Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Formação analista de logística - Perfil, responsabilidades e oportunidades profissionais

1,659 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Formação analista de logística - Perfil, responsabilidades e oportunidades profissionais

  1. 1. MÓDULO 1 PERFIL DO PROFISSIONAL, RESPONSABILIDADES E OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ANALISTA DE LOGÍSTICA EM COMÉRCIO EXTERIOR
  2. 2. Apresentação do Professor José Fernando Rosa .  Mestre em Administração – Dissertação em Logística  Experiência profissional desenvolvida em empresas de grande porte; Ambev, Sadia, Coca Cola, Acesita, Alcan, Samarco, Jaguar Mininng, Algar, Supporte Logística, Cocal Transportes, ...  Experiência em processos logísticos; recebimento, estocagem e movimentação de materiais, racionalização de estoques, negociação de fretes, roteirização, distribuição de produtos, processos de importação via operações portuárias (descarga e transporte de granéis) e desembaraço alfandegário.  Professor Universitário; ESAMC, PITÁGORAS, UNITRI, PUC, FUCAMP, CESUC.  Consultor Administrativo nas áreas de Logística e Supply Chain Mangement; Selecta, Icasu, PDCA Eng., Aura Hospitalar, H. S Genoveva, H. S. Clara, ...
  3. 3. FASE 1
  4. 4.  O Papel do Profissional de Logística no Comércio Exterior  Os Desafios e Oportunidades  Projetos na área de petróleo, Copa do Mundo e Olimpíadas.  Desafio: custo x tempo no Brasil. PERFIL DO PROFISSIONAL, RESPONSABILIDADES E OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS SUMÁRIO
  5. 5.  Os Principais Atores Privados, de Governo e suas Funções na Área de Transporte  Analise e Desafios para a Logística na Importação e Exportação  Importância da logística para as empresas - fatores de competitividade. PERFIL DO PROFISSIONAL, RESPONSABILIDADES E OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS
  6. 6.  Mudanças tecnológicas e ambientais – adaptações do profissional de logística a este novo perfil (resiliência).  Poder de desenvolver e trabalhar em atividades simultâneas, visão de novas tendências e adaptação a mudanças. Papel do profissional de logística no comércio exterior
  7. 7.  Gestor multidisciplinar; recursos materiais e humanos, manutenção, processos, fiscais e financeiros) - mão-de-obra escassa  Língua estrangeira – Inglês, espanhol, mandarim, japonês, ... Papel do profissional de logística no comércio exterior
  8. 8.  Sistemas eletrônicos - (ERP, WMS e TMS, internet, redes sociais, office ...),  Interação com as áreas internas,  Foco nos Clientes e Fornecedores,  Visão de processos, Papel do profissional de logística no comércio exterior Conhecimento técnicos de logística tornou-se algo obrigatório;
  9. 9.  Prestação de serviços com maior qualidade e segurança.  Conhecimentos de matemática financeira, custos, estatística, e ferramentas de gestão da qualidade (Paretto, Ishikawa, MASP, PDCA, CCQ, 5S, ...)  Legislação tributária – ICMS, IPI, II, PIS, COFINS, ISS,... Conhecimento técnicos de logística tornou-se algo obrigatório; Papel do profissional de logística no comércio exterior
  10. 10.  Treinamento/reciclagem - Conceitos e técnicas do dia a dia expostos e teorizados em sala de aula.  Demanda para os cursos tecnológicos aumentando para atender necessidades do mercado  Visão globalizada - não restrita a Supply Chain. Papel do profissional de logística no comércio exterior
  11. 11.  Contatos externos – percepção das dificuldades; delivery, pós venda. (Melhoria contínua)  Profissional precisa entender seu papel nos negócios da empresa, sua capacidade de gerar soluções e trazer lucro. Papel do profissional de logística no comércio exterior
  12. 12. RESUMO  Sumário dos tópicos do módulo  Perfil dos profissionais logísticos  Conhecimentos técnicos obrigatórios  Papel do profissional logístico nas empresas Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] O papel do profissional de logística está basicamente voltado para o conhecimentos técnico das atribuições da área. B [ ] O profissional logístico tem que entender seu papel nos negócios da empresa, além de usar toda a sua capacidade de buscar soluções, tendo com meta a geração de lucro.
