Replicação de dados

8,262 views

Published on

1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
  • Saberia me dizer se só existem esses 2 tipos de replicação? e apenas essas técnicas de replicação?

    se existem mais, saberia me dizer algum artigo que descrevesse uma maioria delas?

    obrigado
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
8,262
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
217
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Replicação de dados

  1. 1. Replicação de dados Vantagens e desvantagens Disponibilidade (+) Paralelismo aumentado (+): maior a chance de encontrar o dado no site em que a transação está executando Sobrecarga na atualização (-): garantir que as réplicas sejam consistentes pela propagação de atualizações 16
  2. 2. Definição Replicação é a manutenção de cópias idênticas de dados em locais diferentes. Segundo [Ikematu 2005], o objetivo de um mecanismo de replicação de dados é permitir a manutenção de várias cópias idênticas de um mesmo dado em vários sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD). 17
  3. 3. Tipos de replicação Assíncrona: se um banco é alterado, a alteração será propagada e aplicada para outro(s) banco(s) num segundo passo, dentro de uma transação separada sendo que esta poderá ocorrer segundos, minutos, horas ou até dias depois Síncrona: todas as cópias ou replicações de dados serão feitas no instante da sincronização e consistência. Se alguma cópia do banco é alterada, essa alteração será imediatamente aplicada a todos os outros bancos 18
  4. 4. Técnicas de replicação Master-slave (ou Single-Master Primary-Copy) Mantém uma das réplicas como sendo a primária As transações são efetuadas primeiramente na réplica primária e depois as alterações são distribuídas para as réplicas secundárias, na mesma ordem em que ela executou Pode ser tanto síncrona quanto assíncrona. 19
  5. 5. Técnicas de replicação Multimaster (ou Update Everywhere) As transações de escrita podem ser submetidas a qualquer servidor, pois não existe uma cópia primária. No entanto, as alterações devem ser propagadas para todos os servidores que possuam cópia dos dados, o que aumenta a complexidade no controle de transações e exige um mecanismo mais elaborado de replicação Possibilita tanto replicação síncrona como assíncrona. 20
  6. 6. Ferramentas Slony (integrado ao pgAdmin) pgreplicator.sourceforge.net PGCluster Mammoth Postgres-R 21
  7. 7. Comparação 22
  8. 8. Slony-I Integrado na árvore de objetos do pgAdmin Indicação do path da ferramenta no menu File->Options 23
  9. 9. Passos Passo 1: criação do cluster no nó mestre Conceito de nó adminis- trativo PgAdmin armazena infor- mações de como encon- trar cada nó do cluster 24
  10. 10. Passos Passo 2: Adicionar nós ao cluster (escravos) Processo de junção (join) 25
  11. 11. Passos Passo 3: Configurar paths de replicação entre os nodos, para que possam se comunicar Password no conninf ou no arquivo pgpass.conf da pasta %APPDATA%postgresqlpgpass.conf Estrutura do arquivo: hostname:port:database: username:password Paths em cada nodo para todos os outros 26
  12. 12. Passos Passo 4: Criação de listens A partir da versão 1.1 do Slony-I, eles são criados automaticamente quando os paths são definidos 27
  13. 13. Passos Passo 5 Criação do conjunto de replicação (no nodo mestre) 28
  14. 14. Passos Passo 6 Definir a tabela replicada Se a tabela tiver triggers, elas devem ser desabilitadas no nodo escravo A tabela deve ter um índice único (ou chave primária) 29
  15. 15. Passos Definir a seqüência da tabela a ser replicada 30
  16. 16. Passos Passo 7 Definir a assinatura (devem, a partir da versão 1.1 ser criadas no nodo mestre) 31
  17. 17. Passos Iniciar os daemons C:Program FilesPostgreSQL8.2bin>slon meucluster "dbname=postgres user=postgres host=localhost port=5432 password=senha" 32

×