Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

parasitoses

2,713 views

Published on

parasitoses

  1. 1. Parasitoses Intestinais
  2. 2. Caso 1 LJB, 18 meses de idade, masculino, natural eprocedente de Salvador. Internado no HSAcom história de vômitos há 4 dias, sendo 2deles com Áscaris, dor abdominal peri-umbilical em cólica, que cede semmedicações. Há 3 dias, dejeções amolecidas,sem sangue, 3 a 4 vezes ao dia, algumascom parasitos. Há 24h sem evacuar e comaumento do volume abdominal. Ausência defebre
  3. 3. Caso 1: AONN: Genitora tem 18 anos de idade, Gesta 4,para 2, aborto 2. Não realizou pré-natal. Nascido dePSNV, a termo, com assistência médica.Diagnosticado Sifiles e icterícea neonatal,permanecendo internado para tratamento. Genitoratambém foi tratada. AA: Leite materno até 1 ano de idade. AS: Genitora está vivendo com seu terceirocompanheiro. O primeiro, dependente químico, foiassassinado. O segundo, pai do paciente, nãoassumiu a criança. A mesma vive com avó maternaem casa de bloco, 3 cômodos, 8 moradores, sendo 6crianças.
  4. 4. Caso 1 Exame Físico: Estado geral comprometido,hipoativo, distrófico.P: 8,8 Kg FR: 40 ipm FC: 120 bpmMucosas: hipoc +++/4+, secas TCSC: infiltradoem pálpebras e MMII. Ap. Resp: TIC,estertores bolhosos bilaterais. Ap CV: ndnAbd: Globoso,distendido, hipertimpânico,sem VMG, RHA diminuídos. Extremidades:perfusão 2 seg. SN: sem IM
  5. 5. Caso 1 Submetido a laparotomia exploradora nosegundo DI. Realizado Coledocotomia eColecistectomia em virtude de perfuração doHepatócito comum por Áscaris, comperitonite biliar secundária. TGO 51, TGP 52, TP 57%, ALB 2g% Hb 5,9% leuco 16.000 bt 7% seg 74%Eo 1% l 16% m 2% PQT 328 000 U 33 Cret0,46 Na 131 K 3,5 Ca 9Sorologia para HIV positiva
  6. 6. Parasitoses Intestinais Importante problema de saúde pública emnosso país Relaciona-se com fatores sócio-econômicose ambientais Tendência ao equilíbrio parasita x hospedeiro Baixa idade, desnutrição, intensidade dainfestação, migração anômala, são fatoresque predispõem e determinam quadros maisseveros. Baixa letalidade e alta morbidade
  7. 7. Principais Sintomas Dor abdominal: epigástrica (giardíase,estrongiloidíase, teníase); periumbilical(ascaridíase); fossa ilíaca direita(tricocefalíase, oxiuríase) Disenteria: amebíase, ancilostomíase,estrongiloidíase, tricuríase Diarréia crônica: giardíase, amebíase,tricuríase maciça Síndrome de Löeffler: ascaridíase,estrongiloidíase, ancilostomíase, toxocaríase
  8. 8. Classificação: Protozoários: Giardia lamblia, Entamoebahistolytica, Balantidium coli Helmintos:a) Platelmintos: Taenia solium, Taeniasaginata, Hymenolepsis nana, Schistosomamansonib) Nematelmintos: Ascaris lumbricoides,Enterobius vermiculares, Strongilóidesvermiculares, Ancylostoma duodenale eNecator americanus, Trichuris trichiura.
  9. 9. Giardíase: Giardia lamblia: trofozoíto e cisto Trasmissão: água, alimentos, contato pessoaa pessoa. Resiste a cloração habitual daágua. Habitat: duodeno e íleo Patogenia: alimentam-se de nutrientes;diminuem a produção de lactase; máabsorção de gorduras; infiltrado inflamatóriona submucosa.
  10. 10. Ação Patogênica:
  11. 11. Quadro Clínico: Assintomático Diarréia aguda Diarréia prolongada: repercussãonutricional, cólicas, vômitos, flatulência. A cronicidade relaciona-se adeficiências da imunidade humoral e/oucelular, daí predominar em lactentes edesnutridos.
  12. 12. Diagnóstico: Exame das fezes formadas ediarréicas. Esses exames devem serrealizados com intervalo de sete dias. Aspirado duodenal Biópsia duodenojejunal: método maissensível.
