Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Deriva Continental e Tectônicas de Placas

5,169 views

Published on

Alfred Wegener, Deriva continental e tectônicas de placas

  • Be the first to comment

Deriva Continental e Tectônicas de Placas

  1. 1. UNEB: Universidade do Estado da Bahia Adriana Santos Dávila Sobrinho Elivonete Conceição Mônica Mello Wesley Lima
  2. 2. Deriva Continental eTectônicas de Placas
  3. 3. A teoria da Deriva Continental• Em 1915 Alfred LotharWegener foi o primeiro aproduzir argumentossérios sobre a ideia, nolivro “A origem dosContinentes eOceanos”,neste livro eledescreve que a crostaoriental da America do Sule a crosta Ocidental daÁfrica parecia ter estadounidas no passado.
  4. 4. Wegener não foi o primeiro a fazer esta sugestão!•Francis Bacon•Benjamin Franklin•Antonio Snider-Pelegrini Mas o primeiro a reunir evidências significativascomo fosséis, paleo-topográficas e climatológicasque sustentavam esta simples observação.
  5. 5. Wegener concluiu que existiraum único continente denominadoPANGEA.
  6. 6. • Mas, à medida que as placas se deslocaram aTerra, desse “supercontinente” começou lentamentea separa-se.Chamando então esses movimentosde A deriva dos Continentes. A partir de 200milhões de anos esse supercontinente sefragmenta em duas partes: LAURÁSIA ao norte eGONDWANA ao sul.Laurásia e Gondwana continuam se dividindo empartes menores que se deslocam gradativamenteaté a configuração da geografia conhecida hoje.
  7. 7. Constituição da crostaterrestre
  8. 8. TECTÔNICA DE PLACAS. O termo vem do grego tekton,“construtor”, denominando assim os processos pelos quais são construídas as placas continentais e oceânicas. Na teoria da tectónica de placas a parte mais exterior da Terra está composta de duas camadas: a litosfera, que inclui a crosta e a zona solidificada na parte mais externa do manto, e a astenosfera, que inclui a parte mais interior e viscosa do manto. Numa escala temporal de milhões de anos, o manto parece comportar-se como um líquido super-aquecido e extremamente viscoso, mas em resposta a forças repentinas, como os terramotos, comporta-se como um sólido rígido.
  9. 9. •Esta teoria surgiu a partir da observação de doisfenômenos geológicos distintos: a derivacontinental, identificada no início do séculoXX por Alfred Wegener,e a expansão dos fundosoceânicos, detectada pela primeira vez na décadade 1960.A teoria propriamente dita foi desenvolvidano final dos anos 60 e desde então tem sidouniversalmente aceite pelos cientistas, tendorevolucionado as Ciências da Terra(comparável noseu alcance com o desenvolvimento da tabelaperiódica na Química, a descoberta do códigogenético na Biologia ou à mecânica quânticana Física).
  10. 10. Que forças movem as placas? A convecção no manto: refere-se a um movimento muito lento de rocha, que sob condições apropriados de temperatura elevada, se comporta como um material plástico-viscoso migrando lentamente para cima. Este fenômeno ocorre quando um foco de calor localizado começa atuar produzindo diferenças de densidade entre o material aquecido e mais leve e o material circundante mais frio e denso. A massa aquecida se expande e sobe lentamente.
  11. 11. Outros fatores que atuam junto com a convecção do manto A pressão sobre a placa provocada pela criação de nova litosfera nas zonas de dorsais meso- oceânicas, o que praticamente empurraria a placa tectônica para os lados. Mergulho da Litosfera para o interior do manto em direção à astenosfera. A placa litosférica torna-se mais fria e mais espessa à medida que se afasta da dorsal meso- oceânica onde foi criada. Como consequência o próprio peso da placa tectônica poderia causar uma movimentação de alguns centímetros por ano.
