Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Kauri atrai todos os olhares na praça

54 views

Published on

Jornal Correio Popular, 2 de julho

Published in: Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Kauri atrai todos os olhares na praça

  1. 1. Kauri atrai todos os olhares na praça Acusado de estupro é reconhecido no Facebook NATUREZA III ENCANTAMENTO Alenita Ramirez DA AGÊNCIA ANHANGUERA alenita.jesus@rac.com.br Duas árvores imponentes plantadas na Praça Luis de Ca- mões, mais conhecida como Praça da Beneficência Portu- guesa, no bairro Botafogo, em Campinas, chamam a aten- ção dos admiradores da natu- reza que passam por lá. Trata- se de um “casal” verde, a Kau- ri (Agathis robusta), que está separado por uma distância de cerca de 50 metros, para que assim suas copas não se juntem. Segundo uma mora- dora de 73 anos, assídua fre- quentadora do espaço, as ár- vores estão ali há mais de um século, desde a época de sua avó, que já morreu há déca- das. “Quando eu era pequena, essas árvores já estavam ‘adul- tas’, mas não tão altas como estão hoje. Minha mãe conta- va que quando ela era peque- na, brincava perto delas, que ainda eram baixas”, disse a idosa que ama observar as ár- vores. Ambas têm cerca de 30 metros de altura. “Essa árvore é muito diferente. Nenhum pássaro senta nela. Sua repro- dução é um espetáculo. Ocor- re no final do ano. Aparecem uns pinhõezinhos. Quando eles estão maduros, dá um es- touro tão alto, que até assusta a gente. Então começa a cair as sementes. É uma beleza. Elas caem como se fossem uma hélice de um helicóptero e penetram na terra. Se a terra estiver úmida, alguns dias de- pois nascem as mudinhas, que são muito lindas" , con- tou um taxista de 64 anos, que trabalha na praça há 13 anos e acompanha diariamen- te a beleza das árvores. A moradora aposentada co- nhece bem o espetáculo da re- produção das árvores. Afinal, todo início de ano ela é obriga- da a colher as mudas que nas- cem em seus vasos no quintal e colocá-las em um saco de li- xo, para serem descartadas, pois infelizmente não há local para plantá-las. O taxista contou que logo que começou a trabalhar na praça, uns pesquisadores fo- ram no local, fizeram um bu- raco na árvore e tiraram o miolo para estudarem os anéis. Pouco tempo depois, os estudiosos voltaram na praça e falaram para ele que as árvo- res tinham 175 anos. "Não per- guntei de onde eram, mas eles tamparam o buraco e na- da aconteceu com as árvores. Com essa contagem, então tu- do indica que elas hoje têm 183 anos”, disse o taxista, or- gulhoso com a informação pri- vilegiada. Hoje o “casal” verde não es- tá mais sozinho na praça. Eles estão acompanhados por três “filhinhos” que estão perto de um exemplar adulto. As “crianças” já têm mais de 15 metros de altura. Provavel- mente as plantas têm mais quatro “filhos” na cidade. O ta- xista disse que conhece todos os cantos de Campinas e des- cobriu que no canteiro entre as ruas José Paulino e Orosim- bo Maia, em frente à Secreta- ria Estadual de Saúde, há qua- tro delas “adolescentes”. Es- tão lado a lado, bem pertinho. “Não sei como foram parar lá” , comentou. Especialista Para a pesquisadora do Nú- cleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam) da Uni- camp, Dionete Santin, as qua- tro mudas foram plantadas no canteiro. Segundo ela, tra- ta-se de uma árvore ornamen- tal, muito bonita, cujas semen- tes não voam para muito dis- tante. “Não estudei essas árvo- res, mas conheço-as bem. Lembro que visitava esta pra- ça em 1985 para observar as árvores de lá e elas já eram al- tas. Esta espécie pode chegar a 50 metros de altura. O inte- ressante dela é que o tronco é uniforme, é grosso desde a ba- se até a altura do início da co- pa. Além disso, a madeira de- la é forte e sua casca é lisa”, disse Dionete, que fez um ma- peamento de áreas verdes na cidade. Sobre a origem da árvore, a pesquisadora Roseli Buzanelli Torres, do Instituto Agronômi- co de Campinas (IAC) expli- cou que esta espécie “campi- neira” é originária da Austrá- lia. De acordo com ela, o pes- quisador Harri Lorenz a cata- logou em livro