Gagueira a teoria na prática

1,434 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,434
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gagueira a teoria na prática

  1. 1. 1 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA LINGUAGEM GAGUEIRA A TEORIA NA PRÁTICA Monografia de conclusão do curso de especialização em Linguagem Orientadora: Mirian Goldenberg POLYANA OLIVEIRA SÃO PAULO 1998
  2. 2. 2 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA LINGUAGEM GAGUEIRA A teoria na prática POLYANA OLIVEIRA SÃO PAULO 1998
  3. 3. 3 SUMÁRIO Introdução............................................................................................... 08 Duas concepções sobre gagueira........................................................ 15 Implicações da teoria na prática.............................................................. 38 Considerações finais............................................................................... 51 Referências Bibliográficas....................................................................... 69
  4. 4. 4 RESUMO O presente estudo tem como objetivo correlacionar a teoria e a prática da gagueira, focalizando o trabalho das fonoaudiólogas Isis Meira e Silvia Friedman. A partir desse enfoque, analisamos os pontos fundamentais das propostas defendidas por cada uma, refletindo sobre a prática clínica com a gagueira. A partir da pesquisa bibliográfica realizada, privilegiamos a obra de cada autora que aprofunda o tema nos aspectos vinculados aos objetivos do trabalho. Pudemos constatar que as dúvidas que surgem durante o tratamento da gagueira esbarram na falta de uma compreensão clara de que concepções filosóficas diferentes sobre a linguagem e sobre o mundo, podem estabelecer práticas clínicas diferentes: ou voltadas para a patologia ou voltadas para o indivíduo. Ao relacionarmos teoria e prática, evidenciamos semelhanças e diferenças entre as duas autoras, o que resultou numa complementação das propostas, já que ambas não encerram a gagueira em seu aspecto aparente. Na abordagem do tema, um ponto sempre polêmico encontra-se na etiologia da gagueira. No desenvolvimento deste estudo, comprovamos que, embora a discussão das prováveis causas seja importante, ela não é suficiente para o estabelecimento de uma prática assertiva. Em nosso trajeto em busca das implicações da teoria na prática, concluímos que, ao optar por essa ou aquela teoria, predeterminamos práticas diferenciadas para o tratamento da gagueira. A partir disso, propusemos um roteiro de leitura para outros textos sobre o tema, discutimos as formas que o discurso terapêutico pode assumir frente à família e comparamos dois pontos de partida para o trabalho com a gagueira na clínica fonoaudiológica.
  5. 5. 5 SUMARY The main purpose of this study is to correlate the theory and the practice of the stuttering focusing on the speech language therapists Isis Meira and Silvia Friedman. From this focus we analysed the main points of the proposals defended by each one, reflecting about the clinical practice of the stuttering. Through bibliographical research, we granted privilege to the work of each author that goes deep on the theme in the aspects linked to the objectives of the work. We can notice that the doubts arising from the treatment of stuttering touches in the lack of a clear understanding of different philosophical vision regarding conceptions of language and of world establising a clinical practice towards the pathology or to the individual. When we relate theory and practice, we highlight similarities and differences regarding the two authors, determining a complement of the proposals since both do not face the stutter in its apparent aspect. The critical point in the approach of the theme is regarding the stuttering ethiology. In the development of this study we proved that although the discussion about the possible reasons is important, it is not definite for the establishment of an assertive practice. In our track towards the implications of the theory in practice, we concluded that when selecting this or that theory we pre-determined different practices for the stuttering treatment. We propose a reading path of other texts about the theme; we discussed the ways that a therapeutic speech can assume before the family and we compared two starting points for the stuttering work at a speech language therapeutical clinic.
  6. 6. 6 AGRADECIMENTOS - À Profa Dra Silvia Friedman, que com sua análise minuciosa e brilhante, associada ao constante carinho, disponibilidade e apoio, dedicou uma assistência fundamental para a execução deste trabalho. - À Profa Dra Isis Meira, pelo interesse e disponibilidade em fazer uma competente, rigorosa e sensível revisão deste trabalho. - À Profa M. Goldenberg, por transformar as aulas do curso de Metodologia Científica em estímulo constante para que superássemos as dificuldades inerentes ao esforço de pensar e escrever cientificamente. - Às fonoaudiólogas Dora Holzheim e Leila Farah, pelo incentivo e apoio de todas as horas. - Ao Eduardo Raccioppi por se fazer presente de forma carinhosa e solidária.
  7. 7. 7 Esquece do que te separa de mim e valoriza o que te aproxima de mim. Eduardo Raccioppi
  8. 8. 8 INTRODUÇÃO O homem sempre procurou entender a natureza das coisas e o comportamento das pessoas. O desejo humano de aprender, a curiosidade, a observação do mundo que o rodeia fizeram nascer a ciência, o conhecimento, a arte e a tecnologia. A construção do conhecimento científico tem sido uma das ferramentas fundamentais para a consolidação e aprimoramento da ação individual e coletiva do homem. Como produto humano, esse conhecimento se constitui num processo infinito e cumulativo de verdades parciais e objetivas. Sempre na dependência de um enquadramento sócio-histórico, o conhecimento do mundo pelo homem por um lado se amplia e, por outro, muda qualitativamente. Ao examinarmos sua evolução detectamos semelhanças e diferenças, mas sobretudo o vemos de uma outra maneira. Fala-se muito na Fonoaudiologia enquanto ciência e discute-se a sua prática, sendo que a noção de “empréstimos” e aplicação direta de outros ramos de conhecimento, como por exemplo a Medicina, Psicologia, Lingüística, Educação foi superada, evoluindo para a noção de “interpelação” (PALLADINO, 1996, 48) entre áreas afins que se configuram numa reflexão que constrói o saber próprio da fonoaudiologia, focalizando um objeto específico e não menos polêmico: a Linguagem. O tema Gagueira inscreve-se na Fonoaudiologia de maneira bastante desafiadora: falante e ouvinte são parceiros numa interlocução, onde o foco principal está numa fala proibida, negada. Em 1982, no I Encontro Nacional de Fonoaudiologia, realizado na PUC - São Paulo, em comemoração aos vinte anos da profissão, FRIEDMAN, MELLO, MONTENEGRO, POTEL (1982) apresentaram uma pesquisa intitulada “Uma análise da atuação do fonoaudiólogo em relação à terapia da gagueira”, evidenciando o fato de estudantes e profissionais de fonoaudiologia reagirem negativamente à gagueira tanto
  9. 9. 9 quanto a outros problemas graves de origem neurológica. Elas também constatam a falta, na fonoaudiologia, de uma linguagem, de um discurso próprio, que não os emprestados da psicologia ou da fonoaudiologia “clássica” centrados no código, ou seja, exclusivamente no aspecto formal da linguagem. FRIEDMAN (1997), numa revisão da literatura a respeito da gagueira, comenta a investigação de BARBOSA & CHIARI (1995) sobre o conhecimento de senso comum e o conhecimento acadêmico, presentes nas concepções dos estudantes de fonoaudiologia sobre a gagueira. A pesquisa mostra que o conhecimento de senso comum se relaciona à etiologia da gagueira, e o acadêmico, a sua prevenção e tratamento. Nesse contexto, FRIEDMAN (1997) destaca a necessidade de revisão dos currículos acadêmicos, principalmente com relação aos problemas de fluência. Considerando que treze anos separam as pesquisas de FRIEDMAN, MELLO, MONTENEGRO, POTEL (1982) das de BARBOSA & CHIARI (1995), chegamos à conclusão de que a compreensão da gagueira no meio fonoaudiológico carece de um maior aprofundamento e reflexão. Talvez não apenas, no que se refere a definições etiológicas, de prevenção e tratamento, mas sobretudo com relação a questões de ordem filosófica e epistemológica. É preciso analisar até que ponto o estigma da gagueira infiltrou-se nas concepções que se tem dela, bem como examinar a visão preconceituosa que daí advém. O que parece subrepticiamente presente na compreensão fonoaudiológica da gagueira é sua interpretação exclusivamente a partir do caráter patológico que lhe é atribuído. GOFFMAN (1980) ao falar do indivíduo estigmatizado comenta: “Assim, deixamos de considerá-lo criatura comum e total, reduzindo-o a uma pessoa estragada e diminuída. Tal característica é um estigma, especialmente quando o seu efeito de descrédito é muito grande - algumas vezes ele também é considerado um defeito, uma fraqueza, uma desvantagem (...)”. Se assumimos a ótica das Ciências Naturais para a Fonoaudiologia, devemos entender o sujeito (no caso, o paciente) por meio da explicação do funcionamento da
  10. 10. 10 “máquina” do corpo. Mas, diante da gagueira, ficamos perplexos. Onde está a lesão cerebral, a disfunção neurológica? O que dizem as ressonâncias eletromagnéticas, as tomografias computadorizadas, as avaliações (e testagens) neurológicas, psicológicas e de linguagem? Onde encontrar a resposta? Nessa perspectiva, o fonoaudiólogo, interlocutor legitimado pela profissão, sente a necessidade de ter em mãos uma explicação para a causa da gagueira que fosse comprovada por aparelhos, com uma cópia e um laudo assinado. Ao buscar uma remediação para uma fala, que entende não funcionar como deveria, ele se agarra a todas as “certezas” de que dispõe a ciência positivista e não atinge o indivíduo (a sua subjetividade), porque pára na gagueira (na manifestação). A minha entrada nesse universo não foi propriamente espontânea. Como muitos colegas da época de faculdade, não pretendia me debruçar sobre esse assunto, que parecia impenetrável demais. Evitar trabalhar com esse aspecto da fala1 humana era mais que natural. O que mudou minha atitude diante do fenômeno gagueira foi a possibilidade de compreender sua natureza de um ponto de vista psicossocial. No contato com fonoaudiólogos que se dedicam ao tratamento da gagueira, tenho ouvido queixas e dúvidas quanto à condução do trabalho clínico e, não raro, uma reação também negativa quanto ao atendimento terapêutico de indivíduos gagos. De modo geral, a gagueira aparece tanto em publicações científicas, quanto nos meios de comunicação de massas, associada à idéia de algo a ser desvendado, um _________________________________ 1 Consideramos a linguagem, de acordo com CUNHA (1997), como a capacidade humana de representar através de signos e a fala, como uma possibilidade individual de manifestação (verbal-oral) da linguagem. Poderíamos então colocar a gagueira, de modo geral, como um problema ligado à produção da fala (e não da linguagem) que, por sua vez, também levaria a um problema na comunicação, dependendo da forma como a interação (falante com gagueira e interlocutor) se estabelecesse. Dentro de uma análise mais aprofundada, veremos que, segundo FRIEDMAN (1993), o que acontece na fala e na comunicação são efeitos dos valores que se projetam sobre a gagueira;
  11. 11. 11 sendo ela entendida como a parte manifesta de um problema com a imagem de falante do sujeito, de um tipo de simbolização negativa de si como falante. enigma, um mistério. É certo que as pesquisas na área dão conta de interpretações variadas e até contraditórias, e nem sempre o acesso a elas é imediato, mas já existe algum material pesquisado e com fundamentação científica adequada, que pode ser utilizado por profissionais que se dedicam ao atendimento de pessoas com gagueira. São esses profissionais que, em sua atuação clínica, se deparam com questões do tipo: “Eu acho que a criança está bem, mas a família diz que ela está gaguejando, o que fazer?” “Qual o momento certo para a alta do paciente?” “E se eu conseguir que o paciente pare de gaguejar e ele apresentar recidiva?”; “O paciente diminuiu a gagueira, mas eu nem sei bem o que fiz, e agora?” Procurar um fio condutor para responder essas e outras questões poderá trazer avanços importantes para a compreensão da prática clínico-terapêutica com a gagueira. Este trabalho tem como objetivo compreender a relação possível entre a teoria e a prática, procurando identificar fatores que determinam parte das dificuldades em conduzir um tratamento para a gagueira. É preciso compreender como diferentes teorias buscam e desenvolvem um entendimento da gagueira e quais são os pressupostos teóricos que o terapeuta pode assumir, para que haja coerência entre teoria e prática. Por estabelecerem parâmetros para uma abordagem em que o trabalho com a gagueira está inserido num contexto que promove uma ação terapêutica, na qual teoria e prática estão integradas de forma crítica e coerente, é que optamos pelas pesquisas de doutorado e mestrado desenvolvidas respectivamente pelas fonoaudiólogas ISIS MEIRA (1983) e SILVIA FRIEDMAN (1986). Ao privilegiar essas duas pesquisas (embora FRIEDMAN tenha dado continuidade a sua obra com um doutorado em 1992) consideramos ser suficiente, para os objetivos desta monografia, privilegiar em nossa discussão teórica, as obras citadas acima, por articularem satisfatoriamente os pontos de vista de cada autora.
