61321330 adm-estoque-e-almoxarifado

20,761 views

Published on

0 Comments
16 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
20,761
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
68
Actions
Shares
0
Downloads
1,603
Comments
0
Likes
16
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Ballou, 1993
  • Ver artigo 7340_5 na pasta Literatura/Logística/WMS.
  • 61321330 adm-estoque-e-almoxarifado

    1. 1. 1Administração deEstoques e AlmoxarifadoO Impacto das Políticas eTécnicas de Gestão naEficiência da Operação e noServiço aos Clientes
    2. 2. 2Logística: uma área de conhecimento em alta “A logística, enquanto campo de conhecimento é umaárea nova. Desta forma não se encontra alguém com20 anos de experiência em logística como um todo”... “A demanda por bons profissionais é maior que aoferta”Paulo Sarti, diretor de Operações e Marketing da Penske Logistics “Mais do que nunca, o custo da logística pode fazer adiferença entre uma empresa que ganha mais oumenos dinheiro”Luiz Wever, sócio-diretor da Ray & Berndtson(Fonte: Revista Tecnologística Fev/2007)
    3. 3. 3Importância Estratégica da Logística Quatro objetivos básicos para uma empresacompetitiva:1. Prover o melhor serviço ao cliente.2. Prover os mais baixos custos de produção3. Prover o menor investimento em estoques4. Prover os menores custos de distribuiçãoTony Arnould (1998) A Logística está presente direta ouindiretamente em todos estes objetivos
    4. 4. 4Custos Logísticos No Brasil os custos logísticosrepresentamaproximadamente 20% doPNB. Cerca de USD 105 bilhões porano (dados de 2001) Na indústria os custoslogísticos podem variar entre10% a 32% do faturamentobruto Armazenagem e Manutençãode Estoques representam36% dos custos logísticos noBrasilComposição do CustoLogístico no Brasil4% 5%31%60%Administração ArmazenagemEstoque TransporteFonte: Panorama CEL/COPEAD – Custos Logísticos no Brasil, 2006
    5. 5. 5Proposta da Logística Integrada Quebrar os Muros de Separação. Integrar as atividades em um único processo. Melhorar o fluxo de informações que é fundamental no processologístico. O nível de serviço ao cliente e os custos globais dependem daintegração das funções compras, planejamento, estoques,armazenagem, transportes e processamento de pedidos.LogísticaAlmoxarifado PCPDistribuiçãoFísicaCompras
    6. 6. 6Desdobramento da Cadeia Utilizando o Conceitode Logística Integrada Identificação da Demanda Planejamento das Necessidades Seleção e Qualificação de Fornecedores Compras Transportes Recebimento e Armazenagem Movimentação Interna Armazenagem de Produto Acabado Distribuição Física
    7. 7. 7Fundamentos daAdministração deEstoques A Importância dos Estoques Porque são necessários os Estoques? Objetivos da Administração de Estoques Custos Envolvidos na Administração de Estoques
    8. 8. 8A Importância dos Estoques “Todo erro gerencial acaba gerando estoque”(Michael C.Bergerac – Pres. Executivo da Revlon, Inc.) Dilema da Administração de Estoques: “Devemos sempre ter o produto de que você necessita, masnunca podemos ser pegos com algum estoque”.(Ballou, 1993) A importância dos estoques deriva do fato de elesserem necessários para assegurar a disponibilidade demercadorias, mas ao mesmo tempo representam20% a 60% dos ativos totais de uma organização.
