Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira




               COMEMORAÇÃO DOS 550
                ANOS DA MORTE DO
 ...
Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira




12º A2
                                                   Português
 ...
Filho do rei D. João I e da rainha D. Filipa de Lencastre




Nasceu em 1394 na cidade do Porto




                      ...
.
.




Desde cedo se tornou cavaleiro, e em
                                           Em 1416 foi escolhido para tomar as
...
A passagem pelo Cabo Bojador, por Gil Eanes, comandante de uma das
expedições, deu-se em 1434.



Em 1437 sofre uma grande...
Ficando conhecido como Infante de Sagres ou Navegador


Faleceu em 1460, em Sagres, solteiro.


O seu corpo foi primeirame...
“A cabeça do grifo”
  O Infante D. Henrique




                     Mensagem, Fernando Pessoa
“A cabeça do grifo”
          O Infante D. Henrique




Em seu trono entre o brilho das esferas,
Com seu manto de noite e ...
Quanto à sua estrutura externa…
O Infante D. Henrique




Em seu trono entre o brilho das esferas,    a
Com seu manto de noite e solidão            b    R...
O Infante D. Henrique




Em seu trono entre o brilho das esferas,    a
Com seu manto de noite e solidão            b
Tem ...
Em seu trono entre o brilho das esferas,    a
Com seu manto de noite e solidão            b
Tem aos pés o mar novo e as mo...
Análise do poema “A cabeça do grifo”


Em seu trono entre o brilho das esferas,
Com seu manto de noite e solidão » Metáfor...
O grifo é, aqui, o símbolo da condição de herói
“O Infante”
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separas...
Quanto à sua estrutura externa…
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.      a
Deus quis que a terra fosse toda uma,        b
Que o mar unisse, já não sep...
Quanto à sua estrutura interna…
É caracterizado pela sua ambiguidade e
  pela exploração do valor simbólico de
 certas palavras ou conceitos. Tem como
 te...
Análise do poema “O Infante”
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar uniss...
“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.”




      Com este verso, o poeta refere a relação entre a vontade
       divina...
“Deus quis que a terra fosse toda uma,
 Que o mar unisse, já não separasse.”



    Deus quis que os povos se unissem e
  ...
“Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,”


   A espuma das ondas que acabam nas praias ou rebentam
  contra os rochedos ...
“E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,”




Primeiro as ilhas e depois os con...
“E viu-se a terra inteira, de repente,
   Surgir, redonda, do azul profundo.”


A Deus é permitida a visão totalizante da ...
“Quem te sagrou criou-te português.
 Do mar e nós em ti nos deu sinal.”
“Quem te sagrou criou-te português.
   Do mar e nós em ti nos deu sinal.”




 Refere-se ao Infante, homem animado de um p...
“Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
        Senhor, falta cumprir-se Portugal!”




De um sonho cumprido e de outro ...
Análise do poema “O Infante”
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,     » Anáfora

...
Divisão do poema em momentos
Primeiro momento:
“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.”

Segundo momento
Primeira parte:
...
Divisão do poema em momentos
Terceira Parte:
“E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do ...
Assim, Fernando Pessoa

                         …conseguiu o
                            que queria,
                    ...
Considerou que Portugal
   está destinado a uma
   grandeza futura, que
 ainda falta cumprir, mas,
      por outro lado,
 ...
…termina a primeira
 parte (“Brasão) com
  um poema sobre o
   Infante e inicia a
 segunda parte (“Mar
 Português) também
...
Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira

    COMEMORAÇÃO DOS 550 ANOS DA
    MORTE DO INFANTE D. HENRIQUE
       ...
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Fernando Pessoa
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Fernando Pessoa
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Fernando Pessoa
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Fernando Pessoa