  12. 12. 12 O que reforça essa escolha é o fato de essas obras serem referências fundamentais na bibliografia sobre o tema e também o fato de cada uma das autoras ter-se proposto a entender a gagueira a partir de uma perspectiva original (fenomenologia e materialismo dialético), sem adaptar métodos de autores estrangeiros ou transferir diretamente pressupostos de outras disciplinas (neuropsicologia, psicanálise, entre outras) para o campo fonoaudiológico. Em sua pesquisa, ISIS MEIRA (1983) analisou os depoimentos de nove profissionais em resposta à pergunta: O que é a gagueira? Comparando esses depoimentos, ela concluiu que os profissionais vêem a gagueira em sua existência imediata (ôntica) e fora do indivíduo. A fé desses profissionais nas teorias (tradicionais) impossibilita-os de conhecer a gagueira no sentido fenomenológico e de lidar com ela na terapia. Os depoimentos (escritos) de sete indivíduos gagos, em resposta à pergunta: “O que é a sua gagueira?” , foram também analisados, evidenciando com isso relatos que contém referências à reação dos interlocutores frente à gagueira por eles apresentada, e o efeito da gagueira neles mesmos (seus sentimentos, suas reações). Segundo a autora, os indivíduos gagos não têm um pensar reflexivo que inclua o ser com a gagueira, o habitar a gagueira. Esta, enquanto fenômeno, permanece oculta para o gago e, conseqüentemente, agrava o sintoma (MEIRA, 1983, 91). Na primeira parte da pesquisa, MEIRA (1983) faz um cruzamento das análises obtidas nos discursos dos autores (e suas diferentes teorias sobre a gagueira) com os discursos dos profissionais e dos gagos. Na segunda parte, ela propõe uma compreensão da gagueira sob o ponto de vista fenomenológico, o que revela que o fenômeno gagueira está envolto por alterações de tônus; a partir daí, a autora propõe uma condução da terapia voltada para esses invólucros de tensão do gago, que a autora chamou de gagueira construída e que é diferente da gagueira essência.
  13. 13. 13 Em sua metodologia de pesquisa, SILVIA FRIEDMAN (1986) utilizou o discurso de sete sujeitos com história de gagueira na fala. A coleta do discurso dos sujeitos de 1 a 5 foi realizada por meio de fita cassete, a do sujeito 6, em gravação em vídeo e a do sujeito 7, por meio de material escrito, que incluía um “Diário de fala” (44 relatos) e um “Livro sem nome” (4 relatos). O procedimento escolhido para a organização e análise do material coletado foi baseado na teoria das Representações Sociais e materializado na Análise Gráfica do Discurso. Partindo dos discursos transcritos, a autora decompôs esses discursos em unidades de significação, mantendo as ligações entre as frases por numeração. Isso permitiu reagrupar as falas dos sujeitos por temas, de onde emergiram Categorias de análise do discurso, bem como as ligações entre elas. Essa análise permitiu uma descrição da natureza do fenômeno gagueira no interior do referencial materialista-dialético adotado. A autora ressalta, na revisão da literatura, como ao abordar o tema, as diferentes teorias conhecidas, voltam-se para a manifestação externa e, a partir daí, tentam explicar mecanicamente sua origem, seja por explicações orgânicas, sociais ou psicológicas. Apontando para um modelo, psicossocial, reforçado pelas categorias básicas de pensamento que emergiram da análise do discurso dos sujeitos, ela explica a gênese da gagueira, sua manutenção e reprodução, construindo um caminho terapêutico onde o alvo não é a fala gaguejada, mas a imagem de mau falante do indivíduo. Na Fonoaudiologia, como em qualquer área da ciência, toda explicação é sempre relativa. Mesmo nos comprometimentos da linguagem, onde o aspecto orgânico é fator decisivo (por exemplo: na afasia; na paralisia cerebral), não teremos nunca explicações definitivas e baseadas apenas em um único elemento. A pretensa “unanimidade” em torno do tema é de certa forma um esvaziamento da questão, porque para construir um saber científico “o sujeito que conhece (...) ‘transforma’ as informações obtidas segundo o Código complicado das determinações sociais (...), pela
  14. 14. 14 mediação da sua situação de classe e dos interesses de grupo que a ela se ligam, pela mediação das suas motivações conscientes e subconscientes e, sobretudo, pela mediação da sua prática social sem a qual o conhecimento é uma ficção especulativa” (SCHAFF, 1987,82). Portanto, compreendendo que a ciência não comporta enquadramentos definitivos, já que toda explicação é sempre relativa, deveremos estar atentos para não engessarmos nosso pensamento e ação dentro de uma perspectiva fracionada da realidade. Ao repensar a teoria na prática, delimitamos as seguintes hipóteses: Parte das incertezas encontradas pelos profissionais no atendimento da gagueira não se deve à falta de referências teóricas para o método fonoaudiológico. É necessário construir uma visão de mundo antes de se definir por esta ou aquela linha teórica no trabalho com a gagueira. Há uma incoerência teórico-metodológica quando se “aplica” diferentes teorias conforme o tipo de paciente gago.
  15. 15. 15 DUAS CONCEPÇÕES SOBRE A GAGUEIRA A discussão sobre a gagueira passa por diferentes pontos de vista (Positivismo, Fenomenologia, Materialismo dialético), varia de autor para autor, linhas de pesquisa e país de origem. Em nossa escolha, priorizamos autoras com formação fonoaudiológica, que abordam a gagueira sob o ponto de vista das Ciências Humanas: ISIS MEIRA (1983), que segue a orientação da Fenomenologia e SILVIA FRIEDMAN (1986) que desenvolve seu trabalho sob o enfoque do Materialismo dialético. Nossa investigação procurará focalizar as concepções desenvolvidas nas pesquisas com a gagueira por elas realizadas, como essas visões se entrelaçam e se complementam, e quais aspectos podem ser destacados para servir de base a um roteiro de leitura para outras pesquisas. Em seu enfoque a partir da Fenomenologia2 , MEIRA (1983), nos mostra como a visão Positivista vê a gagueira de uma perspectiva ôntica (em sua existência imediata e fora do indivíduo), como um fato, algo que se mostra à primeira vista, levando os autores que seguem essa linha a se preocupar com definições, explicações e classificações. Em conseqüência, MEIRA (1983), mostra que a postura positivista acaba por não elucidar, des-velar - para empregar a expressão heideggeriana - a gagueira em sua essência. A postura fenomenológica, ao contrário, vê a gagueira como ontológica (isto é, ressaltando a continuidade da gagueira com o ser que ________________________________ 2 A Fenomelogia - filosofia e método - teve em Husserl (1859-1938) o formulador de suas principais linhas. Seguiram-se outros representantes como: Heidegger, Jaspers, Sartre, Merleau-Ponty. Ela se contrapõe à postura positivista e defende que o objeto (do conhecimento) devem ser os fenômenos apreendidos pela percepção humana de forma pura essencial, como aparecem, como se apresentam à consciência. Isso é feito, a partir da “redução fenomenológica” que consiste em colocar em suspensão todo e qualquer conhecimento previamente produzido sobre o fenômeno para focalizá-lo no que ele tem de mais puro e essencial (ARANHA & MARTINS, 1986).
  16. 16. 16 gagueja), é com base nela que MEIRA (1983) propõe-se a olhá-la enquanto fenômeno, sem dados pré-estabelecidos, para sair da aparência (fato) que a fragmenta e poder captar sua essência. Recusando essa visão fragmentada da maioria dos autores positivistas, MEIRA (1983) questiona qual seria o caminho a percorrer: em direção ao gago, isto é, o sujeito que expressa a gagueira, ou em direção à gagueira, seu problema na fala. Para obter um discurso esclarecedor sobre a gagueira e poder chegar ao fenômeno, ela a focaliza no indivíduo que a manifesta, o qual foi com o tempo encobrindo a sua gagueira por meio de alterações de tensão. A partir disso percebe a necessidade de um aprofundamento na gagueira manifesta pelo gago (a gagueira constituída por alterações de tensão), para poder atingir a sua essência ( a gagueira livre de alterações de tensão). Assim, distanciando-se da gagueira enquanto fato, MEIRA (1983) se propõe a conhecer sua essência e não sua causa. A autora nos mostra que, cada classe de teorias (orgânica, psicológica e do comportamento aprendido) impõe uma ótica diferente às causas da gagueira e faz apenas uma análise quantitativa de comportamentos pré-estabelecidos, sem atingir a gagueira nela mesma (gagueira construída). Diante desse estado de coisas, MEIRA (1983) assume uma postura investigativa fenomenológica, que deve procurar des-velar o fenômeno gagueira e captar o que permanece oculto. Para isso, para se aproximar do que pode ser captado pela percepção quando se tenta ver o fenômeno (e não o fato) gagueira, deve-se voltar o olhar para a gagueira mesma e não para suas causas e para os sentimentos e atitudes ligados a ela. FRIEDMAN (1986) por sua vez, apoiada numa concepção materialista dialética busca uma compreensão da gagueira que permita conhecer sua origem e desenvolvimento. A autora argumenta que a maioria dos estudos sobre a gagueira aborda o problema de maneira positivista, reificada3 , focalizando apenas a
  17. 17. 17 manifestação externa, aparente, da fala. Nessa atitude positivista a autora detecta a incapacidade dessas abordagens de compreender a gagueira em todos os seus desdobramentos e interrelações entre o que é subjetivo (do indivíduo) e o que é objetivo (do organismo e do social). Em seu trabalho, FRIEDMAN (1986) considera três grandes grupos de teorias sobre a gagueira: As teorias orgânicas, que vêem como causa problemas neurológicos, como afasia, lesões cerebrais, dominância cerebral, incoordenação motora, retardo de mielinização do córtex da fala, etc. Além de fatores hereditários, congênitos, metabólicos e outros. As teorias psicológicas, que sustentam que a gagueira é sintoma de traumas, conflitos afetivos, necessidades sexuais inconscientes não resolvidas (fixação oral ou anal), agressividade reprimida, entre outros. E as teorias sociais, que vêem as causas da gagueira na relação do indivíduo com os outros, isto é, como um hábito adquirido em conseqüência do reforço negativo do meio sobre a fala; por julgamentos inadequados de pessoas significativas sobre as vacilações normais da fala da criança, pela influência da cultura em sociedades competitivas que, conferindo valor extremo ao prestígio social, atribuem um grande valor à competência da fala. Para a autora, dar prioridade a um dos três aspectos (social, psicológico ou orgânico) em detrimento dos outros, é uma atitude limitadora que leva a um reducionismo do conhecimento e impede o aprofundamento da questão. FRIEDMAN _________________________________ 3 “Res”, em latim, significa “coisa”. O materialismo dialético - filosofia e método - considera os fenômenos materiais como processos e vê a realidade, não de forma linear, mas numa dependência recíproca e em seu processo de produção. Ao contrário da postura positivista, a “reificação”, conceito forjado pelo materialismo dialético, consiste em considerar os fenômenos apenas como se fossem “coisas”, deslocadas de seus processos de produção (ARANHA & MARTINS, 1986). “Reificada”, a gagueira é vista como uma coisa, como algo distante do indivíduo que gagueja; aí, o sujeito é visto despojado de sua história de fala. (1986) propõe uma abordagem que relacione esses três aspectos, não apenas como uma somatória entre eles, mas estabelecendo suas influências recíprocas. As várias
