Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Allan kardec a missão

719 views

Published on

Breve estudo sobre a vida de Allan Kardec, o codificador da Doutrina Espírita

Published in: Education
  • Be the first to comment

Allan kardec a missão

  1. 1. HYPPOLYTE LÉON DENIZARD RIVAIL ALLANALLAN KARDECKARDEC
  2. 2. Nome: Hyppolyte Léon Denizard Rivail Data de nascimento: 03 de outubro de 1804 Cidade onde nasceu: Lyon (França) Pai: Jean-Baptiste Antoine Rivail, juiz de direito Mãe: Jeanne Louise Duhamel, professora Educação: Aluno de Pestalozzi, de 1814-1822 Atuação da família: Advocacia, Magistratura, Educação Seu interesse: Estudo das ciências e filosofia O menino Hippolyte
  3. 3. FORMAÇÃO ACADÊMICA • O professor Rivail fez em Lyon os seusprimeiros estudos e completou em seguida a sua bagagem escolar, na Escola de Pestalozzi em Yverdun –Suíça.* • Johann Heinrich Pestalozzi foi um dos pioneiros da pedagogia moderna, influenciando profundamente todas as correntes educacionais. • Rivail era um aluno dedicado, se tornou um dos mais eminentes discípulos do mestre; cativou a simpatia e a admiração do velho professor.* • Aos quatorze anos de idade já ensinava aos seus colegas menos adiantados.
  4. 4. CIRCUNSTÂNCIAS HISTÓRICAS • Depois da Idade Média, em que se atrofiou o espírito crítico, vimos, em todo o globo,  o aparecimento de novas ideias, quer seja na ciência, na filosofia, na religião etc. • As ciências tornaram-se teórico experimentais, ou seja, toda a hipótese levantada deveria ser comprovada pelos fatos. • A Filosofia foi sensivelmente influenciada pelo racionalismo de Descartes, pelo positivismo de Comte e pelo realismo crítico de kant.
  5. 5. • Em outros campos de conhecimento, lembramo-nos de Franz Anton Mesmer (1734-1815) e da sua descoberta da teoria do magnetismo animal (1779). Afirmava existir um fluido que interpenetrava tudo, dando, às pessoas, propriedades análogas àquelas do ímã. • Em 1787, o marquês de Puysegur descobre o sonambulismo. • Em 1841: • Braid descobre o hipnotismo • Charcot o estuda metodicamente • Liebault o aplica à clínica • Freud o utiliza ao criar a Psicanálise CIRCUNSTÂNCIAS HISTÓRICAS
  6. 6. • No campo político: o advento do Parlamentarismo na Inglaterra, em 1688, • A Independência dos Estados Unidos, em 1776, • A Revolução Francesa, em 1789, • A Inconfidência Mineira, 1789, consolidaram os preceitos de liberdade que o mundo necessitava. Momento propício para o surgimento da Doutrina Espírita CIRCUNSTÂNCIAS HISTÓRICAS
  7. 7. • Marat e Robespierre pelos excessos de violência durante o período revolucionário, Napoleão Bonaparte pela escravidão de outros povos, por exemplo, criaram uma espécie de provação coletiva para o povo francês. • Contudo, de acordo com o Espírito Emmanuel, em A Caminho da Luz, alguns Espíritos incumbidos de implantar a liberdade em nosso planeta não conseguiram levar avante as suas missões. CIRCUNSTÂNCIAS HISTÓRICAS
  8. 8. CAUSAS DO APARECIMENTO DO ESPIRITISMO NA FRANÇA Podemos apontar pelo menos três causas para o surgimento do Espiritismo na França: 1º)Sendo o Espiritismo o Consolador Prometido, os seus princípios codificados, já serviriam para mitigar as provações coletivas da França; 2º)A França havia se tornado o centro cultural do mundo ocidental, e tudo o que ali fosse feito, teria uma repercussão mundial; 3º)Allan Kardec, na época de Júlio César, vivera nas Gálias,região que representa a França atual.
  9. 9. JOHANN HEINRICH PESTALOZZI (1746-1827)* • Apaixonado na arte de ensinar; dedicou-se especialmente à educação de crianças órfãs e abandonadas. • Desejava que se chegasse a um desenvolvimento harmônico da mente, do coração e da mão (atividade triplo); • Mente: vida intelectual, • Coração: a vida moral, • Mão: vida prática.** • Nova metodologia de ensino (o intuitivo); dizia: • “A intuição é fonte de todos os nossos conhecimentos”; (...) as atividades dos alunos deveriam partir do simples para o complexo, do conhecido para o desconhecido, do particular para o geral, do concreto para o abstrato.
