Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Função da Tireóide Veterinária

2,247 views

Published on

Aula de Patologia Clínica ministrada ao curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará - Castanhal

Published in: Health & Medicine

Função da Tireóide Veterinária

  1. 1. Função da tireoide FÁBIO ANDRE CAMPOS BAÍA MÉDICO VETERINÁRIO – BIOMÉDICO ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA MESTRANDO EM ANÁLISES CLÍNICAS medicovetfabio@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFISSIONAL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA
  2. 2. INTRODUÇÃO • Sist. Endócrino • Todos os Mamíferos • Função envolve: [ Iˉ ], síntese de hormônios tireoidianos Fonte: www.nutrizioneesalute.it
  3. 3. ANATOMIA DA TIREOIDE Fonte: www.animalendocrine.com
  4. 4. ANATOMIA DA TIREOIDE Fonte: cal.vet.upenn.edu Fonte: www.williamsbradfordmd.com/procedures/thyroid
  5. 5. HISTOLOGIA DA TIREOIDE • Unidade funcional: Folículo Tireoidiano (células foliculares e colóide) • Tireoglobulina (glicoproteína), aminoácidos iodados, iodotirosinas (monoiodotirosina e diiodotirosina) e T3/T4. • Outras: • tecido capsular: preenchimento e revestimento • Capilares: irrigação, nutrição, etc • Células C (parafoliculares): fonte de calcitonina Fonte: histologiaufgd.blogspot.com
  6. 6. HISTOLOGIA DA TIREOIDE Fonte: medcell.med.yale.eduFonte: pathologyoutlines.com Fonte: www.intechopen.com
  7. 7. FISIOLOGIA (FUNÇÃO) DA TIREOIDE • Metabolismo do Iodo Fonte: slideplayer.com.br
  8. 8. FISIOLOGIA (FUNÇÃO) DA TIREOIDE • Bomba de Iodo: transporte ativo SiMPORTE do sangue para células foliculares Fonte: anatpat.unicamp.br
  9. 9. FISIOLOGIA (FUNÇÃO) DA TIREOIDE • EFEITO WOLFF-CHAIKOFF • Atividade da bomba de iodo é regulada pelos níveis do Iˉ no organismo • Deficiência alimentar aumenta eficiência (resposta limitada) • Altos níveis inibem a bomba
  10. 10. FISIOLOGIA (função) DA TIREOIDE • Hormônios tireoidianos • 93% tiroxina e 7% triiodotironina • Quase todo T4 é convertido em T3 nos tecidos Fonte: www.nutrizioneesalute.it
  11. 11. FISIOLOGIA (função) DA TIREOIDE • Síntese dos hormônios tireoidianos Fonte: www.scielo.br/img/revistas/jped/v83n5s0/13fig01
  12. 12. • Peroxidase
  13. 13. • Desionidase • ¾ da Tiroxina se transforma novamente em MIT e DIT • MIT e DIT sofrem reciclagem do iodo • Desionidase tecidual • Tipo I: tecidos • Tipo II: cérebro, hipófise, tecido adiposo • Tipo III: inativa T3 e previne ativação de T4 • 45% do T4 é inativado em rT3 FISIOLOGIA DA TIREOIDE
  14. 14. FISIOLOGIA DA TIREOIDE • Transporte dos hormônios tireoidianos • Proteínas plasmáticas: T4 99,96%; T3 99,6% • Fração livre é a metabolicamente ATIVA e regula o eixo hipotálamo- hipofisário • Proteínas plasmáticas: • Globulina Ligadora de tiroxina – TBG (=~70%) • Pré-albumina ligadora de tiroxina (10 - 15%) • Albumina (15 - 20%)