  18. 18. 18 formas de entender a fala gaguejada a partir das teorias existentes não deixam de mostrar aspectos verdadeiros dela, mas sem as conexões com as demais, esses aspectos ficam à deriva, desvinculados de um todo, provocando o isolamento da manifestação observada, do processo que levou o indivíduo a essa manifestação. Em seu estudo, MEIRA (1983) manteve-se centrada na estrutura própria da gagueira constituída (as alterações de tensão), cuidando para não isolar e também para não confundir os estados de consciência do indivíduo com as ocorrências corporais. Afirma: “Ficou mais fácil ver a trajetória do gago vivendo penosamente com a gagueira, difusamente percebida por ele, mesmo como um fato, pondo sobre ela ainda pesadas cargas trazidas por ele próprio e adicionadas pelos outros, com dificuldade de lidar com os seus sentimentos e com sua forte rejeição à gagueira” (MEIRA, 1983, 99). FRIEDMAN (1986) também compreende a gagueira (tensões) dentro de uma relação de mútua dependência entre os estados de consciência e as ocorrências corporais, e busca, num contexto materialista dialético, detectar como ela se apresenta. MEIRA (1983), “ao pôr a gagueira em suspensão para intuir sua essência”, procura distanciar-se das causas e conteúdos que envolvem a gagueira, e assim chegar à gagueira pura que foi encapsulada pelas tensões que o indivíduo apresenta ao falar. Contudo, isso é apenas parte de sua proposta para a terapia. Fazendo uma clara distinção entre o gago (o indivíduo) e a gagueira (a dificuldade na fala), MEIRA (1983) enfatiza a importância de trabalhar também o gago (o indivíduo) nas suas dificuldades relacionadas à gagueira. FRIEDMAN (1986), partindo desses dois aspectos (a atividade de fala e o indivíduo que gagueja) já enfatizados por MEIRA (1983), aponta para a possibilidade de também compreender a gagueira através do discurso do indivíduo gago, apreendendo assim outras significações igualmente importantes para a compreensão da atividade da fala gaguejada. A gagueira, segundo a autora, não deve ser vista apenas em seu caráter desviante (como sugere a visão
  19. 19. 19 positivista pautada nas Ciências Naturais), mas enquanto reveladora de crenças e condicionamentos. Em seu estudo, MEIRA (1983), já fazia esse questionamento, afirmando: “A questão da gagueira, porém, sendo essencialmente humana, tem uma estrutura significativa própria que precisa ser focalizada de forma a evitar redução e distorção” (p. 95, grifo meu). Portanto, ambas as autoras, partindo do campo das Ciências Humanas, procuraram compreender a gagueira a partir do indivíduo que gagueja. Mas enquanto MEIRA (1983) investigou a atividade de fala do sujeito gago decompondo o “todo” da gagueira (tensões) em suas partes constituintes, evidenciando a dinâmica dos grupos e regiões musculares envolvidas, FRIEDMAN (1986), por seu lado investigou o discurso do sujeito gago, decompondo-o em categorias que denotam o movimento genérico do pensamento do indivíduo com relação à fala e à gagueira. Em sua pesquisa, MEIRA (1983) investigou a fala do sujeito gago, detectando a rede de alterações de tônus construída pelo gago (chamada pela autora de GAGUEIRA CONSTRUÍDA ou INVÓLUCROS da gagueira pura), que pode ser “desmanchada” na terapia, e o núcleo da gagueira que existe no indivíduo gago (chamado pela autora de GAGUEIRA PURA ou GAGUEIRA ESSÊNCIA), que permanece no indivíduo gago durante a sua existência e não pode ser “retirado”. A GAGUEIRA CONSTRUÍDA se mostra, em todos os gagos, nas regiões oral, cervical e diafragmática. Estes são os INVARIANTES da gagueira. Em alguns gagos, no entanto, a gagueira construída pode também se manifestar em outras regiões do corpo. As alterações de tônus nas três regiões mencionadas se correlacionam, como explica a autora quando diz: “A fluência e, portanto, a coordenação exigida para a fala, requer tônus muscular adequado. A alteração simultânea no tônus muscular da região oral, da região cervical e da região diafragmática resulta em falha na coordenação dessa musculatura. Essa falha na coordenação se mostra tanto nos movimentos isolados da musculatura de cada região quanto nos movimentos que envolvem, ao
  20. 20. 20 mesmo tempo, o trabalho muscular destas três regiões mencionadas” (p. 125) (...) “um grupo muscular tenso sempre corresponde à tensão de outro grupo muscular, mesmo na ausência de fala” (p. 27). Os grupos musculares com tônus alterado que compõem a fala gaguejada variam de indivíduo para indivíduo, já que o mapeamento de cada gagueira é individual e dinâmico. Assim, MEIRA (1983) descreveu a ação dos grupos musculares com tônus alterado, pontuou as regiões que se mostram invariavelmente hiper ou hipotensas nos indivíduos gagos e explicou o processo da seguinte forma: “A falha na coordenação muscular do gago ocorre, a nível da ação de um grupo muscular, que realiza seu movimento com tremores e interrupções e a nível do movimento muscular simultâneo das três regiões - oral, cervical e diafragmática - cuja parada e tremores indicam uma falha na movimentação coordenada das três regiões do corpo que também estejam tensas” (p. 128). Ou seja, os invólucros de tensão se ligam, atuando de forma conjunta e dinâmica. Ao mapeamento dessa gagueira construída individualmente por cada gago no decorrer de sua existência, MEIRA (1983) estabeleceu um paralelo, já apontado por KRETSCHMER (MEIRA, 1983, 101), com a afetividade (emoções) e as alterações do tônus muscular e visceral, mostrando que: “À medida que se altera a afetividade, a tensão muscular e a tensão visceral, o gago, como qualquer ser-no-mundo, reflete esta alteração em sua dificuldade maior, a gagueira”. (p. 107, grifo meu). Na literatura há referências ao papel das emoções negativas (medo, ansiedade, culpa) na ocorrência de gagueira. MEIRA (1983) aponta a interferência também das emoções ditas positivas (alegria exagerada, excitação, euforia), explicando que toda emoção que tire o gago de seu equilíbrio contribui para a piora da gagueira. Observa-se nos autores positivistas, uma tendência a quantificar os comportamentos de gagueira (bloqueio, repetição, prolongamento, por exemplo).
  21. 21. 21 MEIRA (1983), ao contrário, apoiada nos princípios das Ciências Humanas, propõe uma análise qualitativa, mapeando e descrevendo a gagueira expressa em cada gago. A pesquisa de FRIEDMAN (1986) explicitou uma “ideologia do bem falar” permeando as relações da sociedade. A partir dessa ideologia, criam-se as condições- base para que um rótulo social, estigmatizado, da fala gaguejada se transforme em algo pessoal para o indivíduo que gagueja. A autora explica que a família é capturada por uma “armadilha”, ao ver na fala gaguejada da criança algo negativo (relação de comunicação paradoxal: pedir à criança que fale, mas que não fale como fala. Como então, poderá a criança falar?). Assim, a autora mostra que quanto mais se solicita uma fala “correta”, mais gagueira se observa surgir. Segundo a autora, a vivência sistemática desse tipo de relação interpessoal durante o período de desenvolvimento da linguagem do indivíduo acarretará numa relação distorcida com a fala, consigo mesmo e com o outro. A apresentação de uma fala gaguejada que não pode ser valorizada pelo grupo em que o falante se encontra, gera preocupação, medo, insegurança ao falar. Essas vivências concorrem para a quebra do sinergismo natural, espontâneo do ato motor da fala, que passa a apresentar-se com tensão. Como vimos em MEIRA (1983), essa tensão, vista de forma geral, possui características específicas no quadro de referências da gagueira construída. Concomitantemente a isso, porque (...) “representando o mundo que a cerca, a criança vai representando a si mesma como parte dele, desenvolvendo sua identidade” (FRIEDMAN, 1986,19), surge uma imagem negativa de falante. Marcado por uma vivência de incapacidade, de impossibilidade de corresponder a um padrão ideal de falar, o indivíduo passa a acreditar na sua deficiência e tenta falar de um novo modo, buscando a fala sem gagueira. A construção da identidade do indivíduo se faz junto com a representação de mundo e de sua linguagem, que em meio ao conflito criado por se ver impelido a falar de forma diferente do que é esperado para ser socialmente aceito, faz com que as situações
  22. 22. 22 comunicativas sejam cada vez mais carregadas de tensão. Cristaliza-se assim uma imagem negativa ou estigmatizada de falante. A articulação entre o psicológico (construção da identidade: auto-imagem estigmatizada, emoções negativas), o social (ideologia do “bem falar”, relações de comunicação paradoxais), e o orgânico (tensão, incoordenação dos movimentos articulados da fala) revela-se, segundo FRIEDMAN (1986), um quadro coerente para explicar os comportamentos (hesitações, bloqueios, repetições, evitações, etc) reconhecidos pelos diversos autores como característicos do quadro de gagueira. Como vimos, também MEIRA (1983) em sua pesquisa, conseguiu distanciar-se da gagueira como um fato e deixar de olhar exclusivamente para os prolongamentos de sons, as repetições de sílabas, os bloqueios que reduzem a gagueira a sua aparência imediata, podendo assim, captar e compreender a fala gaguejada em seus aspectos constitutivos, revelando o que estava por detrás da aparência, o que MEIRA (1983) chamou de invólucros de tensão, a GAGUEIRA CONSTRUÍDA. Ao analisar detalhadamente o modo como a postura e o movimento do corpo e da fala vão se organizando em função dos grupos musculares e regiões tensas, MEIRA (1983) também aponta para aspectos subjetivos vinculados a essa atividade de fala. A autora observa que “ao invés de seguir seu caminho habitando a gagueira, o gago luta para escondê-la, negando sua existência” (p. 131). Em sintonia com esse aspecto levantado por MEIRA (1983), FRIEDMAN (1986) ressalta que ao ver-se como falante estigmatizado e ter que falar bem, o indivíduo cria o hábito de interferir com a fala (atendendo ao desejo de querer controlá-la para não gaguejar), quebrando a espontaneidade e gerando tensão. A autora mostra que a tensão se constrói, basicamente, porque o indivíduo nessa situação prevê (antecipa) gagueira na fala ainda não falada, como estratégia para evitá-la, mecanismo que só produz mais tensão e portanto mais gagueira. Quanto maior a necessidade social e pessoal de corresponder a uma imagem idealizada de falante sem gagueira, maior será a ativação
  23. 23. 23 emocional negativa que entrará em jogo, subvertendo a possibilidade da fala fluir sem os condicionamentos tensos. Por sua vez, MEIRA (1983), ao captar as tensões apresentadas pelos gagos na fala, explica que, de uma concepção generalizada e difusa dessas tensões, deve-se avançar para uma observação mais cuidadosa e aprofundada, em que grupos musculares que vão constituir a gagueira expressa se apresentam com seu tônus em desequilíbrio, e se caracterizam por uma dinâmica e mapeamento próprios. Dessa forma, em seu estudo, MEIRA (1983) havia verificado que, ao tentar ocultar a gagueira, o gago a torna mais evidente. Como relata a autora : “(...) o gago, por toda a sua vivência não aceitando a gagueira, tem um nível de tensão aumentado (...). Estas tensões são percebidas e assimiladas pelo outro que também, se não tiver condições de lidar com a nova carga de tensão, se torna mais tenso e reage apresentando tensão (...). O gago percebe estas reações, que são manifestações de uma não aceitação da gagueira, angustia-se e aumenta seu nível de tensão. Esta tensão manifesta-se na fala” (p. 111). A autora mostra que são as emoções que têm íntima relação com a tensão, que alteram a gagueira. FRIEDMAN (1986) também confirma esse aspecto identificado por MEIRA (1983), mostrando que as emoções se alteram e as tensões aumentam porque o indivíduo tenta modificar a fala para ser aceito. A autora mostra como a atitude de ocultamento da fala gaguejada tem suas motivações nos conteúdos da mente (auto-imagem de mau falante) advindos e ligados à necessidade de falar sem a gagueira (ideologia veiculada socialmente), que, ao dispararem sentimentos como o medo, ou a ansiedade, aumentam a tensão durante a fala. A vivência sistemática em meio a esse contexto paradoxal (sou gago; não posso ser gago; tento falar bem e gaguejo) mantém o indivíduo preso ao universo que a autora passa a denominar de GAGUEIRA SOFRIMENTO. MEIRA (1983), ao fazer a ligação entre a afetividade e as tensões (muscular e visceral), evidenciou que os estados-de-mente dos indivíduos que gaguejam correlacionam-se, em primeiro lugar,
