe: “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que leis, códigos, práticas. cativas”. Ou em outras palavras ditas pelo primeiro e grande Compreender que o surgimento do pensamento racional, educador popular da França Freinet: “Se não encontrarmos conceitual, entre os gregos, foi decisivo no desenvolvimento da respostas adequadas a todas as questões sobre educação, cultura da civilização ocidental é condição para que se entenda a continuaremos a forjar almas de escravos em nossos filhos”. conquista da autonomia da razão (lógos) diante do mito. Isso marca Segundo Freinet, está fadado ao fracasso qualquer método que o advento de uma etapa fundamental na história do pensamento e do pretenda fazer “beber água o cavalo que não tem sede”. A volta da desenvolvimento de todas as concepções científicas produzidas ao Filosofia ao Ensino Médio quer ser o despertar desta sede. A longo da história humana. Filosofia é, na verdade, a ciência que volta para auxiliar na descomplicação da aprendizagem. 68 CONCLUSÃO Os métodos ou técnicas se caracterizam na exposição verbal da matéria e/ou demonstração. Tanto a exposição quanto a análise são feitas pelo professor com ênfase nos exercícios, na repetição de conceitos ou fórmulas. "Não há mestre que não possa ser aluno” (Baltazar Gracián). A idéia de que o ensino consiste em repassar os conhecimentos para o espírito do aluno é acompanhada de outra: a de que a capacidade do aluno de assimilação é idêntica à do adulto, apenas menos desenvolvida. Não se transforma o Homem em verdadeiro cidadão com processos educativos repressivos ou de dominação. Nem tampouco com processos educativos altamente libertadores sendo manipulados por pessoas dominadoras e repressivas. Verdadeiros
  10. 10. apresentar-se como neutra, escondendo interesses políticos ou econômicos em sua roupagem sistemática, por exemplo. Para entender o que é Filosofia, é importante entendermos como ela surgiu. A filosofia surgiu na Grécia Antiga com o propósito de libertar o pensamento de suas bases míticas, para dar à vida explicações diferentes daquelas que dependiam de deuses e superstições. Era uma atividade dos homens sábios (philos = amigo ou amante; Sophia = sabedoria) que se punham a pensar sobre conceitos estabelecidos, buscando novos entendimentos. Ou seja, a Filosofia tem início quando não mais consideramos as coisas como certas, passando e formular questões sobre elas e a procurar respostas. Faz-se Filosofia colocando perguntas, propondo idéias, argumentando e pensando em possíveis argumentos contrários, procurando saber como funcionam realmente os conceitos, para chegar mais próximo da verdade. Seu objetivo é avançar no conhecimento da vida e de nós mesmos. A atividade filosófica (e conseqüentemente, a atitude filosófica) se caracteriza pela busca de sentido mais profundo da realidade, transformando uma simples experiência ou idéia num "saber" sobre a experiência e a idéia. O que o filósofo mais faz é refletir (refletere = voltar sobre), repassando suas experiências e suas idéias para entendê-las melhor e para confirmá-las. 09 10 A Filosofia nasceu para que, usando a razão 'natural', nós O conhecimento de como isso se deu e quais foram as pudéssemos discutir, desenvolver e aplicar critérios de julgamento, a condições que permitiram a passagem do mito à filosofia elucidam fim de avaliar o valor de verdade do conteúdo das nossas crenças e uma das questões fundamentais para a compreensão das grandes a validade, ou a legitimidade das normas, hábitos e costumes que linhas de pensamento que dominam todas as nossas tradições regulam as nossas ações e comportamentos. Temos crenças e em culturais. Deste modo, é de fundamental importância que o estudante função delas agimos. Filosofamos para avaliar o quanto nossas do Ensino Médio conheça o contexto histórico e político do crenças são sólidas e o quanto nossos comportamentos são surgimento da filosofia e o que ela significou para a cultura. Esta justificáveis6. passagem do pensamento mítico ao pensamento racional no contexto grego é importante para que o estudante perceba que os 6 mesmos conflitos entre mito e razão, vividos pelos gregos, são Cunha, José Auri. O conceito de pessoa na comunidade dialógica de investigação. Transcrição da palestra proferida na Mesa-Redonda 'Racionalidade, problemas presentes, ainda hoje, em nossa sociedade, na qual a Ética e Educação', II Encontro Nacional de Educação para o Pensar. Leia o texto própria ciência depara-se com o elemento da crença mitológica ao integral em www.cbfc.com.br. (Clique em "Biblioteca CBFC" e em "Volume 3").