    9. 9. 9Finalidades dos estoques Melhoram nível de serviço Incentivam economias naprodução Promovem economia detransportes Proteção contra alteraçõesnos preços. Proteção contra oscilações nademanda Proteção com relação aatrasos de entrega. Proteção contracontingências: quebras demáquinas, inundações,incêndios, greves, etc.Problemas gerados pelosestoques Consomem capital Encobrem ineficiências geraisdo sistema Constituem um potencial deperdas por avarias eobsolescência. Necessitam de recursos Mão de Obra Equipamentos paramovimentação earmazenagem Espaço Gerenciamento
    10. 10. 10Objetivos da Administração de Estoques Contribuir para a maximização dos lucros mediante: Excelência no atendimento aos clientes. Operação da fábrica a baixo custo. Investimento mínimo em estoques. A Administração de Estoques consiste em estabelecerum conjunto de regras de modo a permitir: Conhecer os itens de estoque de maior importância Definir as formas pelas quais os itens devem ser controlados Saber quando pedirSaber quando pedir Saber quanto pedirSaber quanto pedir(Fonte: Tony Arnould, 1999)
    11. 11. 11Indicadores de desempenho na administraçãode estoques e almoxarifado“Não é possível melhoraraquilo que não medimos”(Joseph M. Juran) Um dos oito princípios do Sistema deGestão da Qualidade é o da MelhoriaContínua. Os objetivos definem para ondequeremos ir. Os indicadores apontam onde estamos Motivam ações para a melhoriacontínua
    12. 12. 12Alguns indicadores de desempenho relacionadoscom a gestão de estoques e almoxarifado Nível de serviço do almoxarifado Avalia a capacidade do almoxarifado em atender asrequisições de materiais nos prazos acordados Meta sugestiva: de 95% a 98% Dock to stock time Tempo decorrido entre o descarregamento da mercadoriaaté seu efetivo armazenamento Stock outs Valor de vendas perdidas por falta de estoque demercadorias Pode ser expresso em moeda corrente ou em % emrelação ao faturamento total100osrequisitaditensdeNúmeroatendidositensdeNúmeroServiçodeNível ×=
    13. 13. 13 Acurácia de inventário Mede a precisão entre saldos físicos e contábeis Meta sugestiva: de 95% a 99% Taxa de ocupação volumétrica Mede a relação entre o volume efetivamente ocupado e adisponibilidade cúbica do armazém Avalia a eficiência do lay-out e do sistema de armazenagem100dosinventariaitensdeNúmerocorretositensdeNúmeroAcurácia ×=100armazémdototalVolume)(mmarmazenagedeútilVolumeTx3ocupação ×=
    14. 14. 14 Custos de movimentação e armazenagem Avalia o custo total do warehouse em relação ao faturamento Giro de estoques Mede o índice de renovação do estoque Relaciona o volume médio de estoque em um período com oconsumo de material no mesmo período Normalmente expresso em giros anuais100períodonooFaturamentperíodonowarehousedoCustoArmazCusto ×=mensalmédioEstoque12mensalConsumoanuaisgirosde#×=
    15. 15. 15Algumas Definições Estoque de Segurança: quantidade a ser mantida em estoqueem função das incertezas quanto à previsão de demanda ouquanto aos prazos de entrega. Estoque Médio: é a média entre o estoque final e o estoqueinicial em um determinado período (Em=Ei + Ef)/2. Para loteconstante de entrega é o tamanho do lote dividido por 2(Em=L/2) Tempo de Atendimento do Pedido (Lead-time): é o tempototal decorrido entre a colocação do pedido no fornecedor até orecebimento da mercadoria na fábrica. No caso de um itemproduzido internamente é o tempo entre a colocação da ordemde produção e a entrada do item no estoque. Ponto de Pedido: é a quantidade em estoque na qual um novopedido deve ser colocado. É determinado em função do tempode atendimento do pedido.Ponto de Pedido = Consumo Médio * Tempo de Atendimento doPedido
    16. 16. 16Observações Práticas Quanto maior o nível de incertezas em relação àdemanda ou aos prazos de entrega, maior deverá sero estoque de segurança. Quanto maior o tempo de atendimento do pedidomaior deverá ser o ponto de pedido. Quanto maior a freqüência de entregas menor será otamanho do lote e o estoque médio, porém maiorserá o custo de colocação de pedidos. Em caso de aumento de demanda, se mantivermos amesma freqüência de entregas estaremos provocandoum aumento do estoque médio.