  24. 24. 24 com a gagueira percebida, e que a percepção dos estados afetivos (medo, ansiedade, angústia) ocorre mais facilmente do que a percepção das tensões. É no trabalho terapêutico com os invólucros de tensão, voltado para o corpo em geral e para a fala especificamente, que o indivíduo entrará em contato com a localização e intensidade das tensões (no corpo e na fala), desenvolvendo uma consciência aprofundada das condições em que ocorre a fala gaguejada. Ao observar que os gagos fazem uma correspondência entre a alteração da afetividade e a gagueira, MEIRA (1983) explica que “por um distúrbio da consciência (consciência difusa de sua gagueira), o gago ‘fantasia’ determinada situação percebendo-a de forma irreal, e, em geral, com fortes cargas de ansiedade” (p. 106). É justamente sobre esse ponto, a forma como o indivíduo percebe as situações de fala, ou seja, a relação entre gagueira e o desenvolvimento da consciência, que FRIEDMAN (1986) procurou, ao analisar os conteúdos subjacentes ao discurso dos sujeitos de sua pesquisa, compreender “o movimento do pensamento a respeito da fala e da gagueira, em suas múltiplas determinações” (p. 30). Para MEIRA (1983), o gago deve “conviver com seus estados de mente” e “habitar sua gagueira”, dessa forma, esses estados-de-mente não serão facilmente alterados e não interferirão tanto com a fala (p. 112). Da mesma forma, FRIEDMAN (1986) defende que “desmistificando e questionando a lógica da gagueira a nível do pensamento”, o indivíduo gago deverá ter um “compromisso com o gaguejar”, já que o não gaguejar “está sendo apontado com o motor do processo da gagueira” (p. 116). Um ponto de divergência entre as duas abordagens estaria então, no fato de que MEIRA (1983), por seu lado entende que o social é vivido pelo indivíduo que gagueja e, obviamente, não pela gagueira. Em seu estudo, gago e gagueira constituem um todo indivisível, mas são entidades distintas que não podem ser confundidas. Se na terapia, o gago for trabalhado com relação a seus estados-de-mente, suas atitudes e seu modo de ver o mundo, ele compreenderá as reações dos outros e poderá não ter problemas
  25. 25. 25 sociais, mesmo que continue gaguejando. Para FRIEDMAN (1986), por outro lado, o mundo, o social, tem a marca da história e da ideologia, interferindo necessariamente nas concepções formadas pelo indivíduo que expressa a gagueira. A autora também aceita considerar o fato de que o social é vivido pelo indivíduo e que a mudança na auto-imagem de falante possibilitará um “convívio melhor” no meio social, mas isso não impede uma reflexão mais ampla de natureza sociológico-filosófica que revele concepções da gagueira enquanto uma fala desviante e necessariamente patológica. A forma de considerar o “aspecto social” vinculado ao tema da gagueira, é o que parece diferir nas duas pesquisas. Em MEIRA (1983), o “aspecto social” consiste nas relações que o indivíduo estabelece com pessoas e situações de vida no dia-a-dia (trabalho, família, amigos, relacionamentos afetivos, etc). A autora relata o caso de um gago extremamente bonito e bem sucedido, que atuava como um líder, sendo bastante solicitado por pessoas que o cercavam. Esse sujeito gago “era consciente de seu sucesso e de suas muitas possibilidades. Convivia com os outros e a gagueira era vista como uma de suas possibilidades, sem grande importância”. A autora verifica então que “(...) o aspecto social não chega, nem mesmo, a interferir alterando o estado-de- mente do gago e, conseqüentemente, alterando a própria gagueira” (p. 112). Já na pesquisa de FRIEDMAN (1986) vemos que o “aspecto social” aparece vinculado tanto à individualidade quanto à coletividade. Com relação à individualidade, a autora emprega a categoria OUTROS, que ela identifica na Análise Gráfica do Discurso dos sujeitos da pesquisa, referindo-se à família, trabalho, escola, amigos, pessoas em geral, etc; sendo que o sujeito que gagueja poderá lidar com esse “aspecto social” de diferentes modos, dependendo das representações que ele faz desse meio social e de si mesmo. Como exemplo, temos o relato do sujeito1 que menciona poucos amigos, e se refere ao fato de o grupo (de amigos) se desinteressar por ele (se afastar) e de ele pedir para que falem por ele nas situações cotidianas (p. 39). O sujeito2 se refere a pessoas conhecidas, amigáveis, que aceitam e não ligam muito (para a fala
  26. 26. 26 gaguejada), com as quais ele se dá bem e que, às vezes, falam por ele para ajudá-lo, apoiá-lo (p. 46). Focalizando os “aspectos sociais” com relação à coletividade , a autora parte para uma conceituação mais geral, filosófica, ligada aos pressupostos do Materialismo dialético. Aqui, os “aspectos sociais” da gagueira vinculam-se à noção de realidade social circundante enquanto princípios, regras, valores e ações dentro da história social da humanidade. É nesse sentido que FRIEDMAN (1986) afirma que os conteúdos da consciência do indivíduo gago, que promovem o movimento do pensamento gerador de atitudes de evitação/negação da gagueira (que fazem aumentar a tensão na fala, como MEIRA (1983) também havia visto), não são passíveis de ser tomados como algo inato, como produção psíquica naturalmente circunscrita a uma atividade neurofisiológica do indivíduo, mas como fator sócio- histórico construído nas relações do indivíduo com a sociedade e a cultura. São essas relações que determinam a representação de si e do mundo dos indivíduos. É importante compreender que a diferença dos pontos de vista de cada autora é decorrente da opção que cada uma faz ao abordar o tema. MEIRA (1983) afirma que “a pesquisa centralizada exclusivamente nas ordens física e biológica não poderia apresentar uma visão satisfatória e completa para uma questão humana tão importante como a gagueira” (p. 95). Para tanto, ela parte para uma descrição e análise fenomenológica do problema da gagueira. A fenomenologia coloca em primeiro plano a subjetividade enquanto movimento interno de um sujeito que tem sua individualidade exacerbada. Assim, o papel do sujeito ganha mais importância que a realidade circundante. Como MEIRA (1983), FRIEDMAN (1986) também critica a visão positivista que reduz a gagueira a seu aspecto manifesto, fragmentando sua totalidade. Mas, na busca por uma visão mais integrada para a gagueira, ela parte para um modelo filosófico que prioriza a interação entre o sujeito e o objeto do conhecimento. A opção feita - o materialismo dialético - vê a subjetividade se construindo na dialética homem - mundo com seus valores e regras sociais.
  27. 27. 27 Em seu estudo, MEIRA (1983), ao procurar as invariantes da gagueira, chegou ao conceito de tensão. Constituindo-se nos invólucros da gagueira, esses invólucros apontam para aquilo que está “por detrás dela” - a essência da gagueira. Ao mostrar onde estão os invólucros, a autora se depara com tensões nas regiões oral, cervical e diafragmática, descritas em termos dos músculos e órgãos fonoarticulatórios envolvidos. Examinando a correlação entre as áreas de tensão, verifica-se que a musculatura alterada de uma região altera a outra e que, em todos os gagos estudados na pesquisa, a musculatura respiratória também estava alterada. MEIRA (1983) acredita que, embora haja relação entre afetividade, tensão muscular e visceral, o gago reage a seus próprios estados de mente, sendo responsável por eles. Essa concepção não assume o paradigma da determinação biopsicossocial (em que a consciência não é vista como pura reflexão, passividade, e para a qual as idéias são forças ativas), como vemos em FRIEDMAN (1986), e olha a realidade intra-psíquica como criada apenas por si mesma (uma consciência doadora de sentido), exatamente de acordo com a visão de sujeito da fenomenologia, já mencionada anteriormente. MEIRA(1983) mostra que os interlocutores, também são regidos pela mesma “lei” e, por isso, não respondem com críticas, expressões faciais, e sorrisos à gagueira do gago, mas aos seus próprios conteúdos afetivos, não sendo possível afirmar-se que a gagueira (constituída por tensões) é um problema que surge no social, embora esse aspecto possa influenciar o indivíduo. FRIEDMAN (1986) também concorda com a afirmação de que a reação dos indivíduos deve-se aos seus próprios conteúdos, mas mostra que isso não exclui a compreensão de que esses mesmos conteúdos se desdobram a partir de um contexto sócio-cultural mais amplo, no qual se encontra a ideologia do bem- falar, que passa a forjar os conteúdos afetivos próprios e, a seguir, o modo de reagir ao mundo.
  28. 28. 28 Focalizando, agora, o aspecto da utilização dos dados encontrados nas pesquisas, no sentido de uma determinação dos objetivos da terapia, as pesquisas das duas autoras, embora seguindo caminhos diferentes, também podem se complementar. Fenomenologia e Materialismo dialético “equilibram-se” coerentemente e não desconsideram as variáveis orgânicas, desde que “se integrem as ordens física e biológica em novas estruturas”, como afirma MEIRA (1983, 95), ou que não se pressuponha “a prioridade de qualquer um dos três aspectos, social, psicológico ou orgânico sobre os demais (...)”, como defende FRIEDMAN (1986,14). É mantendo, portanto, as premissas e diferenças básicas entre cada uma das pesquisas que procuraremos ver de que modo elas podem se integrar e interagir. No trabalho com o indivíduo gago em terapia, segundo MEIRA (1983), “o primeiro passo é, então, a tomada de consciência (...) para seu corpo inicialmente, para os recursos usados na tentativa de ocultar a gagueira e para seu próprio portar-se diante da gagueira”. A autora propõe uma “consciência alerta” para todo indivíduo gago que queira manter um “estado de zelo” e, através dele, dissolver os invólucros e conseguir manter a “gagueira livre, solta” (p. 132 e 133). Assim, é realizado um trabalho verbal específico, durante o processo terapêutico com o gago, abordando suas dificuldades enquanto pessoa, a fim de que ele aprenda a “con-viver” com sua gagueira, lidando com a não-aceitação dela pelos seus interlocutores e com sua própria não-aceitação. Como afirma a autora: “É, no entanto, numa relação intersubjetiva terapeuta-paciente, e não num caminhar solitário, que o gago muda a representação que ele tem de si mesmo e de sua gagueira. Esta mudança diz respeito ao existir-com-os outros e com-a-sua-gagueira” (p. 112). Esses mesmos aspectos são apontados por FRIEDMAN (1986), quando afirma que o trabalho terapêutico consiste (dentre outros aspectos) em “desmistificar a ideologia sobre a qual se assenta a gagueira”, por meio do diálogo (terapeuta-paciente), colocando em xeque as posturas assumidas pelo indivíduo diante da fala gaguejada, posturas que “ao mesmo tempo
  29. 29. 29 que tentam ocultar, afirmam a gagueira” (p.116). Ambas autoras lidam em terapia com os aspectos subjetivos ligados às concepções que o indivíduo gago tem das relações interpessoais, da fala, das situações vividas e de si mesmo. A diferença está na opção feita por FRIEDMAN (1986) pelos princípios do materialismo dialético, que permite reconduzir essa subjetividade também para o campo social (enquanto valores e regras), mostrando que essa subjetividade sofre a marca tanto da cultura quanto da história pessoal (do indivíduo) e coletiva (da sociedade). É nesse contexto que a autora trabalha com as noções de ideologia do bem falar (estigma), construção da identidade (auto-imagem de falante); essas noções são “trazidas” do social para o individual e retrabalhadas (na terapia) em termos daquilo que representam para o falante com gagueira, na especificidade de cada caso. FRIEDMAN (1986), a partir da análise do discurso dos sujeitos da pesquisa, destacou as quatro categorias subjacentes a eles: Auto-imagem, Nível Motor, Ativação Emocional, Outros. Essas categorias representam os conteúdos da consciência de cada sujeito e a interação entre elas reflete o movimento genérico do pensamento dos indivíduos estudados. Na categoria Ativação Emocional, revelam-se medos, ansiedades, vergonhas, preocupações, raivas, etc, do falante gago em relação a sua fala e aos outros. No categoria Nível Motor, evidenciam-se tensões nos movimentos de fala, relatados pelos indivíduos gagos como: gaguejar, não sair a fala, repetir sílabas, língua enrolada, que surgem diante dos outros e sob certas emoções. Esse nível será visto separadamente, quando falarmos sobre a terapia para a atividade de fala em si. Na categoria Auto-Imagem, revela-se um conceito negativo de si como falante, quando se constata determinadas atitudes assumidas diante da fala: pensar como falar, achar que não sabe falar, achar ter um defeito, achar-se incapaz, evitar conversar para não se mostrar, considerar-se gago - sempre diante dos outros - sentindo as emoções delineadas, acima, e a tensão na fala.
