Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Versátil, macaúba chega à aviação

127 views

Published on

O pesquisador do IAC, Carlos Colombo, concedeu informações sobre a macaúba. A matéria foi publicada no jornal Correio Popular, em 7 de junho de 2017.

Published in: Science
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Versátil, macaúba chega à aviação

  1. 1. Versátil, macaúba chega à aviação DESCOBERTA ||| CULTURA Inaê Miranda DA AGÊNCIA ANHANGUERA inae.miranda@rac.com.br Uma planta nativa e dez vezes mais produtiva que a soja, a macaúba vem despertando a atenção dos pesquisadores bra- sileiros, o interesse da indústria e do setor empresarial de avia- ção. Rica em ácido oleico e áci- dos graxos — propriedades es- senciais para uso na área cos- mética e no processo de produ- ção de biocombustíveis avança- dos —, a palmeira também pro- mete ser uma solução para a re- cuperação de áreas de pasta- gem degradadas e ampliação da renda no setor agropecuá- rio. O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e o Laborató- rio Nacional de Ciência e Tec- nologia do Bioetanol (CTBE) se debruçam sobre a palmeira com o objetivo de avançar nos desafios que ainda cercam esta cultura. Campinas sedia hoje um evento que vai discutir as oportunidades e desafios da palmeira. Estudioso da macaúba des- de 2007, o pesquisador Carlos Colombo, do IAC, diz não ter dúvidas dos potenciais e da ver- satilidade da planta, que, entre outras denominações, também é conhecida como bocaiúva, macaúva, coco-de-catarro, co- co-de-espinho. Segundo ele, a macaúba produz muito óleo, tanto em sua polpa quanto na amêndoa. “O teor de óleo da polpa é maior que o da amên- doa. Chega a ter 70% a 85 % de ácido oleico na composição do óleo. Isso é espetacular para a produção de biodiesel e para alimentação”, diz. O óleo da amêndoa também é de cadeia de carbono mais curta e con- tém ácido láurico, importante para a produção de cosmético. Além disso, a polpa é apreciada na gastronomia e contém pro- priedades alimentares ricas. “A planta é extremamente produtiva. Se comparar com a soja, que você consegue tirar por volta de 400 quilos de óleo em um hectare, a macaúba, co- locando-se umas 400 plantas por hectare, você chega a 5 mil quilos de óleo”, afirma. Outra vantagem em relação à macaú- ba, é que é uma planta nativa da América, ocorrendo princi- palmente no Brasil. “Ocorre do México ao Norte da Argentina. Ocorre muito na região central do Brasil e região de serrado, es- pontaneamente. Significa dizer que planta tem potencial de áreas climáticas de cultivo ex- tremamente elástica e que po- de ser cultivada em todos esses ambientes em que ela ocorre. É uma vantagem grande em re- lação ao dendê, por exemplo, que pode ser cultivado apenas na faixa do Equador.” Aviação Mateus Chagas, pesquisador do CTBE, acrescenta que a ma- caúba é o fruto que deve revolu- cionar a produção de óleo na indústria de biocombustíveis avançados — de aviação — e também na alimentícia. A prin- cipal aplicação hoje é em cos- méticos. “Mas com o potencial produtivo das plantas acredita- mos que com o sistema produ- tivo de larga escala fornecendo óleo a baixo custo de produção ele é competitivo para geração de biocombustíveis avança- dos.” Foi o que demonstraram as simulações do CTBE utilizan- do a biorrefinaria virtual. “E, pe- las características do óleo gera- do pela macaúba, pode ser usa- do tanto para a produção do diesel como para a produção de combustível de aviação.” Projeto Colombo integra o maior pro- jeto existente no País envolven- do, que prevê o plantio de dois mil hectares da espécie. O pro- jeto é financiado pelo Banco Mundial e coordenado por uma empresa alemã. O IAC es- tá auxiliando nas atividades de seleção de matrizes e germina- ção de sementes que serão cul- tivadas. “Esse projeto preten- de o plantio de dois mil hecta- res de macaúba em área de pastagem. Identificaram 100 pequenos produtores de re- gião de pastos de Minas e o projeto vai fornecer mudas pa- ra esses agricultores para que tenham uma renda adicional na sua propriedade”, explica. Uma usina também será cons- truída na região para extração do óleo. Ele acrescenta que o projeto tem cunho social im- portante, já que futuramente o óleo será processado e extraí- do. “É uma iniciativa importan- te e acho que vai mostrar para que vem essa planta.” Os pes- quisadores acreditam ainda no potencial da macaúba para recuperação das áreas de pas- tagens: “Colocar a macaúba nesse tipo de ambiente é inte- ressante porque você está colo- cando uma floresta em cima de um pasto. Protege a grama, cria um ambiente interessante para grama se desenvolver, tem a rede de raiz subterrânea e isso impede que solo seja le- vado embora por erosão”, afir- ma Colombo. Desafios Os pesquisadores e investido- res também se deparam com alguns desafios que envolvem a macaúba, entre eles o fato de ainda não se ter um sistema de produção em larga escala consolidado. Atualmente, ape- nas o Estado de Minas Gerais planta a macaúba comercial- mente. Outro gargalo identifi- cado foi em relação à varieda- de. “De acordo com dados do IAC, existe uma variação gran- de de expectativa de produtivi- dade das plantas. Se a gente fo- ca naquelas plantas com po- tencial produtivo maior, esse risco do sistema produtivo cai consideravelmente. Ligado mais a aspectos tecnológicos, o que podemos falar é que a parte de fertilização e opera- ção de colheita são as duas eta- pas da produção que são mais intensivas em custos. Então, qualquer beneficio tecnológi- co para desenvolvimento e aperfeiçoamento dessas eta- pas também pode contribuir para redução dos custos e ris- cos associados a macaúba”, completou Chagas. Rica em ácido oleico e ácidos graxos, a polpa da macaúba tem sido muito usada na gastronomia: cultura promete ser uma solução para recuperar áreas de pastagem degradadas e ampliar renda no setor agropecuário O pesquisador Carlos Colombo e as mudas da palmeira: alta produção Os pesquisadores ressaltam que o CTBE e o IAC enxergam na macaúba um gerador importante de oportunidades capaz de transformar o país em um grande produtor de mais uma matéria-prima de alta qualidade e aplicação tecnológica. Acreditando nesse potencial, o CTBE promove hoje o Workshop “Macaúba, oportunidades e desafios”, no CTBE, que deve reunir pesquisadores de todo o Brasil, além de representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, BNDES, Cargill, Petrobras, Embraer, Gol Linhas Aéreas, entre outros. A programação tem início às 8h30 e segue até as 17h. Mais informações estão disponíveis no site: http://pages.cnpem.br/wectbe/. Planta nativa tem propriedades essenciais para uso que vai da área de cosmético a biocombustíveis Fotos: Leandro Torres/AAN IAC ajuda na seleção de sementes para ampliar cultivo SAIBA MAIS CORREIO POPULAR A9CIDADES Campinas, quarta-feira, 7 de junho de 2017 A9

×