Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ebook mastite

2,797 views

Published on

Ebook mastite

Published in: Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ebook mastite

  1. 1. MarcosVeigaresponde10perguntassobre ControleePrevenção deMastiteBovina PATROCÍNIO
  2. 2. ControleePrevençãodeMastiteBovina MarcosVeigaresponde10perguntassobre ControleePrevençãodeMastiteBovina A mastite continua sendo uma das doenças que mais causam prejuízos para a pecuária leiteira em nível mundial. Não é sem razão que esta doença é uma das mais pesquisadas e tem recebido grande atenção da pesquisa e da busca por soluções. Para auxiliar aqueles que têm dúvidas no momento de definir os melhores métodos de controle e prevenção da mastite bovina, selecionamos algumas perguntas respondidas por Marcos Veiga, professor da FMVZ-USP e um dos maiores especialistas no assunto. Marcos Veiga médico veterinário, mestre em Nutrição Animal pela FMVZ-USP e doutor em Ciência dos Alimentos pela Universidade de São Paulo. Desde 2001, é Professor Associado 3 do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ-USP e bolsista de Produtividade em Pesquisa - CNPq PQ 2, desde março/2010. Foi Presidente do Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite (CBQL) de 2009 a 2011. Atua na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Qualidade do Leite, Controle de Mastite e Nutrição de vaca leiteira.
  3. 3. ControleePrevençãodeMastiteBovina 1. Estive em um evento da área e o palestrante comentou que o animal deve ter uma quantidade mínima de células somáticas para manter uma resposta primária frente à invasão de algum micro-organismo, e a quantidade relatada foi de aproximadamente 75 mil células/ml. Em outra situação, outro profissional afirmou que não há a necessidade de uma quantidade mínima de células, podendo inclusive ser uma quantidade muita baixa e, o que importa, é a capacidade da vaca em responder de forma rápida e eficiente frente à invasão do micro-organismo. Diante dos relatos desses dois profissionais da área, qual seria o de melhor fundamento? Marcos Veiga- “Este é um tema bastante debatido e, realmente, existem opiniões diferentes sobre este assunto. Em termos de estudos científico, eu não conheço nenhum estudo que determina que a CCS mínima da vaca é 75 mil cel/ml. Isto me parece mais um chute do que uma informação científica. Em 2012, no encontro anual do Conselho Nacional de Mastite dos EUA este tema foi debatido e o pesquisador Dr. Larry Fox, deixou claro que o que importa do ponto de vista da capacidade de resposta da vaca não é a contagem de células somáticas em si, mas sim, a capacidade de migração de células de defesa para a glândula mamária quando existe um desafio. Sendo assim, é possível vacas com CCS muito baixas, mas, que se estiverem com o sistema imune de forma adequada, vão responder quando houver um desafio. ”
  4. 4. ControleePrevençãodeMastiteBovina 2. Marcos, me recordo que li em um material anos atrás que ao fazer o teste de CMT no rebanho poderíamos avaliar os resultados por meio do percentual de quartos positivos ao teste. Se não estiver enganado tinha os seguintes valores: abaixo de 5% de quartos positivos o nível é bom, de 5 a 15% intermediário, acima de 15% indesejável. Seria mesmo esta relação e ainda se pratica este parâmetro? Ainda sobre a CMT, no material cita a realização do teste 4 dias pós-parto para avaliar a cura na secagem. Em outa parte fala de CCS mais alta neste pós-parto com redução de 8 a 14 dias. Fazendo o teste então com 4 dias poderia haver alguma interferência resultando em falso positivo? Marcos Veiga- “Quando se usa o CMT, eu recomendo que seja feito o cálculo com base na vaca, ou seja, qual a porcentagem de vacas com pelo menos um quarto com CMT acima de uma cruz (+). Neste caso, a minha recomendação é usar a meta de ter menos de 15% de vacas com CMT positivo. Sobre o momento de fazer o CMT pós-parto, existem estudos que recomendam a realização acima de 45 dias pós-parto. Mesmo usando o CMT neste período, existe uma boa % de acerto, pois o CMT uma cruz (+) na média identifica vacas com >500.000 cel/ml. Ou seja, o CMT é muito bom para identificar vacas com alta CCS, mas não tem boa precisão para identificar vacas com CCS abaixo de 500.000 cel/ml. Sendo assim, as vacas com CMT +, mesmo na primeira semana após o parto, têm uma alta chance (>75%) de ter uma infecção intramamária.”