  30. 30. 30 O social é representado pela categoria - Outros - e aparece no relato dos indivíduos quando se referem a familiares, amigos, chefe, escola, professores com quem gaguejam e sentem as emoções mencionadas. Segundo FRIEDMAN (1986), as categorias vistas à luz da história de fala dos indivíduos que gaguejam são elementos fundamentais para se traçar um caminho a ser desenvolvido na atividade clínica, já que refletem um movimento genérico do pensamento dos indivíduos estudados, servindo, assim, de sinalização das estruturas sociais e ideológicas que estão por trás de cada sujeito e que, no plano pessoal, assumem características específicas para cada um. Centrada, no processo de produção da gagueira, nos planos subjetivo (auto-imagem e emoção) e social vinculados ao motor (atividade de fala em si), a terapia deve trabalhar os conteúdos da auto-imagem negativa de falante (que pode ser negativa em maior ou menor grau), desmistificando as crenças que a ideologia do “bem falar” inculcou no indivíduo e que fazem parte de sua identidade. Antes de iniciarmos as considerações sobre o trabalho terapêutico com o aspecto motor da fala gaguejada (tensa), veremos primeiramente como diferem, nesse item, os dois estudos aqui referidos. Em sua pesquisa, MEIRA (1983) estabeleceu uma trajetória que diferencia claramente a atividade de fala (invólucros de tensão) do indivíduo gago. Focalizando o conhecimento da gagueira, enquanto fenômeno, ela cuidou para não misturar gago e gagueira, fazendo com que surgissem suas particularidades dentro da totalidade que representam e evitando a dicotomia cartesiana sujeito/objeto, pela qual vinha sendo tratado o tema na visão positivista. FRIEDMAN (1986), ao colocar-se diante do problema, buscou na análise qualitativa do discurso do sujeito (gago) entender a manifestação da gagueira através da história do desenvolvimento da fala da pessoa gaga. Como MEIRA (1983), FRIEDMAN (1986) não vê a atividade de fala gaguejada (tensa) como algo que surge de um indivíduo com “defeito de fabricação”, como querem aqueles que assumem uma visão positivista
  31. 31. 31 dentro do campo das Ciências Naturais e que mantêm, assim, a dicotomia sujeito- objeto do conhecimento. Em sua pesquisa, a diferenciação entre o indivíduo (gago) e a gagueira aparece em termos da atividade de fala com tensões (gagueira), que aparece representada pela categoria Nível Motor, sendo que as outras categorias - Auto Imagem, Ativação Emocional, Outros - relacionam-se mais diretamente com o indivíduo, e juntamente com a categoria Nível Motor, interligam a história de fala dos sujeitos. Portanto, MEIRA (1983) partiu de uma análise da fala (em si mesma) e não dos conteúdos desta. “O conteúdo não foi levado em consideração para os objetivos deste estudo, mas constitui um dado que aponta para a dificuldade que os gagos têm de falar sobre a própria gagueira” (p. 18). FRIEDMAN (1986), por outro lado, partiu da análise dos conteúdos do discurso e não da fala (em si mesma) percebendo, como MEIRA (1983), que esses conteúdos poderiam trazer significações sobre o indivíduo gago e conseqüentemente sobre a gagueira, no sentido mais específico do ato motor e, no mais amplo, enquanto uma concepção de fala ligada ao desenvolvimento do psiquismo, à subjetividade humana. A seguir, falaremos mais especificamente do trabalho com a fala gaguejada, lembrando que tanto MEIRA (1983) quanto FRIEDMAN (1986), ao abordarem em terapia o aspecto motor da fala com gagueira, não perderam de vista as questões subjetivas que dizem respeito ao indivíduo e que estão obviamente ligadas à gagueira: sentimentos, atitudes, modos de ver o mundo, modos de ver a gagueira, para MEIRA (1983) e ideologia do bem falar, ativação emocional, auto-imagem de falante, representações de mundo e de si, para FRIEDMAN (1986). Ao abordar o aspecto motor da gagueira, FRIEDMAN (1986) ressalta a importância do trabalho de relaxamento voltado para o corpo todo e proprioceptivo com a fala em particular. Ao desenvolver a capacidade de sentir, aprofundar e interferir com os movimentos articulatórios e do corpo (ritmo respiratório, batimento cardíaco, tensões
  32. 32. 32 de cada segmento corporal), o indivíduo vai desfazendo a dúvida (ideologicamente criada) sobre sua capacidade de falar sem as tensões apresentadas. A autora também coloca a fluência como um ponto de destaque no trabalho com o aspecto motor, neste sentido explica que: “A tarefa de recuperação da capacidade articulatória, é feita enfatizando-se a existência de momentos fluentes, conforme todos os gagos relatam (...)”, já que, “(...) sua consciência se ocupa apenas com a gagueira (...)” (p. 116, grifo meu). Assim, ao revelar concretamente a capacidade de fala através dos mecanismos que a integram (respiração, movimentação da musculatura oral e corporal, articulação dos sons, etc) pode-se redimensionar o Nível Motor (fala gaguejada), valorizando-se a fluência que já existe sob certas circunstâncias. Com isso, confirma-se a capacidade de fala, e rompe-se com a idéia alienada de que não se consegue falar sem a tensão que caracteriza a gagueira. MEIRA (1983), por seu lado, desenvolveu sua pesquisa focalizando primordialmente a atividade de fala com tensões, que se revelou para a autora na gagueira formada pelo indivíduo, os invólucros (ou Gagueira Construída). Recusando os trabalhos mecânicos feitos para reduzir o aparecimento da gagueira, ela propõe um trabalho aprofundado com o corpo e com a fala propriamente dita, que vise ao desenvolvimento e à ampliação do nível da consciência do indivíduo e ao equilíbrio do tônus. Ao compor o quadro da gagueira construída, a autora procurou determinar como a tensão se manifestava em cada gago, quais regiões do corpo eram tensionadas por todos os sujeitos da pesquisa e que grupos musculares eram “ativados” por cada gago individualmente. A autora, trabalhando com a fala gaguejada em terapia, lida com as alterações de tônus que constituem a gagueira no corpo e na fala. Os grupos musculares tensos apresentam-se alterados tanto durante a atividade de fala quanto, na ausência dela. Foi num caminhar para além da tensão vista de modo genérico, que MEIRA (1983) pôde chegar ao mapeamento das tensões, que compreendido em sua profundidade, mostra diferenças com relação a cada sujeito,
  33. 33. 33 mas, por outro lado, guarda certa estabilidade quanto às áreas envolvidas (oral, cervical, diafragmática), os invariantes. Segundo MEIRA (1983), a Tensão Oral é evidenciada, em geral, por: movimentos atípicos caracterizados por tremores, deslocamentos, incoordenações; movimentos articulatórios reduzidos, dor e cansaço após algum tempo de movimentação. A Tensão Cervical, se manifesta principalmente nas posturas tensas de ombros e pescoço (elevação, contração, dores, movimentos atípicos), essas tensões permanecem mesmo na ausência da fala. A respiração encontra-se alterada em todos os indivíduos gagos, observando-se que toda a musculatura (principalmente os músculos diafragmático, intercostais internos, transverso do tórax) envolvida na respiração está tensionada. A Tensão Diafragmática, então, se caracteriza por: incoordenação da inspiração, expiração e fala (exemplos: falar na inspiração, falar bloqueando a saída do ar, falar quase sem ar). Essas tensões também permanecem mesmo na ausência de fala. No trabalho em terapia com a dissolução dos invólucros de tensão, MEIRA (1983) desenvolve um caminhar com-o-gago em direção à “tomada de consciência do seu corpo” e aos “invólucros” (gagueira). Primeiramente, o indivíduo deve voltar sua consciência para as tensões (com sua dinâmica e mapeamento) e para as posturas corporais, ambas durante a fala e na ausência dela. Nesse processo ele deverá conhecer, localizar e verificar a intensidade dessas tensões no corpo e na fala; trabalhar e modificar a “sensibilidade cutânea e mio-funcional”. E assim, ao “vivenciar” a gagueira construída, através de diferentes situações terapêuticas, como relaxamento, massagem, toques em regiões sensíveis do corpo, poder “liberar” essas tensões. Como mostra a autora, em vez da atitude de “conter a gagueira, segurá-la, não deixar que ela surja”, o indivíduo passa a “ter uma fala livre, liberta das tensões”; condição básica que deverá ser adquirida na terapia. O sujeito aprende a “viver em propriedade
  34. 34. 34 com a gagueira” e a dissolver os invólucros, porque sabe que “na medida em que tenta ocultar a gagueira, consegue apenas acentuá-la” (p. 133). Vimos que as posições teóricas de MEIRA (1983) e FRIEDMAN (1986) pertencem ao campo das Ciências Humanas e partem de visões filosóficas diferentes. Para MEIRA (1983), a GAGUEIRA CONSTRUÍDA pode ser captada a partir da percepção e descrição da atividade de fala expressa pelo gago. Para se compreender o fenômeno e poder lidar com o que surge individualmente em cada gago, é preciso deixar de lado as análises quantitativas (saber, por exemplo, quantas vezes o indivíduo gagueja) e realizar um análise qualitativa (como é a gagueira desse indivíduo). A autora propõe, assim, uma abordagem terapêutica que segue por dois caminhos diferentes, um em direção ao indivíduo (ao gago), e outro, em direção à gagueira, sempre de forma interligada e sobreposta. Para FRIEDMAN (1986), a GAGUEIRA SOFRIMENTO pode ser compreendida a partir da análise do discurso do indivíduo que gagueja, que revela o movimento do seu pensamento com relação à fala e à gagueira. Assim, através de uma análise qualitativa desse discurso, de onde emergiram leis gerais (categorias), foi possível verificar a relação entre a gagueira e o desenvolvimento da consciência. A gagueira sofrimento é, portanto, o “produto ideológico” da história de fala do indivíduo, e uma abordagem terapêutica que leve em conta seus determinantes psicossociais poderá levar o indivíduo a recuperar a confiança em sua capacidade de fala e devolvê-lo ao estado de fala fluente. FRIEDMAN (1986) propõe um trabalho com a subjetividade (a ativação emocional, a imagem de si como falante, o social) e com a gagueira (o nível motor (orgânico) da atividade de fala), considerando-se sempre a estreita relação entre ambos. Um aspecto em comum a essas duas propostas terapêuticas está no fato de que ambas consideram a fluência apenas como conseqüência do trabalho terapêutico, sendo que o indivíduo gago deverá “vivenciar” sua gagueira, e não, negá-la. “Dessa forma, não se trabalha na terapia o desaparecimento da gagueira (essência) mas a dissolução dos invólucros (gagueira
  35. 35. 35 construída) e um novo comportar-se do gago diante da gagueira” (MEIRA, 1983,131). “O paciente começa a perceber que a gagueira não é a negação da fluência, mas se sobrepõe e coexiste com ela. Que a fluência não é uma meta a ser alcançada, porque já existe” (FRIEDMAN, 1986,116). É indiscutível a importância dessas duas pesquisas para uma reflexão mais pertinente sobre a produção de fala com gagueira. Elas trazem um arcabouço teórico elaborado na esfera da Psicologia Clínica e da Psicologia Social e sistematizado a partir do olhar clínico terapêutico do fonoaudiólogo, para constituí-lo como teoria na esfera da fonoaudiologia. Elas se constróem por meio da investigação das características da gagueira, de tal forma que não são uma simples transposição direta da Psicologia para Fonoaudiologia, mas constituem um discurso próprio, pautado sobre a realidade do fenômeno estudado que serve como teoria para a clínica fonoaudiológica. Cada autora nos fornece “imagens” diferentes, mas complementares, de um mesmo acontecimento - a produção de gagueira na fala, resultado de sua formação teórica, experiência clínica, visão de homem e de mundo, crenças, valores, história de vida. A obra de cada autora vem imbricada por todos esses contornos. Embora apoiados em visões de homem e de mundo diferentes, a da Fenomenologia e a do Materialismo dialético, é possível que sejam convergentes, justamente porque são visões e não dogmas, sendo que uma dialoga com a outra e podem, assim, se complementar. O ponto de discordância está nas concepções subjetivo-idealista da Fenomenologia (a consciência é a fonte de significado para o mundo) em contraposição à objetivo-ativista do Materialismo dialético (a consciência se constrói na dialética homem-mundo com seus valores e regras ideológicas). “A Fenomenologia tem como preocupação central a descrição da realidade colocando como ponto de partida de sua reflexão o próprio homem (...)”. Para o materialismo dialético, os “fenômenos
