Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Poema O Florir do Jardim

145 views

Published on

O poema "O Florir do Jardim" é na verdade um poema histórico que está imerso no aspecto descritivo dos primeiros dias na cidade de Bom Jardim e faz um "passeio" por sua história e a vida deste povo que a construíra, sendo desta forma, um poema memorial.
Inicia com aspectos naturais e termina com os aspectos infraestruturais - a construção de seus prédios, ruas e a situação político ideológico, etc.


Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Poema O Florir do Jardim

  1. 1. O Florir do Jardim Por Adilson Motta Em algures de teus prim�rdios Come�astes a florir Qui�� eram flores de p�talas Com colibris a beijar E o alegre canto da ja�an� a voar Por sobre o folharal dos alagadi�os das samambaias ******* Depois, um novo jardim Que n�o � o das roseiras Come�ou a brotar No fundamento das pedras Pulsos e punhos Daqueles que foram Os primeiros A erigir-te. ******* As flores, apesar dos espinhos Que arpavam ao longo do caminho
  2. 2. Desabrochavam em casas e pr�dios Que se erguiam imponentes N�o adubado com a �gua e o esterco Que faz as roseiras crescerem ao orvalho da noite Mas com o adubo do suor, sangue e vida Daqueles que o verteram do labor e da luta. *************** Aos trancos e barrancos Erros e acertos Vais florindo Nas sendas do tempo Com suas matizes desiguais Nas r�deas incestas de seus comandos. ******* Teus canteiros "incharam" com o abandono dos campos e pomares n�o cuidados. E como num barco � deriva Vais florindo o horizonte Nas lesas-majestades que comandam teu leme E no incerto deixando o florir das rosas Que ficar�o nas pintas da hist�ria. O poema "O Florir do Jardim" � na verdade um poema hist�rico que est� imerso no aspecto descritivo dos primeiros dias na cidade de Bom Jardim e faz um "passeio" por sua hist�ria e a vida deste povo que a constru�ra, sendo desta forma, um poema memorial. Inicia com aspectos naturais e termina com os aspectos infraestruturais - a constru��o de seus pr�dios, ruas e a situa��o pol�tico ideol�gico, etc.

×