Folder do Pro Teste

645 views

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
645
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
123
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Folder do Pro Teste

  1. 1. Tarifa flat: direito do consumidor faça valer seus direitos Campanha PRO TESTE Agora é o momento oportuno de reduzir tarifas e equilibrar os contratos em favor do consumidor. Em 2010, serão de- A PRO TESTE já enviou diversos ofícios para as autorida- des federais, tais como Anatel, Tribunal de Contas da União, TElEfOnE fixO maiS baRaTO finidos os parâmetros da revisão quinquenal dos contratos de concessão às operadoras. Ministério Público Federal, Ministério das Comunicações, Ministério da Casa Civil, Ministério do Planejamento, entre e chamadas locais sem limite A assinatura deve ser mantida em valor suficiente para ga- muitos outros, solicitando apoio e intervenção para atingir- mos o que é justo. Você sabia que sua assinatura básica de telefone fixo rantir a manutenção da rede e os custos para a prestação tem sido reajustada sempre acima dos índices de do serviço. Propomos uma redução de 75% no custo da Também se uniu a diversos parceiros para esta campanha, assinatura básica, considerando o seu valor livre de tribu- tais como Indec Telecom – Instituto Nacional de Defesa dos inflação? Por isso, muita gente tos, que hoje corresponde em média a R$ 28,00. O valor de Consumidores em Telecomunicações; União dos Movimen- está abandonando a referência deve ser os R$ 10,00, atualizados pelo índice das tos de Moradia – São Paulo; AET – Associação dos Enge- telefonia fixa em favor Tarifas de Uso da Rede Local – TU-RL. Esse índice tarifário nheiros de Telecomunicações; e Movimento Defenda São do celular, pagando é destinado à correção dos preços praticados entre as pró- Paulo, que estão presentes em todas as manifestações. prias prestadoras para a remuneração do uso da mesma apenas pelo que Para que nossa campanha ganhe mais força e possa sair rede usada para a telefonia fixa e tem tido reduções efetivas utiliza. do papel, sua participação é fundamental. Acesse nosso nos últimos anos. Confira o gráfico a seguir: site www.proteste.org.br e assine nossa petição on-line: Vamos mudar essa Ajude a acabar com a tarifa exorbitante. situação. Junte-se a nós Variação do Índice TU-RL (Sem tributos) Preço (R$ sem tributos) para exigir: R$ 28,00 Quem apoia esta campanha R$ 26,00 R$ 24,00 R$ 25,00 R$ 2000 R$ 18,00 R$ 16,00 TU-RL R$ 14,00 R$ 12,00 R$ 10,04 R$ 10,00 R$ 8,00 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Assim, o preço justo final da assinatura fixa residencial – incluindo os impostos, que chegam a 40% do valor bá- sico – deverá ser de R$ 14,00. Além disso, nossa proposta é retomar a Taxa Básica do Conheça a campanha Serviço Local, conforme a Portaria 216/1991 do Minis- tério das Comunicações que diz: se a companhia telefô- Visite nosso site: www.proteste.org.br Assinatura básica de telefones fixos nica cobra assinatura mensal, deve isentar da cobrança fale conosco (21) 3906 3906 residenciais a R$ 14,00 as ligações locais entre aparelhos fixos. Seriam cobradas Ligações locais ilimitadas apenas as ligações para celulares, interurbanos e ligações independência Proximidade Excelência realizadas na rede da concessionária internacionais.
  2. 2. Pelo fim das cobranças exorbitantes TElEfOnia Por que pagamos assinatura básica? Há também 12 milhões de linhas fixas sem uso. A queda na é um serviço público Quando ocorreu o processo de privatização dos serviços penetração do serviço ocorre justamente por causa do alto de telecomunicações, finalizado em julho de 1988, foi esta- custo da assinatura básica, em torno de R$ 40,00 (valor que Mesmo que tenha sido privatizado na belecida a Tarifa Básica do Serviço Local, que deveria valer agrega os diversos impostos e tributos cobrados). A redu- década de 1990, o serviço de telefonia R$10,00 (dez reais). Essa cobrança tinha como