  36. 36. 36 materiais são processos, o homem não pode ser analisado como uma abstração e a realidade, sendo o conjunto das relações sociais, deve ser considerada em sua dependência recíproca, e não linear” (ARANHA & MARTINS, 1986, p. 270-325). É assim que a tensão (fenômeno captado) é interpretada como sendo do indivíduo, segundo os princípios da Fenomenologia, e como construção nas relações sociais, para o Materialismo dialético. Apesar disso, há complementaridade na visão idealista-fenomenológica da gagueira e na sua análise por uma visão materialista dialética. Segundo MEIRA (1983), ao trabalharmos os invólucros de tensão (Gagueira Construída), poderemos levar o gago a ser capaz de lidar com suas tensões, dissolvendo-as. FRIEDMAN (1986) concorda com esse ponto e mostra que o trabalho com a tensão/soltura revela um falante capaz, que, ao não evitar a gagueira, permite a fluência e constata que gaguejar é bom para superar a gagueira, reforçando positivamente a imagem de falante do indivíduo. MEIRA (1983) aborda em terapia as dificuldades do gago como pessoa, desenvolvendo sua consciência por meio da reflexão e compreensão de seus limites e possibilidades, sua capacidade em lidar com os outros no mundo. FRIEDMAN (1986) se coloca numa mesma perspectiva em termos desse trabalho terapêutico, destacando a importância de se abordar os aspectos vinculados ao sujeito (emoções, auto-imagem de falante, visão de mundo, da fala e da gagueira, etc) correlacionando-os às determinações sociais, evitando considerá-los apenas como um reflexo interno de um indivíduo isolado em si mesmo. Quando se verificam semelhanças e diferenças entre pontos de vista para acontecimentos idênticos, fica a pergunta: Onde está a “verdade”? A verdade é sempre relativa e parcial, ela se refere a um dado momento histórico e de conhecimento. Portanto, não se trata de adotar uma postura maniqueista e decidir com quem (Positivismo, Fenomenologia, Materialismo dialético) está a razão. É preciso que confrontemos nossas próprias concepções e valores enquanto terapeutas da fala, com
  37. 37. 37 as concepções e valores da obra e do autor. A partir daí, comprometidos com uma concepção teórica e falando a mesma língua, poderemos ancorar nossa prática e torná-la adequadamente fundamentada.
  38. 38. 38 IMPLICAÇÕES DA TEORIA NA PRÁTICA Ao iniciarmos as considerações deste capítulo, deixaremos de lado a oposição feita, até o momento, entre MEIRA (1983) e FRIEDMAN (1986), para situarmos nossa discussão em torno da oposição entre as Ciências Naturais e as Ciências Humanas, confrontando basicamente uma visão positivista da gagueira (visão mecanicista da relação sujeito-objeto, em que o comportamento se explica pela causa-efeito) com uma visão humanista (todo comportamento existe num contexto que deve ser interpretado; relação sujeito-objeto é algo complexo e mutável). O contexto da pesquisa das autoras aparecerá, na medida em que, se desenvolva a visão humanista da gagueira. Normalmente o primeiro contato com o estudo da gagueira acontece na graduação. Saímos da faculdade com a imagem do paciente gaguejando e nos perguntamos: “Como é que eu vou fazer para essa pessoa parar de gaguejar?” O paciente e a família também nos procuram com essa expectativa. Por seu lado, as teorias nos oferecem diferentes possibilidades, que obedecem a concepções variadas de linguagem. Por exemplo: trabalhar apenas a articulação (produção da fala em si); trabalhar com a tensão; trabalhar com a subjetividade enquanto pulsões (psicanálise); trabalhar com a aceitação da gagueira dentro da compreensão das condições psicossociais de sua produção. Precisamos, então, nos decidir por um caminho. Sabemos que o conhecimento não surge do vazio. As teorias se organizam em torno de idéias e valores, estabelecem pontos de vista, defendem uma ideologia. É preciso perguntar antes de mais nada: Qual será a visão de Linguagem que irei adotar? Qual a visão de homem que irei assumir? Qual será o objetivo do trabalho terapêutico a partir daí? Para uma perspectiva estruturalista, a Linguagem pode ser vista como um sistema de códigos (símbolos), tendo na fala sua expressão oral, que evoca nos falantes da Língua a coisa significada. A adequação da Linguagem é medida pelo uso
  39. 39. 39 correto da sintaxe e da semântica, e a da fala, pela produção fonológica e articulatória dos significantes de acordo com o padrão hegemônico. Outra forma de entender a Linguagem é não vê-la somente na dimensão do código, mas como produto histórico-social, construída ao longo da história da humanidade e, ao mesmo tempo construtora do homem e dessa humanidade. Nessa medida, é preciso entender a linguagem também em sua dimensão ideológica, e, por isso mesmo, em sua capacidade de assujeitar os indivíduos à ideologia que veicula, sendo, desse modo, constitutiva tanto da objetividade que nos cerca quanto da subjetividade a nós inerente. A Linguagem é, assim, elemento mediador entre o homem e o mundo, depositária dos significados socialmente construídos e veículo dos sentidos. Essa visão de linguagem, independe da patologia focalizada (afasias, gagueiras, distúrbios de leitura e escrita, etc) e abrange a todas. Uma visão mais estruturalista da Linguagem focaliza a gagueira apenas em seu aspecto motor. Essa visão promove um recorte da realidade e nos leva a colocar o problema separado do indivíduo. Privilegia a aparência, o oral, a articulação. O indivíduo que gagueja se torna uma “boca inoperante”, uma “boca” que não produz o esperado, que não funciona de acordo com o idealizado pela estrutura da língua. Partindo dessa perspectiva, ganham sentido as divisões da gagueira em estágios, os levantamentos da quantidade de hesitações com relação ao tempo de produção da fala, as comparações mecânicas de gagos com não-gagos, a medição dos tipos e da freqüência das disfluências na fala, da tensão por meio da eletromiografia, da capacidade respiratória, bem como os levantamentos dos condicionamentos para determinadas palavras e outros aspectos quantitativos da fala. Apoiados na visão estruturalista da Linguagem, voltada para o produto, estaríamos mais seguros se pudéssemos identificar as causas da gagueira a partir de uma tomografia computadorizada, ressonância magnética, ou mesmo num exame de laringe. Diante da possibilidade de uma causa orgânica detectável, bastaria tratar o
  40. 40. 40 efeito causado pelo aspecto orgânico? Mesmo que isso fosse possível, não serviria para “reconciliar” o terapeuta com o almejado “trabalho corretivo”, porque o indivíduo que gagueja, ainda seria aquele que não pode falar direito. Assumimos aqui que a gagueira não se resume a bloqueios, hesitações, pausas, prolongamentos. Entendemos que o indivíduo que gagueja expressa com essa condição somente a dimensão aparente de um problema que se materializa na produção da fala. Subjacentes a esse modo de falar estão significações socialmente construídas que determinaram sua biografia ou história pessoal, seu modo de ser no plano coletivo e no pessoal. Trata-se, enfim, das relações de comunicação vividas deixando marcas na forma de um indivíduo se comunicar. Numa visão sócio-histórica, (LEONTIEV, 1975) a Linguagem não é meramente a expressão de um código. É porque vivemos num mundo verbalizado que, ao aprender a Língua, também aprendemos os valores que nela estão expressos. A Linguagem não existe simplesmente como código que os indivíduos têm a capacidade de usar, ela é também a expressão das relações sociais vividas, lógica e afetivamente significativas, e está marcada pela história, valores e crenças do grupo a que esse indivíduo pertence. Tudo isso funciona como motor daquilo que os indivíduos expressam. Nesse sentido é que entendemos que a Linguagem vai além do código. A Linguagem é, antes, as diferentes possibilidades de dizer as coisas, apesar do código e para além do código. Até mesmo subvertendo esse código, por exemplo, como na “ironia” em que posso usar a palavra “bonito” para significar “feio” e ser entendido pelo meu grupo. Os movimentos articulatórios, por sua vez, também foram socialmente definidos. De um conjunto de possibilidades sonoras, somente alguns conjuntos pré-definidos de sons constituem a Língua falada por um grupo. Esses conjuntos (e seus significados) também não se mostram estáticos, como foram “aprisionados” no dicionário, mas se modificam no curso do processo social e pessoal. Considerar o gaguejar como adequado ou não, patológico ou não, portanto, varia de concepção para concepção e
  41. 41. 41 de acordo com a intensidade e freqüência da manifestação, em função de se considerarem a condições subjetivas a sua manifestação ou de apenas se ter como parâmetro sua justaposição à visão idealizada do padrão de fala. Ao considerarmos a Linguagem (LEONTIEV, 1975) na perspectiva da dialética homem-sociedade, a gagueira pode despir-se de seu aspecto visível e passar a contar a sua história. Permite-se que apareça o outro na comunicação com suas crenças e valores, influenciando a interlocução e o processo de produção da fala, e assim desvia- se o olhar fixo, exclusivamente voltado para o aspecto aparente da fala. As duas dimensões da Linguagem delineadas (visão positivista e visão humanista), determinam posições clínico-terapêuticas diferenciadas. A primeira (visão estruturalista da linguagem) subsidia uma abordagem direta do problema em si, geralmente visto como um defeito, como algo fora da norma, como patológico, acarretando numa abordagem terapêutica corretivo-normatizadora e tendo o terapeuta a ação de um “adestrador”. A segunda vê as manifestações como expressão, também da subjetividade. Ela busca, quando necessário, os seus determinantes orgânicos, mas não fica surda a subjetividade de quem os manifesta (como mostra MEIRA (1983) em seu trabalho com o indivíduo gago), nem cega às determinações sócio-históricas ligadas ao processos subjetivos (como mostra FRIEDMAN, 1986). Procura, em síntese, apreender de forma mais abrangente o ser humano, para construir, a partir desse enfoque, a teoria e a prática fonoaudiológicas. Nessa perspectiva, compartilhamos das idéias de FRIEDMAN (1986) no que se refere à GAGUEIRA SOFRIMENTO, que, longe de ser o que se mostra de imediato, nos revela, na verdade, um indivíduo preso a uma imagem, a uma representação estigmatizada de si como falante. Portanto, as hesitações e bloqueios não podem ser vistos isoladamente ou apenas vinculados a um “déficit” orgânico, e explicados por si mesmos. Antes, devem ser compreendidos na intersecção entre: as crenças e valores do meio, a linguagem materializada na produção da fala e os conteúdos que formam a
