Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
COLÉGIO ESTADUAL DONA AMÉLIA AMADO                   ENSINO DE MATÉMATICA                    E SUAS TECNOLOGIASOPERAÇÕES M...
2011                                                        SUMÁRIO1.0    APRESENTAÇÃO.......................................
APRESENTAÇÃO         Situado na Av. Manoel Chaves S/N – Bairro São Caetano na cidade deItabuna – Ba, o Colégio Estadual Do...
EMBASAMENTO TEÓRICO:       No entendimento de Paulo Freire (1996), aprendizagem independe de lugar ehora, bem como também ...
sentido é imperativo que os professores dessa disciplina se envolvam em programasque visem à ampliação das possibilidades ...
É nesse sentido que Paulo Freire (1996, p. 42) afirma que “uma das tarefasmais importantes da prática educativa crítica é ...
confiança em sua capacidade, ele começa a perseguir objetivos cada vez mais altose se sente compensado a atingi-los.      ...
METODOLOGIA      As atividades serão realizadas no campus da escola e na comunidadecomposta pelos bairros onde os alunos r...
CRONOGRAMA DE ATIVIDADES      O cronograma de utilização dos laboratórios de ciências e informática foiplanejado de forma ...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASAULER, Décio & Delizoicov, Demétrio. Alfabetização Científico-Tecnológica paraquê? Ensaio – Pesq...
UNIDADES               DE            MEDIDAS.             Disponível         em:<http://www.tvcultura.com.br/aloescola/lin...
ANEXOS         12
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010

