Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Soutode moura

7,108 views

Published on

Published in: Education

Soutode moura

  1. 1. DADOS BIOGRÁFICOS  Nasceu no Porto no dia 25 de Julho de 1952  Formou-se na Escola Superior de Belas Artes, no Porto  1974-1979: iniciou a sua carreira colaborando no atelier de Álvaro Siza Vieira.  Em 1980 termina a licenciatura e inicia a actividade como profissional liberal  A partir de 1981, inicia a carreira académica, primeiro como assistente, depois como professor convidado, em várias escolas do país e do estrangeiro.
  2. 2. PRINCIPAIS PRÉMIOS 1992 - Prémio Secil de Arquitectura: 1º. Prémio para a construção de auditório e biblioteca infantil da Biblioteca Pública Municipal do Porto 1998 - 1º. Prémio I Bienal Ibero- Americana com a Pousada de Santa Maria do Bouro. Prémio Pessoa/98.
  3. 3. PRINCIPAIS PRÉMIOS 2004 - Prémio Secil de Arquitectura: 1º. Prémio para a construção do Estádio Municipal de Braga 2011 - Prémio Pritzker 2011 - Prémio Secil de Arquitectura: 1º. Prémio para a construção da Casa das Histórias Paula Rego
  4. 4. PRINCIPAIS PRÉMIOS 2011 - Prémio Pritzker O Prémio Pritzker foi criado em 1979 pela Fundação Hyatt, gerida pela família Pritzker, sendo muitas vezes chamado de "o Nobel da arquitetura“ É atribuído anualmente ao arquiteto, ainda em vida, que melhor cumpra os princípios enunciados por Vitrúvio: solidez, beleza e funcionalidade.
  5. 5. CARACTERÍSTICAS DA SUA OBRA ARQUITECTÓNICA
  6. 6. CARACTERÍSTICAS DA SUA OBRA ARQUITECTÓNICA Racionalismo compositivo Simplicidade estrutural Linguagem modernista e minimalista Plantas livres Paredes brancas Textura dos materiais Respeito pela tradição construtiva Inserção na realidade local
  7. 7. CASO PRÁTICO ESTÁDIO MUNICIPAL DE BRAGA
  8. 8. ESTÁDIO DE BRAGA Cliente: Câmara Municipal de Braga Data do Projecto de Arquitectura: Janeiro 2000 Data da Construção: Jan. 2002 / Dez. 2003 Local: Monte Crasto, Parque Norte, Braga
  9. 9. A CONCEPÇÃO DO PROJECTO “Eduardo Souto de Moura lutou pela ideia de um estádio agarrado ao espaço da antiga pedreira; para tal desenvolveu uma tipologia diferente: duas bancadas longitudinais paralelas, vendo num dos topos a rocha, no outro uma abertura sobre o vale e a luz (…). Cobriu-o “levemente” usando os cabos que lhe rigidificam as bancadas – uma, escorada no que restou da montanha, a outra, enorme, erguida à nossa chegada” Manual Graça Dias, Expresso, 2005-01-22
  10. 10. É um projeto de linhas arquitetónicas inovadoras, próprias de um estádio com 30 mil lugares de capacidade e apenas duas bancadas laterais. Os topos do estádio são constituídos pelo anfiteatro rupestre da encosta do monte.
  11. 11. A bancada do lado nascente
  12. 12. A cobertura tem como referência "as pontes construídas pela civilização Inca", no Perú, de modo a iluminar a relva com luz natural, preservando assim a qualidade natural do relvado.
  13. 13. PALAVRAS DE SOUTO DE MOURA NUMA ENTREVISTA A JOSÉ MATEUS  JM: Visitou outros estádios de futebol?  ESM: Comecei a visitar estádios por razões técnicas: em Sevilha vi dois, em Itália vi o estádio que me parecia mais bonito, o de Bari, do Renzo Piano, que tem fortes influências no de Braga. (...) Claro que também estudei futebol e comecei a ir ao futebol com cronómetros a medir o tempo de evacuação dos estádios, pois tem de se poder sair em sete minutos. (...)
  14. 14. PALAVRAS DE SOUTO DE MOURA NUMA ENTREVISTA A JOSÉ MATEUS  JM: Muita gente deve ter a ideia de que Souto de Moura faz uns desenhos extraordinários e depois sai um estádio daqueles. Sabemos que as coisas não são bem assim: trabalha-se muito e os resultados vão evoluindo, aos poucos, e com os esforços de uma equipa pluridisciplinar extensa…  ESM: Eu sou, ou era, um arquitecto de escalas pequenas, fazia muitos projectos de casas, e depois apareceu esta oportunidade. (...) Braga foi uma oportunidade única, agarrei-a com os dentes todos. (...) Eu mudei a minha maneira de viver, quero dizer, os tempos eram apertados, a informação faltava... há pessoas que vão para retiros, outras preferem momentos de reflexão junto aos monges na Índia ou no Tibete. Eu fui para o estádio do Braga. Fiz um gabinete só de estrangeiros — não é que eu tenha algo contra os portugueses, mas era preciso trabalhar dia e noite e isso é mais fácil para um japonês que vem trabalhar para o Porto. Havia uma grande intensidade, as pessoas só viviam para aquele projecto. Começamos a viajar e era informação, cinema, televisão, Suíça, UEFA, FIFA, regulamentos, segurança, etc. (...) E o projecto foi alterado inúmeras vezes durante a obra. (...)
  15. 15.  JM: A minha percepção do estádio é que, sendo desenhado com o sítio, não constrói com ele uma ideia de harmonia...  ESM: Não é nada amável, ele compete com o sítio, mas isso é um tema que eu gosto imenso: a expressão 'natureza e artefacto’ é uma frase bastante batida mas vêem-se as energias naturais e de como elas se contrapõem à arquitectura, quer em termos de paisagem e silhuetas quer em termos físicos. Mal foi aprovado que o estádio iria ser feito como eu sugeria, fui a Epidauros, na Grécia, porque o tema era aquele. Eu não fazia a mínima ideia do que era a relação com a paisagem, como se faziam os cenários de filtragem... Não há arquitectura aberta, mas há filtros. Há os bosques, que para além de garantirem a acústica criavam um primeiro limite e davam um ambiente, e há a paisagem com a silhueta ao fundo. Coisas que os gregos faziam muito bem. E fui a Corinto, ver o canal. Foi nesses sítios e nas visitas que fiz aos estádios que fui encontrando as sugestões para Braga.
  16. 16. ESM: Há algumas semanas, o estádio foi tema de um Congresso da Ordem dos Engenheiros em Braga. Eu fiz uma apresentação mas falei em termos de engenharia pois não sei explicar a arquitectura do estádio sem falar da maneira como trabalhei com os engenheiros. (...). O Presidente da Câmara concluiu: 'Gostava de dizer uma coisa: isto é uma loucura completa e eu sou louco porque aderi a outro louco que é aquele senhor que está ali com barba, mas só queria dizer que, se fosse hoje, eu repetia tudo desde o início’.
  17. 17. Fim

×