Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
SISTEMAS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS
Circuitos Elétricos
CFQ – 9ºAno
Docente: Flávia Freitas
Page  2
O QUE É A ELETRICIDADE?
Page  3
 Fenómeno resultante da interação entre cargas elétricas, constituintes
fundamentais da matéria.
 Corpos carreg...
Page  4
 Se as cargas elétricas se encontram paradas, chama-se eletricidade
estática, mas se estiverem em contínuo movim...
Page  5
 FRICÇÃO: ocorre quando há transferência de cargas elétricas negativas
(eletrões) de um objeto para outro.
PROCE...
Page  6
 INDUÇÃO: ocorre quando um corpo carregado se aproxima de outro,
sem lhe tocar, provocando uma redistribuição da...
Page  7
ELETRIZAÇÃO POR FRICÇÃO
Ao friccionarmos a caneta,
estamos a provocar o
deslocamento de eletrões
da caneta para o...
Page  8
ELETRIZAÇÃO POR INDUÇÃO
Page  9
 Para que se estabeleça corrente elétrica é necessário a existência de um
circuito através do qual estas cargas ...
Page  10
Os componentes de um circuito elétrico podem ser agrupados de acordo
com a sua função:
 FONTES DE ENERGIA: forn...
Page  11
FONTES DE ENERGIA
Page  12
RECETORES DE ENERGIA
Page  13
SISTEMAS DE LIGAÇÃO
Page  14
OUTROS COMPONENTES E SÍMBOLOS PARA
CIRCUITOS ELÉTRICOS
Page  15
Sentido da corrente elétrica
Page  16
Sentido da corrente elétrica
Corrente contínua (DC)
 As cargas elétricas movimentam-se sempre no mesmo sentido.
Page  17
Sentido da corrente elétrica
Corrente alternada ou alterna (AC)
 O sentido do movimento das cargas elétricas mu...
Page  18
Instalação de recetores em série
As duas lâmpadas (recetores) estão instaladas em série, sendo
ligadas uma a seg...
Page  19
Instalação de recetores em série
Nos circuitos em série, como há um só caminho para a
corrente elétrica, verific...
Page  20
Instalação de recetores em paralelo
Cada lâmpada (recetor) é instalada numa ramificação diferente,
existindo, as...
Page  21
Instalação de recetores em paralelo
Nos circuitos em paralelo, como há vários caminhos para a corrente
elétrica,...
Page  22
Diferença de Potencial (d.d.p.)/Tensão
Múltiplos e submúltiplos do volt:
Mede a quantidade de energia que é nece...
Page  23
Diferença de Potencial (d.d.p.)/Tensão
 As reações químicas que ocorrem no interior das pilhas e baterias
provo...
Page  24
Como se mede a d.d.p.?
 Utilizando um voltímetro, analógico ou digital.
 Antes da medição é necessário verific...
Page  25
Como se mede a d.d.p.?
 Para medir a d.d.p. de um determinado componente o voltímetro deve
ser instalado em par...
Page  26
Intensidade da corrente elétrica
Múltiplos e submúltiplos do ampére:
Mede a quantidade de cargas elétricas (q) q...
Page  27
Como se mede a intensidade da corrente?
 Utilizando um amperímetro, analógico ou digital.
 Antes da medição é ...
Page  28
Como se mede a intensidade da corrente?
 Para medir a intensidade da corrente que passa num determinado
compone...
Page  29
Variação da d.d.p. em circuitos em série e em
paralelo
Circuito em série Circuito em paralelo
Page  30
Variação da intensidade de corrente elétrica em
circuitos em série e em paralelo
Circuito em série Circuito em p...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Circuitos electricos 9º ano, Fisica