41,421 views

Published on

Projeto de Ensino, Estratégias para o ensino de matemática

Published in: Education, Technology

Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010

  1. 1. COLÉGIO ESTADUAL DONA AMÉLIA AMADO ENSINO DE MATÉMATICA E SUAS TECNOLOGIASOPERAÇÕES MATEMÁTICAS DE CASA E DO COTIDIANO: Uma abordagem diferenciada dos conteúdos da 5ª série do ensino fundamental Projeto de Ensino desenvolvido no Colégio Estadual Dona Amélia Amado pelos alunos de Matemática da 5 série do Ensino Fundamental, sob orientação do professor Abraão Matos. Equipe Executora ___________________________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Itabuna-Ba
  2. 2. 2011 SUMÁRIO1.0 APRESENTAÇÃO............................................................................................. 32.0 JUSTIFICATIVA................................................................................................. 33.0 OBJETIVOS...................................................................................................... 35.0 EMBASAMENTO TEÓRICO............................................................................. 36.0 METODOLOGIA (funcionamento).................................................................... 410.0 CRONOGRAMA................................................................................................. 811.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.................................................................. 912.0 RECURSOS NECESSÁRIOS........................................................................... 1013.0 ANEXOS............................................................................................................. 11 12
  3. 3. APRESENTAÇÃO Situado na Av. Manoel Chaves S/N – Bairro São Caetano na cidade deItabuna – Ba, o Colégio Estadual Dona Amélia Amado, Funciona nos três turnosatendendo ao Ensino Fundamental e Médio seriação e Modalidades EJA II e III. Atuacom 17 (dezessete) salas de aula nos turnos matutinos e vespertinos e 16(dezesseis) salas no turno noturno. Tendo como valores: o compromisso,participação, inovação e respeito e como missão oferecer um ensino inovador,direcionado à formação humana, visando o exercício pleno da cidadania, resgatandoa dignidade da escola pública. É nesse contexto que se insere o presente projeto deensino de matemática.JUSTIFICATIVA O presente projeto constitui-se numa estratégia didática, facilitadora doprocesso de ensino aprendizagem de matemática, nas séries iniciais. O mesmobusca através das práticas do professor e do cotidiano do aluno, ensinar asoperações matemáticas e fundamentos, corrigindo as distorções oriundas das sériesiniciais as quais os alunos perpassaram. Nesse sentido, o projeto justifica-se porpromover de forma indireta a interdisciplinaridade entre o núcleo de exatas aquirepresentadas pela matemática com as linguagens, mostrando de forma simples econcisa, as diversas operações e conceitos matemáticos incutidos no cotidiano doaluno. 3
  4. 4. EMBASAMENTO TEÓRICO: No entendimento de Paulo Freire (1996), aprendizagem independe de lugar ehora, bem como também não está vinculada exclusivamente às informações trazidaspelo professor, nem também à sua metodologia de trabalho. Acontecesimultaneamente com a vivência, ou seja, as pessoas aprendem coisas novas acada instante e com os mais diversos meios, na maioria das vezes, longe de umaperspectiva sistematizada ou metodologicamente formalizada. Nessa concepção,educador é um facilitador da aprendizagem. Conforme “As Orientações Curriculares Estaduais para o Ensino Médio” (2005p. 42.) “os espaços de aprendizagem extrapolam as dimensões da sala de aulaampliando-se para bibliotecas, espaços virtuais, dentre outros, onde a condição paraa aprendizagem aconteça”. É nesse sentido que o ato pedagógico deve pretender ainserção de novos conteúdos através de uma constate busca de novaspossibilidades de interação entre os elementos que aprendem. Nessa abordagemcita-se também o educador como um eterno aprendiz, não apenas de novosconteúdos, mas também e principalmente de novas formas de relacionar taisconteúdos com as possíveis formas de desenvolvimento dos mesmos dentro dotrabalho pedagógico Num Projeto de aplicação prática dos conhecimentos de Matemática,desenvolvido a partir da atuação dos próprios educandos, o critério central é o dacooperação mútua, em que se buscam estabelecer o aperfeiçoamentoindividualizado, com o objetivo de se atingir o equilíbrio coletivo em relação aosconteúdos relacionados às disciplinas supracitadas, possibilitando assim avançossignificativos em relação à aprendizagem dessa disciplina e conseqüentemente aoprocesso educativo sistematizado no ambiente escolar. Desse modo podem-se criarconexões entre os mais diversos conceitos científicos e entre diferentes formas deraciocínio com base nesses princípios. Em se tratando de Matemática, disciplina considerada de difícil acesso pelagrande maioria dos educandos, torna-se necessário a implantação de projetos queseja criterioso abrangente e que a desmistifique para esses educandos. Nesse 4