  5. 5. ControleePrevençãodeMastiteBovina 3. Prezado Marcos Veiga, gostaria de saber qual é o melhor produto para pré-dipping: iodo, clorexidina ou ácido lático? E também qual é o melhor para o pós-dipping? 4. Sei que não é o foco do curso a mastite em novilhas, porém, esse problema vem se tornando frequente. Quais são os principais motivos dessa ocorrência? E quais são as medidas de controle e estratégias a se tomar nestes casos tanto para mastite contagiosa quanto para a mastite ambiental? Marcos Veiga- “A escolha do pré e pós-dipping depende basicamente do que o produtor tem de maior prioridade. Basicamente, o produto mais barato seria o cloro. No entanto, o uso do cloro requer a necessidade de diluição na fazenda (pode ocorrer problema de água contaminada e de erro de diluição) e seria necessário usar luvas, pois alguns ordenhares podem ter problema de reação (alergia) ao cloro. Por outro lado, pode ser sim uma opção, mas precisa de cuidados para evitar erros de uso. Outra opção mais segura seria os produtos à base de iodo, que já são prontos para o uso, mas de forma geral são mais caros do que o os produtos à base de cloro. Na minha opinião, todos estes produtos apresentados podem ser boas opções para pré-dipping e pós-dipping, mas atualmente o produto mais usado é o iodo, por ser um produto muito estável e bastante seguro. ”
  6. 6. ControleePrevençãodeMastiteBovina Marcos Veiga- “A ocorrência de mastite em novilhas (mesmo antes do parto) é bastante comum e em algumas fazendas. Os estudos sobre as possíveis origens da mastite em novilhas indicam que as possíveis fontes de transmissão destes casos são: 1) mamada cruzada entre bezerras durante o aleitamento (com o uso de leite de descarte ou com o uso de leite sem pasteurizar), 2) transmissão por picada de mosca na extremidade do teto ou por lesões ou ferimentos na extremidade dos tetos. Dentre as medidas de controle e prevenção, pode-se citar: a) evitar que as bezerras tenham contato entre si durante o aleitamento, b) pasteurizar o leite para aleitamento, c) controle de moscas e melhorias de higiene e do ambiente das bezerras. Se houver uma prevalência de novilhas com alta CCS (acima de 20%), pode-se fazer o tratamento de vaca seca para novilhas, sendo recomendado a aplicação de uma bisnaga por teto aos 60 dias da data prevista do parto. Outra alternativa seria o uso de uma bisnaga para tratamento durante a lactação aos 14 dias antes do parto (quando já passou o período recomendado de uso do tratamento de vaca seca). O tratamento tem uma alta eficácia e poderia ser uma alternativa para fazendas com problemas de mastite em novilhas.” Marcos Veiga- “A mastite causada por S. aureus é do tipo contagiosa, o que significa que a transmissão ocorre de vaca para vaca durante a ordenha. Sendo assim, uma forma de evitar a transmissão seria pela linha de ordenha (ordenhar por último ou de forma separada em conjunto de ordenha separado) as vacas positivas para S. aureus. Não necessita de uma separação física em outro retiro, mas sim uma linha de ordenha para 5. Gostaria de saber se procede a informação que um médico veterinário passou para mim com relação às vacas infectadas por S.aureus (colocar em itálico todos os S.aureus ). Medida urgente: ordenhar os animais em um retiro separado dos animais não infectados e providenciar o descarte dos mesmos, pois não há tratamento eficaz no controle desse agente.