7,136 views

Published on

Circuitos electricos 9º ano, Fisica

Published in: Education
  • Be the first to comment

Circuitos electricos 9º ano, Fisica

  1. 1. SISTEMAS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS Circuitos Elétricos CFQ – 9ºAno Docente: Flávia Freitas
  2. 2. Page  2 O QUE É A ELETRICIDADE?
  3. 3. Page  3  Fenómeno resultante da interação entre cargas elétricas, constituintes fundamentais da matéria.  Corpos carregados com cargas de sinal contrário atraem-se e corpos carregados com cargas do mesmo sinal repelem-se. O que é a eletricidade?
  4. 4. Page  4  Se as cargas elétricas se encontram paradas, chama-se eletricidade estática, mas se estiverem em contínuo movimento chama-se corrente elétrica.  Para ocorrer transferência de eletrões é suficiente que um dos corpos tenha carga elétrica.
  5. 5. Page  5  FRICÇÃO: ocorre quando há transferência de cargas elétricas negativas (eletrões) de um objeto para outro. PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO A eletrização pode ser feita por dois processos:
  6. 6. Page  6  INDUÇÃO: ocorre quando um corpo carregado se aproxima de outro, sem lhe tocar, provocando uma redistribuição das cargas elétricas (cargas elétricas de determinado tipo acumulam-se na mesma zona). PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO
  7. 7. Page  7 ELETRIZAÇÃO POR FRICÇÃO Ao friccionarmos a caneta, estamos a provocar o deslocamento de eletrões da caneta para o tecido.
  8. 8. Page  8 ELETRIZAÇÃO POR INDUÇÃO
  9. 9. Page  9  Para que se estabeleça corrente elétrica é necessário a existência de um circuito através do qual estas cargas se possam movimentar.  Um circuito elétrico corresponde à ligação dos vários componentes de um sistema elétrico. CIRCUITOS ELÉTRICOS
  10. 10. Page  10 Os componentes de um circuito elétrico podem ser agrupados de acordo com a sua função:  FONTES DE ENERGIA: fornecem a energia necessária ao funcionamento do circuito;  RECETORES DE ENERGIA: recebem a energia proveniente da(s) fonte(s) e utilizam-na para funcionarem (recetores passivos) ou para a transformar em outras formas de energia (recetores ativos).  SISTEMAS DE LIGAÇÃO: estabelecem a ligação entre a(s) fonte(s) de energia e o(s) recetore(s). CIRCUITOS ELÉTRICOS
  11. 11. Page  11 FONTES DE ENERGIA
  12. 12. Page  12 RECETORES DE ENERGIA
  13. 13. Page  13 SISTEMAS DE LIGAÇÃO
  14. 14. Page  14 OUTROS COMPONENTES E SÍMBOLOS PARA CIRCUITOS ELÉTRICOS
  15. 15. Page  15 Sentido da corrente elétrica
  16. 16. Page  16 Sentido da corrente elétrica Corrente contínua (DC)  As cargas elétricas movimentam-se sempre no mesmo sentido.
  17. 17. Page  17 Sentido da corrente elétrica Corrente alternada ou alterna (AC)  O sentido do movimento das cargas elétricas muda em intervalos de tempo muito pequenos (por exemplo 0,02 s na rede eléctrica portuguesa).
  18. 18. Page  18 Instalação de recetores em série As duas lâmpadas (recetores) estão instaladas em série, sendo ligadas uma a seguir à outra. Existe, portanto, um só caminho para a corrente elétrica.
  19. 19. Page  19 Instalação de recetores em série Nos circuitos em série, como há um só caminho para a corrente elétrica, verifica-se que… … o interruptor, qualquer que seja a sua localização, comanda todas as lâmpadas. … quando se retira uma das lâmpadas, ou se uma delas funde, todas se apagam. … quando se aumenta o número de lâmpadas, a luminosidade de cada uma diminui.
  20. 20. Page  20 Instalação de recetores em paralelo Cada lâmpada (recetor) é instalada numa ramificação diferente, existindo, assim, mais do que um caminho para a corrente elétrica. Aos pontos onde a corrente elétrica se divide pelas ramificações e onde a corrente se junta de novo dá-se o nome de nós.
  21. 21. Page  21 Instalação de recetores em paralelo Nos circuitos em paralelo, como há vários caminhos para a corrente elétrica, verifica-se que… … o interruptor instalado no circuito principal comanda todas as lâmpadas, mas, instalado numa das ramificações, comanda apenas uma lâmpada. … quando se retira uma das lâmpadas, ou quando uma delas funde, as que estão noutras ramificações permanecem acesas. … quando se aumenta o número de lâmpadas, a luminosidade de cada uma mantém- se.
  22. 22. Page  22 Diferença de Potencial (d.d.p.)/Tensão Múltiplos e submúltiplos do volt: Mede a quantidade de energia que é necessário utilizar para movimentar uma unidade de carga elétrica entre dois pontos de um circuito. Simboliza-se por U e a sua unidade no SI é o volt (V).
  23. 23. Page  23 Diferença de Potencial (d.d.p.)/Tensão  As reações químicas que ocorrem no interior das pilhas e baterias provocam a existência de um potencial maior no pólo + e de um potencial menor no pólo –.  Enquanto se mantém aquela d.d.p. a fonte fornece energia elétrica ao circuito.  Cargas elétricas positivas movem-se no sentido do potencial menor enquanto que cargas elétricas negativas movem-se no sentido do potencial maior.  O valor de d.d.p. indicado nos recetores não deve ser ultrapassado, sob o risco de os danificar.
  24. 24. Page  24 Como se mede a d.d.p.?  Utilizando um voltímetro, analógico ou digital.  Antes da medição é necessário verificar qual o alcance do voltímetro e qual o valor da sua menor divisão (voltímetro analógico). Exemplo
  25. 25. Page  25 Como se mede a d.d.p.?  Para medir a d.d.p. de um determinado componente o voltímetro deve ser instalado em paralelo relativamente a esse componente.
  26. 26. Page  26 Intensidade da corrente elétrica Múltiplos e submúltiplos do ampére: Mede a quantidade de cargas elétricas (q) que passa numa secção reta do circuito por segundo. Simboliza-se por I e a sua unidade no SI é o ampére (A).
  27. 27. Page  27 Como se mede a intensidade da corrente?  Utilizando um amperímetro, analógico ou digital.  Antes da medição é necessário verificar qual o alcance do amperímetro e qual o valor da sua menor divisão (amperímetro analógico). Exemplo
  28. 28. Page  28 Como se mede a intensidade da corrente?  Para medir a intensidade da corrente que passa num determinado componente o amperímetro deve ser instalado em série relativamente a esse componente.
  29. 29. Page  29 Variação da d.d.p. em circuitos em série e em paralelo Circuito em série Circuito em paralelo
  30. 30. Page  30 Variação da intensidade de corrente elétrica em circuitos em série e em paralelo Circuito em série Circuito em paralelo

×