  11. 11. Esta atividade é favorecida pelo diálogo filosófico, onde o que é a chuva? Lágrimas de anjos. Passou a ser estudado e pessoas com pensamentos diferentes se encontram e buscam, com explicado através da ciência: exemplo: o que é a chuva? Chuva é um método, investigar a verdade sobre um tema ou assunto. fenômeno meteorológico que consiste na precipitação de água sobre a superfície da Terra. A chuva forma-se nas nuvens. Nem todas as 1.2. ETIMOLOGIA DA PALAVRA chuvas atingem o solo, entretanto: algumas se evaporam enquanto “A falta de interesse em querer conhecer os mistérios da criação e da estão ainda a cair, num fenômeno que recebe o nome de virga e vida, é uma prova de que essa pessoa já se encontra morta... é só um defunto ambulante que incomoda... e ás vezes fede também!” (Bruno acontece principalmente em períodos/locais de ar seco. Guerreiro de Moraes)7. 4.4.2. TENDÊNCIA HUMANISTA A palavra é formada por dois termos gregos: Philo (amigo) e A concepção humanista, seja na versão tradicional, seja na Sophia (sabedoria). Se conseguirmos pronunciar a palavra versão moderna, engloba um conjunto bastante grande de correntes philosophia como os gregos antigos por sua aprendizagem a que têm em comum o fato de derivarem a compreensão da conheceram, não seria preciso explicá-la, pois a língua grega, por se educação em determinada visão de homem. Segundo essas duas ter formado a partir da experiência originária das palavras, tem o tendências, a Filosofia da Educação é algo sempre tributário de privilégio de expressar seu sentido no ato de pronunciá-las. Nós hoje determinado “sistema filosófico geral”. A concepção humanista ouvimos primeiro a explicação etimológica da palavra philosophia e tradicional é marcada pela visão existencialista do homem. O homem com dificuldade transpomos o simples ouvir ou ver a palavra em é encarado como constituído por essência imutável, cabendo à busca daquele sentido primeiro investigado e apreendido pelos educação conformar-se com a essência humana. antigos gregos. A escola tem o papel de preparação intelectual e moral dos A primeira definição de filosofia que conhecemos é a de alunos para assumir sua posição na sociedade. Os conteúdos de Pitágoras (582-497 a.C.)8. ensino são os conhecimentos e valores sociais acumulados pelas gerações anteriores e repassados como verdades. São conteúdos 67 dissociados das realidades sociais. Visava a substituição da manipulação mítica (irreal) pela visão científica subordinando a imaginação científica à observação empírica (baseado apenas na experiência e não no estudo). Seu lema sempre foi: “ordem e progresso”, por isso tornou-se 66 uma ideologia da ordem, da resignação e, contraditoriamente, da estagnação social. Para os positivistas, a libertação social e política passariam pelo A fim de entender isso completamente será conveniente tratar, desenvolvimento da ciência e da tecnologia sob o controle das elites. em primeiro lugar, da diferença entre conhecimento direto e O positivismo nasceu como filosofia (questionando o real e a conhecimento por descrição, e então considerar que o conhecimento ordem existente) e ao dar resposta ao social afirmou-se como de princípios gerais, se existe, tem o mesmo tipo de certeza que ideologia. Ou seja, o que antes era explicado com religião: exemplo: nosso conhecimento da existência de nossas próprias experiências. 4.3.2. IDEOLOGIA 7 Disponível: http://osaltociencia.blogspot.com/2008/12/bruno-apresentao.html. Ideologia é o conjunto de idéias, conceitos e comportamentos Acessado em 23 de março de 2010 às 14h52min. que prevalecem sobre uma sociedade. Seu objetivo é encobrir as 8 Cícero. Tusc. disput. lib. V, c. 3. Apud. Antônio Xavier Teles, Introdução ao estudo de filosofia. p. 10.
  12. 12. divisões existentes na sociedade e na política, mostrando uma forma philos que significa amigo, e sophon, que significa o todo (hen maquiada de indivisão. panta). Filósofo, portanto, é amigo do todo. A ideologia funciona invertendo os efeitos e as causas, Onde está o todo com quem o filósofo mantém laços de resultando em imagens e sintomas, produzindo uma utopia social, amizade? usando o silêncio para encobrir a incoerência. O todo está no próprio pensamento que pensa! Quando pensa, Podemos exemplificar a ideologia com a afirmação de que o o pensamento se torna “luz” do real. Podemos traduzir o termo adultério é crime, que o homossexual é pervertido e que o futebol é sophon como “o pensamento pensando o real”. Ou ainda: sophon é coisa do homem. O que a ideologia encobre? o real luzindo no pensamento. Encobre o vínculo entre compromisso e sexo, no primeiro caso, Quando o pensamento aprende a apreciar o múltiplo real, o preconceito pela escolha sexual diferente e o uso do sexo para quando sabe vê-lo ou lê-lo em sua “transparência”, possui o sophon. prazer e não para procriar, segundo caso, e a discriminação ainda Esta aprendizagem ou sabedoria se parece com o clarear do dia que existente com o sexo feminino, último caso. acorda a noite para a luz da madrugada. A luz da manhã é o 4.4. POSITIVISMO E MATERIALISMO pensamento; a realidade, à noite de seu entusiasmo. 4.4.1. TENDÊNCIA NATURALISTA O filósofo seria um pretendente à sabedoria, uma pessoa Para Augusto Comte não só os fenômenos naturais podem ser aficionada pelo saber, e não um detentor de todo saber como reduzidos a leis, mais também os fenômenos sociais. Os fenômenos injustamente, às vezes, lhe é atribuído. A primeira vez que a palavra humanos podem ser analisados como fatos. Tanto na natureza apareceu foi sob a forma verbal filosofar com o significado de quanto nas ciências humanas deveria se afastar qualquer esforçar-se por adquirir novos conhecimentos (Heródoto, preconceito ou pressuposto ideológico. 484-425 a.C.). Tendência para encarar a vida só pelo lado prático e útil. Para ser amigo e desejoso da sabedoria é preciso vencer a Representava a doutrina que consolidaria a ordem pública “tragédia”. Começar a pensar, eis a tarefa. A filosofia deve ser o desenvolvendo nas pessoas uma “sábia resignação”. Por isso pensar real. Por que isso? Porque entre nós perdemos o contato rejeitava o marxismo, o iluminismo e o socialismo considerando-os com a realidade em torno, e até muitas vezes desconhecemos nossa destrutivos, subversivos, revolucionários. própria realidade, vivemos de uma forma como se não fôssemos nós, assumimos ser outro. Como podemos deixar de sermos nós mesmos? A filosofia é o pensar solícito e liberado à verdade do ser que destina o homem ao seu ser mais próprio. 11 12 Ele dizia que o filósofo é “amigo e desejoso da sabedoria”. Ela convoca o homem ao mais íntimo de si, leva-o a refletir Relutava que não se tratava de uma sabedoria sobrenatural ou sobre seus problemas e os problemas do contexto que o envolve. De divina, e sim que um filósofo é um homem humanamente sábio, e, modo que podemos afirmar que a filosofia libera o homem da por isso mesmo, é de sua obrigação fornecer aos homens luzes conjuntura social, enviando-o ao mais próprio do social, econômico, humanas mais profundas sobre os grandes problemas que afligem a político e ideológico. humanidade. A filosofia é, ao mesmo tempo, interpretação do já vivido e das Foi Heráclito de Éfeso (535-475 a.C.) quem presumivelmente aspirações e desejos do que está por vir, do que está para chegar. criou o termo “filósofo”. Em grego, philosophon que se compõe de Ela é uma força na luta pela vida e pela emancipação humana.
