Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Poema Manifesto das Palmeiras

101 views

Published on

Manifesto das Palmeiras, Poemas a Bom Jardim - MA.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Poema Manifesto das Palmeiras

  1. 1. Manifesto das palmeiras (Autor: Adilson Motta/2008) Por entre os cocais e os matagais uma certa voraz de vento soprou! Vi uma velha palmeira sombreando outras ali caídas, Dando em seguida um forte balanço em seu palharal – e insatisfeita falou: “Eu represento o manifesto das palmeiras! Meu reclame é em defesa da minha espécie, já que as consciências tão civilizadas não se levantam! Por mais insignificante qu´eu pareça, Por mais descaso que me teça, Farei a apologia e defesa da minha espécie antes que desapareça. Sou maltratada, arrancada, cortada, queimada, extrativada, comercializada Sem, contudo ser replantada, nem zelada... Já fui dantes o cabelo desta terra, O adorno da floresta... Cobria a flora e a fauna que sob minhas sombras, Abrigava suaves e tranquilas... Hoje, calva, alva terra vejo, Que para meu grande pejo! Não me vejo! Sou útil! Inútil é como me tratam. Há milhares de anos convivendo com os animais, Estes nunca me ameaçaram a existência. Porém, chega um mundo civilizado, E é neste mundo que sinto ter chegado meu fim. No princípio eu sentia harmonia, Éramos uma verdadeira filarmônica – e vivíamos no vento a bailar. Era um balé natural, os pássaros cantavam e eu com o vento dançava. O tempo passou, a festa acabou. Os pássaros não cantam mais, só o vento em mim a bailar, como a dança numa música sem voz. Cadê os cantores? São desertores? Ou os matadores o eliminaram? Porém, quando olho ao meu redor, espessas e negras nuvens Se formam no horizonte e questiono: meus dias estão contados, até quando existiremos?
  2. 2. „‟'Apesar deste estado, já dei título e nome ao Estado; E no mundo das letras, o nosso “Gonçalves”do Terra das Palmeiras, O qual, em longe degredo, cantou a nostalgia de sua terra, onde eu era figura central De suas lembranças e suas saudades. Sou útil em tudo! Em mim nada perde, No povão, que tanto me consomem e tanto me devastam, Estou sendo o óleo em suas panelas, Jamais me plantam, Jamais me conservam, Um grito de defesa contra a aspereza do meu devastar jamais se levanta, E, no entanto... Me querem. Viva sou útil, e morta também, Pois sirvo de adubos em casas além, Eu cubro as casinhas... De mim fazem esteiras, portas, cofos e abanos também... A espinha dorsal das minhas palhinhas fazem paredes e cercas além. Pegam meus filhos, os jovens coquinhos e fazem carvão; E lá estou presente, cozinhando na cozinha... Minhas amêndoas, pobres embriões, Produzem o óleo a bons feijões. Na siderurgia, lá estou, ardendo em chamas pra dissolver e fundir. Apesar de ser do reino vegetal, me sinto do reino animal, Como a fênix, que „ao morrer retorna das cinzas; Também broto com vigor das cinzas, dos tocos, das queimadas e das devastadas. Apesar de ser queimada, exportada, explorada, quebrada, transformada e devastada, Eu ainda acredito na vida... No entanto, por nada ser feito, suspeito que nos primores e glória dos homens esteja o meu fim.”

×