Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

4. Debriefing em testes de usabilidade

4,760 views

Published on

Apresentação dos alunos da Pós-Graduação em Ergodesign de Interfaces e Arquitetura de Informação da PUC-RIO (CEE) - edição 2011.
Prof. Luiz Agner
Disciplina: Testes Formais de Usabilidade
Baseado no livro HandBook of Usability Testing, de J. RUBIN.

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

4. Debriefing em testes de usabilidade

  1. 1. Ergodesign de Interfaces: Usabilidade e Arquitetura da Informação Debrief do Participante e Observadores Teste de Usabilidade Alunos: Graziella Lemos e Diego Faria
  2. 2. O QUE É - É uma entrevista que tem como função de recolher informações de como ocorreu o teste de usabilidade; - É uma exploração e revisão dos atos dos participantes durante o teste de Usabilidade; - Visa descobrir problemas e como solucioná-los; - Permite entender coisas que não foram vistas durante o teste: preferências, pensamentos, etc; - O Debriefing com observadores permite obter a visão de diferentes pontos de vista do ocorreu na sessão. O moderador adquire informações mais detalhadas, que podem completar as anotações e lembranças. Debrief do Participante e Observadores
  3. 3. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>TÉCNICAS DE REVISÃO COM OS PARTICIPANTES </li></ul><ul><li>- Antes de começar o pós-teste do debriefing , reveja dois pontos no questionamento dos participantes: </li></ul><ul><li>>> A sessão do debriefing deve ser uma discussão entre pares, e não intimidador, pois assim, os participantes podem adotar uma postura defensiva; </li></ul><ul><li> >> Não mostrar reações perante as respostas dos participantes, isso pode intimidá-los ou deixá-los tendenciosos a responder o que se deseja ouvir; </li></ul><ul><li>Recomendações básicas </li></ul><ul><li>Organizar as idéias enquanto o participante preenche o questionário pós-teste. </li></ul><ul><li>>> Assim o participante entende que o teste está acabando; </li></ul><ul><li>>> Você pode traçar uma estratégia de como o debriefing será conduzido. </li></ul><ul><li>Revise o questionário pós-teste </li></ul><ul><ul><ul><li>>> Ao analisar, poderão surgir respostas conflitantes que não condizem com a postura do participante durante o teste; </li></ul></ul></ul>
  4. 4. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>TÉCNICAS DE REVISÃO COM OS PARTICIPANTES </li></ul><ul><li>Recomendações básicas </li></ul><ul><li>Sugerir ao participante falar o que vem a cabeça; </li></ul><ul><li>>> O tópico que ele resolver falar foi o que mais lhe chamou a atenção; </li></ul><ul><li>Comece com perguntas generalizadas, para depois passar para questões específicas; </li></ul><ul><li>Revise as áreas do questionário pós-teste previamente escolhidas para explorar; </li></ul><ul><li>>> Use o tempo que for necessário. Deixe o participante pensar na resposta com tranquilidade; </li></ul><ul><li>>> Poderá levar mais tempo que as próprias tarefas; </li></ul><ul><li>Se preocupe em entender os problemas e as dificuldades, e não em resolvê-las; </li></ul><ul><li>>> Não solicite uma opinião do participantes sobre o produto </li></ul><ul><li>>> N ão impede de você aproveitar alguma sugestão, se ela realmente for boa; </li></ul>
  5. 5. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>TÉCNICAS DE REVISÃO COM OS PARTICIPANTES </li></ul><ul><li>Recomendações básicas </li></ul><ul><li>Termine sua pesquisa antes de abrir a discussão para os observadores </li></ul><ul><li>>> Os observadores devem anotar suas perguntas para que você faça aos participantes; </li></ul><ul><li>>> Se perceber que o participante está à vontade, os próprios observadores poderão fazer suas perguntas. </li></ul><ul><li>No término da sessão, deixe a porta aberta pra futuros contatos </li></ul><ul><li>>> Você pode estabelecer a possibilidade de contato com o participante, para esclarecer qualquer assunto que possa aparecer; </li></ul><ul><li>>> Agradeça a participação, e faça um uma agrado, dando algum presente; </li></ul>