  13. 13. Portanto filosofia é o que se pensa. Pensar o que somos e como conhecimento pode ser descrito como conhecimento de verdades. somos. Na segunda acepção da palavra “conhecer”, a palavra aplica-se ao nosso conhecimento de coisas, ao qual podemos chamar de 1.3. O QUE É FILOSOFIA conhecimento direto. Este é o sentido em que conhecemos os dados “A verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo” (Merleau-Ponty). dos sentidos. (Esta distinção corresponde, aproximadamente, àquela A filosofia é como uma obra de arte ou ainda uma bela jogada que existe entre savoir e connaître em francês, ou entre wissen e de futebol. Impossível defini-la antes de fazê-la, como não se pode kennen em alemão). definir em geral nenhuma ciência, nenhuma disciplina, antes de Assim, o enunciado que parecia uma verdade incontestável entrar diretamente no trabalho de fazê-la. Qualquer ciência, um torna-se, quando reformulado, o seguinte: “Nunca podemos enunciar “fazer” humano qualquer, recebe seu conceito claro, sua noção um juízo verdadeiro sobre a existência de algo se não o conhecemos precisa, quando o homem domina este fazer. O que é dominado, o diretamente”. Esta de modo algum é uma verdade incontestável, que é apreendido, então é definido. Não existem definições no vazio, mas, ao contrário, uma evidente falsidade. Não tenho a honra no nada. Só se sabe o que é filosofia quando se é realmente um conhecer diretamente o Imperador da China, mas julgo, com razão, filósofo. Isto quer dizer que a filosofia, mais do que qualquer outra que ele existe. Pode-se dizer, naturalmente, que julgo isso por causa disciplina necessita ser vivida. Vivência significa o que temos do conhecimento pessoal que outras pessoas têm dele. Esta, realmente em nosso ser psíquico; o que real e verdadeiramente entretanto, seria uma réplica irrelevante, pois se o princípio fosse estamos sentindo, tendo, na plenitude da palavra ter. verdadeiro, não poderia saber que outros têm um conhecimento Adentremos, pois, num exemplo concreto, que nos permita direto dele. Mas, além disso, não existe razão alguma para que não compreender a amplitude da palavra vivência. Uma pessoa pode saiba da existência de algo que ninguém tem conhecimento direto. estudar detalhadamente o mapa do Pantanal sulmatogrossense; Este ponto é importante, e requer elucidação. estudá-lo muito bem; observar um por um os diferentes nomes dos Se conheço diretamente que algo existe, meu conhecimento rios; depois estudar uma por uma o nome das espécies animais, direto me proporciona o conhecimento de que ela existe. Mas não é vegetais, principalmente aqueles que se dizem em extinção; pode verdade, reciprocamente, que sempre que posso saber que algo depois ir à Morada dos Baís e revistar uma a uma as fotos determinado existe, eu ou alguém deve ter conhecimento direto da existentes. Igualmente no Museu Dom Bosco encontrará vestígios de coisa. O que ocorre, nos casos em que enuncio um juízo verdadeiro espécies antigas, da presença indígena que ocupara a região, etc. A sem ter conhecimento direto, é que a coisa é conhecida por mim por partir disto pode reconstruir a visão panorâmica do Pantanal. E assim descrição, e que, em virtude de algum princípio geral, a existência de ir aprofundando os estudos de maneira cada vez mais minuciosa; algo que satisfaz esta descrição pode ser inferida da existência de mas sempre será uma simples idéia. algo do qual tenho conhecimento direto. 65 64 Além disso, não é de modo algum uma verdade incontestável, e, na realidade, é falso, que não podemos saber se algo existe se não o Diz-se frequentemente, como se fosse um truísmo evidente por conhecemos. A palavra “conhecer” é aqui usada em dois sentidos si mesmo, que não podemos saber se algo existe se não o diferentes. Em sua primeira acepção é aplicável ao tipo de conhecemos. Infere-se que tudo que pode de alguma maneira ser conhecimento que é oposto ao erro, no sentido de que aquilo que relevante para nossa experiência deve ser no mínimo suscetível de sabemos é verdadeiro, no sentido que se aplica às nossas crenças e ser conhecido por nós. Segue-se, portanto, que se a matéria fosse convicções, isto é, ao que denominamos de juízos. Neste sentido da essencialmente alguma coisa da qual não pudéssemos ter palavra sabemos que alguma coisa é o caso. Este tipo de conhecimento direto, a matéria seria alguma coisa que não
  14. 14. poderíamos saber que existe, e que não teria para nós importância não o esquema, que o substitua, mas ele próprio. Pois o que nós alguma. Em geral está subentendido, por razões que permanecem vamos fazer é viver a filosofia. E para vivê-la é necessário entrar nela obscuras, que o que não pode ter nenhuma importância para nós para explorá-la. não pode ser real, e que, portanto, a matéria, se ela não é composta “Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma de mentes ou de idéias mentais, é impossível e uma mera quimera. pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se Não é possível, no momento, analisar profundamente este fazemos a mesma pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta argumento, dado que ele levanta pontos que exigem uma será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta será: a companhia de outras pessoas. considerável discussão preliminar; mas certas razões para rejeitar o Mas, uma vez satisfeitas todas as necessidades, será que ainda resta argumento podem ser mencionadas imediatamente. Comecemos alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles pela última: não existe razão alguma pela qual o que não pode ter acham que o ser humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo qualquer importância prática para nós não deva ser real. É verdade precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma que, se incluímos a importância teórica, tudo o que é real tem coisa de que todos nós precisamos. Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e porque vivemos” (GAARDER, 2001: 24). alguma importância para nós, dado que, como pessoas que desejam conhecer a verdade sobre o universo, temos algum interesse em A vida é uma filosofia. A filosofia é vivência. Estudar é uma tudo aquilo que o universo contém. Mas se incluímos este tipo de filosofia de vida. Portanto estas duas ciências articuladas durante o interesse, não é verdade que a matéria não tem nenhuma processo formativo hão de propiciar a que o profissional seja mais importância para nós, uma vez que ela existe mesmo se não bem qualificado para o mercado. Afinal o estudante deve exercer o podemos saber que ela existe. Podemos, evidentemente, suspeitar seu papel de “prever, organizar, pesquisar, discutir, estudar”. que ela possa existir, e perguntar se ela existe; por esta razão ela 1.4. A IMPORTÂNCIA DA FILOSOFIA está relacionada com nosso desejo de conhecimento, e tem a importância de satisfazer ou frustrar este desejo. “É igualmente proveitosa aos pobres e aos ricos, e, quando desprezada, prejudicará igualmente meninos e velhos” (HORÁCIO, Epístolas, I). Na linguagem comum de uso corrente, filosofia é uma visão de mundo, uma concepção de vida, que o homem adota para uso pessoal. De maneira que qualquer profissional poderá adotar para si ou assumir uma filosofia de vida mais pessimista ou mais otimista, menos séria ou mais, progressista ou retrógrada, motivadora de ação ou inibidora. 14 13 De fato é no período que vai da adolescência para a juventude Ao contrário doze (12) horas de passeio de barco pelo Pantanal que criamos uma filosofia de vida para nós, uma concepção de vida é uma vivência. Entre doze (12) horas de passeio de barco e a mais e de mundo que irá interferir em nossas atitudes e modo de ser. vasta coleção de fotografia do pantanal, há um abismo. Isto é uma Todos nós temos uma filosofia subjacente às nossas atitudes simples idéia, uma representação, um conceito, uma elaboração perante o mundo e a vida. intelectual; enquanto que aquilo é colocar-se realmente em presença Todos nós devemos ser filósofos. Devemos filosofar, pois do objeto, isto é, vivê-lo, viver com ele; tê-lo própria e realmente na filosofar é arte das artes: o exercício de pensar por nós mesmos. A vida; não o conceito, que o substitua; não a fotografia; não o mapa,
  15. 15. filosofia de vida de cada um resume o significado mais amplo que idéias eram tomadas como atos de apreensão, transferimos a atribuímos às experiências do dia-a-dia para dar-lhes sentido. proposição que as “idéias estão na mente” para idéias no outro Assim todo profissional tem sua filosofia de trabalho, mesmo que sentido, isto é, para as coisas apreendidas por nossos atos de não esteja explicitada, elaborada, é seguida como doutrina. apreensão. Assim, por um equívoco inconsciente, chegamos à Os que jamais tiveram ou seguiram uma filosofia foram fadados conclusão de que tudo o que podemos apreender deve estar em ao fracasso, pois a prática sem teoria é uma roda sem eixo. E a nossa mente. Esta parece ser a verdadeira análise do argumento de teoria sem prática é um semovente a caminho; necessariamente tem Berkeley, e a falácia fundamental sobre o qual ele repousa. alguém a guiá-lo. Esta questão da distinção entre o ato e o objeto em nossa No ato de executar o papel fundamental da Filosofia está à apreensão das coisas é sumamente importante, visto que toda nossa atividade de pensar, aprender, conhecer e falar. capacidade de adquirir conhecimento apresenta-se vinculada a ela. • Pensar: atividade da razão (investigação). A faculdade de ter conhecimento direto de coisas diferentes dela • Aprender: interiorização do objeto e exteriorização do mesma é a principal característica de uma mente. O conhecimento conhecimento do objeto. direto dos objetos consiste essencialmente numa relação entre a • Conhecer: adequação do pensamento ao objeto (objetivando e mente e alguma coisa diferente da mente; é isso que constitui a subjetivando). É quando se dá a realização do ser. capacidade da mente de conhecer coisas. Se dissermos que as • Falar: linguagem, expressão do pensamento, do aprendizado, do coisas conhecidas devem estar na mente, estamos limitando conhecimento. O que efetivamente denota que houve pensar, o indevidamente a capacidade da mente de conhecer ou estamos aprender e o conhecer. É sua subjetivação. O esclarecimento do proferindo uma mera tautologia. Estamos proferindo uma mera seu aprendizado. tautologia se quisermos dizer por “na mente” o mesmo que por “diante da mente”, isto é, se quisermos dizer simplesmente ser A filosofia é uma forma de saber que se distingue daquele apreendido pela mente. Mas se queremos dizer isso, teremos de comum porque é sistemático e rigoroso, e daquele científico admitir que, neste sentido, estar na mente, pode, não obstante, ser porque é exaustivo, com total abrangência inclusiva e não mental. Assim, quando compreendemos a natureza do explicativa. A exaustividade desta ciência faz com que a nossa conhecimento, percebemos que o argumento de Berkeley é errado investigação avance em direção ao aprender como se aprende ao tanto em sua substância como em sua forma, e suas razões para saber como se sabe e ao conhecer como se conhece. supor que “idéias” – isto é, os objetos aprendidos – devem ser mentais, são consideradas sem qualquer validade. Por isso, suas razões a favor do idealismo podem ser rejeitadas. Resta ver se existem algumas outras razões. 63 62 A opinião de Berkeley, que obviamente a cor deve estar na mente, parece depender, para sua plausibilidade, da confusão entre Antes de nos dedicarmos à questão geral da natureza das a coisa apreendida com o ato de apreensão. Estas duas coisas idéias, devemos elucidar duas questões inteiramente distintas que poderiam ser denominadas uma “idéia”; provavelmente ambas teriam surgem a respeito dos dados dos sentidos e dos objetos físicos. sido denominadas de idéia por Berkeley. O ato está indubitavelmente Vimos que, por várias razões específicas, Berkeley estava certo ao na mente; portanto, quando estamos pensando no ato, prontamente tratar os dados dos sentidos que constituem nossa percepção da admitimos a opinião de que as idéias devem estar na mente. Por árvore como mais ou menos subjetivos, no sentido que eles conseguinte, esquecendo que isso era apenas verdadeiro quando as dependem de nós tanto quanto da árvore, e não existiriam se a
