Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

As reformas-religiosas-ildete-3

  • Be the first to comment

As reformas-religiosas-ildete-3

  1. 1. As Reformas Religiosas e Contra-Reforma
  2. 2. IEE WILSON CAMARGO <ul><li>Reforma Religiosas e Contra Reforma </li></ul><ul><li>Disciplina : História </li></ul><ul><li>Profª : Grassa Araujo </li></ul><ul><li>Alunos : Ildete, Rose, Marivete e Vitor Hugo </li></ul><ul><li>Vilhena: 10 de março de 2011 </li></ul>
  3. 3.   REFORMA RELIGIOSA <ul><li>Conceito: </li></ul><ul><li>A reforma religiosa, pode-se dizer que foi um movimento ou até mesmo uma revolução religiosa. Onde o poder total da igreja foi questionado, desafiado. Será que tudo que era dito pela igreja era verdadeiro? Deveria ser seguido cegamente, sem perguntas? </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Essa situação ocorreu durante o séc. XVI, onde novas religiões cristãs surgiram. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A religião dominante começa a sofrer divisões. Esse aparecimento de novas religiões abalou a supremacia política e espiritual da igreja católica e a autoridade do Papa. Por isso o termo Reforma . Foi uma verdadeira reforma no lado mais importante de uma sociedade: o religioso. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  4. 4. Reformas Religiosas <ul><li>MOTIVOS: </li></ul><ul><li>Grande parte da igreja do século XV tinha-se afastado dos princípios de pobreza pregados por Cristo e pelos primeiros apóstolos, e vivia no luxo e na ostentação. A corrupção alastrava dentro da igreja católica. </li></ul><ul><ul><li>Venda de cargos religiosos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Falta de preparação e vocação dos membros do clero; </li></ul></ul><ul><ul><li>Luxo, ostentação, vida mundana e imoral dos clérigos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Venda da Bula das Indulgências </li></ul></ul><ul><ul><li>Muitos elementos do clero estavam desrespeitando as regras religiosas, principalmente o que diz respeito ao celibato </li></ul></ul>
  5. 5. <ul><li>Motivos.... </li></ul><ul><li>A burguesia comercial,no século XVI, estava cada vez mais inconformada, pois os clérigos católicos estavam condenando seu trabalho. </li></ul><ul><li>O lucro e os juros eram vistos como práticas condenáveis pelos religiosos. </li></ul><ul><li>Por outro lado, o papa arrecadava dinheiro para a construção da basílica de São Pedro em Roma , com a venda das indulgências (venda do perdão). </li></ul><ul><li>No campo político, os reis estavam descontentes com o papa por interferir nos comandos que eram próprios da realeza. </li></ul><ul><li>O homem renascentista, começava a ler mais e formar uma opinião cada vez mais crítica. </li></ul>
  6. 6. Reforma Luterana <ul><li>Bula das Indulgências </li></ul><ul><ul><li>Em 1513, o papa Leão X, decide enviar monges por toda a Europa, solicitando aos fieis uma contribuição para a conclusão das obras da Basílica de S. Pedro; </li></ul></ul><ul><ul><li>Em troca o Papa concedia uma Indulgência, isto é um documento que lhes perdoava a penitência pelos seus pecados. </li></ul></ul>
  7. 7. Reforma Luterana <ul><li>Reação de Lutero: </li></ul><ul><ul><li>Martinho Lutero (1483-1546); </li></ul></ul><ul><ul><li>Monge Agostinho; </li></ul></ul><ul><ul><li>Face às Indulgências afixa, em 1517, as 95 teses onde critica publicamente toda esta situação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Acaba por ser excomungado. </li></ul></ul>
  8. 8. Reforma Luterana <ul><li>Princípios Luteranos: </li></ul><ul><ul><li>Autoridade única da Bíblia </li></ul></ul><ul><ul><li>Tradução do texto sagrado para alemão. </li></ul></ul><ul><ul><li>Relação direta do crente com Deus </li></ul></ul><ul><ul><li>Rejeição do papel mediador do clero </li></ul></ul><ul><ul><li>Rejeição da autoridade do Papa </li></ul></ul><ul><ul><li>Alteração da doutrina da Igreja </li></ul></ul><ul><ul><li>Aceita apenas dois sacramentos (batismo e eucaristia); </li></ul></ul><ul><ul><li>Rejeição do culto dos santos e da Virgem; </li></ul></ul><ul><ul><li>Instituição de pastores (responsáveis pelo culto) </li></ul></ul>
  9. 9. Outras Reformas <ul><li>Reforma Calvinista </li></ul><ul><ul><li>João Calvino (1509-1564) </li></ul></ul><ul><ul><li>Defendia a teoria da Predestinação </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cada crente já estaria, desde a origem, destinado por Deus à Salvação ou à condenação eterna. </li></ul></ul></ul>
  10. 10. Outras Reformas <ul><li>Reforma Anglicana </li></ul><ul><ul><li>Fundada pelo rei Henrique VIII (1491-1547) em 1534; </li></ul></ul><ul><ul><li>O rei é o chefe supremo da igreja; </li></ul></ul><ul><ul><li>Contestação do poder do Papa e do clero na Inglaterra. </li></ul></ul><ul><ul><li>Motivada pelo interesse do rei a anular o seu casamento com Catarina de Aragão e voltar a casar com Ana de Bolena. </li></ul></ul>