  7. 7. ControleePrevençãodeMastiteBovina ordenhar as vacas sadias antes das vacas doentes. Isso significa que é necessário que seja feita a cultura de todas as vacas, com pelo menos 3 coletas por vaca, para ter certeza de que uma vaca é realmente negativa. Este procedimento somente deve ser adotado para rebanhos que têm como objetivo um controle mais rígido de S. aureus ou em razão de uma elevada prevalência deste agente. Em relação ao tratamento, é uma simplificação muito grande dizer que mastite causada por S. aureus não tem cura. Na verdade, seria mais correto dizer que este tipo de mastite tem uma taxa de cura menor, o que significa que as terapias mais convencionais têm cura baixa. Fizemos estudo com tratamento de S. aureus com terapia combinada (intramamario por 5 dias + injetável a base de enrofloxacina por 3 dias) e a taxa de cura foi de 70% para mastite subclínica em vacas com mastite crônica. Outra opção é aguardar a secagem e realizar a terapia da vaca seca associada com tratamento injetável no momento da secagem. A minha recomendação para descarte seria somente para vacas com histórico de mastite crônica (mais de 23 casos clínicos.” 6. Professor Marcos, normalmente, qual o tempo de funcionamento, ou melhor, qual o tempo de permanência na liberação de ocitocina na vaca durante a ordenha? Marcos Veiga- “O tempo de vida médio da ocitocina é de 34 minutos. Ou seja, depois que atinge um pico de concentração, a ocitocina é degradada pela metade a cada 3 minutos. Geralmente, o tempo de ação da ocitocina é de 56 minutos durante a ordenha. Sendo assim, o tempo ideal de colocação das teteiras é recomendado de 60 a 90 segundos depois do início da estimulação dos tetos. Quando este tempo é maior do que 3 minutos, existe prejuízo na ordenha”.
  8. 8. 7. Sabemos que o vácuo é importante na prevenção da mastite, e quanto às teteiras? Instalei algumas teteiras triangulares ventiladas na ordenha e elas são muito boas, pois não deixam o peito da vaca molhado de leite após a ordenha. Elas tiram muito rápido o leite e não temos ControleePrevençãodeMastiteBovina extratores. Esse tempo que fica ordenhando a vaca sem leite propicia o aumento da mastite? Marcos Veiga- “Um dos riscos de ter lesão de extremidade dos tetos (hiperqueratose) é a sobreordenha. Ou seja, o equipamento estar ordenhando a vaca sem fluxo de leite. Sendo assim, o recomendado é que depois que termine o fluxo de leite, o vácuo seja desligado e o conjunto de teteiras retirado. Em média a ordenha de uma vaca demora de 4 a 6 minutos, mas se a vaca tiver uma produção menor ou estiver em final de lactação pode ser mais rápido ainda. Atualmente, a recomendação de leite que sobra após a ordenha é de cerca de 400 ml por vaca. Ou seja, depois da ordenha não há a necessidade de tentar retirar até a última gota, pois nesse caso vai ocorrer a sobreordenha. Em sistemas de ordenha sem extrator automático, os ordenhadores devem ser treinados para evitar a sobreordenha.”
  9. 9. ControleePrevençãodeMastiteBovina 8. Caro Marcos, os antibióticos IMMs combinados com anti-inflamatórios são muito difundidos entre os produtores. Ao meu ver os ATBs empregados nestas formulações, geralmente neomicina e bacitracina, não possuem boa eficiência. Contudo o ordenhador relata a cura, que novamente na minha visão, é devido ao efeito do anti-inflamatório empregado e não a cura microbiológica em si. Com isto gostaria de saber: qual a eficiência destes ATBs, a base de neomicina e bactracina, em formulações IMMs? E se minha percepção está correta em relação à estas apresentações. Marcos Veiga- “As formulações de uso intramamário para tratamento de mastite têm duas linhas bem distintas, sendo que uma tem a inclusão de anti-inflamatórios corticoides+antibiótico e outra somente antibiótico. Não conheço estudos que compararam a mesma formulação com e sem anti-inflamatório e, portanto, posso responder com base na minha opinião. A argumentação das empresas que usam produtos com anti-inflamatório é que esta formulação aumenta/acelera a redução dos sintomas clínicos, enquanto que as empresas que não tem anti-inflamatório indicam que pode ocorrer mascaramento pela cura clínica, mas