entre as árvo- res mais exóticas do Brasil. Na pesquisa, ele apontou que é uma árvore que se adapta bem nas regiões Sul e Sudeste do País. “Essa árvore é uma araucária. Há cerca de 20 espé- cies dela, mas há somente a Agathis robusta cultivada no Brasil” , disse. “É uma espécie muito bonita e sua madeira é muito boa para a marcenaria. Apesar da raiz não ficar expos- ta, ela não é indicada para cal- çada. É adequada para o paisa- gismo em áreas grandes”, fri- sou a pesquisadora. A aposentada de 73 anos frequentadora da praça mora na Rua Marechal Deorodo desde que nasceu. A família era moradora em frente ao tre- cho onde estão as árvores exó- ticas. Segundo ela, houve uma época em que diversos pesqui- sadores, inclusive de Ribeirão Preto, iam lá estudar as árvo- res. Hoje, ainda elas atraem leigos e observadores. “Tem gente que fotografa. Outros fi- cam só observando por um bom tempo. Elas chamam a atenção”, disse. VINHEDO III VIOLÊNCIA SEXUAL Jovem é preso pela PM enquanto trabalhava em lava-rápido As sete munições intactas achadas pelos policiais na mochila do acusado Um dos exemplares adultos da Agathis robusta na Praça Luis de Camões: aproximadamente 30m de altura Da Agência Anhanguera Um homem de 20 anos foi pre- so na tarde de anteontem, em Vinhedo, após ser reconhecido por fotos no Facebook. Rodrigo Villa é acusado de ter estuprado uma jovem de 22 anos e agredi- do uma adolescente de 17. Ele foi detido por policiais militares enquanto trabalhava em um la- va-rápido na Avenida Benedito Storani, no Centro. Segundo consta no Boletim de Ocorrência (BO) registrado na delegacia, o tio da adolescen- te pediu ajuda para os policiais durante um patrulhamento de rotina no bairro Capela. Ele rela- tou que a sobrinha foi atacada por um rapaz quando voltava sozinha da escola, no último dia 18 de junho. A agressão te- ria acontecido no acostamento da Rodovia Anhanguera (SP-330), próximo ao Km 78, sentido Vida Nova I. Segundo os relatos da jovem, o suspeito tentou abraçá-la por trás, derrubando-a no chão, fa- to que a permitiu fugir até uma casa próxima, onde pediu socor- ro. Através das imagens, a meni- na lembrou que cursou a 5ª sé- rie do Ensino Fundamental com o criminoso, na Escola Mu- nicipal CIC Eduardo Vonzuben, no Altos do Morumbi, bairro em que reside. Ao ver as fotos, os policiais militares informa- ram que Villa já era conhecido por outros delitos, entre eles, re- ceptação, lesões corporais e apreensão de simulacro. Ao vistoriar Villa no momen- to da apreensão, a PM localizou sete munições intactas calibre 45 em sua mochila. Após condu- zi-lo a delegacia, outras possí- veis vítimas foram chamadas. Uma das pessoas o reconheceu como o homem que a estuprou no último dia 03. A mulher con- tou que, na oportunidade, esta- va parada em um ponto de ôni- bus do bairro Santa Rosa, quan- do foi ameaçada pelo indivíduo com uma faca em seu pescoço. Em seguida, ela foi obrigada a acompanhá-lo a um terreno bal- dio próximo. Lá, ele a manteve deitada por cerca de três horas. Poste- riormente, ele fugiu sentido a Rua dos Sabiás, então a jovem voltou para o estabelecimento onde trabalha para pedir ajuda. A PM conseguiu localizar uma testemunha que presen- ciou o homem saindo do local na data indicada, confirmando seus trajes e a descrição dada pela vítima no dia. A sua prisão preventiva foi decretada “tendo em vista a reiteração delituosa” do autor. Na Wikipédia há duas citações para o Kauri: a Agathis australis e robusta. A primeira diz que é a árvore nativa mais famosa da Nova Zelândia e é considerada uma das maiores árvores do mundo, podendo atingir de 40 a 50 metros de altura com crescimento vertical e caule cilíndrico. A segunda espécie cita que é de Papua Nova Guiné e Queensland, na Austrália, e que no passado foi muito explorada, mas sua espécie não está em extinção. Exemplares da espécie Agathis robusta estão separados por 50m na Luis de Camões, no Botafogo Thomaz Marostegan/Especial para a AAN Árvores têm mais de 100 anos e geraram “descendentes” Divulgação SAIBA MAIS CORREIO POPULAR A5CIDADES Campinas, segunda-feira, 2 de julho de 2018 A5

×