  16. 16. árvore não estivesse sendo percebida. Mas este é um ponto são terrenos privilegiados e também objetivo principal da filosofia os inteiramente diferente daquele pelo qual Berkeley procura provar que problemas últimos: a origem das coisas, o sentido da história, o valor tudo que pode ser imediatamente conhecido deve estar numa mente. do conhecimento, a causa do mal etc. Para este objetivo argumentos específicos em relação à 1.5. FILOSOFIA, MITO, RELIGIÃO, RAZÃO dependência que os dados dos sentidos têm de nós são supérfluos. É necessário provar, em geral, que pelo fato de serem conhecidas, Quando falamos do Mito e da Filosofia falamos do problema da as coisas devem ser mentais. Isso é o que o próprio Berkeley ordem e da desordem no mundo. O homem, ao procurar a ordem do acredita ter feito. É este problema, e não nosso problema anterior em mundo, cria tanto o mito como a filosofia. Muitos povos da relação à diferença entre dados dos sentidos e objetos físicos, que Antigüidade experimentaram o mito, que é um pensamento por deve agora nos interessar. imagens. Os gregos também fizeram a experiência, de ordenar o Tomando a palavra “idéia” no sentido de Berkeley, existem duas mundo por meio do Mito. Estes perceberam que o Mito era um jeito coisas completamente distintas a serem consideradas sempre que de ordenar o mundo. A experiência política grega, ao longo dos uma idéia está diante da mente. Existe, por um lado, a coisa da qual anos, trouxe a possibilidade do pensamento como logos (razão), pois estamos conscientes – a cor da minha mesa, por exemplo – e, por a vida na pólis impôs exigências que o mito já não satisfazia. Mas outro lado, a própria consciência presente, o ato mental de será que com a filosofia o mito desaparece? Será que em nossa apreender a coisa. O ato mental é indubitavelmente mental, mas sociedade ainda nos orientamos pelo pensamento mítico? Além existe alguma razão para supor que a coisa apreendida é em algum dessas e outras questões, esse conteúdo procurará as conexões sentido mental? Nossos argumentos anteriores sobre a cor não sociológicas e históricas para entender o mito e o nascimento da provam que ela é mental; eles somente provam que sua existência filosofia na Grécia. depende da relação de nossos órgãos dos sentidos com os objetos O nascimento da filosofia pode ser entendido como o surgimento físicos – no nosso caso, a mesa. Ou seja, eles provam que uma de uma nova ordem do pensamento, complementar ao mito, que era determinada cor existirá, em uma determinada luz, se um olho a forma de pensar dos gregos. Uma visão de mundo que se formou normal é colocado em certo ponto em relação à mesa. Eles não de um conjunto de narrativas contadas de geração a geração por provam que a cor está na mente do percipiente. séculos e que transmitiam aos jovens a experiência dos anciãos. Como narrativas, os mitos falavam de deuses e heróis de outros tempos e, dessa forma, misturavam a sabedoria e os procedimentos práticos do trabalho e da vida com a religião e as crenças mais antigas. 16 15 Entre as inúmeras definições que foram dadas à filosofia é digna Nesse contexto, os mitos eram um modo de pensamento de particular menção a dos estóicos9: “A filosofia é ciência das coisas essencial à vida da comunidade, ao universo pleno de riquezas e humanas e divinas e de suas causas”. Tudo é suscetível de complexidades que constituía a sua experiência. Enquanto narrativa investigação filosófica; por esta razão dá-se uma filosofia do homem, oral, o mito era um modo de entender o mundo que foi sendo uma filosofia do mundo, uma filosofia da arte, da religião, da história, construído a cada nova narração. As crenças que eles transmitiam da cultura, do esporte, da técnica, do trabalho, do direito, etc. Mas ajudavam a comunidade a criar uma base de compreensão da 9 realidade e um solo firme de certezas. Os mitos apresentavam uma ESTÓICA: escola filosófica que procura a felicidade através da supressão dos prazeres. religião politeísta, sem doutrina revelada, sem teoria escrita, isto é,
  17. 17. um sistema religioso, sem corpo sacerdotal e sem livro sagrado, Há neste argumento algumas falácias que tiveram importância apenas concentrada na tradição oral, é isso que se entende por na história da filosofia, e que será bom esclarecer. Em primeiro lugar, teogonia. Vale salientar que essas narrativas foram sistematizadas existe uma confusão engendrada pelo emprego da palavra “idéia”. no século IX por Homero e por Hesíodo no século VII a.C. Pensamos que uma idéia é algo que existe essencialmente na mente Ao aliar crenças, religião, trabalho, poesia, os mitos traduziam o de alguém, e, assim, quando nos é dito que uma árvore consiste modo que o grego encontrava para expressar sua integração ao inteiramente de idéias, é natural supor que, se é assim, a árvore cosmos e à vida coletiva. Os gregos a partir do século V a.C., deve estar inteiramente na mente. Mas a noção de estar “na” mente viveram uma experiência social que modificou a cotidianidade grega: é ambígua. Dizemos que temos uma pessoa em mente, não no a vivência do espaço público e da cidadania. A cidade constituía-se sentido de que a pessoa está em nossa mente, mas de que temos da união de seus membros para os quais tudo era comum. O em nossa mente um pensamento a seu respeito. Quando alguém diz sentimento que ligava os cidadãos entre si era a amizade, a filia, que tirou de sua mente um problema que tinha que resolver, não resultado de uma vida compartilhada. significa dizer que o próprio problema estava em sua mente, mas 1.5.1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE MITO E FILOSOFIA? apenas que um pensamento sobre o problema estava antes em sua mente, mas depois deixou de estar nela. E, assim, quando Berkeley Mito= Conjunto fechado de conhecimentos, capaz de explicar a diz que a