Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Logistica de Transportes - Slides

20,269 views

Published on

Material usado nas aulas de Logística de Transportes. Curso Técnico em Logística - SENAC ES

Published in: Education
  • Material muito bom, gostaria que me enviasse celimaratavares@hotmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Logistica de Transportes - Slides

  1. 1. TRANSPORTE CASTIGLIONI, J.A.M; PIGOZZO, L. TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO. 1 ED. SÃO PAULO: ÉRICA, 2014
  2. 2. MODAIS  SISTEMA DE MOVIMENTO AQUAVIÁRIO;  SISTEMA DE MOVIMENTO FERROVIÁRIO;  SISTEMA DE MOVIMENTO RODOVIÁRIO;  SISTEMA DE MOVIMENTO AEROVIÁRIO;  SISTEMA DE MOVIMENTO DUTOVIÁRIO.
  3. 3. TRANSPORTES: CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA:  MODAL OU UNIMODAIS: apenas uma modalidade;  INTERMODAIS: envolvem mais de uma modalidade, para cada trecho, realiza-se um contrato;  MULTIMODAL: mais de uma modalidade com um único contrato;  SEGMENTADOS: vários contratos e vários modais;  SUCESSIVOS: a mercadoria necessita de transbordo em veículo da mesma modalidade de transporte e é regida por um único contrato.
  4. 4. TRANSPORTE RODOVIÁRIO  Mais expressivo;  Atinge todos os pontos do território nacional;  Domina o transporte de cargas;  No Brasil existem 72.000 km de rodovias federais (58.000 km pavimentados); 80% dos trechos pavimentados tem pavimento superior a 10 anos; Curiosidade: “Na América do Sul, o transporte rodoviário é regido pelo Convênio sobre Transporte Internacional Terrestre, firmado entre Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai e Peru. Esse Convênio regulamenta Sugestão de leitura: http://www.antt.gov.br/index.php/content/view/5561/Institucional.html (Relatório Anual 2012 com atualizações da legislação sobre transporte rodoviário)
  5. 5. TRANSPORTE RODOVIÁRIO  O Transporte Rodoviário de Cargas por conta de terceiros e mediante remuneração, conforme a Lei nº 11.442/2007 e a Resolução ANTT nº 3056/2009, depende de prévia inscrição no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas – RNTRC.  Ao final de dezembro de 2012, estavam regularmente inscritos no RNTRC: - 770.000 transportadores, sendo 650.450 autônomos, 119.230 empresas e 320 cooperativas - Somando uma frota total de 1.823.253 veículos registrados para operar no transporte rodoviário de cargas no território nacional.
  6. 6. • BR-484: inicia-se em Afonso Cláudio, ligando o Centro da cidade aos demais distritos e cidades vizinhas. Termina no Rio de Janeiro; • BR-482: tem início no município de Itapemirim (localidade de Safra) - e término na cidade de Conselheiro Lafaiete (MG). • BR-393: inicia-se em Barra Mansa (RJ) e termina em Cachoeiro de Itapemirim. • BR-381: inicia na cidade de São Mateus (ES), no entroncamento com a BR 101, chegando até a cidade de São Paulo, no entroncamento com a BR- 116. • BR-342: liga Carinhanha (BA) à Sooretama (ES). Possui poucos trechos asfaltados. • BR-262: que interliga os estados do ES, MG, SP e MS. Começa em Vitória e termina junto à fronteira com a Bolívia, em Corumbá (MS). • BR-101: seu ponto inicial está localizado na cidade de Touros (RN) e o final na cidade de São José do Norte (RS). Atravessa doze estados brasileiros: RN, PB, PE, AL, SE, BA, ES, RJ, SP PR, SC e RS. Em toda sua extensão é denominada oficialmente Rodovia Governador Mário Covas. É uma das mais importantes rodovias brasileiras.