  15. 15. FUNÇÃO DA TIREOIDE • Hormônios metabólicos • T3 forma ativa, T4 é “pré-hormônio” • T3 se liga a receptores nucleares • ↑ TRANSCRIÇÃO NUCLEAR DE MUITOS GENES • ↑ METABOLISMO CELULAR ATÉ 60 A 100% • Estimulação do metabolismo: carboidratos, gorduras, ↑ necessidade de vitaminas, ↓ peso corporal (entretanto estimula apetite) • ↑ FREQUENCIA CARDÍACA • ↑ fluxo sanguíneo e débito cardíaco • ↑ RESPIRAÇÃO • ↑ consumo de O2 e ↑ produção de CO2
  16. 16. FUNÇÃO DA TIREOIDE • ↑ MOTILIDADE DO TGI • ↑ Apetite • ↑ Ingestão de alimentos • ↑ Secreção de sucos digestivos • ↑ Motilidade • EFEITOS EXCITATÓRIOS SOBRE O SNC • Nervosismo, ansiedade, paranoia • OUTRAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS • ↑ secreção da maioria das Gdls. Endócrinas e a necessidade de hormônios pelos tecidos • ↑ glicose → ↑ INSULINA → ↑ atividades metabólicas ósseas → ↑ H. Paratireóideo → ↑ Inativação dos glicocorticóides → ↑ secreção de ACTH → ↑ secreção de glicocorticóides
  17. 17. REGULAÇÃO DA TIREOIDE • TRH: Hormônio Liberador da Tireotropina • Síntese de TSH • TSH: Hormônio Estimulante da Tireoide ou Tireotropina • Captação de Iodo • Síntese de T3 e T4 • T3 e T4: • Proteólise da tireoglobulina • Ativa bomba de iodo • Efeitos diversos em órgãos e tecidos periféricos • Inibe síntese de TSH e TRH
  18. 18. PATOLOGIA DA TIREOIDE • Transtornos mais comuns • HIPOTIREOIDISMO CANINO • HIPERTIREOIDISMO FELINO
  19. 19. HIPOTIREOIDISMO • Produção ou secreção insuficiente de hormônios • PRIMÁRIO • + comum • Problemas da própria tireoide • TIREOIDE LINFOCÍTICA: infiltração de linfócitos, plasmócitos e macrófagos • TIREOIDE IDIOPÁTICA: perda de parênquima c/ substituição por tecido adiposo. Pode ser doença degenerativa. • Outras: agenesia, deshormoniogênese, tumores, tireoidectomia, materiais radioativos, deficiência de iodo
  20. 20. HIPOTIREOIDISMO • SECUNDÁRIO • Disfunção das células tireotróficas hipofisárias (produção de TSH) • Destruição dos tireótrofos hipofisários • Neoplasias hipofisárias (raro) • Supressão da hipófise por drogas ou outros hormônios • TERCIÁRIO • Deficiência na secreção de TRH, comum em humanos • EM GATOS • Congenito, iatrogênico (tireoidectomia bilateral)
  21. 21. HIPOTIREOIDISMO • EPIDEMIOLOGIA • Geralmente entre 4 a 10 anos • Predisposição: castração e racial, não há predileção sexual • Baixo risco: SRD e Pastor Alemão
  22. 22. HIPOTIREOIDISMO • EPIDEMIOLOGIA • Raças predispostas: Golden Retriever, Doberman, Pinscher, Dachshund, Setter Irlandês, Schnauzer Miniatura, Pastor de Shetland, Cocker Spaniel e Lulu da Pomerânia
  23. 23. HIPOTIREOIDISMO • EPIDEMIOLOGIA • Alto risco: Dogue Alemão, Poodle e Boxer
  24. 24. Tabela. Manifestações clínicas observadas em cães adultos com hipotireoidismo (Peterson et al., 1994) SINTO MATOLO GIA METABOLICAS DERMATOLOGICAS REPRODUTIVAS NEUROMUSCULARES Letargia Alopecia Cauda de Rato Anestro persistente Fraqueza Embotamento Seborreia Seca ou Oleosa Cio fraco Ou Silencioso Convulsão Inatividade Piodermite Sangramento estral prolongado Ataxia Ganho de peso Pelagem Seca Sem brilho Galactorréia ou ginecomastia inapropriados Andar em círculos Intolerância ao frio Hiperpigmentação Atrofia testicular Sintomas vestibulares Otite externa Perda de libido Paralisia do nervo facial Mixedema Apoio em falanges