  5. 5. sentido é imperativo que os professores dessa disciplina se envolvam em programasque visem à ampliação das possibilidades de desenvolvimento da aprendizagem dasCiências, como meio de superar essa suposta inacessibilidade. Facilitando-se a compreensão dos conteúdos elementares a partir daconstrução do saber embasado em dados norteadores propostos pelo professor-pesquisador gerando o desenvolvimento da curiosidade intelectual no discente.Dessa forma, cria-se nos educandos a confiança de que eles necessitam para seguirem frente na busca de novas descobertas, estimulando-lhes o senso crítico e aautonomia. O que propõe um projeto pedagógico que possibilita a reflexão e adiscussão entre os próprios educandos de conteúdos desenvolvidos na suaformação é uma prática educativa libertadora, desvinculada de padronizações e deparadigmas. Uma pratica que se propõe a considerar os avanços sociaistecnológicos e científicos e históricos. Por trás dessa proposta verifica-se reconhecimento de que é possíveldinamizar a aprendizagem através da atuação dos próprios educandos. Tal fatoevidencia a importância dos mesmos na construção do conhecimento econseqüentemente da sua contribuição no processo de evolução em que seencontra a sociedade como um todo e na sua própria transformação. É nessesentido que se pode considerar a importância do Projeto de Ensino; OPERAÇÕESMATEMÁTICAS DE CASA E DO COTIDIANO: Uma abordagem diferenciada dosconteúdos da 5ª série do ensino fundamental como forma de se possibilitar umamelhor participação da Escola na construção de uma sociedade cada vez maisigualitária e letrada. Trata-se, portanto, de um projeto que vem possibilitar o compartilhamentodinâmico e produtivo dos conteúdos de matemática e atualidades entre oseducandos através do desenvolvimento de atividades extraclasse. Nesse contexto,Fazenda aponta. Com as experiências vividas, constatamos que, ao ser a tecnologia como uma ferramenta pedagógica, é possível mudar o ambiente de aprendizagem para facilitar a construção do conhecimento do educando, tornar o ensino cooperativo e, principalmente, propiciar uma postura interdisciplinar do professor (Fazenda, 1995). 5
  6. 6. É nesse sentido que Paulo Freire (1996, p. 42) afirma que “uma das tarefasmais importantes da prática educativa crítica é propiciar as condições em que oseducandos em suas relações uns com os outros e todos com o professor ensaiam aexperiência profunda do assumir-se como ser social e histórico, como ser pensante,comunicante, transformador, criador, realizador de sonhos, capaz de ter raivaporque capaz de amar. Um Projeto dessa natureza precisa levar em conta todos os aspectos queenvolvem o Sistema Público Educacional e a isso está relacionado às instalaçõesfísicas da Unidade Escolar onde o projeto está sendo desenvolvido, bem como todosuporte técnico e a disponibilidade de material didático para ser utilizado. Educar não é transferir conhecimentos, mas criar possibilidades para a suaprodução ou a sua construção (FREIRE, 1996, p. 25). Nesse sentido, reconhecendo-se que o processo de desenvolvimento intelectual e psicológico das crianças e dosadolescentes é um processo gradativo, e está relacionado com uma série de fatoresinternos e externos a estes indivíduos, torna-se necessário que haja umapreparação dos monitores na questão do relacionamento pessoal e afetivo. Essapreparação deverá ser efetivada a partir da indicação do professor de referênciasbásicas a respeito dessas questões e da posterior verificação do mesmo nessesentido. Segundo Martins (2000), nossa cultura é uma cultura (também) científica. Porisso, quando pensamos na inserção do conhecimento científico em nossasociedade, não o fazemos a partir de uma perspectiva utilitarista, para a qual o saberciência encontraria sua razão nas necessidades do “mercado”, ou na compreensãoimediata do funcionamento de objetos (tecnológicos) do “cotidiano”. Para nós, acultura científica é algo mais amplo, que encontra suas raízes na história dahumanidade e abarca um universo de saberes que vai além do útil. Envolve tambémum saber sobre a ciência, seus métodos, sua lógica de funcionamento, suasinstituições, suas diferenças em relação a outras formas de conhecimento. Conforme Cória-Sabini, (1986, p. 44) As tarefas devem ser elaboradas demodo que possibilitem o progresso. Na medida em que o estudante adquire 6
  7. 7. confiança em sua capacidade, ele começa a perseguir objetivos cada vez mais altose se sente compensado a atingi-los. Vale salientar que o aspecto afetivo se encontra implícito no próprio ato dejogar, uma vez que o elemento mais importante é o envolvimento do indivíduo quebrinca. Ensinar Matemática é desenvolver o raciocínio lógico, estimular opensamento independente, a criatividade e a capacidade de resolver problemas.Nós como educadores matemáticos, devemos procurar alternativas para aumentar amotivação para a aprendizagem, desenvolver a autoconfiança, a organização, aconcentração, estimulando a socialização e aumentando as interações do indivíduocom outras pessoas. O uso de jogos atividades lúdicas e curiosidades no ensino da Matemáticatem o objetivo de fazer com que os alunos gostem de aprender essa disciplina,mudando a rotina da classe e despertando o interesse do aluno envolvido. Aaprendizagem através de jogos, como dominó, quebra-cabeça, palavras cruzadas,memória e outros permitem que o aluno faça da aprendizagem um processointeressante e divertido. Analisando as possibilidades do jogo no ensino da Matemática, percebemosvários momentos em que crianças e jovens, de maneira geral, exercem atividadescom jogos em seu dia-a-dia, fora das salas de aula. Muitos desses jogos culturais eespontâneos apresentam impregnados de noções matemáticas que sãosimplesmente vivenciadas durante sua ação no jogo. 7