  7. 7. A nomenclatura das rodovias federais é definida pela sigla BR, seguida por três algarismos. O primeiro algarismo indica a categoria da rodovia: a) 0 (zero), para as rodovias radiais; b) 1 (um), para as rodovias longitudinais; c) 2 (dois), para as rodovias transversais; d) 3 (três), para as rodovias diagonais; e e) 4 (quatro) para as rodovias de ligação; I - Rodovias Radiais: as que partem da Capital Federal, em qualquer direção, para ligá-la a capitais estaduais ou a pontos periféricos importantes do País; II - Rodovias Longitudinais: as que se orientam na direção Norte-Sul; III - Rodovias Transversais: as que se orientam na direção Leste-Oeste; IV - Rodovias Diagonais: as que se orientam nas direções Nordeste-Sudoeste ou Noroeste-Sudeste; e V - Rodovias de Ligação: as que, orientadas em qualquer direção e não enquadradas nas categorias discriminadas nos incisos I a IV, ligam pontos importantes de 2 (duas) ou mais rodovias federais, ou permitem o acesso a instalações federais de importância estratégica, a pontos de fronteira, a áreas de segurança nacional ou aos principais terminais marítimos, fluviais, ferroviários ou aeroviários. Os outros 2 (dois) algarismos se referem à posição geográfica da rodovia relativamente à Brasília e aos pontos cardeais.
  8. 8. TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS PERIGOSAS  Compete à ANTT regulamentar o transporte de cargas e produtos perigosos em rodovias e ferrovias.  O QUE É UM PRODUTO PERIGOSO?  Sugestão de leitura: http://www.antt.gov.br/index.php/content/view/13101/Cartilhas.html (Cartilha para transporte de produtos perigosos do Mercosul) Todo aquele que representa risco à saúde das pessoas, ao meio ambiente ou à segurança pública, seja ele encontrado na natureza ou produzido por qualquer processo.
  9. 9. DOCUMENTAÇÃO: Trens e veículos transportando produtos perigosos somente podem circular portando os documentos exigidos: •Declaração de carga emitida pelo expedidor contendo a descrição correta do produto perigoso transportado. Exemplo: ÁLCOOL ALÍLICO, 6.1, ONU 1098, I. • Instruções escritas para o caso de qualquer acidente indicando procedimentos a serem adotados. •Documento comprobatório de realização de Curso de Movimentação de Produtos Perigosos para o motorista. • Certificado de capacitação dos veículos e dos equipamentos de transporte de produtos perigosos a granel. • Documento de inspeção técnica veicular • Demais declarações, autorizações e licenças previstas.
  10. 10. SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES DE TRANSPORTE (PRODUTOS PERIGOSOS) RÓTULOS DE RISCO  Afixados na unidade de transporte para indicar o risco apresentado pelo produto perigoso transportado: PAINÉIS DE SEGURANÇA  Afixados na unidade de transporte para indicar o número de risco e o número ONU do produto perigoso transportado:
  11. 11. Classe de Produtos Químicos Perigosos: Classe 1- Explosivos; Classe 2- Gases; Classe 3- Líquidos Inflamáveis; Classe 4- Sólidos Inflamáveis; Classe 5- Substâncias Oxidantes e Peróxidos Orgânicos; Classe 6- Substâncias Tóxicas e Infectantes; Classe 7- Materiais Radioativos ; Classe 8- Corrosivos; Classe 9- Substâncias Perigosas Diversas
  12. 12. EXERCÍCIO:  Você está trabalhando com técnico em logística numa empresa que transporta produtos perigosos e precisa despachar um caminhão carregado de água oxigenada (peróxido de hidrogênio- substância oxidante). Para que a liberação seja feita, você deverá indicar/verificar: a) A documentação necessária; b) O pictograma de risco; c) O número da classe de risco; d) Os locais do caminhão em que os rótulos e os painéis de segurança devem ser posicionados (desenhar).
  13. 13. TERMOS: Eixo: é onde vão as rodas; Eixo simples: apenas 2 rodas de tração; Cavalo mecânico: formado pela cabine, motor e rodas de tração do caminhão. Pode ser engatado em carretas e semi- reboques para o transporte. Semi reboque: equipamento que transporta cargas, tracionado por um caminhão-trator do tipo cavalo mecânico. Cavalo mecânico Semi reboque Eixo
  14. 14. EXERCÍCIO  Estudo da Resolução nº 210 de 13 de novembro de 2006 (p. 26 a 31) Roteiro de estudo: a) O que esta Resolução estabelece e como ela interfere nos serviços logísticos de uma empresa?
  15. 15. TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS  TIPOS DE CARGAS: 1) A GRANEL: cargas transportadas em grandes quantidades, sem nenhum tipo de embalagem. 2) EMBALADAS: podem ser embaladas em fardos, feixes, sacarias, etc. 3) ESPECIAIS: são transportadas em caminhões dimensionados especialmente para esse fim.