árvore deve estar em nossa mente se quisermos conhecê- realidade do meio. Tenta explicar a realidade pela própria realidade. la, tudo o que ele realmente tem o direito de dizer é que um Trabalha com o conceito, através dos sentidos. Um mito é uma pensamento sobre a árvore deve estar em nossa mente. Argumentar narrativa tradicional com caráter explicativo e/ou simbólico, que a própria árvore deve estar em nossa mente é como argumentar profundamente relacionado com uma dada cultura e/ou religião. O que uma pessoa em quem pensamos está, ela mesma, em nossa mito procura explicar os principais acontecimentos da vida, o mente. Esta confusão pode parecer demasiado grosseira para que fenômenos naturais, as origens do Mundo e do Homem por meio de tenha sido realmente cometida por um filósofo competente, mas deuses, semi-deuses e heróis (todas elas são criaturas várias circunstâncias concomitantes a tornaram possível. A fim de sobrenaturais). Pode-se dizer que o mito é uma primeira tentativa de ver como ela foi possível, devemos nos aprofundar no problema da explicar a realidade. natureza das idéias. 61 60 Todas as nossas percepções, de acordo com ele, consistem em uma participação parcial nas percepções de Deus, e é por causa Até este ponto sua argumentação é quase certamente válida, desta participação que diferentes pessoas vêem mais ou menos a mesmo que alguns de seus argumentos não sejam. Mas ele passou mesma árvore. Assim, independentemente das mentes e suas idéias a argumentar que os dados dos sentidos eram as únicas coisas de nada existe no mundo, nem é possível que alguma coisa diferente cuja existência nossas percepções poderiam nos assegurar, e que possa alguma vez ser conhecida, dado que tudo o que é conhecido é ser conhecido é estar “em” uma mente, e, portanto, ser mental. Por necessariamente uma idéia. esta razão ele concluiu que nada pode ser conhecido exceto o que
  18. 18. está em alguma mente, e que tudo o que é conhecido sem estar na sagradas, não tendo quaisquer argumentos para suportar a sua minha mente deve estar em alguma outra mente. interpretação. A fim de entender seu argumento é necessário entender o 1.5.2. RESUMO DO RELATO MÍTICO: COMPLEXO DE ÉDIPO emprego que ele faz da palavra “idéia”. Ele dá o nome de “idéia” a tudo o que é imediatamente conhecido, como, por exemplo, os Laio, rei da cidade de Tebas e casado com a bela Jocasta, foi dados dos sentidos são conhecidos. Assim, uma cor particular que advertido pelo oráculo (resposta que os deuses davam a quem os vemos é uma idéia; da mesma forma, uma voz que ouvimos, e assim consultava) de que não poderia gerar filhos. Se esse aviso fosse por diante. Mas o termo não é inteiramente restrito aos dados dos desobedecido, seria morto pelo próprio filho e muitas outras sentidos. Existiriam também coisas lembradas ou imaginadas, pois desgraças surgiriam. também temos conhecimento direto imediato de tais coisas no A princípio Laio não acreditou no oráculo e teve um filho com momento de lembrar ou imaginar. Berkeley denomina todos estes Jocasta. Quando a criança nasceu, porém, cheio de remorso e com dados imediatos de “idéias”. medo da profecia, ordenou que o recém-nascido fosse abandonado Berkeley então continua a considerar os objetos comuns, tais numa montanha, com os tornozelos furados, amarrados por uma como uma árvore, por exemplo. Ele mostra que tudo o que corda. O edema provocado pela ferida é a origem do nome Édipo, conhecemos imediatamente quando “percebemos” a árvore consiste que significa “pés inchados”. de idéias, no sentido que ele dá ao termo, e argumenta que não há a Mas o menino Édipo não morreu. Alguns pastores o menor base para supor que existe alguma coisa real sobre a árvore a encontraram e o levaram ao rei de Corinto, Polibo, que o criou como não ser o que é percebido. Seu ser, ele diz, consiste em ser se fosse seu filho legítimo. Já adulto Édipo ficou sabendo que era percebida: no latim dos escolásticos, seu “esse” é “percipi”. Ele filho adotivo. Surpreso, viajou em busca do oráculo de Delfos para admite perfeitamente que a árvore deve continuar a existir mesmo conhecer o mistério de seu destino. O oráculo revelou que seu quando fechamos nossos olhos ou quando nenhum ser humano está destino era matar o próprio pai e se casar com a própria mãe. próximo dela. Mas esta existência contínua, diz ele, deve-se ao fato Espantado com essa profecia, Édipo decidiu deixar Corinto e rimar de que Deus continua a percebê-la; a árvore “real”, que corresponde em direção a Tebas. No decorrer da viagem encontrou-se com Laio. ao que denominamos de objeto físico, consiste de idéias na mente De forma arrogante o rei ordenou-lhe que deixasse o caminho livre de Deus, idéias mais ou menos semelhantes àquelas que temos para sua passagem. Édipo desobedeceu as ordens do quando vemos a árvore, mas que diferem no fato de que são desconhecido. Explodiu, então, uma luta entre ambos, na qual Édipo permanentes na mente de Deus enquanto a árvore continua a existir. matou Laio. 17 18 Filosofia= Conhecimento objetivo, caracterizado pela razão, Sem saber que tinha matado o próprio pai, Édipo prosseguiu sua preocupa-se com a essência das coisas. A explicação mítica é viagem para Tebas. No caminho deparou-se com a Esfinge, um contrária à explicação filosófica. A Filosofia procura, através de monstro metade leão, metade mulher, que lançava enigmas aos discussões, reflexões e argumentos, saber e explicar a realidade viajantes e devorava quem não os decifrasse. A Esfinge atormentava com razão e lógica enquanto que o mito não explica racionalmente a os moradores de Tebas. realidade, procura interpretá-la a partir de lendas e de histórias