  6. 6. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>TÉCNICAS DE REVISÃO COM OS PARTICIPANTES </li></ul><ul><li>Recomendações avançadas </li></ul><ul><li>Técnica de “repetir o teste” </li></ul><ul><li>>> Essa forma ajuda o participante a recorrer a sua memória para ajudá-lo a lembrar de pontos importantes que ele possa ter esquecido de mencionar; </li></ul><ul><li>>> E também é o momento que você pode fazer perguntas sobre pontos específicos; </li></ul><ul><li>Método Manual </li></ul><ul><li>- Após o teste, reveja as suas anotações e descreva detalhadamente as ações do participante, para que ele visualize a experiência que teve no momento; </li></ul><ul><li>Método de Vídeo </li></ul><ul><li>- É uma forma de substituir as anotações e lembranças; </li></ul><ul><li>- Ao mostrar o vídeo para o participante, eles se deparam com suas reações e assim recordam melhor das sensações que tiveram naquele momento; </li></ul><ul><li>Gravação de áudio </li></ul><ul><ul><ul><li>>> Permite se concentrar somente no debrief, evitando perder informações importantes; </li></ul></ul></ul>
  7. 7. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>TÉCNICAS DE REVISÃO COM OS PARTICIPANTES </li></ul><ul><li>Recomendações avançadas </li></ul><ul><li>Designs alternativos </li></ul><ul><li>>> Utilizar a sessão do debriefing para exibir protótipos alternativos e solicitar a opinião dos participantes. É mais eficiente para entender as preferências do usuário; </li></ul><ul><li>Técnica: “O que você se lembra?” </li></ul><ul><ul><ul><li>>> Busca tentar lembrar o usuário quais foram suas observações a respeito de elementos, telas ou processos durante teste; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>>> Deverá ser exibida a tela ou seção em que houve a observação; </li></ul></ul></ul>
  8. 8. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>TÉCNICAS DE REVISÃO COM OS PARTICIPANTES </li></ul><ul><li>Recomendações avançadas </li></ul><ul><li>Técnica: “Advogado do diabo” </li></ul><ul><ul><ul><li>>> É uma técnica em que você conduz a entrevista de uma forma assertiva, mas sem qualquer agressividade, e deve ser aplicada somente ao final do teste; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>>> Para buscar os sentimentos reais do participante em relação ao produto, o moderador deixa de lado a sua posição neutra e assume uma postura contrária ao do participante. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>>> Esse método é apropriado para ser usado se os participantes apresentarem dificuldades ou relutância durante o teste; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>>> Uma vez desafiado, o participante tende a olhar a questão com mais atenção, e, assim, revendo a sua opinião; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>>> Também é permitido contar uma “mentira branca” – mencionar que outros participantes criticaram o seu comentário, e neste momento você realmente terá certeza de como ele está se sentindo; </li></ul></ul></ul>
  9. 9. Debrief do Participante e Observadores <ul><li>REVISÃO E CONSENSO COM OS OBSERVADORES </li></ul><ul><li>- Benefícios ao incluir os observadores na pesquisa: </li></ul><ul><li>>> Você tem com quem conversar sobre o que aconteceu em cada sessão; </li></ul><ul><li>>> Os observadores se tornam mais comprometidos e se envolvem mais no teste; </li></ul><ul><li>>> Ajudam a detectar os problemas com maior prioridade </li></ul><ul><li>- Entre as sessões de teste procure: </li></ul><ul><ul><li>>> Conversar com os observadores por 10 minutos; </li></ul></ul><ul><ul><li>>> Entender quais foram as impressões sobre o ocorrido na sessão e evitar dispersão; </li></ul></ul><ul><ul><li>>> Passar pelas tarefas e observar o que os observadores dizem sobre elas; </li></ul></ul><ul><ul><li>>> Levantar os problemas da sessão e priorizar; </li></ul></ul><ul><ul><li>>> A discussão sobre os problemas descobertos ajudará na hora de reportar as prioridades. </li></ul></ul>
  10. 10. Debrief do Participante e Observadores

×