Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Psicopatologia Linguagem E Pensamento

48,906 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Psicopatologia Linguagem E Pensamento

  1. 1. GRUPO: CAROL, DÉBORA, OLIVIA, RUTE, SARA Psicopatologia Linguagem e Pensamento Mulher lendo - Picasso Montagem dos slides: Washington M. Costa – wmcpsico@gmail.com.br
  2. 2. LINGUAGEM
  3. 3. Definição de Linguagem <ul><li>A LINGUAGEM é a “expressão do pensamento por meio de palavras” . A palavra pode ser falada ou escrita. Estas duas formas de manifestação do pensamento constituem o último elo da cadeia de processos psíquicos que, iniciando-se a percepção, terminam com a expressão da palavra falada ou escrita. </li></ul>
  4. 4. Definição de Linguagem <ul><li>A linguagem é considerada como um processo mental de caráter essencialmente consciente, significativo e orientado para o social. Entretanto, não se pode afirmar categoricamente que em todo seu curso a linguagem seja inteiramente consciente. </li></ul>
  5. 5. Definição de Linguagem <ul><li>A linguagem “permite não somente a transmissão dos conhecimentos adquiridos ao longo do processo histórico pelo qual o homem se torna progressivamente o senhor da natureza, mas dá-lhe também um meio de conhecimento, a possibilidade de abstrair dos primeiros sinais da realidade seu aspecto profundo e as leis que regem os objetos e fenômenos da natureza”. </li></ul>
  6. 6. Definição de Linguagem <ul><li>A linguagem possui as seguintes finalidades: </li></ul><ul><li>Comunicação social. </li></ul><ul><li>Expressão de vivências externas (pensamentos, sentimentos. </li></ul><ul><li>Organização da experiência sensorial e dos processos mentais. </li></ul><ul><li>Tradução dos estímulos externos. </li></ul><ul><li>indicação e descrição das coisas. </li></ul><ul><li>transmissão de conhecimentos. </li></ul><ul><li>Regulação da conduta. </li></ul>
  7. 7. Alterações quantitativas AFASIAS: <ul><li>Conceito: As afasias são distúrbios de linguagem causados por lesão das áreas corticais de associação responsáveis pelo processamento lingüístico. </li></ul><ul><li>Definições: PERDA DA FALA EM CONSEQÜÊNCIA DE UMA DESORDEM CEREBRAL. PERDA TOTAL OU PARCIAL DA LINGUAGEM FALADA COMO CONSEQÜÊNCIA DE UMA LESÃO CEREBRAL. </li></ul><ul><li>SÃO TRANSTORNOS DA LINGUAGEM ASSOCIADOS A UM ATRASO NA AQUISIÇÃO DA MESMA, À COMPREENSÃO E A EXPRESSÃO DEVIDO A UMA LESÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL. A AFASIA PODE SER CONGÊNITA OU ADQUIRIDA POR ALGUMA LESÃO CEREBRAL. </li></ul>
  8. 8. Alterações quantitativas AFASIAS: <ul><li>Afasia Motora (expressiva ou de Broca): constitui uma apraxia verbal. Os pacientes conseguem utilizar os músculos fonadores para outros fins que não a fala. Trata-se de uma afasia não fluente. O discurso emitido com grande dificuldade, caracteriza-se por frases curtas ou simplesmente fragmentos de palavras e pela perda da estrutura gramatical. A afasia motora está relacionada a lesões na região póstero-inferior do lobo frontal esquerdo (Área de Broca). </li></ul>
  9. 9. Alterações quantitativas AFASIAS: <ul><li>Afasia Sensorial (receptiva, ou de Wernicke): Esta afasia corresponde a uma agnosia verbal. Há perda da capacidade de compreender a linguagem, e a audição, por definição não está prejudicada. É uma afasia fluente, mas o paciente tem dificuldade em compreender a própria fala, as palavras são pronunciadas de forma defeituosa. As capacidades de repetição e de nomeação estão comprometidas. A sintaxe também pode estar alterada </li></ul>
  10. 10. Alterações quantitativas AFASIAS:
  11. 11. Alterações quantitativas AFASIAS: <ul><li>Felizmente, depois de uma dezena de conversas absolutamente nós passamos definitivamente nunca mais de nós “ lente dupla” único olho desse verme de olho fraco, incapaz de escrever o 13” / com o 23”/. Como você tínhamos impossível de nos escrever o 1/10” de nosso olho “ lente dupla” impossível. </li></ul>