  19. 19. O enigma proposto pela Esfinge era o seguinte: “Qual o animal que poderia continuar se as mentes deixassem de existir. Pensamos que de manhã tem quatro pés, dois ao meio-dia e três à tarde?” na matéria como tendo existido muito antes que houvesse mentes, e Édipo respondeu: “É o homem. Pois na manhã da vida (infância) é difícil pensá-la como um simples produto da atividade mental. Mas, engatinha com pés e mãos; ao meio dia (na fase adulta) anda sobre verdadeiro ou falso, o idealismo não deve ser rejeitado como dois pés; e à tarde (velhice) necessita das duas pernas e do apoio de obviamente absurdo. uma bengala”. Vimos que, mesmo se os objetos físicos têm uma existência Furiosa por ver o enigma resolvido, a Esfinge se matou. O povo independente, eles devem diferir muito amplamente dos dados dos tebano saudou Édipo como seu novo rei. Deram-lhe como esposa sentidos, e só podem ter uma correspondência com os dados dos Jocasta, a viúva de Laio. Ignorando tudo, Édipo casou-se com a sentidos, da mesma forma como um catálogo tem uma própria mãe. Uma violenta peste abateu-se então sobre a cidade. correspondência com as coisas catalogadas. Consequentemente, o Consultado, o oráculo respondeu que a peste não findaria até que o senso comum nos deixa completamente no escuro em relação à assassino de Laio fosse castigado. verdadeira natureza intrínseca dos objetos físicos, e se existem boas Ao longo das investigações para descobrir o criminoso, a razões para considerá-los como mentais, não poderemos verdade foi esclarecida. Inconformado com o destino, Édipo cegou- legitimamente rejeitar esta opinião simplesmente porque ela nos se e Jocasta enforcou-se. Édipo deixou Tebas, partindo para um parece estranha. A verdade sobre os objetos físicos deve ser exílio na cidade de Colona. estranha. Ela pode ser inalcançável, mas se algum filósofo acredita Os mitos cumpriam uma função social moralizante de tal forma que a alcançou, o fato de que aquilo que ele oferece como a verdade que essas narrativas ocupavam o imaginário dos cidadãos da pólis seja estranho não deve ser considerado como um motivo para grega direcionando suas condutas. rejeitar a sua opinião. Na Atenas do século V a.C. existia também o espaço para as As bases sobre as quais o idealismo é defendido são comédias que satirizavam os poderosos e personagens célebres, e geralmente bases derivadas da teoria do conhecimento, ou seja, de as tragédias que narravam as aventuras e prodígios dos heróis, bem uma discussão das condições que as coisas devem satisfazer a fim como suas desventuras e fracassos. Havia festivais em que os de que possamos ser capazes de conhecê-las. A primeira tentativa poetas e escritores competiam elegendo as melhores peças e textos, séria de estabelecer o idealismo sobre tais bases foi a do Bispo estes festivais eram muito importantes na vida da “pólis” grega, era Berkeley. Ele provou, primeiramente, mediante argumentos que por meio destes eventos sociais que as narrativas míticas se eram em grande medida válidos, que nossos dados dos sentidos não difundiam. podem ser considerados como tendo uma existência independente O soberano consulta o Oráculo, o que era comum na cultura de nós, mas que devem estar, pelo menos em parte, “na” mente, no grega antiga. O Oráculo afirma que seu primogênito irá desposar a sentido de que sua existência não subsistiria se não houvesse própria mãe e assassinar seu pai, o Rei Laio. ninguém vendo, ouvindo, tocando, cheirando, sentindo ou experimentando. 59 58 Aqueles que não estão acostumados com a especulação filosófica podem estar inclinados a rejeitar semelhante doutrina como 4.2.1. UMA OUTRA TEORIA: KANT obviamente absurda. Não há dúvida de que o senso comum considera as mesas e as cadeiras, o sol e a lua, e os objetos Uma colocação bastante interessante sobre Immanuel Kant é materiais em geral, como alguma coisa radicalmente diferente das que ele sofreu duas influências contraditórias: a influência do mentes e dos conteúdos das mentes, e como tendo uma existência pietismo, protestantismo luterano de tendência mística e pessimista
  20. 20. (que põe em relevo o poder do pecado e a necessidade de suas andanças ele encontra um homem arrogante e o mata; regeneração), que foi a religião da mãe de Kant e de vários de seus chegando ao Reino de Jocasta, Édipo se apaixona e a desposa. mestres, e a influência do racionalismo: o de Leibnitz, que Wolf Anos mais tarde, Édipo descobre que ele próprio é o ensinara brilhantemente, e o da Aufklärung (a Universidade de personagem da profecia, e num gesto de desespero, arranca os Koenigsberg mantinha relações com a Academia Real de Berlim, próprios olhos e sai a vagar pelo mundo a fora. A profecia se tomada pelas novas idéias). Acrescentemos à literatura de Hume cumpriu, porque o rei se recusou a matar a criança. que "despertou Kant de seu sono dogmático" e a literatura de Esta narrativa possui um fundo moral, o alerta para os desígnios Rousseau, que o sensibilizou em relação do poder interior da dos deuses, que não devem ser contrariados, e o percurso de Édipo, consciência moral”. de toda sua saga, de ter vencido a Esfinge e decifrado seu enigma, Estas colocações apontam que o criticismo kantiano é reação ao seu destino não o poupou. Contudo, um novo pensamento se dogmatismo racionalista e ao ceticismo empirista. Em verdade, foi formava e a vida na pólis cada vez mais é direcionada pela política, e realmente Kant que criticou o racionalismo e o empirismo e uniu a aos poucos a moral estabelecida pelas narrativas míticas foram razão com a experiência sensível, para a aquisição do verdadeiro sendo substituídas pela ética e pelos valores da cidadania grega. O conhecimento. Fez a chamada Nova Revolução Copernicana, onde cidadão grego cada vez mais participativo não considerava a idéia de valoriza tanto o sujeito como o objeto para que haja o verdadeiro não controlar a própria vida. Na vida da pólis, os homens livres conhecimento. manifestavam suas posições escolhendo entre iguais o Em suma: "das coisas, nós só conhecemos a priori aquilo que direcionamento das decisões e das ações da cidade-estado. nós mesmos nelas colocamos”. 