5,030 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Fernando Pessoa

  1. 1. Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira COMEMORAÇÃO DOS 550 ANOS DA MORTE DO INFANTE D. HENRIQUE – 1394 - 1460 12º A2 Português Cátia Martins Nº5 Ano Lectivo Joana Pereira Nº17 2009/2010 Professora: Ana Cristina Matias
  2. 2. Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira 12º A2 Português Cátia Martins Nº5 Ano Lectivo Joana Pereira Nº17 2009/2010 Professora: Ana Cristina Matias
  3. 3. Filho do rei D. João I e da rainha D. Filipa de Lencastre Nasceu em 1394 na cidade do Porto Ínclita Geração Quanto à sua vida, viveu-a grande parte no Algarve e pertenceu à geração d’Avis
  4. 4. .
  5. 5. . Desde cedo se tornou cavaleiro, e em Em 1416 foi escolhido para tomar as 1414 convenceu o seu pai a organizar medidas necessárias à defesa da nova a expedição da conquista de Ceuta, possessão portuguesa. conquistada em Agosto de 1415 Em 1420, foi nomeado dirigente da Em Tavira foi armado cavaleiro e Ordem de Cristo, sucedendo, depois, à recebeu os títulos de Duque de Viseu Ordem dos Templários, cargo que e Senhor da Covilhã. deteria até ao fim da vida. Em 1419, os seus navegadores chegaram à Madeira e em 1427 aos Açores. Estas ilhas foram, então, povoadas por ordem do Infante.
  6. 6. A passagem pelo Cabo Bojador, por Gil Eanes, comandante de uma das expedições, deu-se em 1434. Em 1437 sofre uma grande derrota, em Tânger, e perde o seu irmão que foi preso e morto , em cativeiro. Em 1441 retomaram as viagens de exploração, atingindo o Cabo Branco. Em1443, obtém o exclusivo de navegação para além do Bojador e licença para a fundação da Vila do Infante perto de Sagres. O Cabo de S. Vicente, passou, assim, a constituir o símbolo do Infante voltado para a empresa dos mares. E até 1460, a costa africana foi explorada e reconhecida até ao que é hoje a Serra Leoa.
  7. 7. Ficando conhecido como Infante de Sagres ou Navegador Faleceu em 1460, em Sagres, solteiro. O seu corpo foi primeiramente depositado na igreja de Lagos, sendo dali trasladado para o Convento da Batalha, em 1461.
  8. 8. “A cabeça do grifo” O Infante D. Henrique Mensagem, Fernando Pessoa
  9. 9. “A cabeça do grifo” O Infante D. Henrique Em seu trono entre o brilho das esferas, Com seu manto de noite e solidão Tem aos pés o mar novo e as mortas eras - O único imperador que tem, deveras, O globo mundo em sua mão. Mensagem, Fernando Pessoa
  10. 10. Quanto à sua estrutura externa…
  11. 11. O Infante D. Henrique Em seu trono entre o brilho das esferas, a Com seu manto de noite e solidão b Rima Cruzada Tem aos pés o mar novo e as mortas eras - a O único imperador que tem, deveras, a O globo mundo em sua mão. b
  12. 12. O Infante D. Henrique Em seu trono entre o brilho das esferas, a Com seu manto de noite e solidão b Tem aos pés o mar novo e as mortas eras - a Rima O único imperador que tem, deveras, a Emparelhada O globo mundo em sua mão. b
  13. 13. Em seu trono entre o brilho das esferas, a Com seu manto de noite e solidão b Tem aos pés o mar novo e as mortas eras - a Rima O único imperador que tem, deveras, a Interpolada O globo mundo em sua mão. b
  14. 14. Análise do poema “A cabeça do grifo” Em seu trono entre o brilho das esferas, Com seu manto de noite e solidão » Metáfora Tem aos pés o mar novo e as mortas eras - » Anítese O único imperador que tem, deveras, O globo mundo em sua mão. » Metáfora
  15. 15. O grifo é, aqui, o símbolo da condição de herói
  16. 16. “O Infante” Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, Que o mar unisse, já não separasse. Sagrou-te, e foste desvendando a espuma, E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, e viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal! Mensagem, Fernando Pessoa
  17. 17. Quanto à sua estrutura externa…
  18. 18. Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. a Deus quis que a terra fosse toda uma, b Que o mar unisse, já não separasse. a Sagrou-te, e foste desvendando a espuma, b E a orla branca foi de ilha em continente, c Clareou, correndo, até ao fim do mundo, d Rima e viu-se a terra inteira, de repente, c Cruzada Surgir, redonda, do azul profundo. d Quem te sagrou criou-te português. e Do mar e nós em ti nos deu sinal. f Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. e Senhor, falta cumprir-se Portugal! f