  12. 12. Alterações quantitativas AFASIAS: <ul><li>Afasia de condução: Na afasia de condução, há fluência, a compreensão é normal, mas a capacidade de repetição e a de nomeação estão comprometidas. Esse tipo de afasia está relacionado a lesões no fascículo arqueado que conecta a área de Wernicke com a de Broca. </li></ul><ul><li>Afasia Global: na afasia global – relacionada a lesões das áreas de Broca e Wernicke -, a expressão, a compreensão e a repetição são normais. </li></ul><ul><li>Afasia Transcortical: sua principal característica é a preservação da capacidade de repetição. Trata-se de uma afasia não-fluente, podendo estar a capacidade de compreensão comprometida ou não. </li></ul><ul><li>Afasia Anômica: na afasia anômica, há dificuldade em nomear objetos. A expressão, a compreensão e a repetição são normais. </li></ul>
  13. 13. MODELOS DE INTERVENÇÃO NA AFASIA
  14. 14. MODELOS DE INTERVENÇÃO NA AFASIA <ul><li>“ Diferentes Modelos poderão ser usados adequadamente em diferentes contextos. A melhor prática, em qualquer situação particular, depende dos valores e objectivos do terapeuta, da organização em que são prestados os serviços e do cliente” </li></ul><ul><li>(Worral, L.E., Hickson, L.M., 2003) </li></ul>
  15. 15. Alterações quantitativas <ul><li>Agrafia: caracteriza-se pela incapacidade isolada para escrever. Também pode estar associada às afasias. </li></ul><ul><li>Alexia: na alexia, perde-se a capacidade para a leitura. Pode ocorrer isoladamente ou associada às afasias e agrafias. </li></ul><ul><li>Aprosódia (hipoprosódia): ocorre respectivamente, perda ou diminuição da modulação afetiva da fala, que se torna monocórdica, monótona. Pode haver também perda ou diminuição da capacidade de compreender a prosódia da fala das outras pessoas. Esse distúrbio está relacionado a lesões do hemisfério direito. </li></ul><ul><li>Hiperprosódia: caracteriza-se por uma acentuação da inflexão verbal; uma fala enfática. Ocorre na mania. </li></ul><ul><li>Mutismo: significa ausência da fala. Pode expressar negativismo (silêncio deliberado) ou inibição psíquica (no esturpor esquizofrênico, depressivo, histérico ou do delirium ). </li></ul>
  16. 16. Alterações quantitativas <ul><li>Logorréia: a logorréia (ou verborréia, ou verborragia) refere-se à uma expressão verbal aumentada. O paciente fala o tempo todo e é difícil interrompê-lo. Ela é observadatipicamente nos estados maníacos. </li></ul><ul><li>Oligolalia: a oligolalia (laconismo) refere-se a uma expressão verbal diminuída, mas não abolida. Consiste no oposto da logorréia. É observada nas mesmas situações em que o mutismo pode ocorrer. </li></ul><ul><li>Hiperfonia: representa uma elevação do volume da voz, isto é, falar excessivamente alto. </li></ul><ul><li>Hipofonia: é uma redução do volume da voz, ou seja, falar muito baixo, o que pode tornar impossível entender o que é dito. </li></ul><ul><li>Taquilalia ou Bradilalia: referem-se respectivamente, a um aumento e a uma diminuição da velocidade da expressão verbal. </li></ul><ul><li>Latência da Resposta: refere-se ao tempo que o paciente demora para responder às perguntas do examinador, podendo estar aumentada ou diminuída. </li></ul>
  17. 17. Alterações qualitativas <ul><li>Ecolalia: consiste na repetição, como um eco, da última ou últimas palavras faladas pelo entrevistador (ou pessoa no ambiente), dirigidas ou não ao paciente. Ocorre na esquisofrenia catatônica, no autismo e na demência. </li></ul><ul><li>Palilalia: consiste na repetição involuntária da última ou últimas palavras que o próprio paciente falou. Ocorre na demência. </li></ul><ul><li>Logoclonia: é semelhante a palilalia, só que a repetição é apenas das últimas sílabas. Também é tipicamente encontrada na demência. </li></ul><ul><li>Estereotipia verbal: consiste numa repetição monótona, inadequada e sem sentido comunicativo de palavras ou frases. Ocorre na esquisofrenia catatônica e na demência. </li></ul><ul><li>Mussitação: o paciente fala com uma voz sussurrada, em volume muito baixo e monótono, quase sem mover os lábios; fala para si próprio, e de forma incompreensível. Ocorre na esquisofrenia. </li></ul><ul><li>Solilóquio: refere-se ao comportamento de falar sozinho. É um indicador de alucinações auditivas. </li></ul>