1.5.3. MAS ENFIM O QUE É O MITO? 4.3. IDEALISMO, IDEOLOGIA “Um mito é a história de deuses e tem por objetivo explicar porque a vida é 4.3.1. IDEALISMO assim como é” (GAARDER, 2001:35). O pensamento mítico é por natureza uma explicação da A palavra “idealismo” é empregada por diferentes filósofos em realidade que não necessita de metodologia e rigor, enquanto que o sentidos um tanto diferentes. Por idealismo devemos entender a logos caracteriza-se pela tentativa de dar resposta a esta mesma doutrina segundo a qual tudo o que existe, ou pelo menos tudo o que realidade, a partir de conceitos racionais. Mas existe razão nos podemos saber que existe, deve ser em algum sentido mental. Esta mitos? Não seria também a racionalidade, um mito moderno doutrina, que entre os filósofos é muito amplamente mantida, tem disfarçado? Assim como na Antigüidade, o mito estava a serviço dos várias formas, e é defendida com base em vários fundamentos interesses da aristocracia rural e, portanto não interessava à distintos. A doutrina é tão amplamente sustentada, e tão interessante aristocracia ateniense, surgindo assim o pensamento racional ligado em si mesma, que mesmo a mais breve exposição filosófica deve à “pólis”, no mundo contemporâneo, não estariam o pensamento oferecer uma idéia a seu respeito. tecnicista e a ciência, a serviço do capital e das elites que financiam a produção do conhecimento científico? 19 20 Então, Laio manda que eliminem o menino, mas a pessoa O homem moderno continua ainda a mover-se em direção a um encarregada não cumpre a ordem e envia o menino para um reino valor que o apaixona e só posteriormente é que busca explicitá-lo distante onde ele se torna um grande guerreiro e herói, numa de pela razão. Entende-se, pois, que o mito manifesta-se por meio de elementos figurativos, enquanto que o logos utiliza-se de elementos
  21. 21. racionais, portanto é preciso deixar bem claro que não se pretende Para os racionalistas, as idéias do mundo Os empiristas apontam a origem das idéias como exterior são tecidas pela captação da fruto de um processo de abstração. Tal processo aqui colocar o pensamento racional no mesmo plano do pensamento realidade do mundo externo pelo indivíduo. deveria se iniciar com a percepção a partir da qual os mítico, mas sim, que a partir de uma releitura percebemos que o Também pode ser provenientes da ação sentidos do indivíduo interagem com o ambiente. imaginativa e, pelas idéias inatas (nascem A grande diferenciação com relação ao racionalismo Iluminismo não deu conta nem mesmo de realizar a tarefa de que se com o sujeito), tidas como base da razão. está em não focar a ‘coisa’ em si (fator objetivo), nem Origem das Idéias propôs: iluminar as trevas da ignorância; quanto mais dissolver os A partir do inatismo é dado ao indivíduo tampouco a idéia que se faz (atribuição da razão) a conhecer as leis naturais, criadas por um ser esta coisa; mas puramente como percebe-se esta mitos e anular a imaginação. criador. coisa, ou como chega até nós através dos sentidos. Tal princípio parte da certeza do Em uma área de Psicologia focada na Educação, a pensamento para afirmar qualquer outra Psicologia Educacional, existem teóricos que CONCLUINDO realidade. apontam que o conhecimento se dá de dentro para fora e outros que dizem que se dá de fora para dentro (internalização). O primeiro caso é o de Piaget, que Os gregos foram os que primeiro se deram conta do potencial aponta que para amadurecer o indivíduo têm de ser humano para a razão decidindo-se a enfrentá-lo. Os primeiros colocado em situação que o auxilie a passar para um nível de maior conhecimento; já no segundo caso filósofos gregos se negavam a serem, simplesmente, os sábios. destaca-se Vygotsky, com sua teoria sócio- Negavam o saber que se dava ares de dádiva. A filosofia não era interacionista ou sócio-cultural. As relações de causa e efeito são vistas Para empiristas, esta relação é apenas resultado de mito, não era poesia, não era tragédia, não era religião, não era pelo racionalismo como obedientes ao nossa maneira comum e habitual de compreender retórica. Nem era iluminação, nem inspiração. Era a negação Mecanicismo. fenômenos e os correlacionar como causa e Teóricos também estudados em Psicologia conseqüência através de uma repetição constante. nascente de todo dogma e de toda resposta aceita, de toda ilusão, da Educação, tais com Pavlov, Skinner e Ou seja, as leis da Natureza só seriam leis porque se de toda encenação que acobertasse o fio cortante do Logos. A Watson trabalharam suas pesquisas no observaram repetidamente pelos homens. Neste sentido de modular comportamentos ou ponto, seria o mesmo que deduzir após muito capacidade de linguagem e razão do humano que se realizava como Causa e Efeito compreender a modulação do pensamento, observar a existência de cisnes brancos, sem jamais dever saber, tal era o que significava sua busca, já era o trabalho da com estímulos. O saber de modo mecânico, notar um de outra forma que todos são brancos. Há sem a internalização do conhecimento tem uma indução a um erro (pelo método indutivo). compreensão que exige a palavra autocrítica para alcançar a raízes nesta linha de pesquisa em verdade. O amor ao saber era compromisso. A verdade seria o Psicologia. Estas relações podem ser expressas pelo magma encontrado após a retirada de todos os véus, o que equivalia rigor matemático, com objetividade bastante a negar com veemência a explicação já dada e avançar na pergunta. destacada. De modo sintético, os racionalistas viam que as relações O exercício do Logos ligava-se a Eros como desejo de saber, e, observadas do comportamento humano são muito mais, ao compromisso com o saber, o sentido mais acurado da inerentes aos objetos em si e à Mecânica da Natureza, como engrenagens que Philia grega, a amizade como implicação de vidas. Filósofos eram obedecem a uma ordem preestabelecida. aqueles que buscavam o saber no ato conjunto do Dialogo. A Filosofia primeiro foi especulação sobre o sentido último das coisas (metafísica), foi descoberta da reflexão sobre a ação (ética), mas foi, sobretudo, diálogo, ou seja, experiência de encontro de diferenças em torno da linguagem (o nome mais próprio do Logos), de suas possibilidades, da atitude crítica e luminosa que ela fazia nascer. Racionalismo Empirismo

×