    17. 17. 17Custos Envolvidos na Gestão de Estoques Custo do item: Preço pago acrescido de todos os custos paracolocar o item na fábrica (transporte, alfândegas, seguro,armazenagem intermediária, etc.) Custos de estocagem: constitui a soma dos custos de capital,armazenagem e movimentação (espaço físico, equipamentos,mão-de-obra, despesas, etc.) e custos de risco (obsolescência,avarias, furtos, deterioração) Custos de Pedidos (ou Custo de Preparação): custosadministrativos para a colocação e recebimento de um pedido(preenchimento de solicitação de compra e pedido, negociação,processamento, entrada de dados, recebimento e conferência).No caso de produção interna são os custos associados àpreparação de um lote de produção (set-up). Custo Total de Estoque: definido com a soma dos custos deestocagem e de colocação de pedidos
    18. 18. 18O que é Lote Econômico?O que é Lote Econômico?Ponto de Equilíbrio = LOTE ECONÔMICOPonto de Equilíbrio = LOTE ECONÔMICOCusto de Colocarum PedidoCusto de Manterum Item emEstoqueÉ a quantidade em que o custo de colocar pedidos éÉ a quantidade em que o custo de colocar pedidos éigual ao custo de carregamento de estoque. Éigual ao custo de carregamento de estoque. Étambém a quantidade que representa o menor custotambém a quantidade que representa o menor custototaltotal
    19. 19. 19Calculando os Custos de EstoqueCalculando os Custos de Estoque Definições cp: custo fixo para colocação de um pedidoou lote de produção ce: custo unitário anual de estocagem; somados custos para manter uma unidade emestoque CA: Custo de Armazenagem; é dado peloestoque médio multiplicado pelo custounitário anual de estocagem. CP: Custo de pedido; é dado pelamultiplicação do custo para colocação de umpedido pela quantidade de pedidos no ano,que é a Demanda Anual (DA) dividido pelotamanho do lote(L)2LCeCA ×=LDAcpCP ×=
    20. 20. 20Considerações sobre o Lote Econômico O lote econômico ou quantidade econômica de pedido éapenas um dos critérios de decisão referente ao tamanhode lote Sua aplicação baseia-se nas seguintes suposições: Demanda relativamente constante Produção ou compra em lotes e não de forma contínua Custos de pedidos e custos de armazenagem conhecidos econstantes Quando a aplicação do lote econômico não é viável? Produção sob encomenda Demanda variável e inconstante Quando o cliente ou fornecedor especifica a quantidade Quando outros fatores limitam o tamanho de lote (p.ex.:vida útil da ferramenta, turno de trabalho, lote de matériaprima, etc)
    21. 21. 21Fatores que Influenciam o Aumento deInventário Previsões de vendas otimistas Substituições de produtos ou alterações deengenharia sem levar em consideração estoque decomponentes dedicados, gerando obsoletos. Problemas de qualidade podem gerar necessidades delotes suplementares Desbalanceamento entre etapas do processoprodutivo ou constantes problemas de manutençãogeram estoques intermediários (WIP) indesejáveis Deficiências no planejamento de produçãoe materiais Compras promocionais ou especulativas.
    22. 22. 22Técnicas para Redução de Estoques Melhorar as previsões de demanda em termos de quantidade e prazos; Melhorar a confiabilidade de entregas dos fornecedores (ou produção) emtermos de prazo, quantidade e qualidade, permitindo a redução do Estoquede Segurança; Redução dos custos fixos de colocação de pedido ou de preparação daprodução (set-up); Aumentar freqüência de entregas sem aumento do custo de transportespela adoção de práticas como “milk-run”, consolidação de cargas, etc; Utilizar como um dos critérios de seleção de fornecedores a proximidadecom a planta industrial; Manter o local de armazenagem limpo e organizado com aplicação detécnicas como “housekeeping” e “5S”; Implantação dos princípios da “Manufatura Enxuta”, entre os quais: lay-outcelular, redução do tempo de atravessamento, kanban, “one-piece-flow”,gestão à vista, etc; Manter um bom nível de acurácia dos estoques efetuando inventáriosrotativos constantes Redução do quadro de fornecedores e estabelecimentode parcerias; Estoque em consignação; Manter planos de controle e eliminação de estoques obsoletos; Padronização de materiais e embalagens.