  16. 16. VEÍCULOS DE CARGA - DIMENSÕES VEÍCULO COMPRIMENTO (M) LARGURA (M) ALTURA (M) CARROCERIA SIDER TAMANHO PADRÃO 7,6 2,4 3 Sider Sider
  17. 17. VEÍCULOS DE CARGA VEÍCULO COMPRIMENTO (M) LARGURA (M) ALTURA (M) CARROCERIA SIDER SEMIRREBOQUE – TAMANHO EXTERNO 15,10 M 14,8 2,5 3
  18. 18. VEÍCULOS DE CARGA VEÍCULO COMPRIMENTO (M) LARGURA (M) ALTURA (M) CARROCERIA BAÚ PARA CAPACIDADE DE 4 T 5,3 2 2,2 CARROCERIA BAÚ PARA CAPACIDADE DE 6 T 7,3 2,4 2,6 CARROCERIA BAÚ SEMIRREBOQUE – TAMANHO EXTERNO 15,10 M 14,9 2,4 2,7
  19. 19. CARROCERIA BAÚ BAÚ REFRIGERADO
  20. 20. ALGUNS TIPOS DE VEÍCULOS:  ROMEU E JULIETA: caminhão e dois reboques. O segundo semirreboque é engatado no primeiro por meio de um sistema de cremalheira.
  21. 21. ALGUNS TIPOS DE VEÍCULOS:  BITREM: composto por três unidades, sendo um cavalo mecânico que traciona dois semirreboques. O primeiro deles é acoplado à quinta roda do cavalo e o segundo a uma segunda quinta roda que se localiza no prolongamento do primeiro reboque.
  22. 22. ALGUNS TIPOS DE VEÍCULOS:  RODOTREM: é formado por três unidades do bitrem e mais uma que é o dolly, uma unidade de articulação posicionada entre os dois semirreboques. DollyDOLLY
  23. 23. RODOTREM: Dolly
  24. 24. ALGUNS TIPOS DE VEÍCULOS  TREMINHÃO: é composto por um conjunto de Romeu e Julieta, no qual se acopla um reboque, ou Julieta, como é chamado. JULIETA
  25. 25. ALGUNS TIPOS DE VEÍCULOS  TRITREM: deriva do bitrem, no qual se acopla mais uma quinta roda e outro semirreboque.
  26. 26. EXERCÍCIOS Organize uma tabela que evidencie as principais diferenças entre os veículos apresentados. Em seguida, responda: por que é importante para um técnico em logística conhecer os tipos de veículos disponíveis?
  27. 27. LEI DA BALANÇA  A lei da balança limita o peso por eixo dos veículos que trafegam nas rodovias e seu objetivo é preservar o pavimento, proporcionando seu melhor aproveitamento. DOIS TIPOS DE BALANÇA: 1º) BALANÇA DINÂMICA: o caminhão sofre uma primeira pesagem a 60 km/h na própria rodovia. Caso aponte excesso de peso, é desviado e sofre uma segunda pesagem. É eletrônica e está acoplada a um computador. 2º) BALANÇA ESTÁTICA: pesa um eixo ou um conjunto de eixo por vez, com o caminhão parado, o sistema de pesagem é mecânico.
  28. 28. Para pesquisar: No Espírito Santo quais são os pontos de pesagem de caminhões? Quais tipos de balança são utilizados nesses pontos?
  29. 29. FERROVIÁRIO  Adequado para mercadoria de baixo valor e grandes quantidades (ex: produtos agrícolas, minério, fertilizante).  Não é tão ágil;  No Brasil existem cerca de 28.000 km de ferrovias operadas pelo setor privado em regime de concessão;  Sugestão de acesso a mapa ferroviário brasileiro: http://www2.transportes.gov.br/bit/03- ferro/mapas-ferro.html
  30. 30. “EF” = estrada de ferro “AF” = acesso ferroviário O símbolo “EF” é acompanhado por um número de 3 (três) algarismos, com os seguintes significados: I - o primeiro algarismo indica a categoria da ferrovia, sendo: a) 1 (um) para as longitudinais; b) 2 (dois) para as transversais; c) 3 (três) para as diagonais; e d) 4 (quatro) para as ligações; II - os outros 2 (dois) algarismos indicam a posição da ferrovia relativamente à Brasília e aos pontos cardeais. As ferrovias federais são classificadas em: I - Ferrovias Longitudinais: direção Norte-Sul; II - Ferrovias Transversais: direção Leste-Oeste; III - Ferrovias Diagonais: direções NE - SO e NO-SE; IV - Ferrovias de Ligação: as que, orientadas em qualquer direção e não enquadradas nas categorias discriminadas nos itens I a III, ligam entre si ferrovias ou pontos importantes do País, ou se constituem em ramais coletores regionais; V - Acessos Ferroviários: segmentos de pequena extensão responsáveis pela conexão de pontos de origem ou destino de cargas e passageiros a ferrovias.