  13. 13. Tratamento: Furazolidona:Dose: 10 mg/Kg/dia por 7 dias. Adulto: 400 mg/dia, por 7 diasEficácia: 70%Metronidazol:Dose: 15 a 20 mg/Kg/dia por 7 dias. Adulto: 250 mg, 3 vezes ao diaEficácia: 90%Tinidazol:Dose: 50 mg/Kg/dia. Adultos, 2 g em dose única. Eficácia: 90%Secnidazol:Dose: 30 mg/Kg/dia, em dose única. Eficácia: 90%Albendazol: 400 mg/ dia, por 5 dias. Eficácia: 95%Obs: tratar familiares
  14. 14. CriptosporidiumparvumTransmissãoIngestão ou inalação de oocistosesporuladosAuto-infecçãoQuadro mais intenso na criançaPI: 2 a 14 diasDiagnósticoParasitológico de fezesMaterial de biópsia intestinalPesquisa de anticorposTratamentoSintomáticoAzitromicina, Espiramicina, somatostatinaImunocompetentes: cura espontaneaDiarréia aquosa com duração de 1 a 30 dias,anorexia, dor abdominal, náusea, flatulência,febre e cefaléiaImunoincompetentes: sintomas crônicos,refratário a qualquer tratamentoAcentuada perda de pesoDesequilíbrio hidro-eletrolítico, má absorção,infecção disseminada com envolvimento dopulmão e fígado, com mortalidade acentuada -AIDS
  15. 15. 2º CASOCarlos, 8 anos de idade, há 4 dias apresenta dejeções empequeno volume, com muco e sangue, 15 vezes ao dia,cólicas, tenesmo. Febre de até 39 C. Há 3 dias está emuso de Sulfametoxasol- TMP em dose adequada, semobter melhora. A genitora lhe oferece sais rehidratanteapós cada dejeção. Não apresenta sinais de desidrataçãoou de desnutrição.
  16. 16. Amebíase:1. Família Entamoebidae:2. Entamoeba: E. histolytica, Entomoebahartmanni, E. coli.3. Iodamoeba: I. butischilli.4. Endolimax: Endolimax nana.5. Dientamoeba: D. fragilis.
  17. 17. Amebíase – E. histolytica Minuta: não invasiva Magna: invasiva. Trofozoíto fagocitandohemácia. Epidemiologia: predomina em adultos.É rara em menores de 2 anos de idade.Habitat: intestino grosso Trasmissão: água e alimentos.
  18. 18. Patogenia e Quadro clínico:a) Patogenia: ação mecânica e enzimasproteolíticas que produzem ulcerações,podendo levar a hemorragias e perfuraçãoda parede intestinal.b) Quadro Clínico:c) Infecção Assintomáticad) Infecção sintomática:Intestinal: colite disentérica e nãodisentéricaExtra intestinal: abscesso hepático eformas raras.
  19. 19. Diagnóstico: Exame das fezes: formadas ediarréicas Retossigmoidoscopia Reações sorológicas: pesquisa de IgGpara as formas invasoras intestinais( 60 a 70%) e extra- intestinais( 90%).
  20. 20. Tratamento:a) Etofamida: adultos e crianças maiores de 7 anos, 200 mg, 3vezes ao dia, durante 5 dias e menores de 7 anos, metade dadose. Eficácia 90%.b) Metronidazol: crianças, 30 mg/Kg/dia, e, adultos, 750 mg,divididos em 3 tomadas, durante 10 dias. Eficácia90%.c) Tinidazol: crianças, 50 mg/kg/dia, e, adultos, 2 g ao dia,durante 2 dias. Eficácia 90%.d) Secnidazol: 30 mg/Kg/dia, dose única. Eficácia 98%.e) Forma Extra-Intestinalf) Metronidazol: idem forma intestinalg) Secnidazol: 30 mg/Kg/dia, de 5 a 7 dias.
  21. 21. Ascaridíase: Ascaris lumbricoides. Enteroparasitose maiscomum na pop mundial Ingesta do ovo -> eclosão no intestinodelgado -> l. rabditóide -> circulaçãosanguínea -> pulmões -> ascendem atéfaringe -> deglutidas -> intestino delgado ->forma adulta. A fêmea deposita até 200 mil ovos/dia Os ovos são muito resistentes. Sobreviveminclusive na poeira doméstica.
  22. 22. Ascaridíase
  23. 23. Quadro Clínico: S. de Löeffler: sintomas pulmonares,alterações radiológicas e eosinofilia Manifestações de hipersensibilidade:urticária, prurido nasal Cólicas intestinais, náuseas, vômitos,eliminação de vermes Semi-oclusão ou oclusão intestinal Volvo: rara Migração para árvore biliar, ductopancreático, apêndice e fígado.
  24. 24. Larva do Áscaris no Pulmão
  25. 25. Tratamento: Mebendazol: 100 mg, duas vezes aodia, durante 3 dias. Eficácia 90 a 100% Albendazol: 400 mg em dose única.Eficácia de 90 a 100%. Suboclusão: Piperazina 75 mg/Kg dia,dose única diária, durante 5 dias. Óleomineral a cada 2 horas.