  13. 13. FASE 2 Os desafios e oportunidades
  14. 14. Os Desafios e Oportunidades  Investimentos e projetos (pré-sal)  Plataformas de perfuração e exploração,  Embarcações e unidades de produção em todo o litoral  Grande volume de aquisições  Enorme contratação de equipamentos/ferramenta Projetos na área de petróleo e gás
  15. 15.  Muita contratação de transporte  Gigantesca movimentação de materiais  Grande necessidade de planejamento e controle  Volume considerável de importações  Grande demanda por profissionais qualificados. Os Desafios e Oportunidades Projetos na área de petróleo e gás
  16. 16. Os Desafios e Oportunidades  Brasil e a Copa do Mundo de Futebol de 2.014. (Penta campeões, Pelé).  Após euforia – reflexão sobre requisitos logísticos para o evento.  Necessidade de investimentos em construção/modernização;  Estádios,  Aeroportos,  Hotéis/restaurantes/fastfood  Rodovias,  Ferrovias  Segurança Copa do Mundo e Olimpíadas
  17. 17.  Logística das pessoas e o evento.  Mais de 500 mil turistas estrangeiros  Delegações estrangeiras (jogadores e comissão técnica),  Profissionais de imprensa, médicos e outros profissionais  Movimentação interna de brasileiros.  Comércio varejista/atacadista  Entretenimento Os Desafios e Oportunidades Copa do Mundo e Olimpíadas
  18. 18.  Meios de comunicação  Cobertura televisiva  Internet  Telefonia internacional  Informações turísticas (em mais de um idioma) em pontos estratégicos; local, dias e horários de jogos, pontos turísticos próximos, hotéis, restaurantes e rotas para os eventos, inclusive GPS. Os Desafios e Oportunidades Copa do Mundo e Olimpíadas
  19. 19.  Integração perfeita de todos os meios de transporte; conexões entre estações de ônibus, metrô, trem, barco, avião.  Acessibilidade aos idosos e portadores de necessidades especiais.  Incentivo à aquisição antecipada dos bilhetes para evitar grandes filas tanto nos estádios como nos pontos turísticos, meios de transporte...  Meios de comunicação Os Desafios e Oportunidades Copa do Mundo e Olimpíadas
  20. 20. RESUMO  Desafios e oportunidades na área de logística  Projeto petróleo e gás  Copa das Confederações 2013  Copa do Mundo 2014  Olimpíadas 2016 Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] As perspectivas de emprego e renda para os profissionais de logística para a próxima década são muito promissoras, visto a necessidade latente de investimentos em infra estrutura, incremento do parque industrial, do aumento PIB e do volume de transações internacionais. B [ ] Os projetos da Petrobrás na exploração de petróleo e gás e os eventos relativos à Copa das confederações, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos vão gerar excelentes oportunidades para as operações logísticas no Brasil, gerando emprego e renda para os profissionais da área.
  21. 21. FASE 3 Os desafio e oportunidades (continuação)
  22. 22. Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA MALHA LOGÍSTICA; erro estratégico (Getúlio, JK) Os Desafios e Oportunidades
  23. 23. Malha Rodoviária  2 milhões km – 100 mil km (asfalto)  Custo de construção elevado (super faturamento)  Manutenção cara  Investimento alto  Custo operacional (km rodado/ton.) alto Malha Ferroviária  29 mil km (Maioria - Centro Sul)  Dois tipos de bitola  Investimento alto  Manutenção barata  Custo operacional (km rodado/ton.) baixo Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA Os Desafios e Oportunidades
  24. 24. Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA Sistema Aero Portuário  4.000 aeroportos  721 pavimentados  34 internacionais  Investimento alto (super faturamento)  Manutenção alta  Custo operacional (km rodado/ton) alto  Participação no sistema de transporte; 0,10 % Sistema Portuário Marítimo  8 mil km de litoral, 37 portos (11 grandes)  Custo de construção elevado (super faturamento)  Manutenção baixa  Custo operacional (km rodado/ton) baixo Os Desafios e Oportunidades
  25. 25. Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA Malha fluvial  23.000 km rios navegáveis  Investimento baixo  Manutenção baixa  Custo operacional (km rodado/ton) baixo;  1 lt diesel – 23 km; Caminhão (1 ton)  Trem (90 ton)  Barcaças (250 ton) Malha dutoviária  15.000 km de oleodutos e gasodutos  1.200 km de minerodutos  Investimento alto  Manutenção baixa  Custo operacional (km rodado/ton) baixo Os Desafios e Oportunidades
  26. 26. RESUMO  Malha portuária marítima  Malha aeroportuária  Malha dutoviária  Malha fluvial Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] O Brasil tem uma malha rodoviária de 2 milhões de km e sua utilização representa 62,7% da Matriz Logística do país e a malha ferroviária tem 29.000 km, representando 21,7% da Matriz Logística, o que é um contrassenso face às necessidades do país. B [ ] O País precisa trabalhar no sentido de incrementar a malha ferroviária, principalmente nos grandes corredores de movimentação de grãos, minérios e produtos siderúrgicos, visando agilizar estes processos e reduzir custos logísticos. Uma locomotiva arrasta 3.500 ton. de carga ao mesmo custo de um cavalo mecânico que arrasta 60 ton. de carga.
