Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Curriculo, diversidade étnica e infância

277 views

Published on

Trata-se de uma busca por incluir a diversidade étnica nos currículos da educação infantil

Published in: Education
  • Be the first to comment

Curriculo, diversidade étnica e infância

  1. 1. EDUCAÇÃO INFANTIL: diversidade étnica e currículo José Wilson Rodrigues de Melo, Dr. UFT
  2. 2. “Tô le lendo...” Plantei uma florzinha no meu quintal. Nasceu uma negrinha de avental. Dança negrinha! Eu não sei dançar. Pega o chicote que ela dança, já! (Domínio público).
  3. 3. QUESTÕES • De que falamos quando falamos em diversidade étnica? • Qual é a atenção atribuída á diversidade cultural das crianças brasileiras? • Como o multiculturalismo tem seu ponto de inflexão na democracia? • Em termos práticos, em que resulta a luta por mais respeito à diferença e menos desigualdade? • Por que a escola se constitui em espaço de tensão e conflito das questões multiculturais?
  4. 4. OBJETIVO • Articular conceitualmente as questões da educação infantil brasileira, a diversidade cultural e os currículos com as perspectivas democráticas de inclusão da diferença enquanto direito humano.
  5. 5. PRESSUPOSTO • Valorizar a riqueza da diversidade cultural através da educação infantil para formar a mentalidade crítica das novas gerações.
  6. 6. O MULTICULTURALISMO EM UMA PERSPECTIVA DEMOCRÁTICA • A natureza do multiculturalismo é complexa e ambígua; • É um termo polissêmico; • O multiculturalismo sinaliza uma abrangência transdisciplinar nas áreas de educação, história, antropologia, sociologia, filosofia, economia, política, artes, literatura, comunicação, etc. • A complexidade do multiculturalismo bebe na fonte da cultura.
  7. 7. INFÂNCIA E DIVERSIDADE ÉTNICO CULTURAL BRASILEIRA • Na realidade plural brasileira é mais pertinente falar em infâncias: das crianças indígenas, dos quilombolas, dos ribeirinhos, dos camponeses, dos filhos dos trabalhadores, das crianças das periferias urbanas, dos órfãos, das classes médias, das classes abastardas, das meninas do semiárido nordestino, dos meninos de ruas... Enfim, todo um caleidoscópio marcado pelas diversas identidades. .
  8. 8. INFÂNCIA E SOCIALIZAÇÃO • A socialização, em geral, é confundida com a educação. Embora, esta seja correia de transmissão da outra. DURKHEIM (1978) diz ser a educação a responsável pela transmissão da moral da sociedade. Portanto, a educação trataria de repassar uma cultura instituída como condição de perpetuação desta mesma coletividade.
  9. 9. ETNO CULTURA E DIVERSIDADE • A cultura resulta da síntese do agir humano. Ou seja, como produto de um processo social: extrato da experiência (hominização) . Um mundo (material e simbólico) é experimentado (construído). Cada povo, cada etnia, cada formação humana desenvolve esse mundo como síntese da vida. Daí é inadmissível falar em cultura senão no plural. Etnia. “Na definição do dicionário, grupo biológica e culturalmente homogêneo”. Na teorização social, utilizado frequentemente como sinônimo de “raça”; mas, enquanto ‘raça’ teria, supostamente, conotações mais biológicas, “etnia” teria conotações mais culturais. (...)”. (SILVA, T., 2000: 56)
  10. 10. EDUCAÇÃO INFANTIL: desafios curriculares e diversidade cultural A realidade socioeconômica e cultural das crianças retrata a história. As políticas públicas efetivas, sobretudo as educacionais para a infância, necessitam tomar este vetor de formação como povo e nação. Daí traduzir-se em efeitos concretos na diminuição de desigualdades marcadas por racismos, preconceitos e discriminações.
  11. 11. INFANCIA, DIVERSIDADE, CURRICULO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES(AS) • A formação de professores/as para a educação infantil necessita estar focada em currículos sensíveis à diversidade cultural. No conjunto, esta “sensibilidade” projeta uma tradução em termos de posturas e atitudes do docente. Assim, o/a docente deve formar-se como um “agente social” (VEIGA, 2003, p. 83) catalisador de mudanças.
  12. 12. Pegar o chicote para a negrinha dançar constitui um ato e uma herança simbólica a ser refutada por tudo de excludente e desumano posto neste arranjo de naturalização da realidade étnico-cultural. Uma dissimulação para uma realidade que se pretende não racista. A educação infantil deve fomentar a formação de cidadãos/cidadãs multiculturais / interculturais. (MELO, 2014, p.123-4).

×