  26. 26. Ancilostomíase:a) Ancylostoma duodenale e Necator americanusb) Larvas filariformes -> pele ->pulmões-> deglutidas-> intestino delgado -> verme adultoc) Fixação por ventosas, espoliação de ferrod) Quadro clínico:e) Assintomáticof) Lesões urticariformes, dermatite pruriginosa,S. de Löefflerc) Sintomas digestivos, geofagia
  27. 27. Diagnóstico e Tratamento: Exame das fezes HemogramaTratamento:a) Mebendazolb) Albendazol
  28. 28. Caso 3 Criança do sexo masculino, 8 anos de idade,natural e procedente de Vitória da Conquista.Há 2 dias apresenta diarréia aquosa,volumosa, 10 dejeções ao dia, sem muco,sangue ou parasitos, vômitos, 4 a 5 vezes aodia e dor abdominal epigástrica intensa.Ausência de febre. Realizou hidrataçãovenosa e sintomáticos em Itabuna etransferido de avião para Salvador, porpersistência dos sintomas e necessidade deinvestigação diagnóstica.
  29. 29. Caso 3 Chegou ao CAP em REG, eupnéico, referindo dor epigástricaintensa, com sinais de desidratação. Abdômen flácido, dolorosoem epigástrio, sem VMG, Blumberg e Giordano ausentes. Solicitado HEM, VHS (2mm), PCR ( <7), glicemia capilar,TGO,TGP, amilase, lipase, GAV, sódio, potássio, SU, Gram da urina,US de abdômen ( normais ). Realizado reposição de perdas com SF a 0,9%, Dramin IV,Novalgina, Buscopan e Morfina IV, Omeprazol IV, sem melhorasignificativa. Solicitado EDA, com pesquisa de H. pilori , aspirado duodenalpara pesquisa de giárdia e larvas de estrongilóides, além debiópsia de esôfago, estômago e duodeno. Baermann do aspirado duodenal foi positivo paraestrongilóides. Introduzido Tiabendazol VO com melhora dossintomas após 24h.
  30. 30. Estrogiloidíase:a) Strongyloide stercolarisb) Auto-infecção endógena: l. rabditóide-> l.filariforme. Auto-infecção exógena: pele da regiãoperianal.c) Quadro clínico:d) Assintomáticae) Dor abdominal , perda de peso, náuseas, vômitos,má absorçãof) Sintomas cutâneos. S. de Löefflerg) Forma invasiva larvária: dor abdominal alta,diarréia, vômitos, distenção abdominal,desidratação, bacteremia, dispnéia, tosse,hipotensão e óbito.
  31. 31. Diagnóstico e tratamento:a) Diagnóstico: pesquisa de larvasb) Tratamento:c) Tiabendazol: 25 a 30 mg/Kg/dia, em 2tomadas, por 2 a 3 dias. Contra indicadoem casos de Insf. renal , hepática edoenças neurológicas graves.d) Albendazol: 400 mg/dia, durante 3 dias.Eficácia em torno de 85%e) Irvemectina: menos efeitos colaterais que otiabendazolRepetir após 10 a 15 dias
  32. 32. Teníase: Taenia sollium (porco) e Taenia saginata Proglotes -> ovos -> hosp. Intermediário ->inestino delgado ->embrão -> circulação ->músculo -> ingestão de carne mal cozida ->liberação no parasita no intestino delgado->proglotes (90 dias). Quadro clínico:dores abdominais,constipação, diarréia, fomeintensa. Cisticercose.
  33. 33. Teníase
  34. 34. Diagnóstico e Tratamento:a) Diagnóstico: Tamização, swab anal, examedas fezesb) Tratamento:c) Praziquantel: 25mg/Kg/dia em dose única.Eficácia de 100%d) Mebendazol: 200mg, 2 vezes ao dia, por 4dias. 90%e) Albendazol: 400mg/dia, por 3 dias.
  35. 35. Tricocefalíase: Trichuris trichiura Habitat: intestino grosso Predomina em pré-escolares Prolapso retal, anemia ferropriva Tratamento: Mebendazol( 75 a 80%) eAlbendazol ( 65 a 85%)
  36. 36. Oxiuríase: Enterobius vermicularis Habitat: intestino grosso Prurido anal noturno é o principalsintoma Tratamento: todos da famíliaMebendazol, Albendazol, Pamoato depirantel ( 10mg/kg dose única).
  37. 37. Lembre: Profilaxia: O Pediatra tem papel de educador Bibliografia:Infectologia PediátricaCalil Farhat, Eduardo Marcondes, Luíza HelenaCarvalho, Regina C. SucciEditora Atheneu 1999Pediatria, IMIPFernando Figueira, Otelo S. Ferreira e JoãoGuilherme B. AlvesEditora Medsi – 2a. Edição

×