ClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos

30,730 views

Published on

Published in: Technology, Business
0 Comments
26 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
30,730
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
107
Actions
Shares
0
Downloads
1,264
Comments
0
Likes
26
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos

  1. 1. <ul><li>Classificação: </li></ul><ul><li>Implantes </li></ul><ul><li>Pilares Protéticos </li></ul>
  2. 2. Classificação dos Implantes <ul><li>Segundo seu desenho </li></ul>Tipo Parafuso Tipo Cilíndrico
  3. 3. <ul><li>Segundo seu desenho </li></ul><ul><li>Segundo as fases cirúrgicas </li></ul>Classificação dos Implantes Duas fases Uma fase
  4. 4. <ul><li>Segundo seu desenho </li></ul><ul><li>Segundo as fases cirúrgicas </li></ul><ul><li>Segundo sua conexão protética </li></ul>Classificação dos Implantes Cone Morse Hexágono Externo
  5. 5. <ul><li>Segundo seu desenho </li></ul><ul><li>Segundo as fases cirúrgicas </li></ul><ul><li>Segundo sua conexão protética </li></ul><ul><li>Segundo tratamento de superfície </li></ul>Classificação dos Implantes Ti puro sem tratamento Ti puro com tratamento
  6. 6. TIPOS DE SUPERFÍCIE segundo o procedimento de fabricação <ul><li>Procedimentos maquinados </li></ul><ul><li>Procedimentos aditivos: </li></ul><ul><ul><li>Plasma de Titanio (TPS). </li></ul></ul><ul><ul><li>Plasma de Hidroxiapatita (HA). </li></ul></ul><ul><li>Procedimentos sustractivos: </li></ul><ul><ul><li>Tratado com ataque duplo de ácido. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tratado com ataque ácido. </li></ul></ul><ul><ul><li>Jateamento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tratado ácido e Jateamento. </li></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>Segundo seu desenho </li></ul><ul><li>Segundo as fases cirúrgicas </li></ul><ul><li>Segundo sua conexão protética </li></ul><ul><li>Segundo o tratamento de superfície </li></ul><ul><li>Segundo sua plataforma protética </li></ul>Standar XP Classificação dos Implantes
  8. 8. CORRESPONDÊNCIA IDEAL dente a restaurar-implante
  9. 9. Pode ser usado como implante de uma ou duas etapas IMPLANTE DE PLATAFORMA REGULAR TIPO BRANEMARK
  10. 10. Este implante têm a sua plataforma expandida para os casos de baixo volume ósseo e espaços protéticos amplos. IMPLANTE DE PLATAFORMA EXPANDIDA
  11. 11. DIFERENTES DIÂMETROS M i c r o m i n i M i n i Regu L ar Larga Regu L ar Larga 3,4 3,25 4,1 3,25 4,1 3,75 4,1 4 5 5 6 6
  12. 12. <ul><li>Este implante não necessita de uma </li></ul><ul><li>segunda cirúrgia </li></ul><ul><li>Já têm um pescoço trans-gengival </li></ul><ul><li>Encaixe protético interno </li></ul>IMPLANTE DE ESTÁGIO ÚNICO
  13. 13. DIFERENTES DIÂMETROS 3.25 4.00 5.00 4.8 4.8 4.8
  14. 14. IMPLANTE CÔNICO <ul><li>Este implante imita uma raiz </li></ul><ul><li>É utlizado em regiões aonde as raízes </li></ul><ul><li>estão inclinadas e próximas </li></ul><ul><li>Encaixe protético externo </li></ul>
  15. 15. DIFERENTES DIÁMETROS M I C R O R E G U L A R L A R G A L A R G A 3.4 4.1 5.0 6.0 3.25 4.00 5.00 6.00
  16. 16. DIFERENTES ALTURAS 7 8.5 10 11.5 13 15 18 20
  17. 17. Cristas Estreitas MINI 3.25 mm.
  18. 19. Concavidades Ósseas Plataforma Expandida
  19. 20. Alvéolos Após-extração Plataforma Expandida
  20. 21. Reabsorções do Osso Alveloar Horizontais Plataforma Expandida
  21. 22. O desenho biológico, proporciona o exito esperado nos casos clínicos
  22. 23. <ul><li>Superfície ideal para maximizar </li></ul><ul><li>o contato osteogênico. </li></ul>Características do Implante de Superfície Tratada
  23. 24. <ul><li>Superfície ideal para maximizar </li></ul><ul><li>o contato osteogênico. </li></ul><ul><li>Maximiza, acelera e aumenta a </li></ul><ul><li>cicatrização do osso. </li></ul>Características do Implante de Superfície Tratada
  24. 25. <ul><li>Superfície ideal para maximizar </li></ul><ul><li>o contato osteogênico. </li></ul><ul><li>Maximiza, acelera e aumenta a </li></ul><ul><li>cicatrização do osso. </li></ul><ul><li>Aumenta o desempenho do osso </li></ul><ul><li>pobre em sítios comprometidos. </li></ul>Características do Implante de Superfície Tratada
  25. 26. <ul><li>Superfície ideal para maximizar </li></ul><ul><li>o contato osteogênico. </li></ul><ul><li>Maximiza, acelera e aumenta a </li></ul><ul><li>cicatrização do osso. </li></ul><ul><li>Aumenta o desempenho do osso </li></ul><ul><li>pobre em sítios comprometidos. </li></ul><ul><li>Previsibilidade superior com baixos </li></ul><ul><li>índices de fracassos. </li></ul>Características do Implante de Superfície Tratada
