Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

RBBC - BiblioCamp

2,874 views

Published on

Apresentação sobre os avanços da Rede Brasil de Bibliotecas Comunitárias (RBBC) para o biênio 2012/2013.

Parcerias & Programação Inicial de Ações.

Published in: Education
  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

RBBC - BiblioCamp

  1. 1. RBBC BiblioCamp 10/12/11 Abraão Antunes
  2. 2. RBBC RBBC em números cerca de 2 anos [nov. 2009 - dez. 2011] 850 membros 78 fóruns de discussão 5 eventos em andamento 148 já realizados / divulgados] 68 vídeos 1049 fotos 29.982 visitas 103.297 visualizações de página2012: Pontuação/Premiação por Participação
  3. 3. http://rbbconexoes.ning.com
  4. 4. Redes Redes de hyperlinks entre sites e redes sociais no mundo físico podem ser vistas comoco-construtoras entre si, assim como relacionamentos offline podem influenciar o modo como os relacionamentos on-line são desenvolvidos e estabelecidos Han Woo Park & Mike Thelwall, Rede de Hyperlinks: Estudo da Estrutura Social na Internet, in. O Tempo das Redes, 2008The structure os the state will change largerly to the extent that changes in information infrastructure catalyse modification in communication, coordination and control. [Estado Virtual / Governança / Accountability] Jane Fountain, apud. Marco Ruedigier, Perspectivas da governança na era da informação: Estado e Sociedade Civil, 2007
  5. 5. RBBC
  6. 6. Redes Redes são, antes de tudo, um modo de pensar. Um modo de ler o mundo e um modo de agir no mundo [nós / elos / princípios organizativos] Redes são menos uma forma geométrica e mais um instrumento intelectual para se entender um fenômeno. - nunca formam totalidades ensimesmadas; - têm sua força na inconstância das articulações existentes e possíveis;- são simultaneamente articuladoras e desestabilizadoras d’outras redes e sistemas Fábio Duarte & Klaus Frey, Redes Urbanas, in. O Tempo das Redes, 2008
  7. 7. Bibliotecas Comunitárias em RedeNo Cadastro de Bibliotecas, nesse momento, são cerca de 15% [BCs + PLs: 435] ‘Metade das Práticas do VivaLeitura’ [2009] Prática arraigada desde a década de 60 preceitos da Educação Popular (Paulo Freire / MCP) Mediação de Leitura; Gestão Participativa - livro & sujeito; construção democrática pela cultura O uso de Tecnologia nas BCs é restrito, embora algumas tenham boas práticas com a questão [Intercâmbios, Meios de Divulgação]
  8. 8. RBBC – Que Rede Pretendemos Ser?
  9. 9. RBBC: 2012 / 2013 ‘Retis’: mesmo sentido ‘Synestemi’: conjunto coordenado de elementos para um mesmo fim Demandas RELEITURA • Estudo Sistematizado de Comunidade [ TCC ] • Sistema para Gestão de BCs [ em discussão ] Parceria com C&A - Fortalecimento da Rede• Visitas LiteraSampa & BCs-SP [AE, ECA/USP & Pref. SP] • Eventos locais, regionais & nacional • Inserção no Programa Prazer em Ler [Gestão, Mediação, Espaço, Acervo & Tecnologia]
  10. 10. Trabalho dos Estudantes de Design FAU/USP [Aimeê, Midori e Pedro]
  11. 11. Design FAU/USP
  12. 12. Design FAU/USP
  13. 13. RBBC
  14. 14. ‘A LENDA’ -MORADORES CANSADOS DE ESPERAR: PANORAMA DAS ESCOLAS E BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS NO RECIFE -ANÁLISE DAS BIBLIOTECAS VISITADAS QUANTO AOS EIXOS DO PROGRAMA PRAZER EM LER -UM NOVO EIXO DE ATUAÇÃO? A TECNOLOGIA NO TRABALHO DAS BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS - PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA A RELEITURAParcerias [Sociedade Civil / ONGs / Estado / Univ. / Iniciativa Privada] Respeitando o Princípio da Autonomia para o Movimento
  15. 15. Os meninos agora olhavam as lojas, as toldas, a mesa do leilão.E conferenciavam pasmados. Tinham percebido que havia muitaspessoas no mundo. Ocupavam-se em descobrir uma enorme quantidadede objetos. Comunicaram baixinho um ao outro as surpresas que osenchiam. Impossível imaginar tantas maravilhas juntas... seria que aquilotinha sido feito por gente? Nova dificuldade chegou-lhes ao espírito:provavelmente aquelas coisas tinham nomes. Como podiam os homensguardar tantas palavras? Era impossível, ninguém conservaria tão grandesoma de conhecimentos. Livres dos nomes, as coisas ficavam distantes,misteriosas. Não tinham sido feitas por gente. E os indivíduos quemexiam nelas cometiam imprudência. Vistas de longe, eram bonitas. imprudênciaAdmirados e medrosos, falavam baixo para não desencadear as forçasestranhas que elas porventura encerrassem. Graciliano Ramos, Vidas Secas, 6ª ed., 1960.
  16. 16. Obrigado! Abraão Antunes abrapira@gmail.com(11) 9922-5504 // 3153-2333 rbbconexoes.ning.com acaoeducativa.org.br Biblioteconomia ECA/USP

×