Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Leptospirose

10,501 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Leptospirose

  1. 1. LEPTOSPIROSEDóris Bercht BrackMédica Veterinária SanitaristaPrograma Estadual de Eco-Vigilância de RoedoresDivisão de Vigilância Ambiental em SaúdeCentro Estadual de Vigilância em Saúde
  2. 2. LEPTOSPIROSE A Leptospirose é uma doença infecciosa aguda que acomete o homem e os animais, causada por microorganismos pertencentes ao gênero Leptospira. A doença ocorre tanto na área rural como na urbana eestá intimamente relacionada aos períodos de chuvas, quandocostuma aumentar a incidência de casos. Adquire um carátermais severo nas grandes aglomerações humanas de baixa renda,que moram à beira de córregos e em zonas alagadiças, em locaisdesprovidos de saneamento básico, que propiciam a coabitaçãocom roedores. Estes encontram água, abrigo e alimentonecessário à sua proliferação e, ao mesmo tempo, contaminamo meio ambiente.
  3. 3. LEPTOSPIROSE LEPTOSPIRAS X MEIO AMBIENTE As leptospiras sobrevivem no lodo ou no solo úmido, onde o pH é ligeiramente alcalino, com baixa salinidade e na ausência de radiações ultravioletas. Nesta condição podem sobreviver até seis meses. A manutenção no meio ambiente é influenciada pelas variações climáticas. As leptospiras se mantém bem em meio hídrico. São extremamente sensíveis a dessecação. Sobrevivem em temperaturas entre 10 e 34º C.
  4. 4. LEPTOSPIROSE MODO DE TRANSMISSÃO: Raramente pelo contato direto com sangue, tecido, órgãos e urina deanimais infectados. Contato com água ou solo contaminados pela urina dos animaisportadores. PERÍODO DE INCUBAÇÃO De 24horas a 30 dias, em média 7 a 14 dias
  5. 5. LEPTOSPIROSE PRINCIPAIS SINTOMAS: Febre, mialgias (principalmente na panturrilha), vômitos,calafrios, alterações do volume urinário, conjuntivite, icterícia,fenômeno hemorrágico e/ou Síndrome de Weil (alteraçõeshepáticas, renais e vasculares). A leptospirose sem icterícia é, freqüentemente, confundidacom outras doenças (dengue, gripe) ou não leva à procura deassistência médica.
  6. 6. LEPTOSPIROSEAtenção Quando houver contato com água deenchente, lama, esgoto, fossa ou com urina deanimais com leptospirose e no período de 30 diasocorrerem sintomas da doença PROCURAR OPOSTO DE SAÚDE e relatar ao médico este contato.
  7. 7. LEPTOSPIROSE SITUAÇÕES DE RISCO: Exposição a enchentes ou outras coleções hídricas potencialmentecontaminadas como córregos, lagos e rios; Exposição a Esgoto - fossa ou manilhas de esgoto contaminadas comurina de roedores; Atividades que envolvam risco ocupacional como coleta de lixo,limpeza de córregos, trabalho em água ou esgoto, tratadores deanimais, entre outras; Presença de animais infectados.
  8. 8. LEPTOSPIROSE RESERVATÓRIOS: Animais Domésticos: bovinos, suínos, eqüinos, caninos, ovinos, caprinos. Roedores Sinantrópicos: Rattus novergicus (ratazana ou rato de esgoto). Rattus rattus (rato preto ou rato do telhado). As ratazanas e os ratos são considerados reservatórios ecológicosda leptospirose porque não desenvolvem os sintomas destazoonose.
  9. 9. LEPTOSPIROSE/ROEDORES ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAISRatazana - Rattus norvergicusCamundongo - Mus musculus Rato do telhado – Rattus rattus Fotos cedidas por Alzira de Almeida
  10. 10. LEPTOSPIROSE/ROEDORES ROEDORES SINANTRÓPICOSEssas espécies, diferente dos roedores silvestres, vivem próximo aohomem, que é o responsável pelo fornecimento das condições básicaspara sua sobrevivência: acesso: locais ou edificações sem obstáculos aos roedores. alimentos: grãos armazenados, gêneros estocados, ração animal, resíduos alimentares, lixo, etc. abrigo: terrenos baldios com entulho, mato, edificações, sistemas de esgoto mal conservados, etc. água: vazamento em instalações hidráulicas, valetas, caixa d’água, sistemas coletores de águas pluviais e fluviais, etc
  11. 11. LEPTOSPIROSE/ROEDORES ROEDORES SINANTRÓPICOS/CONTROLE O trabalho decontrole de roedores édesenvolvido a partir doconhecimento dos sinaisdeixados pelos ratos no FEZESambiente em que vivem:tocas, fezes, roeduras,trilhas, observações deratos vivos ou mortos emanchas de gordura.No controle dos roedores TOCApodemos usar medidas deanti-ratização e desratização TRILHA
  12. 12. LEPTOSPIROSE/ROEDORES ROEDORES SINANTRÓPICOS/ CONTROLEA anti-ratização é um conjunto de medidas que visam modificar ascaracterísticas ambientais que favorecem a penetração, instalação e alivre proliferação de roedores: acesso , alimento, abrigo e água.Compreende também ações de educação em saúde, através deinformação, orientação e esclarecimento às pessoas ligadas diretamenteao problema, escolares e população em geral.A desratização compreende todas as medidas empregadas para aeliminação de roedores, através de métodos mecânicos (ratoeiras),biológicos (animais predadores) e químicos (raticidas). Para maioreficiência , a desratização deve ser realizada paralela ao trabalhos deanti-ratização, limpeza e saneamento, a fim de se evitar a ocorrência doefeito bumerangue.
  13. 13. u12 LEPTOSPIROSE/ROEDORES ROEDORES SINANTRÓPICOS/ CONTROLE Com alimento e água disponível, a colônia de ratos cresce intensamente, até ser nivelada pelas condições ambientais. Por esta razão, quando uma desratização é realizada de modo incompleto ou inadequado, corre-se o risco de provocar um forte aumento populacional pouco tempo após o mau serviço ter sido executado. É o chamado “efeito bumerangue”.
  14. 14. Slide 14u12 Texto ao lado da foto: fonte TAHOMA tamanho 18 cor CINZA Legenda da foto: fonte TAHOMA tamanho 14 cor CINZA user; 05/07/2009
  15. 15. Dóris Bercht Brack Médica Veterinária SanitaristaDivisão de Vigilância Ambiental em Saúde doris-brack@saude.rs.gov.br 51 39011144

×