  31. 31. Sugestão de estudo:
  32. 32. DUTOVIÁRIO  Utiliza a força de gravidade ou pressão mecânica por meio de dutos para o transporte de granéis.  Relativamente barato; No Brasil, os principais dutos existentes são: a) Gasoduto: Brasil-Bolívia (2.000 km de extensão – gás natural); b) Mineroduto: Samarco c) Oleoduto: petróleo bruto e derivados. A Transpetro, subsidiária da Petrobras opera mais de 14.000 km de oleodutos e gasodutos no país. A companhia transporta gás, petróleo e derivados aos quatro cantos do Brasil, principalmente às regiões SE, NE e S. Além da Petrobras, sua principal cliente, a Transpetro presta serviço a diversas distribuidoras e à indústria petroquímica.
  33. 33. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO  A) MARÍTIMO: no Brasil é o mais utilizado no comércio internacional (90%);  Transporte de cabotagem: utilizada no transporte de granéis, petróleo, sal e produtos químicos, carretas rodoviárias com carga (roll-on, roll-off).  No Brasil, existem 30 portos marítimos e 10 portos interiores, basicamente, todos são operados pela iniciativa privada.  Características do transporte marítimo de carga no Brasil:  Grande capacidade de carga;  Pode transportar cargas de grandes tamanhos;  Baixo custo de transporte para grandes distâncias;  Transporta diversos tipos de cargas;  Flexibilidade superior ao transporte hidroviário;  Transporte lento; e  Necessidade de portos/alfândegas.
  34. 34. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO – MARÍTIMO
  35. 35. Portos  É a Secretaria Especial de Portos (SEP) a responsável pela formulação de políticas e pela execução de medidas, programas e projetos de apoio ao desenvolvimento da infraestrutura dos portos marítimos. Já os portos fluviais e lacustres são de competência do Ministério dos Transportes.  O Brasil possui um setor portuário que movimenta anualmente cerca de 700 milhões de toneladas das mais diversas mercadorias e responde, sozinho, por mais de 90% das exportações.  Existem hoje 34 portos públicos marítimos sob a gestão da SEP. 18 deles são administrados diretamente pelas Companhias Docas, que são sociedades de economia mista, que têm como acionista majoritário o Governo Federal.  As Companhias Docas são sete e estão listadas a seguir:  Companhia Docas do Pará (CDP) - Portos de Belém, Santarém e Vila do Conde.  Companhia Docas do Ceará (CDC) - Porto de Fortaleza.  Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern) - Portos de Natal e Maceió, além do Terminal Salineiro de Areia Branca.  Companhia Docas do Estado da Bahia (Codeba) - Portos de Salvador, Ilhéus e Aratu.  Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) - Portos de Vitória e Barra do Riacho.  Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) - Portos do Rio de Janeiro, Niterói, Angra dos Reis e Itaguaí.  Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) - Porto de Santos. Sugestão de mapa de cabotagem: http://www2.transportes.gov.br/bit/05-mar/cabotagem.html
  36. 36. Cabotagem Porto de Vitória - Administrado pela Codesa, movimenta contêineres e carga geral por meio dos terminais Cais de Vitória, CPVV, TVV, Capuaba, Peiú, Paul/Codesa e Flexibrás. Porto de Tubarão - Administrado pela Vale. Está localizado na ponta de Tubarão. Além do minério de ferro, movimenta diversas outras cargas, a exemplo de grãos e combustíveis. Porto de Praia Mole – Constituído pelo Terminal de Produtos Siderúrgicos (TPS), operado pelo consórcio ArcelorMittal Tubarão, Usiminas e Gerdau Açominas, é responsável por 50% das exportações brasileiras de produtos siderúrgicos e pelo Terminal de Carvão, operado pela Vale, que é responsável pela importação de carvão que atende a essas usinas siderúrgicas. Porto de Ubu - Localizado no município de Anchieta, é um terminal operado pela Samarco Mineração. Foi construído para escoar a produção de pelotas de minério de ferro e também movimenta cargas diversas para consumo da empresa e de terceiros. Portocel - Localizado no município de Aracruz, atende às unidades da Fibria, Veracel, Bahia Sul/Suzano e Cenibra. Maior porto brasileiro especializado no embarque de celulose, é considerado um dos mais eficientes do mundo. Responde por 70% das exportações de celulose do Brasil.
