Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Paula rego

21,388 views

Published on

Published in: Education

Paula rego

  1. 1. Biografia I • Paula Rego nasceu a 26 de Janeiro de 1935, em Lisboa, oriunda de uma família republicana . • Incentivada pelo pai a prosseguir o seu desenvolvimento artístico fora do Portugal salazarista dos anos 50, Paula Rego ingressa na prestigiada Slade School of Fine Art, em Londres, com apenas 17 anos.
  2. 2. Biografia II • Será aí que conhecerá vários artistas, entre os quais o seu futuro marido, Victor Willing, com quem vem a casar em 1959 e de quem vem a ter três filhos. • Dividindo o seu tempo entre Portugal e Londres ao longo dos anos 60, Paula Rego instala-se definitivamente nesta cidade a partir de 1976, não obstante visitas e regressos a Portugal e, sobretudo, à sua casa de família na Ericeira. • Actualmente, trabalha e reside em Londres, sendo representada pela Marlborough Fine Arts.
  3. 3. Reconhecimento internacional • O reconhecimento de Paula Rego acontece desde bastante cedo, mas será sobretudo a partir dos anos 90, aos 50 anos de idade, que se tornará um nome incontornável, não só no panorama artístico português ou inglês, mas também no plano internacional. • A artista foi inúmeras vezes convidada a produzir obras para galerias e exposições específicas, não raramente em diálogo com as suas colecções, tornando-se, em 1990, Primeira Artista Associada da National Gallery, em Londres. • Paula Rego conta com inúmeras exposições individuais e retrospectivas em museus e galerias de renome, e com inúmeros prémios e distinções.
  4. 4. Prémios • 1971 - Prémio dos Críticos, Sóquil • 1984 - Premiada, TWSA Touring Exhibition, Newlyn Arts Centre, Penzance • 1987 - Prémio Benetton/Amadeo de Souza-Cardoso, Casa de Serralves, Porto • 1989 - Prémio Turner 89, Londres • 1998 - Prémio Bordalo da Casa da Imprensa 1997, Lisboa • 1998 - Prémio AICA’97, Lisboa • 2001 - Prémio Celpa/Vieira da Silva
  5. 5. Em2010, Paula Rego recebeu a Ordem do Império Britânico com o grau Dama Oficial pela sua contribuição para as artes. Paula Rego é considerada uma das quatro melhores pintoras vivas de Inglaterra, sendo uma das mais aclamadas figuras portuguesas internacionalmente. Em 2011 recebeu o Doutoramento Honoris Causa da Universidade de Lisboa.
  6. 6. Jean Dubuffet, Les commentaires, 1978 Influências e obra
  7. 7. Paula Rego, Guerra, 2003 Surrealismo Influências e obra
  8. 8. Paula Rego, Mulher Cão, 1994 Expressionismo Influências e obra
  9. 9. Paula Rego, Noiva, 1994 Aproximação à representação naturalista nos anos 80 Influências e obra
  10. 10. Influências e obra Quadros de grandes dimensões O desenho é o ponto de partida Paula Rego. “Inundação”. 2002
  11. 11. Paula Rego. “A Sofreguidão dos Peixes”. 1985 Influências e obra Recordações de infância
  12. 12. Paula Rego, Tríptico (Série “Aborto”). 1997-1999 Influências e obra Retrato crítico da realidade
  13. 13. Paula Rego, “As Lições de Betrothal” (Série Hogarth). 1999 Influências e obra As cenas retratam cenas de uma história, com teor dramático
  14. 14. Paula Rego, “Casa de Celestina”. 2001 Influências e obra Figuras grotescas, saídas de contos de fadas, tratadas de forma irónica e, por vezes, cruel
  15. 15. Influências e obra O tema principal são as mulheres troncudas, ossudas, cabeludas , libidinosas Paula Rego, Mulher Cão, 1994
  16. 16. Caso prático: “O Celeiro” Data: 1994 Acrílico sobre tela Tema: rapariga a ser espancada por duas adolescentes Linguagem técnico-formal: - Influências - Planos - Composição - cores
  17. 17. Caso prático: “O Celeiro” Linguagem técnico-formal: – Realismo/neoexpressionismo – Obra com vários planos – Composição é dominada por uma figura central – Composição com diversos enquadramentos (BD) – Cores variadas
  18. 18. A rapariga que voa com os morcegos A “estante” das galinhas O rato que mama da vaca Duas fustigadoras A figura principal: uma mulher prostada em cima de um manto preto Morcegos, símbolo dos medos tradicionais
  19. 19. Caso prático: “O Celeiro” Inspiração: • Arte popular • Conto de Joyce Carol Oates: “ A história conta a amizade entre duas adolescentes de fraco carácter que tinham por hábito faltar à escola. A certa altura, uma arranja um namorado, o que torna a outra ciumenta, e as duas separam-se. A jovem com ciúmes descobre, no meio do campo, um celeiro deserto e quando está a explorá-lo aparece uma velha que a espanca selvaticamente. A velha é um fantasma. Desaparece depois de a ter feito jurar guardar segredo. O tempo passa e um dia a outra rapariga é encontrada morta no celeiro. O namorado é preso, mas nenhuma prova incriminatória vem a ser encontrada.” John McEwen, Paula Rego, Galeria III, Quetzal Editores
  20. 20. Significado da pintura • Estão representados um conjunto de medos, desde os receios ancestrais dos morcegos/vampiros, aos floridos trabalhos do dia-a-dia do estábulo ou à imagem da própria mulher que, mais que tratadora de animais, se apresenta eroticamente prostada sobre palhas recobertas de pano negro. • Outras mulheres (ou a mesma?) fustigam com vergastas não a passiva e fértil vaca, mas a sua própria imagem enquanto mulheres (marginais assumidas). • Pintura no feminino e sobre o feminino adensado de fantasmas de masculinidade e de raízes sentidas nas formas fortes e nas cores soturnas/sombrias, ainda que marcadas pelo girassol amarelo, ou animadas pelo elemento animal – a vaca -, que se coloca no centro do olhar entre estruturas de cenografia de um estábulo, procurando uma aproximação ao real pelo irracional. • As formas femininas, em plano frontal, expressam força física, impondo-se a um mundo que ainda as lê delicadas e impotentes.
  21. 21. FIM

×