  10. 10. KARDEC, ALUNO DE PESTALOZZI • Rivail, cedo se tornou um dos mais eminentes discípulos, colaborador inteligente e dedicado. • Aplicou-se, de todo o coração, à propaganda do sistema de educação que exerceu tão grande influência sobre a reforma dos estudos na França e na Alemanha. • Muitíssimas vezes, quando Pestalozzi era chamado pelos governos, um pouco de todos os lados, para fundar institutos semelhantes ao de Yverdun, confiava a Denizard Rivail o encargo de o substituir na direção da sua escola.
  11. 11. • O discípulo tornado mestre tinha, além de tudo, com os mais legítimos direitos, a capacidade requerida para dar boa conta da tarefa que lhe era confiada. • Era bacharel em letras e em ciências. KARDEC, ALUNO DE PESTALOZZI
  12. 12. EXERCÍCIO DAS FUNÇÕES DIRETIVAS E EDUCATIVAS • No início de 1825 dirige a Escola de Primeiro Grau, primeiro estabelecimento de ensino fundado por ele em Paris. • Em 1826 funda um instituto técnico que funcionou até 1834, o Instituto Rivail. • Passou a dedicar-se, juntamente com o Prof. Levy Alvarès, à preparação de cursos noturnos para alunos de ambos os sexos. • Empregou-se como contabilista em três casas comerciais.
  13. 13. O PROFESSOR RIVAIL • Linguista insigne, conhecia a fundo e falava corretamente o alemão, o inglês, o italiano e o espanhol; conhecia também o holandês, e podia facilmente exprimir-se nesta língua. • Voz clara e firme, gestos sempre sóbrios e contidos, talento especial para oratória. Era quase uma obsessão para ser o mais claro possível, o mais didático. • Foi um dos pioneiros, na França, no campo do ensino para ambos os sexos, especialmente para as mulheres, relegadas a segundo plano pelo sistema de ensino.  • Como pedagogo, Rivail dedicou-se à luta para uma maior democratização do ensino público.
  14. 14. • Membro de várias sociedades sábias, notadamente da Academia Real d’Arras, foi premiado, por concurso, em 1831. • Entre 1835 e 1840, manteve em sua residência, à rua de Sèvres, cursos gratuitos de Química, Física, Anatomia comparada, Astronomia e outros; utilizou-se do ensino intuitivo, processo didático preconizado por Pestalozzi. • Era conhecido pela sua inteligência, discernimento e ponderação, tornando-se amigo de Victor Hugo, Theóphile Gautier, Camille Flammarion e outros conhecidos e ilustres pensadores franceses. O PROFESSOR RIVAIL
  15. 15. PRINCIPAIS OBRAS DO PROFESSOR RIVAIL • Curso Prático e Teórico de Aritmética (1823); • Curso Completo Teórico e Prático de Aritmética (1845); • Ditados da Primeira e Segunda Idade (1950); • Plano Proposto para a melhoria da Educação Pública (1828); • Gramática Francesa Clássica ( 1831); • Memória sobre a Instrução Pública (1831); • Qual o Sistema de Estudos mais em Harmonia com as Necessidades da Época? (1831); • Catecismo Gramatical da Língua Francesa (1848); • Manual dos Exames para os Certificados de Capacidade (1846)).
  16. 16. • Rivail foi para Paris em 1822 e formou uma escola. • Em 1832 casou-se com Amelie Gabrielle Boudet, (que também tinha sua escola ), mulher culta e inteligente. • Nascida em 1795, professora primária e também de letras e Belas Artes, trazendo de encarnações passadas a tendência inata, por assim dizer, para a poesia e o desenho. • Logo uniram-se formando um grande instituto que recebia de quem podia pagar e, quem não podia, não pagava. • Não tiveram filhos, educaram filhos alheios. • Amelie foi sua colaboradora na obra, tornando-se sua secretária.