  18. 18. Alterações qualitativas <ul><li>Neologismos: consistem em palavras novas, criadas pelos pacientes, ou palavras já existentes às quais é atribuído um novo significado. São encontrados principalmente na esquisofrenia. </li></ul><ul><li>Jargonofasia: representa uma completa desorganização da linguagem, cuja sintaxe se torna inteiramente incoerente. Palavras reconhecíveis, em geral articuladas corretamente, são emitidas de forma caótica e ilógica, podendo ainda ser misturadas à neologismos. Este distúrbio ocorre na esquisofrenia e na afasia sensorial. </li></ul><ul><li>Parafasias: referem-se à deformação ou troca de palavras, podendo ser literais ou verbais. A parafasia literal caracteriza-se pela substituição de uma palavra por outra de som semelhante, como faca por vaca . A parafasia verbal é caracterizada pela substituição de uma palavra por outra semanticamente relacionada, como faca por garfo . </li></ul><ul><li>Coprolalia: este distúrbio é caracterizado pela presença de palavras obscenas, vulgares ou relativas a excrementos. Quando se constitui num tique verbal, é típica da síndrome de Tourrette. </li></ul>
  19. 19. Alterações qualitativas <ul><li>Glossolalia: é como se o indivíduo estivesse falando outra língua. Ele produz sons incompreenssíveis. </li></ul><ul><li>Maneirismos: no maneirismo verbal, a fala torna-se pouco natural, afetada, seja quanto à escolha das palavras (rebuscamentos, uso de palavras “difíceis”, formalismo exagerado, assim como uso excessivo de diminutivos, gírias, etc.), e à pronúncia e ao sotaque. </li></ul><ul><li>Pedolalia: na pedolalia, o paciente fala com voz infantilizada. </li></ul><ul><li>Para-respostas: são respostas disparatadas em relação às perguntas . Por exemplo: “Qual é o seu nome?” – resposta: “acho que vai chover hoje!”. Este distúrbio ocorre na esquizofrenia e na demência. </li></ul>
  20. 20. A Linguagem nos principais transtornos mentais <ul><li>Na Mania: o paciente em geral fala alto, está logorreico e apresenta taquilalia, hiperprosódia, e diminuição da latência da resposta, podendo apresentar ainda coprolalia, em função da perda da autocensura. </li></ul><ul><li>Na Depressão: tipicamente, na depressão há oligolalia ou mutismo, bradilalia, hipofonia e aumento da latência de resposta, podendo apresentar hipoprosódia ou aprosódia. </li></ul><ul><li>Na Esquizofrenia: podem ocorrer mussitação, solilóquio, jargonofasia, neologismos, maneirismos, para-respostas, aprosódia. Particularmente no subtipo catatônico, podem ser observados mutismo, ecolalia, e estereotipia verbal. </li></ul><ul><li>Na Demência: pode haver afasias (com parafasias), ecolalia, palilalia, logoclonia, jargonofasia, para-respostas e aprosódia. </li></ul><ul><li>Nos Transtornos conversivos/dissociativos: pode haver mutismo, pedolalia (na puerilidade histérica) e glossolalia (em estados de transe psicogênicos). </li></ul>
  21. 22. A ssociação M ineira de A fásicos R eintegrar-te <ul><li>A AMAR tem como objetivo: </li></ul><ul><li>– Acolher; </li></ul><ul><li>– Instruir o indivíduo afásico; </li></ul><ul><li>– Auxiliar quanto aos aspectos emocionais e sócio-interacionais; </li></ul><ul><li>– Proporcionar melhor qualidade de vida. </li></ul><ul><li>– É um espaço de interação para os afásicos e não afásicos (familiares, professores, terapeutas, alunos). </li></ul>
  22. 23. A ssociação M ineira de A fásicos R eintegrar-te <ul><li>Educar a população para que saibam o que é afasia. </li></ul><ul><li>Auxiliam as pessoas com afasia, suas famílias, sistemas de apoio, e profissionais de saúde a terem consciência dos recursos para recuperar as competências na medida do possível, e para minimizar o impacto social. </li></ul>NOSSA MISSÃO
  23. 24. A ssociação M ineira de A fásicos R eintegrar-te CARTEIRA DO AFÁSICO
  24. 27. A AMAR AGRADECE! www.reintegrarte.com Andréa Andrade - Psicóloga
  25. 28. Pensamento A palavra pensar vem do verbo latino pendere , que significa ficar em suspenso, examinar, pesar, ponderar . O pensar está relacionado à antecipação de acontecimentos, à construção de modelos da realidade e simulação do seu funcionamento.