  8. 8. METODOLOGIA As atividades serão realizadas no campus da escola e na comunidadecomposta pelos bairros onde os alunos residem, assim como em suas casas. As atividades serão desenvolvidas durante o ano de 2011, serão obrigatóriase, terão duas horas aulas semanais, divididas nos dois turnos diurnos de acordocom a disponibilidade de tempo de cada aluno por semana, abrangendo atividadesinternas e externas a unidade escolar, em período contrário ou não ao horárionormal de aulas. Os alunos poderão escolher livremente um dos horários quedeverão utilizar para o desenvolvimento das atividades seja dentro e/ou fora daescola. Será feita a preparação e organização das atividades experimentais, com aelaboração de roteiros básicos para a construção e ou desenvolvimento dasmesmas, sobre os conteúdos abordados, de forma paralela, com o conteúdodesenvolvido pelo prof. responsável pela aula teórica. As atividades poderão ser de caráter qualitativo ou quantitativo, realizadasindividual ou em grupo, dependendo das condições materiais, e dos conteúdosabordados. Para cada atividade o aluno deverá elaborar um pequeno relatório que faráparte de sua avaliação bimestral de forma somatória. Também farão parte do projeto, os laboratórios de ciências e informática daescola, através da execução de experimentos teóricos e práticos (softwareseducacionais e Objetos de Aprendizagem), os registros dos experimentos em formade textos, dissertativos, descritivos, e/ou narrativos, bem como dos temas a essescorrelatos ou não, serão publicados no fórum de discussões, nos moldes daplataforma moodle, construído pelo professor-pesquisador, utilizando como suporteos recursos do Google (Gmail, Google drive, Google docs, etc.) os quais serãodesenvolvidos com os alunos durante o horário letivo – apenas as orientações edirecionamentos – assim como em horários extras, onde o professor pesquisadoratuará como tutor tirando dúvidas dos alunos em ambiente virtual. 8
  9. 9. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES O cronograma de utilização dos laboratórios de ciências e informática foiplanejado de forma que haja disponibilidade do professor coordenador supervisionaras atividades sem comprometer a carga horária da disciplina no que se refere aosconteúdos programados para as unidades. O projeto será desenvolvido durante todo o ano letivo dando suporte aoprofessor das disciplinas afins. CRONOGRAMAS DAS AÇÕES DO PROJETO EM 2010 Atividades Fev/Mar Abr/Mai Jun/Jul Ago/Set Out/Nov Dez Divulgação do Projeto nas turmas. X Treinamento dos alunos no ambiente virtual X X X X Construção do Blog do projeto e X X X X X X Exposição de Registros Desenvolvimento dos Experimentos X X X X X X pelos alunos Análise do projeto e construção de X X X X X X Relatório por Unidade Escolar 9
  10. 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASAULER, Décio & Delizoicov, Demétrio. Alfabetização Científico-Tecnológica paraquê? Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 3(2), 105-115, 2001.BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico. Trad.: Estela dos SantosAbreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.CARVALHO, Anna Maria Pessoa de & Gil-Pérez, Daniel. Formação de professoresde ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez, 1998, 3.ed.DELIZOICOV, Demétrio, Angotti, José André & Pernambuco, Marta Maria CastanhoAlmeida. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo, Cortez, 2002.IZIQUE, Claudia & Moura, Mariluce. Imagens da Ciência. Revista Pesquisa Fapespnº 95,16-21, 2004.MEC, Legislação Educacional. LDB – Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoNacional (Lei no 9394). 1996. Disponível em:<http://www.mec.gov.br/legis/pdf/lei9394.pdf>. Acessado em: 24-Ago-2004.MEC, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio:orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais.Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, SEMTEC,2002.PIMENTA, Selma Garrido & Anastasiou, Léa das Graças Camargo. Docência noensino superior (volume I). São Paulo: Cortez, 2002.ENSINO DE CIÊNCIAS: DESAFIOS À FORMAÇÃO DE PROFESSORES AndréFerrer Pinto Martins Depto. de Educação, Centro de Ciências Sociais Aplicadas,UFRN Campus Universitário, BR 101, Lagoa Nova 59072-970 Natal, RN, Brasil.Disponível em: <http:// www.ccsa.ufrn.br/ccsa/docente/andreferrer/ftp/2005-Artigo%2520Educacao%2520em%2520Questao.pdf+a+escrita+no+ensino+de+ciências+fundamentos+e+métodos&hl=pt-BR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESjYq3uLpLDYs8hatH_ARVrFtslH3kGB8F1uyTTcFYHOwOvt4LJCWpq7NH>. Acesso em: 01.08.10.EXPERIMENTOS DE QUÍMICA. Disponível em:<http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc32_2/>. Acesso em: 01.08.10.O LIVRO DE OURO DE EXPERIMENTOS DE QUÍMICA. Disponível em:<http://quimicauniversitaria.blogspot.com/>. Acesso em: 30.06.10.PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Disponível em: <http://www.mocho.pt/Ciencias/Quimica/Laboratorio/>. Acesso em: 20.07.10. 10
  11. 11. UNIDADES DE MEDIDAS. Disponível em:<http://www.tvcultura.com.br/aloescola/linguaportuguesa/problemasgerais/normaseconvencoes-simbolosesiglas.htm>. Acesso em: 22.07.10.RECURSOS NECESSÁRIOS • Cartolinas; • Lápis Hidrocor; • Sólidos Geométricos; • Papelão; • Papel Ofício; • Papel Madeira; • Listas de Compras; • Panfletos; • Tesouras; • Computador; • Data-Show • Máquina de Xerox; • Calculadora; • Isopor; • Outros 11
  12. 12. ANEXOS 12

×