  17. 17. Enquanto Rivail-Kardec ainda desconhece a missão que o Espírito Verdade vai anunciar a ele, acontece uma explosão de fenômenos espíritas coordenados pelos Espíritos Superiores para chamar a atenção de toda a Humanidade para o início de uma Nova Era materializada pela Doutrina Espírita, isto é, o Consolador Prometido por Jesus. “E eu rogarei ao Pai,e ele vos dará outro consolador, a fim de que esteja convosco para sempre. O Espírito da Verdade, [...]” (Jo. 14:16 e 17)
  18. 18. • Foi em 1854, que o Sr Rivail ouviu falar pela primeira vez nas mesas girantes, através do Sr. Fortier, magnetizador, com o qual mantinha relações, em razão dos seus estudos sobre o Magnetismo. • O Sr. Fortier lhe disse um dia: “Temos uma coisa muito mais extraordinária; não só se consegue que uma mesa se mova, magnetizando-a, como também que fale. Interrogada, ela responde.” • “Isto, repliquei-lhe, é outra questão. Só acreditarei quando vir e quando me provarem que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir e que possa tornar-se sonâmbula.* COMEÇO DA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA
  19. 19. COMEÇO DA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA • “Até lá, permita que eu não veja no caso mais do que um conto para fazer-nos dormir em pé”.* • “Eu estava, diante de um fato inexplicado, aparentemente contrário às Leis da Natureza e que a minha razão repelia. Ainda nada vira, nem observara; as experiências, realizadas em presença de pessoas honradas e dignas de fé, confirmavam a minha opinião, quanto à possibilidade do efeito puramente material; a ideia, porém, de uma mesa falante ainda não me entrara na mente”.**
  20. 20. AS MESAS GIRANTES Paris, maio de 1855, quando o professor Rivail assiste pela primeira vez o fenômeno das mesas girantes. Eram oito horas da noite de uma terça feira, quando a sessão começou na casa da sra. Plainemaison, e entre os mais compenetrados estava o professor Hippolyte Leon. “[...] mesas que giravam, saltavam e corriam em condições tais que não deixavam lugar para qualquer dúvida”. *
  21. 21. Rivail que buscava apenas se instruir, viu que ali surgia uma nova ciência e iniciou seus estudos sérios de Espiritismo.
  22. 22. AS MESAS GIRANTES • Rivail, observou que não se tratava de futilidade e divertimento, mas sim da revelação de uma nova lei, cujo estudo decidiu aprofundar. • Passa então a observar estes fenômenos, pesquisa-os cuidadosamente, graças ao seu espírito de investigação, que sempre lhe fora peculiar, não elabora qualquer teoria pré- concebida, mas insiste na descoberta das causas. • Aplica a estes fenômenos o método experimental com o qual já estava familiarizado na função de educador, e, partindo dos efeitos, remonta às causas e reconhece a autenticidade daqueles fenômenos.
  23. 23. KARDEC E A MISSÃO Aviso do Espírito de Verdade: “[...] a missão dos reformadores é prenhe de escolhos e perigos. Previno-te de que é rude a tua, porquanto se trata de abalar e transformar o mundo inteiro. [...] Suscitarás contra ti ódios terríveis, inimigos conjurarão para a tua perda; ver-te-ás a braços com a malevolência, a a calúnia, a traição mesma dos que te parecerão os mais dedicados; as tuas melhores instruções serão desprezadas e falseadas[...] terás de sustentar uma luta quase contínua, com sacrifício de teu repouso, da tua tranquilidade, da tua saúde e até da tua vida, pois, sem isso, viverias muito mais tempo.”
  24. 24. RESPOSTA DE KARDEC AO ESPÍRITO DE VERDADE “Eu – Espírito Verdade, agradeço os teus sábios conselhos. Aceito tudo, sem restrição e sem ideia preconcebida. Senhor! Pois que te dignas-te lançar os olhos sobre mim para cumprimento dos teus desígnios, faça-se a tua vontade! Está nas tuas mãos a minha vida; dispõe do teu servo.”*
  25. 25. A ESCOLHA DO PSEUDÔNIMO • Segundo os historiadores, o pseudônimo Allan Kardec decorre do fato de que, no início do seu trabalho de pesquisa sobre o Espiritismo (1855), estando Denizard Rivail consciente de que tudo acontecia em relação aos indivíduos, quando ainda parecia mistério, baseava-se na reencarnação, um Espírito ( Zéfiro ) lhe revelou que, desde remotas existências, já o conhecia, pois o mesmo fora, em vida física passada no solo francês, um druída com o nome de ALLAN KARDEC.
  26. 26. ENCARNAÇÃO PASSADA Como Sacerdote Druída (...)Druidismo é a religião dos druídas, sacerdotes pagãos dos povos celtas que habitavam a Gália e a Bretanha no período anterior ao Cristianismo, mais especificamente entre o século II a.C. e o século II, d.C. O Druída, por sua vez, era o nome pelo qual era identificado, entre os Celtas, importante grupo social que desempenhava variadas funções, sendo os responsáveis por manutenção e guarda dos valores da civilização céltica. Acrescentam ainda que os sacerdotes druidas se posicionavam contrários “à construção de templos e à representação dos Deuses ou Espíritos”.