  27. 27. FASE 4 Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  28. 28.  AGENTE DE CARGA  Prestador de serviços logísticos para Embarcadores e Transportadores no comércio internacional aeroviário.  Atuam focados em definir rotas e frequências balanceando oferta e procura.  Atuam no varejo captando carga e oferecendo serviços diferenciados.  Atribuições; contratação de transporte de carga, consolidação de carga, unitização de cargas, controle de embarque de pedidos, visibilidade de informação, armazenagem e operações de contingência. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  29. 29.  O agente de carga é registrado nos órgãos reguladores governamentais e internacionais nos países em que opera.  Agentes de carga marítimos também são chamados de NVOCC (Non-Vessel – Owning Common Carrier)” Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  30. 30.  Funções do agente de carga  Trabalha para encontrar a melhor solução para o transporte da carga de seu cliente, estudando a melhor logística;  Emissão do Conhecimento de Embarque e entrega ao usuário.  Consolidação de cargas e desconsolidação.  Reserva de espaço no veículo transportador  Obtenção dos documentos necessários  Formulação do despacho junto a autoridade competente  Pagamento das taxas envolvidas. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  31. 31.  EMPRESA DE TRANSPORTE EXPRESSO INTERNACIONAL  Pessoa jurídica estabelecida no País que presta serviços de transporte internacional, porta a porta (via aérea);  Remessas expressas destinadas a terceiros,  Fluxo regular e contínuo, tanto na importação como na exportação,  Veículo próprio ou contratado Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  32. 32.  DESPACHANTE ADUANEIRO  Formulação da declaração de importação ou de exportação  Proposição da destinação dos bens submetidos ao controle aduaneiro,  Indicar o regime aduaneiro a aplicar às mercadorias  Comunicar os elementos exigidos para aplicação do regime aduaneiro. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  33. 33.  Praticar em nome dos representados os atos relativos ao despacho aduaneiro  Verificação da mercadoria, para sua identificação ou quantificação,  Recebimento do produto da importação após o desembaraço.  Para atuar como despachante tem que ser credenciado no Siscomex Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte  DESPACHANTE ADUANEIRO
  34. 34.  PORTOS SECOS - EADI  Recintos alfandegados de uso público, situados em zona secundária,  São executadas operações de movimentação, armazenagem e despacho aduaneiro de mercadorias e de bagagem, sob controle aduaneiro.  Prestação de serviços conexos sujeitos ao regime de concessão ou de permissão.  Instalado, preferencialmente, adjacente às regiões produtoras e consumidoras.  Executados todos os serviços aduaneiros a cargo da Secretaria da Receita Federal, inclusive os de processamento de despacho aduaneiro de importação e de exportação (conferência e desembaraço aduaneiros), permitindo a interiorização desses serviços no País. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  35. 35.  ZONA FRANCA  Região onde entram mercadorias nacionais ou estrangeiras sem se sujeitar às tarifas alfandegárias normais.  Ficam isoladas e geralmente são situadas em um porto ou em seus arredores.  Lugares onde o governo estimula a criação de empresas e indústrias com os impostos abaixo dos valores normais, além de ajudar com o capital financeiro. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  36. 36. RESUMO  Os Principais Atores Privados e de Governo  Funções na Área de Transporte  Agentes de carga  Empresas de transporte expresso internacional  Despachantes aduaneiros  Portos Secos – EADI  Zonas FrancasQuestão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] As Zonas Francas são lugares onde o governo estimula a criação de empresas e indústrias com os impostos abaixo dos valores normais, além de ajudar com o capital financeiro. B [ ] As Zonas Francas deveriam ser áreas de estimulo à ocupação de regiões remotas com baixo nível populacional e consideradas estratégicas em termos de segurança nacional. Nelas seriam implantadas indústrias com as características atuais como forma de incentivo ao investimento pela iniciativa privada.