  11. 11. Contra-Reforma e Reforma Católica <ul><li>Concílio de Trento </li></ul><ul><ul><li>Bispos e Cardeais analisaram as críticas dos protestantes. </li></ul></ul><ul><ul><li>Principais decisões </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reafirmados todos os dogmas; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Mantiveram-se os sete sacramentos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reforçado o culto dos Santos e da Virgem Maria </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reformação dos costumes da Igreja e Organização da Igreja: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Disciplina mais severa e celibato dos padres </li></ul></ul></ul>
  12. 12. Contra-Reforma e Reforma Católica <ul><li>Preocupados com os avanços do protestantismo e com a perda de fiéis, bispos e papas reúnem-se na cidade italiana de Trento (Concílio de Trento) com o objetivo de traçar um plano de reação. </li></ul><ul><li>No Concílio de Trento ficou definido :   </li></ul><ul><li>Catequização dos habitantes de terras descobertas, através da ação dos jesuítas ; </li></ul><ul><li>Retomada do Tribunal do Santo Ofício - Inquisição : punir e condenar os acusados de heresias; </li></ul><ul><li>Proibido a venda de indulgências; a obrigatoriedade de se estudar em um seminário para se tornar um clérigo; a venda de cargos do alto clero; </li></ul>
  13. 13. Alguns dogmas reafirmados no concílio de Trento: <ul><li>  </li></ul><ul><li>a salvação só pode ser através da fé e boas obras; </li></ul><ul><li>celibato clerical; </li></ul><ul><li>indissolubilidade do casamento; </li></ul><ul><li>infabilidade do Papa; </li></ul><ul><li>culto a virgem Maria e aos santos </li></ul><ul><li>manutenção da hierarquia eclesiástica;  </li></ul>
  14. 14. Contra-Reforma e Reforma Católica <ul><li>Novos Instrumentos: </li></ul><ul><ul><li>Inquisição (tribunal do Santo Ofício) - era uma instituição eclesiástica de caráter &quot;judicial&quot;, que tinha por principal objetivo &quot;inquirir heresias&quot; </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>- Tribunal eclesiástico destinado a defender a fé católica; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Vigiava, perseguia e condenava aqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões. </li></ul></ul></ul></ul>
  15. 15. <ul><li>Novos Instrumentos .... </li></ul><ul><ul><li>Index (Index Librorum Prohibitorum) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Que era uma lista de livros proibidos pela santa Inquisição, isto serviu para atrapalhar o desenvolvimento cultural e científico. </li></ul></ul></ul>
  16. 16. Conseqüências da Reforma Apesar da diversidade das forças revolucionárias do século XVI, a Reforma teve grandes e consistentes resultados na Europa ocidental. Em geral, o poder e a riqueza perdidos pela nobreza feudal e pela hierarquia da Igreja Católica Romana foram transferidos para os novos grupos sociais em ascensão e para a coroa. Várias regiões da Europa conseguiram a sua independência política, religiosa e cultural. Mesmo em países como a França e na região da atual Bélgica, onde o Catolicismo Romano prevaleceu, um novo individualismo e nacionalismo foram desenvolvidos na cultura e na política. A destruição da autoridade medieval libertou o comércio e as atividades financeiras das restrições religiosas e promoveu o capitalismo.
  17. 17. Conseqüências da Reforma Durante a Reforma, as línguas nacionais e a literatura foram estimuladas através da difusão dos textos religiosos escritos na língua materna, e não em latim. A educação dos povos foi, também, estimulada pelas novas escolas fundadas por Colet na Inglaterra, Calvino em Genebra e pelos príncipes protestantes na Alemanha. A religião deixou de ser monopólio de uma minoria clerical privilegiada e passou a ser uma expressão mais direta das crenças populares. Todavia, a intolerância religiosa manteve-se inabalável e as diferentes Igrejas continuar a perseguir-se mutuamente, pelo menos, durante mais de um século.
  18. 18. Conclusão As Reformas Religiosas formaram conjuntos de movimentos com caráter religioso, político e econômico, que contestavam os dogmas católicos, e devido a isso ocorreu – se à criação de outras religiões, como por exemplo, a protestante. Os cristãos opuseram – se a essa situação, sentiam a necessidade de uma volta aos ensinamentos de Cristo e de seus apóstolos e pregavam assim, uma reforma dos costumes. Os principais reformadores foram Martinho Lutero e João Calvino. A Reforma difundiu – se rapidamente na Alemanha, Suíça, França, Holanda, Escócia e Escandinávia. O difícil foi que a Igreja reconheceu estes abusos, mas não teve coragem para empreender a necessária reforma geral. E devido a isso, ocorreram diversos conflitos entre a Igreja e seus reformadores.
  19. 19. Referências Bibliográficas <ul><li>http://www.coladaweb.com/historia/reformas-religiosas-e-a-contra-reforma </li></ul><ul><li>http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia021.asp </li></ul><ul><li>http://www.suapesquisa.com/protestante/ </li></ul><ul><li>http://www.bvbv.hpg.ig.com.br/biblioteca.html </li></ul><ul><li>http://www.tg3.com.br/reformas/reforma_protestante.htm </li></ul><ul><li>http://www.planeta.terra.com.br/arte/mundoantigo/reforma/ </li></ul>
  20. 20. Créditos: <ul><li>Ildete de Oliveira de Paula </li></ul><ul><li>Rose-lena </li></ul><ul><li>Marivete </li></ul><ul><li>Vitor Hugo </li></ul><ul><li>IEE Wilson Camargo </li></ul><ul><li>2º ano B - EJA </li></ul>

×