objetivo a ção da assinatura básica e a isenção de custo nas ligações fixa continua sendo considerado um implantação da rede de telefonia fixa em todo o território locais ajudarão a diminuir a capacidade ociosa na telefonia. serviço público, pois é dirigido ao nacional, garantindo que todos os cidadãos pudessem ter Os reajustes das tarifas de assinatura básica conjunto da população, atendendo aos acesso a este serviço público essencial. seguem a inflação? interesses coletivos. É praticamente impossível viver em condições dignas Amparada pelas diversas leis que regulam a prestação do Não, eles sempre estiveram acima da inflação. Até 2005, sem acesso a telefones residenciais serviço (dentre elas a Lei Geral das Telecomunicações e o era utilizado o Índice Geral de Preços - Disponibilidade In- ou públicos (os orelhões). Portanto, a Plano Geral de Metas de Universalização do Serviço Telefô- terna (IGP-DI), da Fundação Getúlio Vargas. Depois disso, telefonia deve seguir os princípios que nico Fixo Comutado), a cobrança da assinatura básica de- passou a ser usado o Índice de Serviços de Telecomuni- regem os serviços públicos, dentre eles veria financiar a expansão dos serviços de comunicação. cações (IST). o da modicidade tarifária para garantir a assinatura básica cumpriu sua função? A partir desses parâmetros, a assinatura básica sempre o direito constitucional de acesso Sim, a expansão de redes de telefonia de fato ocorreu. Em sofreu aumentos maiores do que os reajustes salariais, universal ao serviço. fins de 2005 toda a infraestrutura necessária já estava ins- que são baseados no Índice Nacional de Preços ao Con- talada no país. Com isso – e mais a queda no preço da sumidor (INPC), medido pelo IBGE. Por que a assinatura básica ainda é tão alta? habilitação para se obter a linha telefônica fixa –, houve um Confira no gráfico a seguir a comparação entre os valores Porque ainda não houve a revisão de sua tarifa pelas auto- aumento considerável na instalação de linhas, que saltaram da tarifa de assinatura básica (sem os impostos) e qual ridades competentes. A PRO TESTE não vê razão para que de 20 milhões em 1998 para 39,8 milhões em 2005. seria o valor se fosse calculado pelo INPC: valores tão elevados sejam cobrados do consumidor, pois Se toda a infraestrutura está pronta, por que não há mais o que financiar. A expansão da rede foi concluí- nem todos têm telefone fixo? Comparação da variação do preço (Sem tributos) da em 2005 e desde 2006 as operadoras de telefonia não O elevado valor da assinatura impede que muitas pesso- da assinatura básica de telefonia – estão mais investindo na construção dessa infraestrutura. as tenham telefone fixo. A telefonia no Brasil está entre as Índice oficial x INPC-IBGE E ainda há mais: os valores arrecadados não estão sendo mais caras do mundo, comprometendo quase 6% da renda Preço (R$ sem tributos) revertidos para o benefício coletivo, como era a proposta R$ 28,00 do brasileiro segundo estudo da ONU. R$ 26,00 ofICIaL R$ 27,75 inicial, mas sim para capitalizar as empresas que agora R$ 24,00 Dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicação), R$ 25,00 atuam também nos serviços privados de internet banda que regula as ações das operadoras no Brasil, apontam que R$ 2000 larga e de TV por assinatura. INPC-IBGE depois da grande expansão, o número de telefones fixos R$ 18,00 R$ 19,54 Por isso, a PRO TESTE entrou com uma ação para que um R$ 16,00 instalados vem caindo e já se reduziu em mais de 5% nos R$ 14,00 serviço prestado em regime privado não seja incluído den- últimos três anos. Hoje, há cerca de 32 milhões de termi- R$ 12,00 tro do contrato de telefone fixa (que é um serviço público), nais de telefonia fixa em uso no país. Apenas 34% das fa- R$ 10,00 para evitar o chamado “subsídio cruzado”, que é contra a R$ 8,00 mílias brasileiras têm telefone fixo em casa. 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 lei e traz prejuízos aos consumidores.

×