  27. 27. ENCARNAÇÃO PASSADA Como João Huss João Huss nasceu em Hussinet, perto de Fichtelgebirge, na Boêmia, cerca da fronteira bávara e do limite lingüístico entre o alemão e o checo, em 1373, e morreu queimado na fogueira em 1415. Huss foi influenciado pelas ideias de Wiclef (1333-1384), teólogo e reformador inglês. Wiclef desenvolveu alguns tratados sobre o dominiun, ou seja, a ideia de que o poder vem de Deus e apenas é legítimo naqueles que se encontram em estado de graça. As suas teses contrariavam os interesses da Igreja católica: expressava-se contra o poderio papal, os votos religiosos, os benefícios e riquezas do clero, as indulgências e a concepção tradicional acerca do sacerdócio. *
  28. 28. Encarnação Passada: Como João Huss Huss, como professor da Universidade de Praga, distinguiu-se nas discussões mais abstratas e no conhecimento de Aristóteles, da Bíblia e dos Santos Padres. Como tradutor das obras de Wiclef, propagou várias teses antidogmáticas. Baseando-se nos escritos de Wiclef, negou a necessidade de confissão auricular, atacou como idolátrico o culto de imagens, da Virgem Maria e dos Santos e a infalibilidade papal. Com isso, teve a ira do clero contra a sua pessoa, que após várias admoestações acabou sendo queimado no dia 06/07/1415. Ao seu lado morreu Jerônimo de Praga. *
  29. 29. METODOLOGIA E CRITÉRIOS UTILIZADOS NA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA Pelo fato de ter a Doutrina Espírita aspecto científico, pode-se deduzir que Allan Kardec seja um cientista? Kardec não era um cientista no sentido profissional, de especialista neste ou naquele ramo da ciência, mas tinha cultura científica, espírito científico. Deolindo Amorim, num de seus artigos, explica o espírito científico de Kardec: 1º) Serenidade e equilíbrio: - encarou os fatos mediúnicos com equilíbrio imperturbável, sem negar nem afirmar aprioristicamente;
  30. 30. 2º) Domínio próprio: - a fim de não se entusiasmar com os primeiros resultados; 3º) Cuidado na seleção das comunicações/Prudência nas declarações: - para evitar a divulgação de fatos ainda não de todo examinados e comprovados; 4º) Humildade: - interessado na busca da verdade, antes e acima de tudo. METODOLOGIA E CRITÉRIOS UTILIZADOS NA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA
  31. 31. O MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DOS FENÔMENOS ESPÍRITAS O método adotado por Kardec na investigação e comprovação do fato mediúnico é o experimental, aplicado às ciências positivas, fundamentado na observação, comparação, análise sistemática e conclusão.
  32. 32. Diz o próprio Kardec em Obras Póstumas “Nunca elaborei teorias preconcebidas; observava cuidadosamente, comparava, deduzia consequências; dos efeitos, procurava remontar às causas, por dedução e pelo encadeamento lógico dos fatos, não admitindo por válida uma explicação, senão quando resolvia todas as dificuldades da questão.”
  33. 33. O CONTROLE UNIVERSAL DOS ENSINOS DOS ESPÍRITOS Dois importantes critérios científicos foram adotados por Kardec, na tarefa de reunir informações para a elaboração da Doutrina Espírita: a generalidade (universalidade) e a concordância dos ensinos dos Espíritos.
  34. 34. GENERALIDADE (OU UNIVERSALIDADE) DAS REVELAÇÕES “Não será à opinião de um homem que se aliarão os outros, mas à voz unânime dos Espíritos; não será um homem, nem nós, nem qualquer outro que fundará a ortodoxia espírita; tampouco será um Espírito que se venha impor a quem quer que seja: será a universalidade dos Espíritos que se comunicam em toda a Terra, por ordem de Deus. Esse o caráter essencial da Doutrina Espírita; essa a sua força, a sua autoridade. Quis Deus que a sua lei assentasse em base inamovível e por isso não lhe deu por fundamento a cabeça frágil de um só”.* *
  35. 35. CONCORDÂNCIA DAS REVELAÇÕES “Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos: a concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros e em vários lugares. [...]Prova a experiência que, quando um princípio novo tem de ser enunciado, isso se dá espontaneamente em diversos pontos ao mesmo tempo e de modo idêntico, senão quanto à forma, quanto ao fundo”. (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Introdução, item 02)
  36. 36. KARDEC ERA MÉDIUM? Ele não tinha nenhum sinal exterior de mediunidade (não era médium ostensivo), mas na elaboração do Evangelho Segundo o Espiritismo, o seu cérebro percebia as inspirações do mais alto com uma facilidade tão grande que nem ele mesmo suspeitava. COMO ERA A PERSONALIDADE DE KARDEC? • Era muito polido, de fina educação, sério mas não sisudo; • Tranquilo e moderado, seu temperamento equilibrado denotava personalidade enérgica e perseverante; • A tolerância absoluta era sua regra; • Flammarion o denominou: o Bom senso encarnado; • Disse o próprio Kardec: “sou um homem positivo, sem entusiasmo, que tudo julga friamente; raciocino com os fatos, não sou um idealista”.