  26. 29. Atividades fundamentais do pensamento <ul><li>O conceito: é o elemento estrutural do pensamento. Em lógica, considera-se o conceito como uma forma de pensamento mediante a qual se exprimem os caracteres essenciais do objeto. Por intermédio dos conceitos apreendemos o significado das coisas. </li></ul><ul><li>O juízo: o processo que faculta o estabelecimento dessas relações significativas denomina-se juízo. Das relações entre idéias, ou conceitos, surgem os juízos que permitem afirmar ou negar algo e com que se pode avalizar se alguma coisa é verdadeira ou falsa. </li></ul><ul><li>O raciocínio: a função que concentra os juízos recebe o nome de raciocínio. É o encadeamento de juízos, uns aos outros, de maneira tal que o último elo da cadeia se imponha como conclusão necessária, e inevitável, dos anteriores. </li></ul>
  27. 30. Aspectos do pensamento <ul><li>Curso: O curso se refere à velocidade e ritmo do pensamento, e também à quantidade de idéias ao longo do tempo. </li></ul><ul><li>Forma: A forma esta relacionada com estrutura do pensamento e também com a relação entre as idéias. </li></ul><ul><li>Conteúdo: O conteúdo diz respeito à temática do pensamento, e às qualidades ou características do pensamento. </li></ul>
  28. 31. <ul><li> Alentecimento do Curso do Pensamento – (Bradipsiquismo): A inibição do Pensamento é um sintoma que manifesta geralmente unido à lentificação de todos os processos psíquicos. O essencial nesse tipo de transtorno reside na diminuição do número de representações evocáveis na unidade do tempo, e a lentificação no curso associativo. O Pensamento é tão lento que diminui o conteúdo do pensamento. A voz é monotemática. Aparenta uma dificuldade de “começar a pensar”, manifestada pela grande demora em responder questões simples. No início dos processos esquizofrênicos pode-se encontrar a inibição do pensamento percebido conscientemente pelo indivíduo, que se queixa de dificuldade no curso mental. </li></ul>Alterações quantitativas do Pensamento
  29. 32. Alterações quantitativas do Pensamento <ul><li>Aceleração do Curso do Pensamento – (Taquipsiquismo): Caracteriza-se pela rapidez do pensamento e pela fuga de idéias. Esta fuga de idéias: É consequência da aceleração do pensamento. O pensamento é tão acelerado que a linguagem não acompanha o que ele pensa. A diminuição do tempo psíquico, que caracteriza os estados de excitação maníaca, acompanha-se frequentemente da chamada Fuga de Idéias , variam continuamente o tema do discurso, que perde a coerência e a ordem do pensamento normal. </li></ul>
  30. 33. Alterações quantitativas do Pensamento <ul><li>Interrupção do curso do Pensamento – (Bloqueio do pensamento): consiste numa abrupta parada do curso associativo, de tal modo que o pensamento se interrompe, ou muda abruptamente de direção. O Paciente queixa que não pensa com continuidade, ou acusa uma sensação subjetiva na seqüência das suas idéias. É freqüente na esquizofrenia. Por vezes, o paciente interpreta como sendo conseqüência da ação de alguém que interferir “roubou seu pensamento”. ( é uma atribuição do paciente pois o Roubo do Pensamento e o Pensamento Imposto é uma alteração da atividade do eu psíquico e não um distúrbio do pensamento). É considerada quase que exclusivamente da esquizofrenia. </li></ul>
  31. 34. Alterações qualitativas do Pensamento <ul><li>Desagregação do pensamento: Ocorre uma quebra dos laços associativos. O pensamento se mostra despedaçado e desagregado, perdendo assim toda a coerência lógica. </li></ul><ul><li>Prolixidade : Caracteriza-se como um discurso cheio de detalhes irrelevantes. Decorre de uma incapacidade de sintetizar o discurso. É típica da epilepsia e da debilidade mental. </li></ul><ul><li>Fuga de idéias: Caracteriza-se pela variação rápida e incessante de tema, com preservação da coerência do relato e da lógica na associação de idéias. A tendência dominante do pensamento está enfraquecida e, consequentemente acontece um afastamento da idéia-alvo. </li></ul><ul><li>Perseveração : É uma recorrência exagerada e inadequada no discurso de um mesmo tema. Ocorre uma fixação persistente numa única idéia-alvo e um empobrecimento dos processos associativos. </li></ul><ul><li>Minuciosidade: Caracteriza-se por um discurso com um numero exagerado de detalhes relevantes. Estes detalhes são introduzidos para enriquecer a comunicação e, ansiosamente para evitar possíveis omissões. </li></ul>
  32. 35. Alterações qualitativas do Pensamento <ul><li>Idéias Delirantes: As idéias delirantes (ou delírios), assim como as idéias deliróides e as sobrevaloradas, são consideradas pela maioria dos autores como alterações do conteúdo do pensamento. Mas, devido à grande importância e amplitude do tema, a elas foi reservado um capítulo à parte. </li></ul>
  33. 36. “ A boa prática em saúde mental implica uma combinação hábil e equilibrada de uma abordagem descritiva, diagnóstica e objetiva e uma abordagem dinâmica, pessoal e subjetiva do doente e sua doença.” (Dalgalarrondo)
  34. 37. Bibliográfia: Paulo Dalgalrondo. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais . Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. Elie Cheniaux Jr. Manual de Psicopatologia. Editora Guanabara Koogan, 2002.

×