Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas

126 views

Published on

Apresentação de trabalho no 13. Congresso P&D Design
Joinville, 2018
Prof. Luiz Agner

Published in: Design
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas

  1. 1. Rápidas anotações sobre arquitetura de informação na era dos espaços mistos e ecossistemas Luiz Agner (Facha, IBGE) Adriano Renzi (Senac, UFF) 13. Congresso Pesquisa & Desenvolvimento em Design Joinville 2018
  2. 2. Introdução
  3. 3. Introdução
  4. 4. Objetivos • Apresentar e discutir desenvolvimentos conceituais recentes no campo da AI. • Estabelecer o paralelo com abordagens contemporâneas na comunicação digital. - O arquiteto não mais se circunscreve unicamente a produzir “entregáveis”. - Sabe-se que ela agora, sendo pervasiva, deve ser consistente para uma complexa ecologia. - Conceitos da AI evoluíram, ou tiveram o sentido expandido, ressignificado.
  5. 5. • Disciplina voltada para o design estrutural de paisagens digitais, através da síntese de sistemas de organização, rotulação, navegação e busca • Visa construir ecossistemas informacionais físicos, digitais ou transmidiáticos. • Objetivo: desenvolver experiências e produtos que proporcionem a melhor usabilidade, encontrabilidade e compreensibilidade. Definições de AI Morville, Rosenfeld e Arango (2015)
  6. 6. • Esforço sistemático de identificação de padrões e criação de metodologias para a definição de espaços de informação. • Inclui a representação e a manipulação de informações, assim como a geração de relacionamentos entre entidades linguísticas para a definição de espaços de informação. Albuquerque e Lima-Marques, UnB, 2015 Definições de AI
  7. 7. • 3 conceitos: • Ontologia - regras e padrões que governam o significado daquilo que comunicamos; o trabalho é descobrir, definir e articular estas regras e padrões. • Taxonomia - sistemas e estruturas para objetos e a relação existente entre seus rótulos e categorias. • Coreografia - estrutura criada para habilitar tipos específicos de movimentos e de interações, com affordances (possibilidades de interações) para apoiar o fluxo de usuários e da informação. Definições de AI Klyn, 2014
  8. 8. Pervasividade da informação Resmini e Rosati 2011
  9. 9. Pervasividade da informação • A informação abundante e pervasiva. • Advento do uso intensivo de dispositivos e objetos conectados à internet (Internet das Coisas - IoT) para todo tipo de atividade diária ou rotina. Objetos conectados: 8,4 bilhões Até 2020 - 20,4 bilhões de dispositivos conectados: iluminação, aquecimento, ventilação e ar condicionado, e sistemas de segurança • Transformações definiram a “arquitetura de informação pervasiva”. Resmini e Rosati 2011
  10. 10. Transformações da AI pervasiva 1. AI transforma-se em ecossistema. 2. Os usuários produzem conteúdo. 3. O estático torna-se dinâmico. 4. O dinâmico torna-se híbrido. 5. A horizontalidade prevalece sobre a verticalidade. 6. O design de produto torna-se de experiência. 7. As experiências tornam-se cross-media.
  11. 11. Cenário de ubiquidade e pervasividade • A AI é o projeto de lugares construídos com a linguagem; • A AI deve se fundar na coerência através de lugares, contextos e dispositivos; • A AI pressupõe o pensamento sistêmico de projeto, como fundamento do design de produtos e serviços. Ambientes físicos e virtuais tornaram-se integrados e que vivemos dentro de uma ecologia de mídias que demanda a abordagem holística.
  12. 12. AI e a metáfora do ecossistema • A ideia da AI como um “ecossistema” foi contemplada por Resmini e Rosati (2011) • “Cada artefato torna-se um elemento em um ecossistema maior. Todos esses artefatos têm múltiplos links e relacionamentos entre si e devem ser desenhados como parte de um único e integrado processo de experiência do usuário”. Resmini e Rosati 2011