  37. 37. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO B) HIDROVIÁRIO: subdivide-se em: 1º) Fluvial: utilização pequena no Brasil. É bastante competitivo (grande capacidade de transporte, baixo consumo de combustível e menos poluente); Transporta: produtos agrícolas, fertilizantes, minérios, derivados de petróleo e álcool. Na Bacia Amazônica é utilizado para mercadoria manufaturada. Embarcações utilizadas: balsas, chatas, navios. O frete é calculado na tonelada-quilômetro ou na unidade no caso de contêineres.
  38. 38. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO – HIDROVIÁRIO  Características do transporte hidroviário de carga no Brasil:  Grande capacidade de carga;  Baixo custo de transporte;  Baixo custo de manutenção;  Baixa flexibilidade;  Transporte lento;  Influenciado pelas condições climáticas.  Baixo custo de implantação quando se analisa uma via de leito natural, mas pode ser elevado se existir necessidade de construção de infraestruturas especiais como: eclusas, barragens, canais, etc.
  39. 39. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO – HIDROVIÁRIO  São 8 (oito) as Administrações Hidroviárias no Brasil : 1)AHIMOC - Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental; 2) AHIMOR - Administração das Hidrovias da Amazônia Oriental; 3) AHINOR - Administração das Hidrovias do Nordeste; 4) AHIPAR - Administração da Hidrovia do Paraguai; 5) AHITAR - Administração das Hidrovias do Tocantins e Araguaia; 6) AHRANA - Administração da Hidrovia do Paraná; 7) AHSFRA - Administração da Hidrovia do São Francisco; 8) AHSUL - Administração das Hidrovias do Sul.
  40. 40. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO – HIDROVIÁRIO Sugestão de mapa das eclusas: http://www2.transportes.gov.br/bit/04-hidro/barra- eclu.html
  41. 41. Rio Paraguai Rio São Francisco Araguaia Teles Pires Rio Branco Rio Negro Rio Madeira Rio Tocantins Paraná Tietê Rio Taquari TUP = Terminal de Uso Privado ETC= Estações de Transbordo de Carga Sugestão de estudo: http://www.antaq.gov.br/portal/pdf/Classifi cacao_PortosPublicos_TUPs_EstacoesTransb ordoCargas.pdf
  42. 42. Principais rios da Região Hidrográfica Atlântico Sudeste: Estudo da Agência Nacional de Águas (ANA), concluiu que apenas um quarto dos rios brasileiros são navegáveis.
  43. 43. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO B) HIDROVIÁRIO: subdivide-se em: 2º) LACUSTRE: realizado em lagos. Bastante restrito, pois são poucos os lagos navegáveis. No Brasil, a malha hidroviária conta com 10 portos interiores, 26.000 km de vias navegáveis e potencial de aproveitamento de mais 17.000 km de novas vias.
  44. 44. TRANSPORTE AÉREO  Mais adequado para mercadorias de alto valor agregado, pequenos volumes e urgência de entrega;  O principal órgão regulador do transporte aéreo é o International Air Transport Association (IATA).  No Brasil, o órgão regulador é o Departamento de Aviação Civil (DAC), do Comando da Aeronáutica.  Frete elevado;  Tempo de deslocamento reduzido  Transporta : artigos eletrônicos, relógios, alta-costura, flores, frutas nobres, medicamentos, malotes, cartas, contratos, cheques, conhecimentos, etc
  45. 45. Sugestão de leitura: www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/.../sumario_executivo.pdf
  46. 46. Aeroporto de Vitória:  O Aeroporto de Vitória opera voos diretos entre Vitória e capitais da regiões SE, NE e S.  Conta com seis posições para aeronaves de grande porte e sete para aeronaves de pequeno e médio porte.  Conta com um Terminal de Cargas internacional. Desde 1999, está em operação a linha internacional de cargas direto dos EUA (Miami), permitindo a importação e a exportação de mercadorias para o mercado do Espírito Santo. Operam regularmente em Vitória duas frequências semanais nesta rota. http://www.infraero.gov.br/index.php/aeroportos/espirito-santo/aeroporto-de- vitoria-eurico-de-aguiar-salles-vitoria-es.html

×