  25. 25. Tabela. Manifestações clínicas observadas em cães adultos com hipotireoidismo (Peterson et al., 1994) OCULARES CARDIOVASCULARES GASTRINTESTINAIS SANGUINEAS Deposito de lipídeos na córnea Bradicardia Diarreia Anemia Úlcera de córnea Arritmias cardíacas Constipação Hiperlipidemia Uveite Hipercolesterolemia Coagulopatia SINTO MATOLO GIA
  26. 26. HIPOTIREOIDISMO • DISGNÓSTICO CLÍNICO
  27. 27. HIPOTIREOIDISMO • DISGNÓSTICO CLÍNICO
  28. 28. HIPOTIREOIDISMO • DISGNÓSTICO CLÍNICO
  29. 29. HIPOTIREOIDISMO • CRETINISMO • Hipotireoidismo em filhotes • Crescimento retardado • Desenvolvimento mental prejudicado • Tamanho corpóreo desproporcional: cabeças grandes e largas; línguas protraídas e espessas; e membros curtos
  30. 30. HIPOTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO LABORATORIAL • Leucograma tipicamente normal • Hemograma é um “achado”: anemia arregenerativa normocrômica devido deficiência de eritropoietina -> reticulócitos normais • Leptócitos: hemácias em alvo • Hipercolesterolemia • Hipertrigliceridemia Fonte: www.usjt.br
  31. 31. HIPOTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO LABORATORIAL • DOSAGENS HORMONAIS • [T4] reflete status funcional da Tireoide, mais que [T3] • T4 é mais produzido • T3 é derivado T4 • T3 não é um bom avaliador para função da tireoide
  32. 32. DOSAGENS HORMONAIS CONDIÇÃO [PROT] T3, T4 e rt3 TOTAL T3, T4 e Rt3 LIVRE TSH PLASMATICO ESTADO CLÍNICO HIPERTIREOIDISMO NORMAL ALTA ALTA BAIXO HIPERTIREOIDEO HIPOTIREOIDISMO NORMAL BAIXA BAIXA ALTA HIPOTIREOIDEO ESTROGENOS METADONA HEROINA TRANQUILIZANTES ALTA ALTA NORMAL NORMAL EUTIREOIDEO GLICOCORTICOIDES ANDROGENOS BAIXA BAIXA NORMAL NORMAL EUTIREOIDEO
  33. 33. HIPOTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO LABORATORIAL • Teste de Estimulação de TSH ou TRH • Diferencia EUTIREOIDEOS de HIPOTIREOIDEOS • Administração exógena de TSH ou TRH • Dosagens • Alto custo, pouco usado
  34. 34. HIPOTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO LABORATORIAL • Fatores que interferem na Função da tireoide: • Idade • Raça • Peso • Drogas • Outras doenças • Jejum
  35. 35. HIPOTIREOIDISMO • TRATAMENTO • De eleição: LEVOTIROXINA, L-Tiroxina sintética • Dose inicial: 0,02 a 0,04 mg/kg/12h ou BID, de acordo com a necessidade • Ajuste de dose: de acordo c/ dosagem de T4 • Reajuste: conforme a resposta clínica a terapia, sintomatologia clínica é reversível • Não havendo resposta: reconsiderar o diagnóstico • L-triiodotironina sintética: não recomendada, pois é o hormônio ativo • O T4 é convertido a T3 de acordo com a necessidade fisiológica
  36. 36. HIPERTIREOIDISMO • Distúrbio multissistêmico • Produção excessiva de T4 e T3 • PATOGENIA: mecanismos desconhecidos • Hiperplasia adenomatosa multinodular • Afeta 1 ou ambos lobos da glândula • Carcinoma tireóideo funcional: Hipertireoidismo Primário em cães, raramente em gatos
  37. 37. HIPERTIREOIDISMO • EPIDEMIOLOGIA • Gatos acima de 8 anos • Sem predisposição sexual • Bilateral: fatores ambientais (toxinas), fatores nutricionais (iodo) e fatores circulantes (Ig)