    23. 23. 23Modelos Utilizados paraReposição de Estoques Método do Ponto de Pedido Método de Reposição Periódica M.R.P. Just-in-time / Kanban
    24. 24. 24Introdução Toda empresa deve definir em sua política degestão de estoques os modelos de reposiçãoque devem responder as perguntas “quandocomprar” e “quanto comprar”. De acordo com o tipo de demanda e outrascaracterísticas particulares, poderão seradotados diferentes modelos de reposiçãopara cada grupo de materiais. Segundo a natureza da demanda as SKU’spoder ser classificadas em: Demanda Independente; Demanda Dependente.
    25. 25. 25Ponto de Pedido ou “Duas Gavetas” O ponto de pedido representa a quantidade emestoque suficiente para cobrir o consumo durante operíodo de atendimento de um novo pedido Uma vez cadastrado no sistema, sempre que oestoque atingir esta quantidade, será emitidaautomaticamente uma solicitação de compras O Cálculo do Ponto de Pedido é feito pela equação: PP = ES+CM*TA, onde: ES: estoque de segurança CM: consumo médio (normalmente diário) TA: tempo de atendimento do pedido
    26. 26. 26Just-in-timeAlgumas definições:“Just in time é um neologismo, expressão que em portuguêssignifica bem na hora, define um método de produção”.pt.wikipedia.org/wiki/Just in time“Técnica de pedidos de estoque com hora certa para que cheguemantes que o estoque existente termine, economizando assimespaço e capital. Um benefício adicional do JIT é a redução dedesperdício de estoques quando um processo de produção émudado”.dinheiro.hsw.com.br/operacoes10.htm“Fabricação do que é necessário, quando é necessário e naquantidade necessária”.tbmcg.com/pt/about/terminology.php“Filosofia de manufatura baseada na eliminação de toda equalquer perda e na melhoria contínua da produtividade”.apps.fiesp.com.br/qualidade/mainglos.htm
    27. 27. 27Just-in-time Filosofia de produção desenvolvida na Toyota Motor Companyna década de 70 Também conhecido como “Sistema Toyota de Produção” Na filosofia JIT a compra ou produção do material antes domomento necessário para consumo é considerado umdesperdício Neste conceito procura-se estabelecer um método de“produção puxada” onde os materiais somente são repostosquando existe consumo Entre as ferramentas aplicadas figuram os estudos pararedução de tempo de set-up, lay-out celular que otimiza o fluxode materiais e reduz a quantidade de material em processo,melhoria da confiabilidade de equipamentos, controleautônomo de defeitos e o KANBAN, entre outras.
    28. 28. 28Kanban Kanban é uma palavra japonesa que significa "etiqueta" ou"cartão" A produção e abastecimento de materiais é orientada peloscartões que possuem dados de identificação do material,quantidade por embalagem, entre outras Os cartões funcionam como requisições de material Regula internamente as oscilações no fluxo de materiais Minimiza as flutuações de estoque entre operações no processoprodutivo Descentraliza a gestão de materiais na fábrica Regula a produção para apenas o momento necessário nasquantidades necessária Limita a quantidade total de material no circuito
    29. 29. 29M.R.P. (materials requirement planning) ouPlanejamento das Necessidades de Materiais Técnica que permite determinar as necessidades de compras dosmateriais a serem utilizados na fabricação de um determinadoproduto Ao contrário do Kanban o MRP é uma técnica de “produçãoempurrada” É possível a utilização do MRP para o planejamento de produçãoe materiais a médio e longo prazo e o Kanban para a gestão dosmateriais a curto prazo Baseia-se na lista de materiais (BOM – Bill of materials). Tem ainda como dados de entrada o Plano Mestre de Produção(MPS – Master Production Scheduling) e o cadastro de produtos,com os parâmetros de planejamento de cada item, comolead-time, lote mínimo, estoque de segurança, loteeconômico, quantidade por embalagem, etc.
