Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagmático

2,886 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,886
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dos componentes de_uma_descrição_gramatical_aos_eixos_paradigmático_e_sintagmático

  1. 1. Pressupostos Teóricos: dos componentes de uma descrição gramatical aos eixos paradigmático e sintagmático LETRAS - Lingüística II – 1o. Semestre de 2010
  2. 2. Relembrando... <ul><li>Plano da expressão : inclui as unidades não-significativas da língua. Exemplo: fonemas, fones e sílabas. </li></ul><ul><li>Plano do conteúdo : inclui as unidades significativas da língua. Exemplo: morfemas, palavras, orações, textos, etc. </li></ul><ul><li>Sintagma :qualquer construção, em qualquer nível, resultante da articulação de unidades menores. (Carone, 2001:08). </li></ul><ul><li>Desse modo, podemos concluir que “a sílaba é um sintagma no plano da expressão”. </li></ul>
  3. 3. Delimitação do campo da gramática e componentes de uma descrição gramatical <ul><li>Para definir o que a descrição gramatical de uma língua abrange é necessário que se estabeleça antes um critério que sirva de parâmetro. Assim, os critérios podem ser dois: </li></ul><ul><li>A capacidade de articulação entre as partes: teremos então a fonética/fonolgia, morfologia e sintaxe incluídas na gramática. </li></ul><ul><li>A capacidade de articulação mais a capacidade de significar: neste caso (e é este o critério no qual nos baseamos), a gramática inclui apenas a morfologia e a gramática. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>O LOBO E O CORDEIRO </li></ul><ul><li>Na água limpa de um regato, matava a sede um Cordeiro, quando, saindo do mato, veio um Lobo carniceiro. Tinha a barriga vazia, não comera o dia inteiro. </li></ul><ul><li>- Como tu ousas sujar a água que estou bebendo? - rosnou o Lobo, a antegozar o almoço - Fica sabendo que caro vais me pagar! </li></ul><ul><li>- Senhor - falou o Cordeiro - encareço a Vossa Alteza que me desculpeis, mas acho que vos enganais: bebendo, quase dez braças abaixo de vós, nesta correnteza, não posso sujar-vos a água. </li></ul><ul><li>- Não importa. Guardo mágoa de ti, que ano passado, me destrataste, fingido! </li></ul><ul><li>- Mas eu nem tinha nascido. </li></ul><ul><li>- Pois então foi teu irmão. </li></ul><ul><li>- Não tenho irmão, Excelência. </li></ul><ul><li>- Chega de argumentação. Estou perdendo a paciência! </li></ul><ul><li>- Não vos zangueis, desculpai! </li></ul><ul><li>- Não foi teu irmão? Foi o teu pai ou senão foi teu avô </li></ul><ul><li>disse o Lobo carniceiro. E ao Cordeiro devorou. </li></ul><ul><li>Onde a lei não existe, ao que parece, a razão do mais forte prevalece. </li></ul><ul><li>Ferreira Gullar (La Fontaine,1999:12-14) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Para Saussure, as relações entre os elementos lingüísticos podem ser estabelecidas em dois domínios distintos. Vamos definir esses domínios. </li></ul><ul><li>Na fábula de La Fontaine, uma parte da argumentação dos dois animais diz respeito aos graus de parentesco: </li></ul><ul><li>- Não importa. Guardo mágoa de ti, que ano passado, me destrataste, fingido! - Mas eu nem tinha nascido. - Pois então foi teu irmão. </li></ul><ul><li>- Não tenho irmão, Excelência. - Chega de argumentação. Estou perdendo a paciência! - Não vos zangueis, desculpai! - Não foi teu irmão? Foi o teu pai ou senão foi teu avô. </li></ul><ul><li>Tanto os argumentos de defesa do Cordeiro quanto os de acusação do Lobo estão baseados na seleção dos graus de parentesco. </li></ul>PARADIGMA E SINTAGMA