  13. 13. Espaços mistos • O amálgama de espaços físicos e digitais criou a categoria dos espaços mistos • É um conceito que mostra propriedades emergentes a partir da fusão do físico com o digital • Cria novo senso de presença e novas formas de interação e de experiências. • É nos espaços mistos que, cada vez mais, as experiências do dia-a-dia estão ocorrendo. Benyon e Resmini 2017
  14. 14. Ecossistemas cross-channel • São superconjuntos de espaços mistos, pertencentes ou não aos mesmos sistemas, com múltiplos pontos de contato com usuários. • São construtos semânticos estruturados ao redor da ideia de “experiências” e que incluem pessoas, dispositivos, locais e aplicativos, todos conectados por um fluxo contínuo de informação. Benyon e Resmini 2017
  15. 15. Narrativa transmídia • Os usuários tornaram-se prosumers e a informação, transmídia. • Narrativa transmídia é uma estrutura particular de narrativa que se expande através de diferentes linguagens (verbal, icônica etc.) e de diferentes mídias. • Os conteúdos tornaram-se eternamente inacabados, com o fim dos comportamentos tradicionais de leitura. Carlos A. Scolari 2015
  16. 16. Cultura da convergência • A cultura da convergência define as atuais transformações mercadológicas, culturais e sociais. • É transformação cultural (não simplesmente tecnológica) que tem tornado imprecisas as fronteiras entre os diversos meios de comunicação e onde a relação estabelecida há décadas de cada meio com o seu uso está se dissolvendo rapidamente. • Cultura da conexão. Henry Jenkins 2015
  17. 17. Cultura e AI • A cultura é uma construção coletiva que transcende as preferências individuais, onde valores e crenças moldam o comportamento humano. • Formada por padrões repetitivos que geram costumes, reforçados por instituições e por organizações informais. • Cultura da internet (Castells, 2003) Manuel Castells 2003
  18. 18. Cultura e AI • Um sistema estruturado de valores, normas, comportamentos e artefatos. • O trabalho da cultura não consiste tanto em sua autoperpetuação, mas em garantir condições para futuras experimentações e mudanças. • É fator tanto de atemporalidade quanto de obsolescência; e, por meio do seu esforço de ordenação, a cultura acaba por produzir a mudança constante. Bauman 2012
  19. 19. Cultura e AI • Atualmente, sistemas digitais estão cada vez mais enraizados na cultura, sendo que a percepção das pessoas é bastante influenciada por sua interação com tecnologias. Morville, 2014
  20. 20. Diretrizes da AI pervasiva • Construção de lugares • Consistência • Resiliência • Redução • Correlação Resmini e Rosati 2011
  21. 21. Apontamentos para discussão • É necessário perceber a necessidade de remodelação da arquitetura de informação para que o conceito acompanhe o ambiente de mudanças contínuas e necessidades cambiantes, daí o sentido de uma disciplina que se torna mais ampla e aberta. • Segundo Scolari resgatando McLuhan, estamos em um contexto no qual proliferam novas “espécies midiáticas” e onde o ecossistema da comunicação vive em um estado permanente de tensão. • Por isso é fundamental o intercâmbio com outros campos do saber (Bruno Latour: Teoria Ator-Rede; Lazlo Barabasi: Teoria das Networks).
  22. 22. Apontamentos para discussão • Delineia-se um enorme desafio que coloca os arquitetos de informação diante da tarefa de repensar seus processos, de modo a que todo artefato, produto ou serviço trabalhe em interações de fluxo contínuo, dentro de um sistema emergente onde velhas e novas mídias colidem, o físico e o digital, agora convergentes, sejam projetados, entregues e experienciados como um todo integrado. • Tal parece ser a tarefa da nova arquitetura de informação.
  23. 23. Obrigado por sua atenção! luizagner@gmail.com www.agner.com.br facebook.com/luiz.agner

×