  37. 37. OBRAS BÁSICAS • 18/04/1857 - O LIVRO DOS ESPÍRITOS • Janeiro 1861 - O LIVRO DOS MÉDIUNS • Abril 1864 - O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO • Agosto 1865 - O CÉU E O INFERNO • Janeiro 1868 - A GÊNESE
  38. 38. Kardec percebeu a necessidade de criar um meio de comunicação onde fosse possível os vários grupos trocarem informações entre si, receberem instrução e respostas para suas dúvidas. REVISTA ESPÍRITA (Jornal de Estudos Psicológicos) 01/01/1858
  39. 39. Perguntaram a Kardec: De que maneira o Espiritismo tem feito bem as pessoas? • Impediu inúmeros suicídios; • Restabeleceu a Paz e a Concórdia em várias famílias; • Tornou mansos e pacientes os homens violentos e coléricos; • Deu resignação a aqueles em quem faltava; • Reconduziu a Deus os que o desconheciam, destruindo lhes as ideias materialistas, verdadeira chaga social que aniquila a responsabilidade moral do homem; • Conduz os homens a se amarem como irmãos.
  40. 40. Qual o melhor jeito de aprendermos a Doutrina Espírita, segundo Kardec nos ensinou? • Ela não pode ser aprendida de lapso, pois requer muito tempo e reflexão; • Devemos nos aprofundar nos estudos para conhecê-la e amá- la, porque ninguém consegue amar o que não conhece. • Complementou Kardec: O Espiritismo é um gigantesco oceano no qual, nós os espíritas, ainda estamos na praia. • Há muito para mergulhar e muito conhecimento para auferir; e é dessa forma que conseguiremos conduzir nossas almas a Deus.
  41. 41. cujo desenvolvimento a Terra é teatro por demais acanhado. É-nos mais grato saber esta verdade, do que acreditar que jazes todo inteiro nesse cadáver e que tua alma se haja aniquilado com a cessação do funcionamento de um órgão. A imortalidade é a luz da vida, como este refulgente Sol é a luz da Natureza. Até à vista, meu caro Allan Kardec, até à vista!” Camille Flammarion 31 DE MARÇO DE 1869 “Voltaste a esse mundo donde viemos e colhes o fruto de teus estudos terrestres. Encontrar-nos-emos num mundo melhor e no céu imenso onde usaremos das nossas mais preciosas faculdades, onde continuaremos os estudos para
  42. 42. “O Espiritismo não vem procurar os perfeitos, mas os que se esforçam em o ser, pondo em prática os ensinos dos Espíritos. O verdadeiro espírita não é aquele que alcançou a meta, mas o que seriamente quer atingi-la. Sejam quais forem os seus antecedentes, será bom espírita desde que reconheça suas imperfeições e seja sincero e perseverante na proposta de se emendar.” Allan Kardec
  43. 43. Castelo de Yverdun - Suíça
  44. 44. Referências Bibliográficas: 1- KARDEC, Allan. Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 2. ed. – Rio de Janeiro FEB, 2007. Segunda Parte. A minha primeira iniciação no Espiritismo. Pág. 275 a 281. 2- _________ Minha Missão. Pág. 291 a 294. 3- KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 131. ed. 2. imp. (edição histórica) – Brasília: FEB, 2013. Introdução. Item II – Autorida- de da Doutrina Espírita. Controle Universal do ensino dos Espíritos. Pág. 19 a 26. 4- http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/powerpoint.htm Sergio Biagi Gregório, apresentação de power point “Allan Kardec”. Acessado em 03/09/2015. 5- http://www.kardecian.org/Download/ciclos_arquivo_ppt/Allan_Kardec_RosanaC.pptx Acessado em 03/09/2015. 6- http://www.ceismael.com.br/bio/biografia-allan-kardec.htm Acessado em 03/09/2015 7- http://www.viasantos.com/pense/arquivo/0017.html Site do Pensamento Social Espírita. Acessado em 05/09/2015. 8- https://es.wikipedia.org/wiki/Johann_Heinrich_Pestalozzi Acessado em 06/09/2015.

×