    30. 30. 30Controle de Estoques Objetivos Técnicas para controle de estoques Registros para controle de estoques Controle Físico dos estoques
    31. 31. 31 O objetivo principal do controle de estoques é o de fornecerinformações confiáveis a qualquer momento com relação àsquantidades em estoque, sua localização e disposição em relação aouso O processo de reposição de estoque (o que comprar, quandocomprar e quanto comprar) é suportado pelo controle de estoques Um sistema de informações eficiente é a base deste processo As principais informações para o controle de estoque vem dos registrosde inventário e movimentações A aplicação de modernas técnicas de gestão e organização, suportadaspela tecnologia da informação permitem um aumento significativo daprodutividade e maior segurança das operações de controle, gerandoinformações precisas em tempo real. A seguir veremos a aplicação de algumas destas técnicas
    32. 32. 32Classificação e Codificação dos Materiais Para facilitar a administração e controle de estoque os materiais devemser classificados segundo seu estado e uso. As principais são: Matérias Primas: itens comprados que ainda não entraram emprocesso de produção (componentes, materiais e sub-conjuntos) Material em Processo (WIP): materiais semi-acabados queaguardam um novo processamento. Produtos Acabados: produtos disponíveis para venda. Materiais de Consumo (ou auxiliares): materiais que não sãoutilizados diretamente no produto, mas que são necessários nosprocessos produtivos (cola, graxa, lubrificantes, solda, etc.) Outras classificações: materiais de manutenção, materiais deescritório, materiais de limpeza, materiais de terceiros em poder daempresa, materiais da empresa em poder de terceiros, etc. Outro tipo de classificação comum é: Materiais Diretos (ou produtivos): aqueles utilizadosdiretamente no produto Materiais Indiretos (ou improdutivos): materiais auxiliares,manutenção, escritório, etc.
    33. 33. 33Objetivos da Codificação de Materiais Facilitar a comunicação interna e externa da empresano que se refere a movimentação de materiais ecompras Evitar duplicidade de itens em estoque Permitir atividades de gestão de estoques e compras Facilitar a padronização de materiais Permitir o controle contábil de estoques Permitir o controle de custos
    34. 34. 34 Características de um bom sistema de codificação Expansivo: permitir a inserção de novos itens Preciso: permitir apenas um código para cada material Conciso: possuir o mínimo possível de dígitos para nãosobrecarregar o sistema informatizado e ser de fácil assimilaçãopelos usuários Conveniente: simples e de fácil aplicação Problemas com a codificação dos Materiais Codificações mal feitas levam a compras indevidas e a prejuízosirreparáveis. Codificações efetuadas por pessoas diferentes em momentosdiferentes Normalmente não são tomados os cuidados de verificação dapossibilidade de utilização de um código já existente Conseqüências: duplicidade de códigos, obsolescência, comprasdesnecessárias, estoques elevados, prejuízos.
    35. 35. 35Registros para Controle de Estoque Uma das atividades mais importantes na Administração deEstoques é o controle das quantidades de cada material. Paraisto são necessários registros. Com base nos registros de estoque são determinadas asnecessidades líquidas de materiais e a liberação de pedidos decompra. Imprecisão nos registros podem levar à falta de materiais ou acompras desnecessárias. Originalmente os registros eram organizados em fichasindividuais de controle dispostas em um arquivo denominadoKardex.Atualmente estas fichas foram substituídas pelos sistemasinformatizados de controle de estoque
    36. 36. 36Registros imprecisos implicam em: Paradas de produção por falta de material Excesso de estoque Aumento de custo de aquisição devido acompras emergenciais, fretes especiais, etc. Redução no nível de serviço aos clientes Perdas de produtividade Aumento de custos de produção por horasextras, set-ups não programados, etc.