  6. 6. <ul><li>Foi teu irmão . </li></ul><ul><li>Foi o teu pai . </li></ul><ul><li>Foi teu avô . </li></ul><ul><li>Observando as orações acima, é possível verificar que as relações entre os elementos lingüísticos dependem, basicamente, de uma seleção deles: irmão - pai - avô , e de uma combinação entre eles, no caso, a seqüência: “foi – teu”. </li></ul><ul><li>Desse modo, pode-se afirmar que a linguagem tem dois eixos, um eixo de seleção e um eixo de combinação , que podem ser representados assim: </li></ul><ul><li>eixo de seleção </li></ul><ul><li>foi teu irmão </li></ul><ul><li>foi teu pai </li></ul><ul><li>foi teu avô </li></ul><ul><li>eixo de combinação </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Em virtude do caráter linear dos significantes, há a impossibilidade de que os signos lingüísticos ocorram simultaneamente na cadeia da fala. Enunciados um após o outro, eles formam um alinhamento que os distribui em relações de combinação entre no mínimo, dois elementos. Ocorre, portanto, relações de combinação entre os signos. </li></ul><ul><li>Relações de combinação = Relações sintagmáticas ( syntagma – [grego] – “coisa posta em ordem”) </li></ul><ul><li>Sintagma – obedece a um padrão rígido de combinação definido pelo sistema, que se materializa na fala. Em português o artigo vem antes do nome e não o contrário (O irmão). </li></ul><ul><li>Já as relações de seleção ocorrem quando os elementos apresentam algo em comum, podendo associar-se a outros de 3 modos distintos: significados (antônimos e sinônimos), significante (imagens acústicas semelhantes, outros signos (processos morfológicos comuns). Exemplo ( Saussure ): </li></ul><ul><li>ENSINAMENTO - significado: aprendizagem, educação; </li></ul><ul><li> - significante: elemento, lento; </li></ul><ul><li> - outros signos: ensinar, ensinemos (por terem o mesmo radical) ou desfiguramento, armamento (por terem o mesmo sufixo). </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Relações associativas = Relações de seleção dos elementos do sistema lingüístico = Relações paradigmáticas ( paradéigma – [grego] – modelo, exemplo. </li></ul><ul><li>Paradigma - série de elementos lingüísticos que podem figurar num dado ponto da cadeia falada. Exemplo: </li></ul><ul><li>Foi teu avô </li></ul><ul><li>seu </li></ul><ul><li>meu </li></ul><ul><li>nosso </li></ul><ul><li>o </li></ul><ul><li>um </li></ul>
  9. 9. Sintagma Paradigma <ul><li>- relacionam no mínimo dois elementos um em presença do outro. </li></ul><ul><li>selecionam um elemento dentre outros, os quais são excluídos. </li></ul>Exemplo: em nível morfológico AM A RE MOS RAD. + vt Modo/Tempo + no. /pessoa (sintagma) AM A E MOS COM E U BEB I BEB EM (paradigma) em nível sintático: João ama Teresa. odeia admira assiste
  10. 10. <ul><li>em nível sintático: </li></ul><ul><li>João ama Teresa. </li></ul><ul><li>odeia </li></ul><ul><li>admira </li></ul><ul><li>assiste </li></ul><ul><li>Paradigma X Sintagma </li></ul><ul><li>Refeição: sintagma descreve a seqüência em que os pratos são servidos, como a seqüência antepasto + pratos frios + pratos quentes + sobremesa. O paradigma descreve os tipos de antepastos, pratos frios, pratos quentes e sobremesas que podem ocupar os lugares da seqüência sintagmática </li></ul><ul><li>Para o vestuário, o eixo sintagmático descreve a combinação das diversas peças de roupa usadas por uma pessoa (calça, camisa, meia etc.). Os diversos tipos de calças, camisa etc., dentre os quais se pode selecionar um, pertencem ao eixo paradigmático. </li></ul>
  11. 11. Bibliografia <ul><li>CARONE, Flavia de Barros. Morfossintaxe . São Paulo: Ática, 2004. </li></ul><ul><li>FIORIN, José Luiz. Introdução à Lingüística: Objetos teóricos . São Paulo: Contexto, 2006. </li></ul>

×