  12. 12. Tipos de limites de placas São três os tipos de limites de placas, caracterizados pelo modo como as placas se deslocam umas relativamente às outras, aos quais estão associados diferentes tipos de fenômenos de superfície. Limites transformantes ou conservativos. Limites divergentes ou construtivos. Limites convergentes ou destrutivos. Há limites de placas cuja situação é mais complexa, nos casos em que três ou mais placas se encontram, ocorrendo então uma mistura dos três tipos de limites anteriores.
  13. 13. • A formação da Península do Sinai está ligada ao movimento divergente entre placas.
  14. 14. Tectônica distensiva Limitedivergente
  15. 15. PONTOS QUENTES (HOT SPOTS)• Atividades vulcânicas ligadas a porçõesascendentes dematerial quente do manto (plumas mantélicas)•Utilizados para medir a velocidade absoluta dasplacas Litosféricas•Com o movimento das placas sobre os pontosquentes formam-se cadeias lineares de vulcões.•Exemplos: Havaí (intraplaca), Islândia (borda deplaca)
  16. 16. Rifte Ocorre pelo afastamento das placas Divergentes . É portanto uma consequência dessa movimentação. Quando a formação de riftes convergentes ocorre sobre um ponto quente,existe em geral tendência para que o processo continue até que se desenvolva uma zona de ascensão de magma suficientemente poderosa para permitir a formação de uma crosta oceânica.
  17. 17. Um exemplo é Rift Valley
  18. 18. O grande rifte do leste africano:
  19. 19. Ciclo de Wilson Ciclo completo de formação, desenvolvimento e fechamento de um oceano relacionado à tectônica de placas. O ciclo tem início com a formação de um oceano a partir de um rift em crosta continental sobre um ponto quente mantélico (hot spot); segue-se a expansão desse oceano com a deriva das massas continentais antes ligadas e agora separadas pelo rifteamento; em determinado momento, ocorre a mudança do processo de afastamento ou deriva para aproximação de massas continentais em decorrência de processo de subducção da crosta oceânica, desenvolvimento de arcos de ilha e/ou cadeias de
  20. 20. Terremotos e Vulcões O atrito entre as placas tectônicas produz um acúmulo de pressão, de energia. Muitas vezes, o atrito é intenso e há liberação repentina de energia, produzindo intensa vibração: trata-se do sismo ou terremoto. Quando a vibração ocorre na crosta oceânica acontece o maremoto. O terremoto também pode ser causado por desmoronamentos no interior da costa terrestre, por atividades desenvolvidas pelo homem, como a construção de represas ou explosões, e por erupções vulcânicas.
  21. 21. Terremoto Japão –março 2011
  22. 22. • Nas erupções vulcânicas, a rocha derretida oufundida (o magma) penetra por fissuras (fendas)existentes na crosta terrestre e é expelida pelacratera do vulcão, situada nasuperfície terrestre. Tudo isso é quase sempreprocedido de lançamento de gases e cinzas.• A atividade vulcânica também pode ocorrer emporções mais distantes das bordas das placastectônicas, ou seja, em suas partes centrais, ondeexistem falhas*.
  23. 23. O Brasil corre risco? A ideia de que o Brasil está livre de terremotos é errada. Os abalos sísmicos em nosso país são modestos se comparados à outras regiões. Nosso país situa-se no continente das placas andina, porém muito no seu interior. O Acre é o estado que apresenta o maior nível de atividade sismológica, em função da proximidade dos Andes.
  24. 24. EPICENTRO E HIPOCENTRO Epicentro é a parte da superfície terrestre onde se registra a maior intensidade de um terremoto. Sua ocorrência se dá acima do hipocentro, o local interno da Terra, onde ocorre o terremoto. Muitas vezes, costuma-se dizer que ocorreu um terremoto em determinado local, mas nem sempre isso é verdade. É comum as pessoas terem sentido tão somente as ondas sísmicas, que se originam a partir do hipocentro, mas podem atingir centenas de quilômetros de distância.
  25. 25. Resumindo,há 152 milhões deano atrás
  26. 26. Há 50 milhões de anos atrás
  27. 27. O mundo hoje
  28. 28. O mundo daqui a 50 milhões deanos
  29. 29. O mundo daqui a 150 milhões deanos
  30. 30. Obrigado!

×