    37. 37. 37Causas de Erros nos Registros de EstoqueRetirada de material sem autorizaçãoFalta de segurança no almoxarifado e na empresaPessoal mal treinadoErros de conferência física no recebimentoErros de digitação ou lançamento dos registrosErros no lançamento das baixas de estoqueProblemas de estrutura de produtos nos casos debaixa de estoques automática pela produçãoErros induzidos por auditorias de inventário malrealizadas
    38. 38. 38Administração deAlmoxarifados Principais atividades do Almoxarifado Utilização Eficaz do Almoxarifado Arranjo Físico e Sistemas de Endereçamento Sistemas de Separação de Pedidos F.I.F.O. – P.E.P.S. Organização do Almoxarifado - Housekeeping
    39. 39. 39Principais Atividades do Almoxarifado Recebimento de mercadorias Verificar notas fiscais em relação aos pedidos de compra Conferir quantidades Verificar existência de avarias Inspecionar mercadorias, se necessário (normalmente executado porpessoal técnico) Identificação dos materiais com etiquetas contendo código,descrição, quantidade, data de recebimento, etc. Armazenar materiais conforme critérios pré-estabelecidos Movimentar e separar materiais para atendimento de pedidos Distribuir Materiais na Produção Armazenar produtos acabados Preparar produtos acabados para remessa aos clientes Operar sistema de informações
    40. 40. 40F.I.F.O. – P.E.P.S. A sigla FIFO, vem da expressão do idioma inglês “first in, firstout”, que significa “o primeiro que entra é o primeiro quesai”. Operacionalmente, significa estabelecer uma forma de controlena armazenagem de tal maneira a garantir sempre que o lote decomponente a ser enviado para a produção seja o mais antigono almoxarifado. A aplicação desta regra é parte das boas práticas dearmazenagem e é fundamental para: Garantia da rastreabilidade dos componentes utilizados na produção Controle sobre prazos de validade Garantia de não existência de peças fora de especificação em casosde alterações de engenharia Redução do risco de obsolescência Redução de risco de avarias
    41. 41. 41Arranjo Físico O arranjo físico está relacionado com a disposição dositens no almoxarifado Fatores que influenciam na escolha do tipo de arranjofísico: Características dos produtos a serem estocados (dimensões,peso, etc.) Intensidade de movimentação Necessidades especiais de equipamentos de movimentação Necessidades especiais de armazenagem (inflamáveis,tóxicos, temperatura e umidade controladas, radioativos, etc.
    42. 42. 42Alguns Sistemas de Arranjo Físico Agrupar itens por famílias (ex.: elementos de fixação,componentes eletrônicos). Apresenta como principal vantagem afácil localização dos itens. Agrupar itens de giro rápido localizando-os próximo ao pontode separação de pedidos. Minimiza os tempos de movimentação. Agrupar itens por semelhança física. Este sistema éaconselhável quando determinados itens necessitam dosmesmos equipamentos de movimentação e armazenagem. Itenspequenos podem ser acondicionados em prateleiras emovimentados com carrinhos manuais, enquanto itens maispesados requerem estruturas mais reforçadas e empilhadeiras. Estocagem direta no local de trabalho. Quantidadespequenas são mantidas nos locais de trabalho, enquanto osestoques reserva são mantidos no almoxarifado, ou entreguesdiariamente pelos fornecedores (KANBAN).
    43. 43. 43Sistemas de Endereçamento Os almoxarifados devem serorganizados por endereços que sãonecessários para pronta localização dositens. É interessante a utilização de endereços“inteligentes” como no exemplo ao lado Ainda com relação à localização osAlmoxarifados podem ser divididos em: Localização fixa: os itens sãoestocados sempre nas mesmasposições. Localização flutuante: os itens sãoestocados onde existe localdisponível.
    44. 44. 44Localização Fixa Principais Vantagens Facilita o controle visual Em almoxarifados pequenosdispensa até mesmo autilização de registros Facilita a estocagem eseparação Principais Desvantagens: Utilização do espaço ruim Dificuldade de encaixe denovos itens Problemas de falta de espaçono caso de lotes maiores queo dimensionado Este sistema é normalmenteutilizado para itens pequenosonde o aproveitamento doespaço não é um pontocrucial.Localização Flutuante Principais Vantagens Melhor utilização do espaço. Não há problemas para ainclusão de novos códigos. Principais Desvantagens Exige informação precisa daposição. Perde-se a possibilidade decontrole visual sobre asquantidades. Dificulta o controle de FIFO. Normalmente requercontroles computadorizados. Uma vez que a utilizaçãoracional do espaço é uma dasprincipais metas doalmoxarifado, este é osistema mais largamenteutilizado em grandesdepósitos.