  19. 19. Quanto à sua estrutura interna…
  20. 20. É caracterizado pela sua ambiguidade e pela exploração do valor simbólico de certas palavras ou conceitos. Tem como tema “o sonho”, procurando exprimir a vontade divina.
  21. 21. Análise do poema “O Infante” Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, Que o mar unisse, já não separasse. Sagrou-te, e foste desvendando a espuma, E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, e viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal!
  22. 22. “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.” Com este verso, o poeta refere a relação entre a vontade divina, o sonho humano e a obra produzida, o saber. Exprimindo a ideia de que sem a vontade do primeiro, o segundo não sonharia e a terceira não nasceria
  23. 23. “Deus quis que a terra fosse toda uma, Que o mar unisse, já não separasse.” Deus quis que os povos se unissem e que o mar, como elemento líquido, se tornasse igualmente um espaço unificante
  24. 24. “Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,” A espuma das ondas que acabam nas praias ou rebentam contra os rochedos marca as costas com uma orla branca. A frase anterior é uma forma poética de dizer que as costas foram sendo descobertas, e foi o Infante (o Império e o Infante propriamente dito) eleito para essa missão de desvendar.
  25. 25. “E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo,” Primeiro as ilhas e depois os continentes, chegando ao fim do mundo. A união dos espaços está, simbolicamente, ligada à ideia de luz, de claridade, ou seja, de conhecimento.
  26. 26. “E viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo.” A Deus é permitida a visão totalizante da Terra, parte de um universo que está para além do Homem, que se tornou circular devido à união dos espaços
  27. 27. “Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal.”
  28. 28. “Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal.” Refere-se ao Infante, homem animado de um projecto de universalidade e imortalidade, por Deus. Através do infante, revelou-nos que o nosso destino era o Mar.
  29. 29. “Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal!” De um sonho cumprido e de outro desfeito nasce um novo, o de se cumprir Portugal, que só acontecerá se o “Senhor” corresponder ao apelo que, em frase exclamativa e em forma de vocativo, lhe é feito no último verso.
  30. 30. Análise do poema “O Infante” Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, » Anáfora Que o mar unisse, já não separasse. » Antítese Sagrou-te, e foste desvendando a espuma, E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, » Personificação e viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal! » Apóstrofe
  31. 31. Divisão do poema em momentos Primeiro momento: “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.” Segundo momento Primeira parte: “Deus quis que a terra fosse toda uma, Acção de Que o mar unisse, já não separasse. Deus Sagrou-te,” Segunda parte: Acção do “e foste desvendando a espuma,” Infante
  32. 32. Divisão do poema em momentos Terceira Parte: “E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, Realização e viu-se a terra inteira, de repente, da obra Surgir, redonda, do azul profundo.” Terceiro momento: “Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal!”
  33. 33. Assim, Fernando Pessoa …conseguiu o que queria, glorificar, acima de tudo, o valor simbólico dos heróis do passado.
  34. 34. Considerou que Portugal está destinado a uma grandeza futura, que ainda falta cumprir, mas, por outro lado, apresenta-o com um povo heróico e guerreiro, construtor do império marítimo, fazendo a valorização dos predestinados que construíram o país, neste caso, O Infante Dom Henrique.
  35. 35. …termina a primeira parte (“Brasão) com um poema sobre o Infante e inicia a segunda parte (“Mar Português) também com o Infante, o que enaltece a sua importância.
  36. 36. Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira COMEMORAÇÃO DOS 550 ANOS DA MORTE DO INFANTE D. HENRIQUE ( 1394 – 1460) Ano Lectivo 2009/2010 Português Professora: Ana Cristina Matias 12º A2 Cátia Martins, Nº5 Joana Pereira, Nº17

×