sem cura microbiológica. Como não temos estudos sobre isso, fica a critério de quem indica o tratamento. Pessoalmente, eu acho que o uso de produtos com anti-inflamatório na formulação tem efeito positivo em mastite grau 2 (moderada), na qual existe um inchaço do úbere, o que pode sim contribuir para redução do inchaço. Na mastite grau 1 (leve), a presença do anti-inflamatório não faz muita diferença no resultado, pois não tem inchaço no úbere. Deve-se destacar que o que determina a cura microbiológica é a ação do antibiótico em conjunto com a ação do sistema imune da vaca. Como o anti-inflamatório dos produtos intramamários esta em baixa dosagem, não teria o efeito de depressão do sistema imune de forma sistêmica. Não temos muitos estudos sobre a eficácia dos produtos comerciais
  10. 10. ControleePrevençãodeMastiteBovina disponíveis no Brasil. Acho isso uma deficiência e as empresas deveriam dedicar recursos para desenvolver estudos com uma boa base científica. Outro ponto que considero importante é que a percepção da cura da mastite normalmente é somente visual, por parte do produtor, ou seja, considera-se que curou quando os sintomas desaparecem (cura clínica), no entanto, se a mastite voltar no mesmo quarto em até 14 dias após o término do tratamento, temos uma falha de tratamento e não uma cura clínica. O melhor seria ter os dados de cura microbiológica, mas em razão do custo e da dificuldade de coleta de amostras (14 e 21 dias depois do tratamento), ela somente é feita em estudos científicos.” 9. Qual a melhor hora para secar uma vaca? Quais critérios devemos selecionar? Marcos Veiga- “Acho que a resposta para sua questão depende do sistema de produção e do objetivo do produtor. Eu colocaria alguns comentários sobre estas situações: 1) O sistema de secagem mais tradicional é com 60 dias antes da data prevista do parto. Desta forma, o critério é basicamente o período de gestação da vaca. 2) Alguns rebanhos podem fazer este período mais curto, até 45 dias antes da data do parto. Esta seria uma forma de aproveitar mais duas semanas de lactação da vaca, buscando otimizar a produção de leite. Este tipo de manejo somente tem vantagem se as vacas estiverem com alta produção para justificar a permanência no lote de lactação. 3) É possível antecipar a secagem das vacas (período secos mais longos), quando a vaca tem baixa produção, alta CCS e já se encontra prenha. Este seria um manejo para tentar aumentar a taxa de cura e reduzir a % de vacas com CCS alta, mas deve ser feito somente em parte das vacas com estas características e quando não compensa fazer o tratamento na secagem.
  11. 11. ControleePrevençãodeMastiteBovina 10. Caro professor Marcos, tenho praticado secagem intermitente em meu rebanho de ovinos. Com o material do curso, achei mais prática a secagem abrupta, pois consome menos mão de obra e, se entendi direito, o aumento da pressão interna do úbere inibe a produção do leite. Gostaria de sua opinião: qual o melhor método? Marcos Veiga- “Interrupção das ordenhas na secagem abrupta ou a redução da frequência de ordenhas na secagem intermitente reduz o estímulo para a produção de hormônios galactopoiéticos, que mantêm a produção de leite (os dois hormônios principais são prolactina e somatotropina). Sendo assim, mesmo após a interrupção das ordenha, a vaca produz leite por 23 dias, mas em razão do aumento da pressão intramamária e do menor estímulo hormonal, após 34 dias inicia-se a reabsorção do volume de leite da glândula. Na minha opinião, os dois tipos de secagem podem funcionar, mas a secagem intermitente dá mais trabalho, pois envolve a mudança de frequência de ordenhas e a separação da vaca. Acho que o conceito deve ser o mesmo para as ovelhas.”
  12. 12. ControleePrevençãodeMastiteBovina Para saber mais sobre este tema que é fundamental para a pecuária leiteira, participe do curso online “Aumente o lucro pelo controle e prevenção da mastite bovina” com o professor Marcos Veiga. http://www.educapoint.com.br/curso/mastite/ Além de acessar um material completo e atualizado durante todo o período do curso, os alunos poderão enviar suas dúvidas para serem respondidas pelo professor.

×