  42. 42. 42 imagem de falante na constituição da identidade do indivíduo - ele, não pode ser reduzido à idéia de patologia. Uma visão positivista, fragmentada, do homem determina um posicionamento mecanicista diante da Linguagem. Isso faz com que se pense isoladamente aspectos biológicos, psicológicos e sociais, como se fossem uma realidade em si (na crítica de FRIEDMAN, 1986), separando corpo e mente, homem e mundo (na crítica de MEIRA, 1983). O conhecimento, o homem, os fatos são tratados como “coisas” e consequentemente não estabelecem uma rede de significações. O indivíduo gago não tem a possibilidade de ser algo diferente daquilo que ele expressa na fala (a gagueira) e a gagueira, por sua vez, se explica unicamente por uma relação de causa e efeito. O comprometimento com uma visão não fragmentada de homem nos remete a uma visão (humanista), apontada por FRIEDMAN (1986) no ser bio-psico-social e por MEIRA (1983) no ser humano enquanto ser-no-mundo. Assim a história não é um acúmulo de fatos, mas um processo que tem relevância para a compreensão do sujeito. A realidade não é vista como estática, mas dinâmica. O homem é visto como produto e produtor da história da humanidade e da sua, em particular (LEONTIEV, 1975). O indivíduo forma sua consciência por meio das significações que objetos, fenômenos e relações interpessoais possuem em meio à realidade que o cerca. A Linguagem é uma das formas (e por certo a mais importante) com a qual o indivíduo apreende esse mundo. Quando utiliza a Linguagem para se comunicar, ele não só adquiriu a forma de comunicação do seu grupo como também os valores aí veiculados, formando sua consciência, sua subjetividade. Essa relação entre o coletivo e o individual tem por base a mediação feita pela linguagem, pelo outro. Dentro da visão humanista, podemos concluir que a gagueira construída na pesquisa de MEIRA (1983), é entendida enquanto a revelação concreta da atividade de fala gaguejada, que supera o conceito vago de tensão e passa a compor-se de
  43. 43. 43 invólucros, grupos musculares com tônus em desequilíbrio. A autora diferencia o conceito de GAGUEIRA CONSTRUÍDA da GAGUEIRA ESSÊNCIA. Para MEIRA (1983), o estar gago refere-se à gagueira que o indivíduo gago construiu no corpo (os invólucros de tensão) que serão dissolvidos na terapia. O ser gago refere-se à gagueira essência, que é uma condição inerente ao indivíduo, da qual ele não pode escapar, ou seja, o sujeito é gago mesmo tornando-se fluente, após o tratamento. Por sua vez, a GAGUEIRA SOFRIMENTO, na pesquisa de FRIEDMAN (1986), só pode ser efetivamente compreendida a partir da história de fala do sujeito, em sua especificidade orgânica, psicológica e social. Diferentemente do que forneceria uma visão fragmentada do homem e mecanicista, da Linguagem que previamente estipula uma “falha” orgânica para a fala desviante, entende-se que o indivíduo não é gago, mas está gago. Já que, ao vivienciar um tipo determinado de mediação (a das comunicações paradoxais sobre seu padrão de fala: fale - mas não fale do modo espontâneo como você fala) identificada nas relações interpessoais e afetivas, o indivíduo vai incorporando - colocando no corpo - a crença de que vai falhar durante a fala e, assim, aos movimentos automáticos da fala se somam tensões (esforço). A autora opõe o conceito de GAGUEIRA SOFRIMENTO à GAGUEIRA NATURAL, sendo esta última a possibilidade tanto do sujeito gago (após tratamento) como a do não- gago. O caminho a seguir no trabalho terapêutico dependerá das concepções de linguagem e homem vinculadas à teoria assumida. Faremos aqui um parêntese para ressaltar que as duas teorias analisadas, MEIRA (1983) e FRIEDMAN (1986), podem ser, em certos aspectos, compatilizadas, embora filosoficamente se filiem a concepções de homem e de mundo diferentes. Independentemente de MEIRA (1983) não defender uma causa para o fenômeno gagueira e FRIEDMAN (1986) estabelecer parâmetros que explicam a gênese da
  44. 44. 44 gagueira (sofrimento), ambas propõem um trabalho terapêutico coerente com uma visão não estruturalista de Linguagem e, em muitos aspectos, convergente. Assim, dando-nos o direito de deixar de lado as diferenças de concepção de homem subjacentes a essas duas teorias da gagueira, trabalhamos com seus produtos. Enfatizando que as duas pesquisas apresentadas são resultado da prática clínica das autoras (e não apenas uma discussão puramente teórica) e que, portanto, o produto de uma das pesquisas circunscrita a um modelo subjetivo-idealista que prioriza o sujeito que conhece e seus produtos mentais (Fenomenologia) e o da outra, baseada no modelo objetivo-ativista que prioriza o papel ativo do sujeito e sua determinação social (Materialismo dialético), não necessariamente precisam se opor, mas podem se unir, ampliando, assim, os dois enfoques. Como dissemos, as teorias organicistas, que entendem a gagueira como um defeito da fala (visão estruturalista da linguagem) e lhe atribuem uma causa isolada (psicológica, orgânica, comportamental), estabelecem um plano terapêutico voltado para a superação da forma desviante de fala. O paciente é assim colocado à margem de seu processo de desenvolvimento da fala, pelo outro – o fonoaudiólogo – interlocutor socialmente identificado como a autoridade na situação terapêutica. Perde o paciente, perde o terapêuta. Vítimas do mesmo pré-conceito: a fala gaguejada não deve ter seu espaço, deve ser transformada em exercícios motores, respiratórios, corporais, de entonação, de leitura. A técnica se justifica na busca pela cura. Se adotarmos como premissa a idéia de que a Linguagem é construção mútua entre indivíduo e sociedade (LEONTIEV, 1975), a gagueira adquire um outro sentido. Com MEIRA (1983, 1990, 1998), por um lado, temos a compreensão da dinâmica das tensões (invólucros) da atividade de fala, e por outro, a compreensão dos estados de mente do gago, levando, assim, o indivíduo à superação da dicotomia sujeito/objeto, ao desenvolvimento da consciência e ao lidar com propriedade com seus modos-de-ser.
  45. 45. 45 Com FRIEDMAN (1986, 1993, 1996), abre-se a perspectiva de uma compreensão da subjetividade do indivíduo com relação a sua atividade de fala (a gagueira), na qual condições afetivas, lingüísticas, interacionais, motoras, sociais e históricas se articulam de forma específica e não aleatória, levando o sujeito a desenvolver uma auto-imagem de mau falante que interfere com a fala por meio de tensões, temos assim a possibilidade de romper a visão estigmatizada da gagueira bem como o impacto que esta representa na vida dos indivíduos. Em nossa visão o caminho da terapia, numa abordagem psicossocial da gagueira, é o caminho da partilha, da comunicação, do resgate de uma auto-imagem de falante apoiada na efetiva capacidade de fala. Não se troca uma fala “com defeito” por outra em “boas condições”. O falante que gagueja aprenderá que duas palavras fazem a grande diferença. Não é falar ou gaguejar, mas falar e gaguejar. Reconhecer a fala em sua unicidade fala-gagueira e poder ouvir a si mesmo com e sem gagueira, sem estar confinado apenas ao formato da expressão. Aceitar a gagueira para poder sair dela, como afirma FRIEDMAN (1986), ou “habitar sua gagueira”, nas palavras de MEIRA (1983). Ao dar seqüência às considerações até aqui expostas, pareceu-nos importante salientar que existe, por um lado, uma evidente demanda de casos de gagueira na clínica fonoaudiológica e, por outro, uma necessidade dos profissionais em delinear um caminho para o atendimento de indivíduos gagos. Pensando nessa realidade é que procuramos assumir uma postura pró-ativa diante dessas condições, a despeito da celeuma em torno das causas e resultados do trabalho com a gagueira. Para tanto, propusemos como ponto de partida comparar a visão positivista, no campo da Ciências Naturais com a visão psicossocial de FRIEDMAN (1986), no campo das Ciências Humanas, para, desta forma, poder buscar subsídios que possam orientar a prática e as escolhas profissionais. Ao contrapor posições filosóficas bastante diferenciadas, focalizamos dois aspectos já polarizados na abordagem do tema: a gagueira e a
  46. 46. 46 fluência. Nossa opção pela comparação entre as concepções positivista e psicossocial (ao invés de opormos também a visão fenomenológica à visão positivista) se deve ao fato de que, na visão psicossocial, a fluência pode ser redimensionada no contexto da gagueira. O indivíduo gago sabe que tem fluência, mas esse saber não é suficiente para mudar seu posicionamento diante da fala gaguejada. Ele busca tratamento porque deseja uma mudança no seu padrão de fala, acreditando que, para obter a fala fluente (idealizada), é necessário não gaguejar. Quando se afirma a importância de se partir da fluência, não é no sentido simplista de indicar ao falante com gagueira que ele perceba sua fluência (porque isso ele já o faz), mas sim, no de dar à fluência um sentido real, concreto fazendo com que ela passe a ser um “catalisador” para as mudanças qualificativas que se procurará obter com relação à fala, à vivência concreta da gagueira e às implicações desta na subjetividade. A fluência como revelação da capacidade de fala do Sujeito deverá ser retomada no trabalho com a gagueira. Portanto, sem perder de vista que nosso alvo é uma ação terapêutica coerente com nossa visão de Homem e Linguagem, delineamos na sequência, de forma sintética, um esquema teórico e prático (esquemas 1 e 2) com relação à abordagem terapêutica da gagueira, no qual explicitamos dois pontos de partida. O que se pretendeu com esse esquema foi tornar mais elucidativa a idéia de “ponto de partida” e também a forma como que uma dada visão teórica poderá determinar a prática. Mais uma vez, reafirmamos a idéia de que, na ciência, não há uma verdade única e acabada, e enfatizamos que não buscamos estabelecer a superioridade de uma posição teórica sobre outra. Confrontamos basicamente uma visão positivista que contempla a fala com gagueira como um desvio (erro) que deverá ser corrigo (ponto de partida - Gagueira) a uma outra, a visão psicossocial, que vê na gagueira uma das possibilidades (dentre outras) da fala (ponto de partida - Fluência).
  47. 47. 47 A visão positivista tende a colocar o foco da terapia na gagueira, na fluência ou em ambas, sempre vendo o indivíduo como o portador de um defeito na fala. A idéia de ponto de partida, aqui explicitada, sugere um meio de reflexão para o profissional diante da teoria e da prática.
  48. 48. 48 ESQUEMA 1 TEORIA PONTO DE PARTIDA u GAGUEIRA u Enfatiza o aspecto motor da fala, a gagueira é negada (proibida) u Indivíduo gago é portador de um defeito u Fala desviante deverá ser aproximada do normal u Percurso terapêutico centra-se na queixa PONTO DE PARTIDA u FLUÊNCIA u Enfatiza o Indivíduo com sua fluência, a gagueira é permitida u Indivíduo gago não é portador de um defeito u Fala fluente não deverá ser objeto de conquista u Pecurso terapêutico centra-se na crítica à concepção do indivíduo quanto a sua própria fala e ênfase em sua efetiva capacidade de fala.
  49. 49. 49 ESQUEMA 2 PRÁTICA PONTO DE PARTIDA u GAGUEIRA PONTO DE PARTIDA u FLUÊNCIA ANAMNESE = levantamento de dados sobre: gestação, desenvolvimento, antecedentes familiares, etc. AVALIAÇÃO = QUANTITATIVA (tipo e freqüência) DESCRITIVA (bloqueios, hesitações prolongamentos, etc) u TERAPIA = O indivíduo deve parar de gaguejar e se tornar fluente com a ajuda do terapeuta. u ALTA = Quando o indivíduo parar de gaguejar ou quando conseguir um “bom” controle da gagueira. “ANAMNESE / AVALIAÇÃO” = Reconstrução da história de fala, seus determinantes sócio-históricos e as interrelações que se estabelecem para a visão falante. u TERAPIA = Trabalhar o motor, os conteúdos sociais, emocionais da identidade de falante de forma correlacionada. O indivíduo deve compreender que a fala fluente se compõe de momentos de tensão e fluência, deve sentir sua fluência e sua tensão = gagueira, para voltar a ter confiança na efetiva capacidade de fala. u ALTA = Não se define a priori, mas pelas mudanças conseguidas pelo indivíduo com relação à imagem de falante, ele mesmo a sugere.