  38. 38. HIPERTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO CLÍNICO • Sinais clássicos: • perda de peso (até caquexia) • Polifagia • Agitação ou hiperatividade • Comportamento agressivo • Alterações na pelagem: alopecia dispersa, nós, higiene ausente ou em excesso • Poliúria (muita urina), polidipsia (bebe muita água) • Vômito, diarreia
  39. 39. HIPERTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO CLÍNICO • Palpação: massa tireóidea palpável, 10 a 15% de casos simétricos • Outras alterações: • Miocardiopatia tireotóxica • Insuficiência renal • Distúrbios do trato gastrointestinal
  40. 40. Tabela. Frequência de sinais clínicos observadas associados ao hipertireoidismo felino (Peterson et al., 1996) SINTO MATOLO GIA SINAL CLÍNICO FREQUENCIA (%) PERDA DE PESO 95-98 HIPERATIVIDADE 68-81 POILIFAGIA 65-75 TAQUICARDIA 57-65 POLIÚRIA/POILIDIPSIA 45-55 MURMÚRIO CARDÍACO 10-54 VÔMITO 33-50 DIARRÉIA 30-45 SINAL CLÍNICO FREQUENCIA (%) AUMENTO VOL. FECAL 13-28 DIMINUIÇÃO DO APETITE 19-28 LETARGIA 15-25 POLIPNEIA 13-28 FRAQUEZA MUSCULAR 15-20 TREMORES MUSCULARES 15-30 INSUF. CARD. CONGES. 10-15 DISPNÉIA 10-15
  41. 41. HIPERTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO CLÍNICO Fonte: www.equalis.com.br
  42. 42. HIPERTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO CLÍNICO
  43. 43. HIPERTIREOIDISMO • DIAGNÓSTICO LABORATORIAL • Hemograma: ↑ de hematócrito (50% dos casos) -> ↑ na produção de eritropoietina • ↑ enzimas hepáticas (75% dos casos) • ↑ URE e CRE • Concentrações elevadas de T4 • T3 e T4 acima da faixa de normalidade
  44. 44. DOSAGENS HORMONAIS CONDIÇÃO [PROT] T3, T4 e rt3 TOTAL T3, T4 e Rt3 LIVRE TSH PLASMATICO ESTADO CLÍNICO HIPERTIREOIDISMO NORMAL ALTA ALTA BAIXO HIPERTIREOIDEO HIPOTIREOIDISMO NORMAL BAIXA BAIXA ALTA HIPOTIREOIDEO ESTROGENOS METADONA HEROINA TRANQUILIZANTES ALTA ALTA NORMAL NORMAL EUTIREOIDEO GLICOCORTICOIDES ANDROGENOS BAIXA BAIXA NORMAL NORMAL EUTIREOIDEO
  45. 45. HIPERTIREOIDISMO • TRATAMENTO • De eleição: CIRÚRGICO • TIREOIDECTOMIA: cura permanente • Iodo Radioativo: cura permanente • Medicações/drogas antitireoidianas orais: controle diário • Escolha: depende do estado de saúde, idade, gravidade, função renal, outras doenças
  46. 46. HIPERTIREOIDISMO • TEREOIDECTOMIA • Complicações: hipocalcemia, hipotireoidismo (qdo bilateral) • DROGAS ANTITIREOIDEAS: tionamidas, baratas e relativamente seguras • Inibem a síntese do hormônio • Metimazol: 1,25 -2,5 mg/VO/12h (BID), 2 semanas, aumentar p/ TID gradativamente até sumir sintomas. Manutenção: SID • Propiltiouracila • Iodo 131: radionucleotídeo
  47. 47. ULTRASSONOGRAFIA • TÍTULO DO PROJETO DE MESTRADO Avaliação dos hormônios da glândula da tireóide através da dosagem de triiodotironina total e livre (T3 e FT3), tiroxina total e livre (T4 e FT4), tirotropina (TSH), tiroglobulina (Tg) e determinação quantitativa da capacidade de fixação da tiroxina (T- Uptake) em primatas não humanos (PNH).
  48. 48. ULTRASSONOGRAFIA
  49. 49. OBRIGADO E BOM DIA

×