    45. 45. 45Sistemas de Separação de Pedidos Trata-se de uma das atividades que mais consometempo no almoxarifado. Requer planejamento e organização de modo aatender os pedidos no menor tempo possível, com omínimo custo. Alguns procedimentos para melhorar a produtividade Localizar itens de alto giro em locais próximos Criar áreas exclusivas para separação Agrupar pedidos contendo itens comuns para reduzirtempo Ter um bom sistema de localização Selecionar corretamente os equipamentos Planejar rotas de separação
    46. 46. 46Sistema de Separação por Pedido ou Picking Discreto Cada pedido é separado por um único operador que obtém todosos itens circulando pelo almoxarifado Geralmente utilizado em pequenos almoxarifados Vantagens Maior confiabilidade Menor manuseio Permite melhor identificação de erros e responsáveis Maior rapidez no atendimento ao cliente Desvantagens Maior distância percorrida Não permite otimizações de separação de itens comuns dediversos pedidos Baixo rendimento em almoxarifados maiores
    47. 47. 47Sistema de Separação por Zona O Almoxarifado é dividido em zonas com pessoas designadaspara cada zona. O pedido é dividido por zonas e cada responsável envia os itenspara uma área de consolidação Um único pedido é atendido por zona de cada vez Vantagens Menores distâncias percorridas em relação ao sistema por pedido Quantidade menor de itens por operador, possibilitando maior nívelde conhecimento dos itens Facilidade para identificação de erros Desvantagens Dificuldade de balanceamento da carga de trabalho Aumenta o tempo de atendimento do pedido
    48. 48. 48Sistema de Separação de Pedidos Múltiplos ouPicking por Lote Vários pedidos são reunidos em uma única separação Pode ser aplicado tanto no sistema por zonas, quanto no sistemade um operador percorrendo todo o almoxarifado Adequado para grandes quantidades de pedidos com itenscomuns Vantagens Racionaliza o processo de separação Reduz o tempo de viagem Possibilita dupla conferência de quantidades Desvantagens Necessária nova separação e embalagem Maior manuseio dos itens Aumenta o tempo de atendimento do pedido Cria gargalos
    49. 49. 49W.M.S. – Warehouse Management System Sistema informatizado para gerenciamento de armazéns,depósitos e centros de distribuição. Suportado por um sofisticado sistema de informações que visagarantir a precisão dos registros e aumentar o nível de eficiênciana operação do armazém Utiliza tecnologias de captura eletrônica de dados, como códigode barras, coletores móveis, redes locais sem fio, RFID (Radio-Frequency Identification ou Identificação por Rádio Freqüência),EDI (Electronic Data Interchange ou Troca Eletrônica de Dados). A maioria dos sistemas WMS já possui integração com ossistemas ERP, sendo que os principais ERPs (SAP, MicroSiga,Logix, etc.) possuem módulos WMS integrados.
    50. 50. 50Evolução do W.M.S. Sistemas informatizados controlavam apenastransações de entrada e saída de estoques Surgem os primeiros sistemas com controle deendereçamento denominados WCS (Sistema deControle de Armazém) que permitiram: Estocagem em posições aleatórias como alternativa aosistema de localização fixa. Aumento da densidade de estocagem Primeiras soluções WMS nos EUA aplicados aoperações de distribuição e estocagem altamenteautomatizados Avanços tecnológicos permitem o desenvolvimentode soluções integradas de gerenciamento deestoques apresentando melhorias nos fluxos físicos ede informações.Décadade 70Meadosde 70Décadade 70Últimosanos
    51. 51. 51Algumas funcionalidades de um WMS Garantia do FIFO (First in – First out) Rastreabilidade das operações Suporte ao gerenciamento de inventários gerais e rotativos Planejamento e controle da capacidade de operação do armazém Mapeamento dos locais de armazenagem e endereçamentoautomático Reconhecimento de limitações físicas de endereços Separação de pedidos (picking) Integração com clientes e fornecedores através de sistemas EDI Atualização on-line de estoques por dispositivos coletores dedados. Programação de entrada e saída de pedidos, inspeção derecebimento, armazenagem e distribuição física
    52. 52. 52Alguns benefícios de um sistema WMS Otimização do espaço no armazém Redução de custos devido ao aumento deprodutividade das operações de movimentação earmazenagem Melhoria dos índices de acurácia de estoques Utilização mais racional do espaço Melhor aproveitamento e controle da mão-de-obra Aumento da capacidade do armazém pelo aumento degiro de estoques Relatórios gerenciais suportando a tomada dedecisões Informações de estoque em tempo real Melhor nível de serviço aos clientes e/ou àprodução

    ×