  50. 50. 50 Retomando: No modelo positivista, temos a predominância na relação sujeito- objeto voltada para o objeto (ação mecânica do objeto sobre o sujeito). No modelo fenomenológico, a “atenção está centrada sobre o sujeito a quem se atribui mesmo o papel de criador da realidade” (SCHAFF, 1986, 74). No modelo materialista dialético, é o princípio da interação, e não da preponderância, que se instaura na relação sujeito- objeto. Como nos mostra SCHAFF (1986): “Contrariamente ao modelo mecanista do conhecimento para o qual o sujeito é um instrumento que registra passivamente o objeto, é atribuído aqui um papel ativo ao sujeito submetido por outro lado a diversos condicionamentos, em particular às determinações sociais, que introduzem no conhecimento uma visão da realidade socialmente transmitida” (p. 75). Se a diferença entre MEIRA (1983) e FRIEDMAN (1986) se encontra no modelo escolhido (o que implica certamente em visões de sujeito diferentes), poderíamos, como forma de encarar essa “divergência”, propor um “diálogo” entre as duas pesquisas no que se refere aos seus produtos, e assim, ao trabalho, terapêutico proposto por MEIRA (1983), com a consciência corporal, os invólucros de tensão (gagueira construída) e o sujeito gago, somar o de FRIEDMAN (1986) também com relação à consciência corporal, da gagueira, da fala ligada à subjetividade e aos seus determinantes psicossociais. Ambas permanecem, então, com suas particularidades e concepções que, olhadas de uma perspectiva histórica, conferem sentido e valor ao estudo da gagueira no campo fonoaudiológico.
  51. 51. 51 CONSIDERAÇÕES FINAIS Comparar duas teorias sobre gagueira e verificar semelhanças e diferenças possibilitou-nos abrir um diálogo entre as duas concepções e repensar a prática clínica com a gagueira. Serviu-nos de reflexão para poder argumentar no sentido de que é necessário que o terapeuta determine um ponto de partida para esse trabalho: a gagueira (manifestação externa) ou a fluência (o indivíduo com sua atividade de fala e subjetividade). O que nos levou a centrar nossa exposição na importância de se estabelecer um ponto de partida foi a necessidade de estabelecer uma fronteira clara entre diferentes tipos de práticas e seus correspondentes subsídios teóricos. No que diz respeito ao debate em torno da gagueira, fundamental para o exame concreto de um problema humano tão desafiador, não nos parece exagerado considerar que as pesquisas a respeito de aspectos orgânicos (neurofisiológicas, genéticas, etc) da gagueira não deveriam estar atreladas apenas ao discurso da medicina positivista, marcada por uma valorização do objeto (empirismo) em detrimento do sujeito (subjetividade), como se “doença” e “doente” fossem elementos desvinculados. Entendemos, antes, que é necessária uma reflexão dentro da área fonoaudiológica, em que o objeto da pesquisa não fique sujeito a um recorte reducionista, a uma limitação ao aspecto anatômico, ou a uma explicação neurofisiológica desconectada de uma perspectiva de Linguagem. É necessário que se possa ter conhecimentos qualitativos (e não apenas quantitativos) da produção da fala com gagueira e esses conhecimentos envolvem necessariamente o estudo da subjetividade (como vimos em FRIEDMAN, 1986) e sua interferência na dinâmica e mapeamento das tensões (como vimos em MEIRA, 1983). Se é importante determinar que tipo de dado orgânico está ligado à disfluência, é igualmente importante desenvolver uma discussão que vem a “posteriori”, pautada nos
  52. 52. 52 indivíduos já “prontos” com sua “carga constitucional”, para compreender como a “constituição orgânica somada à subjetividade do indivíduo foi se reelaborando em função das relações que se estabelecem com o meio social (LEONTIEV, 1975). Será possível concluir que a produção de fala disfluente está ligada a um determinado dado orgânico; mas disfluência não é o mesmo que GAGUEIRA CONSTRUÍDA (MEIRA, 1983) ou GAGUEIRA SOFRIMENTO (FRIEDMAN, 1986). Podemos argumentar que MEIRA (1993) reforça essa visão, quando mostra que “o que se observou foi que o fenômeno gagueira está envolvido por fortes camadas de tensão (invólucros) colocadas pelo gago no decorrer de sua história com a gagueira, vista por ele como um fato” (p. 113, grifo meu). FRIEDMAN (1986) também adota essa visão, ao mostrar que a gagueira sofrimento tem sua gênese na intersecção entre o desenvolvimento orgânico e o desenvolvimento psicológico no meio social. O que a autora destaca é efeito gerado sobre o organismo (lugar em que as pesquisas tentam identificar a gagueira), ao ser submetido a certas dinâmicas psicossociais, com relação à produção da fala de um indivíduo. Portanto, os conceitos de GAGUEIRA CONSTRUÍDA (MEIRA, 1983) e de GAGUEIRA SOFRIMENTO (FRIEDMAN, 1986) não negam a existência de fatores orgânicos ligados à disfluência, ao mesmo tempo em que permitem a suas autoras manter suas premissas teóricas básicas. Ao assumirmos as idéias defendidas por LEONTIEV (1975), acreditamos que não apenas a GAGUEIRA SOFRIMENTO (FRIEDMAN, 1986), mas também a GAGUEIRA CONSTRUÍDA (MEIRA, 1983) são produtos de determinantes psicossociais atuando sobre a subjetividade do indivíduo que se refletem no organismo (fala). FRIEDMAN (1993) defende a tese de que tal fator orgânico, em princípio, só pode ser entendido como o que ela designa como GAGUEIRA NATURAL, comum a todos os falantes em maior ou menor grau. É justamente em relação ao ponto de vista sobre a fala que é preciso somar a compreensão do desenvolvimento sócio-histórico, para não qualificar, de antemão, a
  53. 53. 53 fala normal como patológica. As pesquisas que seguem uma linha estritamente organicista deveriam resgatar uma visão não estruturalista de Linguagem e de Homem, para desenvolver uma visão de fala compatível com o fazer fonoaudiológico. A concepção médica da fala (anatomia e fisiologia) é importante para a clínica fonoaudiológica, mas não é sua tutora. A clínica fonoaudiológica não pode pautar-se somente na visão orgânica do falar. Mais do que localizar, classificar ou quantificar a gagueira, é preciso interpretá-la à luz da subjetividade e em sua dialética com a sociedade, para dar-lhe um sentido. Em outras palavras: “(...) qualquer estado do organismo, se for uma adaptação a circunstâncias impostas, acaba sendo, no fundo, normal, enquanto for compatível com a vida (...) O homem, mesmo sob o aspecto físico, não se limita a seu organismo (...). É, portanto, além do corpo que é preciso olhar, para julgar o que é normal ou patológico para esse mesmo corpo” (CANGUILHEM, 1995, 162). Em contraposição a esse cenário de discussões sobre a etiologia da gagueira, está a necessidade de abrirmos perspectivas para uma ação terapêutica (método clínico) coerente com concepções de Linguagem e princípios teóricos articulados no e para o campo fonoaudiológico. Dessa forma, pareceu-nos importante comparar duas formas de reflexão muito diferenciadas - uma em direção à gagueira (defeito, desvio)e outra à fluência (possibilidade concreta de fala, em que a gagueira é permitida) - e buscarmos respaldo naquela teoria que possa dar sustentabilidade a nossa opção. Quando o enfoque, na visão positivista, for a manifestação externa (gagueira) teremos muitas teorias dando suporte. Algumas apresentam explicações que vão em direção ao inconsciente; outras às funções cerebrais superiores, à retroalimentação auditiva, ou mesmo à multicausalidade. Ao pensar a fala priorizando a gagueira, pretende-se ajudar o indivíduo que sofre com esse problema a atingir um nível mais estável da fala, com um maior controle da gagueira, para que assim ele possa falar com mais fluência. Quando partimos do indivíduo fluente teremos, por exemplo, a
  54. 54. 54 abordagem psicossocial defendida por FRIEDMAN (1986, 1993) como um ponto de apoio para a idéia de competência de fala, focalizando a fluência enquanto uma realidade concreta na vida passada e presente do falante. A gagueira não é vista em oposição à fala fluente, mas como um momento tenso dentro dela. Sendo assim, a meta de obtenção da fala fluente deixa de ser o objeto da intervenção terapêutica e passa a ser consequência dela. Já encontrávamos também na abordagem fenomenológica (MEIRA, 1983) da gagueira, um ponto de apoio à essa idéia de gagueira permitida. O indivíduo gago deverá tomar consciência das suas tensões, das características da sua fala que superam a aparência das manifestações (bloqueios, repetições, etc.) comumente identificadas como sendo a gagueira pela visão positivista. Assim, o trabalho terapêutico se volta para o lidar com as camadas de tensões da gagueira, em vez de negá-la, proibi-la. O conhecimento científico na Fonoaudiologia, assim como em qualquer área do saber está submetido às realidades do objeto a ser pesquisado, do pesquisador e das condições culturais, sociais e históricas em que é produzido. Portanto, se as teorias colocam a gagueira sob diversos enfoques, cabe ao fonoaudiólogo formular suas próprias indagações e verificar a teoria que mais reflete o seu modo de pensar o indivíduo, o mundo, a linguagem e, por fim, o problema da gagueira. É necessário tomar cuidado para que a prática não se transforme em uma “colcha de retalhos”, onde diversas teorias são retiradas do seu contexto e costuradas sem consistência. É no sentido de levar o fonoaudiólogo a questionar-se que MEIRA (1983) afirma: “A partir daí, isto é, do situar-se diante da bibliografia, os profissionais optam por uma das linhas de trabalho propostas, sem deixar espaço para sua própria reflexão a respeito daquilo com que estão lidando em terapia (...), isto é, a respeito da gagueira” (p. 88). Agir assim é um engano, e os enganos nos levam a cometer erros. Quando “aplicamos” para cada paciente uma teoria diferente, cometemos um “homicídio” teórico-prático. O que podemos considerar válido é, antes, o processo de interpelar (PALLADINO, 1996)
  55. 55. 55 áreas de conhecimento que possam responder e aprofundar as questões que nos coloca o trabalho clínico terapêutico, no sentido de nortear e construir o caminho da clínica fonoaudiólogica, sem introduzir-mos idéias (e suas consequentes práticas) incompatíveis com a linha do pensamento teórico que seguimos. Ao nos deparar com as questões que o trabalho clínico nos impõe, devemos nos perguntar primeiramente sobre a natureza da nossa dúvida. Assim, as dúvidas podem ser relativas a aspectos orgânicos, psicológicos, lingüísticos ou sociais, relacionados ao problema que é objeto de tratamento. As dúvidas podem também ser relativas a como estabelecer a alta, ou relativas à “recidivas”, entre outras. Em todos os casos, os critérios para essa definição começarão a ser respondidos no ponto de partida, de acordo com os princípios teóricos e práticos adotados, ou seja, entre outros aspectos, estará em pauta o que o terapeuta priorizou com relação ao paciente, a correção ou a construção da fala. Assumir a competência de fala, ou seja, redimensionar no contexto da fala gaguejada, a fluência já presente na fala do indivíduo, que não é valorizada por ele porque “sua consciência se ocupa apenas da gagueira” (como mostra FRIEDMAN, 1986), nos parece o panorama adequado para se construir um processo terapêutico com o indivíduo que apresenta gagueira. Ao não deixar de ver a capacidade de fala efetiva do falante, o fonoaudiólogo rompe com a visão estigmatizada que se tem da gagueira. Devemos desenvolver uma visão crítica da sociedade em que terapeuta e paciente se inserem, para não sermos envolvidos pelos saberes de senso comum que formam a ideologia dominante, para os quais “falar certo é falar sem gaguejar” e “o fonoaudiólogo é visto como aquele que corrige mecanicamente problemas de fala”. A transformação no trabalho com a gagueira acontece quando o terapeuta concebe o outro (o paciente) como o representante de uma fala que não é inferior à sua, vendo os estados da mente, somados às emoções e às posturas corporais tensas, como condições que acabam por encobrir uma capacidade de fala íntegra,

×