  26. 27. <ul><li>Superfície ideal para maximizar </li></ul><ul><li>o contato osteogênico. </li></ul><ul><li>Maximiza, acelera e aumenta a </li></ul><ul><li>cicatrização do osso. </li></ul><ul><li>Aumenta o desempenho do osso </li></ul><ul><li>pobre em sítios comprometidos. </li></ul><ul><li>Previsibilidade superior com baixos </li></ul><ul><li>Índices de fracassos. </li></ul><ul><li>Exelentes resultados com </li></ul><ul><li>protocolos de carga imediata. </li></ul>Características do Implante de Superfície Tratada
  27. 28. Fácil instalação e estabilização com pouco torque Desenho do Implante Ultra-rosqueante o que elimina o uso de formadores de rosca
  28. 29. Fácil instalação e estabilização com pouco torque Desenho do Implante Ultra-rosqueante o que elimina o uso de formadores de rosca Desenho de superfície híbrida
  29. 30. OSSEOTITE Ti-Unite TPS RBM Comparação de Superfícies <ul><li>Superfícies rugosas que têm dimensões largas em seus vales e cristas. </li></ul><ul><li>Superfícies rugosas com microrugosidades para encaixe das fibrinas. </li></ul><ul><li>Tamanho sub-micron para fixação total das ramas de fibrinas. </li></ul><ul><li>O resultado é débil em contato ósseo comprometendo a Osteogênese. </li></ul>
  30. 31. OSSEOTITE Ti-Unite TPS RBM Comparação de Superfícies <ul><li>Superficies rugosas que têm dimensões largas em seus vales e cristas. </li></ul><ul><li>Superficies rugosas com microrugosidades para encaixe das fibrinas. </li></ul><ul><li>Tamanho sub-micron para fixação total das ramas de fibrinas. </li></ul><ul><li>O resultado é débil em contato ósseo comprometendo a Osteogénese. </li></ul>
  31. 32. OSSEOTITE Ti-Unite TPS RBM Comparação de Superfícies <ul><li>Superficies rugosas que têm dimensões largas em seus vales e cristas. </li></ul><ul><li>Superficies rugosas com microrugosidades para encaixe das fibrinas. </li></ul><ul><li>Tamanho sub-micron para fixação total das ramas de fibrinas. </li></ul><ul><li>O resultado é débil em contato ósseo comprometendo a Osteogénese. </li></ul>
  32. 33. OSSEOTITE Ti-Unite TPS RBM Comparação de Superfícies <ul><li>Superficies rugosas que têm dimensões largas em seus vales e cristas. </li></ul><ul><li>Superficies rugosas com microrugosidades para encaixe das fibrinas. </li></ul><ul><li>Tamanho sub-micron para fixação total das ramas de fibrinas. </li></ul><ul><li>O resultado é débil em contato ósseo comprometendo a Osteogénese. </li></ul>
  33. 34. Especificações da Superfície As partículas de fibrinas chegam a se introduzir na micro-superficie
  34. 35. Fresa esférica Uma vez que o sítio tenha sido determinado, penetre a cortical do osso com a fresa esférica de 2 mm. de diâmetro (de aço inoxidável), a uma velocidade de 1500 rpm, utilizando irrigação abundante. Passo 1
  35. 36. Passo 2 Fresa de 2 mm Penetre a cortical com a fresa de 2 mm aonde foi marcado com a fresa esférica até a profundidade inicial de 7 mm.; isto para verificar o paralelismo do preparo no osso. Posteriormente se leva a fresa até a profundidade necessária, dependendo do comprimento dol implante que se vai instalar, utilizando irrigação abundante e a uma velocidade entre 1200 e 1500 rpm.
  36. 37. Indicador de Direção Passo 3 Para verificar a direção e a posição da preparação do implante, inserir a porção mais delgada do pino de paralelismo no alvéolo cirúrgico. *Para prevenir acidentes por ingestão do pino, deverá ser passado através deste, um fio de sutura ou fio dental.
  37. 38. Fresa Piloto Passo 4 Usar a fresa piloto de 2 a 3 mm. para ampliar o corte de 2 a 3 mm, servindo para corrigir, se houver necessidade a inclinação da perfuração. Esta fresa é o passo mais importante dentro da sequência do processo. Se utiliza irrigação abundante e uma velocidade de fresagem de 1200-1500 rpm.
  38. 39. Fresa de 3.00 mm . Passo 5 A fresagem final deve ser de 3mm. E dependendo do caso de 3.15 ou 3.25 mm. Se a densidade óssea é alta, se perfura até a marca que coincida com o comprimento do implante a se instalar, utilizando alta irrigação e a uma velocidade de fresagem de 800-1200 rpm.
  39. 40. Fresa Counter Sink Passo 6 Para cortar a porção coronária do osso para acomodar a plataforma do implante utiliza-se a fresa counter sink, a linha marcada na fresa predetermina a profundidade na qual a ser colocado a plataforma do implante e a altura do tapa implante instalado na primera fase.
  40. 41. Transportador Passo 7 Permite levar o implante ao alvéolo cirúrgico sem que este seja tocado pelas mãos.
  41. 42. Instalação do Implante Passo 8
  42. 43. Remoção do Montador Passo 9
  43. 44. Instalação do Parafuso de Cobertura Passo 10
  44. 45. Sutura Paso 11 Cierre de tejido y sutura

×