  37. 37. FASE 5 Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  38. 38. LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA  Brasil tem +/- 80 tributos  Principais; ICMS, IPI, IRF, PIS, COFINS  Mão de obra especializada  Atualização constante  Softwares específicos  Perda de competitividade internacional Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  39. 39. LEGISLAÇÃO TRABALHISTA  CLT – 1943 – Carta del lavoro – Itália Brasil agrícola e analfabeto  Casuísmo legislativo; horas intinere, jornada dos caminhoneiros, empregadas domésticas, relógio eletrônico. Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  40. 40.  Contribuições, impostos e encargos; INSS, FGTS, Vale Transporte, Vale Refeição, Cesta básica, Férias, Adicional Férias, 13º salário, hora noturna, periculosidade, insalubridade, Ausência remunerada, Licenças, Repouso remunerado (DSR), Feriado, Rescisão contratual, Contribuição sindical, ...  Salário mínimo; R$ 719,48 + encargos/benefícios = R$ 2.000 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  41. 41. DESAFIOS ADUANEIROS  Retenção de mercadorias – compliance – divergência documental e informações.  Burocracia e morosidade. Elevação dos custos em 10% do valor dos materiais.  Sindicatos portuários; pressão, greves e salários elevados.  Liberação aduaneira no Brasil - 8 assinaturas Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  42. 42.  Liberação aduaneira no USA - 3 assinaturas  Ministério Indústria e Comércio exterior – Missão sem poder  Receita federal – Poder sem missão  Redesenho regulatório e infraestrutura (longo prazo)  Dever de casa – Competência dos profissionais – oportunidades!!! (curto prazo) DESAFIOS ADUANEIROS Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  43. 43. RESUMO  Análise e desafios para a logística de importação / exportação  Legislação tributária  Legislação trabalhista  Desafios aduaneiros Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] O país carece de uma reforma tributária e trabalhista que desonere o custo dos produtos finais, alivie o peso dos encargos sociais e gere mais emprego e renda para os trabalhadores. Uma reforma nestes moldes aumentaria o nível de emprego, aumentaria a competitividade dos produtos brasileiros e o principal beneficiado seria o próprio governo com o aumento em escala dos tributos. B [ ] A legislação tributária conta com mais de 80 tributos e absorve mais de 40% do PIB sem o retorno proporcional e a legislação tributária é pesada para os empregadores e pouca satisfatória para os empregados. As duas legislações elevam os preços finais dos produtos e geram perda de competitividade no mercado internacional.
  44. 44. FASE 6 A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  45. 45. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade  Preocupação com os custos organizacionais e/ou industriais.  Acirrada competição, buscando posicionamento frente aos consumidores.  Necessidade de garantir prazos de distribuição e oferta de um nível satisfatório de serviço.
  46. 46.  Preocupação com a absorção das crescentes oportunidades de operações econômicas no mercado internacional.  Personalização e diversificação de produtos, tecnologias, exportações e investimentos em P&D.  Desenvolvimento de estratégias para promover a modernização e a eficácia das operações de logística nas empresas brasileiras. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  47. 47.  Busca constante da reciclagem ( práticas e aplicações logística); congressos, fóruns, cursos, treinamentos e benchmarking.  Relevância logística - investimentos em CDs, equipamentos de movimentação, operação, armazenagem, softwares de gestão, roteirização e consultoria especializada. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  48. 48.  Os investimentos objetivam tornar as empresas mais competitivas e com uma performance de custo baixo e disponibilizar produtos e materiais nos mercados e pontos de consumo com a máxima eficiência, rapidez e qualidade.  Ações e decisões dos gestores logísticos têm que ser deliberadas e planejadas. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  49. 49.  Planejamento da cadeia logística e conhecimento dos gargalos, gerando eficácia na gestão dos processos:  Níveis de serviços aos clientes  Localização das instalações;  Decisões sobre estoques  Decisões sobre transporte  Planejamento fomenta crescimento e prospecta oportunidades para obter maior participação no mercado A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  50. 50.  Distribuição assertiva nos pontos de vendas garante a compra (visibilidade e disponibilidade)  Logística é um fator de competitividade, sendo necessário unir esforços no desenvolvimento dos profissionais da área, adotando um planejamento de longo prazo para o crescimento de mercado e do atendimento. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  51. 51. RESUMO A importância da logística para as organizações. Fatores de competitividade; Custos organizacionais Competição Prazos e demandas Crescimento internacional e avanço tecnológico Estratégias para a eficácia Investimentos Planejamento logístico Distribuição Fatores competitivos Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] Logística é um fator de competitividade, sendo necessário unir esforços no desenvolvimento dos profissionais da área, adotando um planejamento de longo prazo para o crescimento de mercado e do atendimento. B [ ] O planejamento das ações logísticas, atuando de maneira firme e assertiva no nível de serviços ao cliente, na correta localização e estruturação das instalações na definição ideal dos níveis de estoque e na gestão eficaz da movimentação dos materiais determinam os fatores de competição.
  52. 52. www.facebook.com/AbracomexADM E receberá nossas dicas, promoções e notícias sobre comércio exterior e logística.
  53. 53. Contatos: www.abracomex.org | atendimento@abracomex.org http://twitter.com/abracomex | Skype: abracomex Portal de ensino: www.abracomexonline.org Facebook: www.fb.com/abracomexadm Telefone: 4062-0660 Ramal:0405

×