Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
online tutorial
– meeting students' needs
Ana Loureiro (accloureiro@gmail.com) | CIDTFF – Universidade de Aveiro | ESE - I...
enquadramento (investigação)
eixos
(i) construção e partilha de conhecimento
(ii) relações interpessoais e
(iii) ambientes...
enquadramento (estudo piloto)
objectivos
(i) ganhar experiência com a utilização de ambientes virtuais colaborativos em co...
• público-alvo > alunos ensino superior português (ESE)
• turma regular/diurna & turma maiores de 23/nocturna
• amostra do...
5ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs
Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010
orqu...
6ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs
Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010
obse...
7ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs
Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010
conc...
8ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs
Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010
cons...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Online tutorial - meeting students' needs

0 views

Published on

Comunicação apresentada no ticEDUCA2010 - Encontro Internacional TIC e Educação, Instituto de educação, Universidade de Lisboa.
20 Novembro 2010
Ana Loureiro, David Wood & Teresa Bettencourt

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Online tutorial - meeting students' needs

  1. 1. online tutorial – meeting students' needs Ana Loureiro (accloureiro@gmail.com) | CIDTFF – Universidade de Aveiro | ESE - Instituto Politécnico de Santarém David Wood (davidwood2009@gmail.com) | University of Reading Teresa Bettencourt (tbett@ua.pt) | CIDTFF – Universidade de Aveiro ticEDUCA2010 I Econtro Internacional TIC e Educação IE | Lisboa | 19-20 Novembro
  2. 2. enquadramento (investigação) eixos (i) construção e partilha de conhecimento (ii) relações interpessoais e (iii) ambientes virtuais colaborativos (CVE) questão • perceber até que ponto a orquestração da aprendizagem com recurso a ambientes virtuais pode potenciar os contextos de aprendizagem em formato blended learning pela promoção da partilha de conhecimento objectivos (i) identificar as variáveis que poderão influenciar a partilha de conhecimento (ii) contribuir para a melhoria das situações de aprendizagem com recurso a ferramentas online 2ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 socialização > elemento-chave para a aprendizagem colaborativa situação em que duas ou mais pessoas aprendem ou tentam aprender algo em conjunto (Dillenbourg, 1999)
  3. 3. enquadramento (estudo piloto) objectivos (i) ganhar experiência com a utilização de ambientes virtuais colaborativos em contextos de aprendizagem (ii) perceber o quão efectivo um ambiente imersivo 3D poderá ser no papel de intermediário para interacções face-a-face (iii) reunir indicadores sobre as mais valias das ferramentas online utilizadas (grau e qualidade da participação, colaboração e interacção dos estudantes) aliados à inexistência de constrangimentos de ordem temporal e/ou física 3ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 Diigo Second Life® • bookmarking social online (referencing); • possibilidade de inserir e comentar artigos, opiniões, análises, feedbacks; • partilha de informação (colaboração, construção de uma base comum de conhecimento); • brainstorming; • actividade direccionada para o aluno. • simulador mundo real, seguro e controlado; • imersivo (walk through contents / learn by living); • representação 3D do “eu” – avatar (learn in 1st person); • comunicação, colaboração, interacção em tempo-real (learn by doing / engage with content); • rede social /comunidade de prática (Wenger, 2008); • não é um jogo mas oferece os atractivos dos mundos virtuais 3D (learn by playing).
  4. 4. • público-alvo > alunos ensino superior português (ESE) • turma regular/diurna & turma maiores de 23/nocturna • amostra do tipo não probabilística (por conveniência) • estudo qualitativo, de carácter indutivo e exploratório 4ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 metodologia promover formas de colaboração e de partilha de informação e de conhecimento entre os alunos, e entre os alunos e a docente (horas de suporte) (i) abordar temas disciplina de forma criativa e colaborativa; (ii) ajudar os alunos a perceber a importância de partilhar e discutir informação de forma aberta; (iii) providenciar situações de tutória recorrendo a espaços virtuais. desafio investigadora desafio docente perceber a efectividade da utilização de um formato de blended learning
  5. 5. 5ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 orquestração da aprendizagem espaço físico (restrição espaço/temporal, grupo específico) espaço virtual (sem restrição espaço/temporal, todos alunos) Diigo SL® sessões de tutória e de discussão colaborativa pesquisa e partilha informação construção de conhecimento sala de aula partilha informação discussão trabalho prático consolidação de conhecimentos participação obrigatória participação voluntária
  6. 6. 6ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 observações e resultados preliminares • Iniciar a SL® tem um custo elevado (tempo) • Alunos empenharam-se na exploração da SL® para além das horas de tutória • Sessões de tutória consideradas de sucesso • participação, em média, de cerca de 50% dos alunos (de ambos os grupos) • última sessão apenas se registou a participação de 33% alunos, todos do grupo nocturno • Os alunos não recorreram às sessões de suporte em espaço físico • Alunos do regime nocturno partilharam mais informação no Diigo • Alunos postaram 2x mais informação que a docente • A qualidade da informação partilhada foi elevada (relevante) – desenvolvimento das competências de pesquisa • Posts são moderados (pela docente e pelos alunos) – desenvolvimento da capacidade crítica e de reflexão
  7. 7. 7ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 conclusões preliminares • os alunos do regime nocturno (maiores de 23) são mais independentes enquanto aprendentes • os alunos do regime nocturno têm menos tempo e por isso mais vontade de aprender e de uma forma mais efectiva; • os alunos do regime nocturno estão mais motivados uma vez que parecem ter razões mais fortes para o seu empenhamento enquanto aprendentes; • os alunos do regime diurno estão a tirar o máximo partido do lado social do universo do ensino superior; • os ambientes virtuais colaborativos parecem suportar melhor os padrões de trabalho e as expectativas dos alunos do regime nocturno. os contastes de comportamento verificados entre os alunos do regime diurno e nocturno são em função: (i) do nível de maturidade, (ii) do nível de independência enquanto alunos, (iii) da motivação intrínseca.
  8. 8. 8ticEDUCA2010 > Online Tutorial – meeting students’ needs Loureiro, Wood & Bettencourt | IE, Lisboa, 20 Novembro 2010 considerações finais • as situações de tutória online, com recurso a ambientes imersivos 3D, retiram a sensação de distância nas situações de ensino a distância (e-learning/b-learning) • os ambientes imersivos fomentam a implementação de contextos de aprendizagem natural; • os alunos tendem a sentir-se mais confiantes, abertos, participativos, criativos, compreensivos e parecem participar nas sessões de formação online porque estão, de facto, interessados em aprender (Bettencourt e Abade, 2008). • as sessões de tutória online podem ser estabelecidas numa hora e local (virtual) livre de restrições e que pode ser adaptado, permitindo uma maior e melhor participação dos alunos. • num ambiente virtual colaborativo não existem barreiras ou fronteiras físicas. A informação flui, as pessoas constroem e partilham conteúdos, estabelecem relações e conexões, alargam as suas redes e o conhecimento é construído e partilhado.

×