Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Princípios Peculiares do Direito do Trabalho

13,003 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Princípios Peculiares do Direito do Trabalho

  1. 1. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Classificação dos principais princípios que norteam a base legal trabalhista </li></ul>
  2. 2. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio da Proteção do Trabalhador </li></ul><ul><li>“ A necessidade de proteção social aos trabalhadores constitui a raiz sociológica do direito do trabalho e é imanente a todo seu sistema jurídico.” </li></ul><ul><li>Arnaldo Sussekind 1997 </li></ul>
  3. 3. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio da Norma Mais Favorável </li></ul><ul><li>Caso existam duas normas viáveis, sem que nenhuma delas atente contra a manifestação do legislador, deverá optar-se pela que mais beneficie o trabalhador, independente da escala hierárquica daquelas normas. </li></ul><ul><li>Ex.: A CLT prevê que ao trabalho noturno seja dado um adicional de 20% sobre a hora normal. Neste caso, se uma Convenção Coletiva estabelecer que para determinada categoria este trabalho seja remunerado 50% sobre a hora normal, aplica-se a norma da convenção e não a disposta na CLT. </li></ul>
  4. 4. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio do Indubio Pro Operario </li></ul><ul><li>Caso exista dúvida razoável, deverá o Juiz interpretar a favor do economicamente mais fraco, in casu , o trabalhador. </li></ul><ul><li>Não só em casos que envolve a participação do Juiz, ou seja, sempre que existir duas interpretações a um texto legal ou artigo legal, deve-se aplicar a que melhor atenda aos interesses do trabalhador. </li></ul>
  5. 5. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio da Primazia da Realidade </li></ul><ul><li>No direito trabalhista, enfatiza-se o que ocorreu na prática, na realidade, independentemente do contratado. </li></ul><ul><li>Imaginemos um processo em que o trabalhador alega cumprir jornada de 12 horas; a empresa junta cartões de ponto, pelos quais se vê que o empregado sempre cumpriu 8 horas de trabalho por dia. Apresentando prova testemunhal que comprove a jornada alegada pelo reclamante, terá este ganho de causa, pois os depoimentos testemunhais se sobrepõe a prova documental quando comprovam a REALIDADE dos fatos. </li></ul>
  6. 6. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio da Condição Mais Benéfica </li></ul><ul><li>Não se pode, por este princípio, retirar do trabalhador as cláusulas contratuais que lhe sejam benéficas, não podendo ser retiradas ou substituídas por outras menos benéficas. Trata-se de DIREITO ADQUIRIDO. </li></ul><ul><li>Este princípio encontra-se no art. 468 da CLT: “Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e, ainda assim, desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia. </li></ul><ul><li>Parágrafo Único: Não se considera alteração unilateral a determinação do empregador para que o respectivo empregado reverta ao cargo efetivo, anteriormente ocupado, deixando o exercício de função de confiança. </li></ul>
  7. 7. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio da Irrenunciabilidade dos Direitos Trabalhistas </li></ul><ul><li>São indisponíveis os direitos do trabalhador, ainda que este concorde em abrir mão de suas prerrogativas. Ao trabalhador não é permitida a renúncia de direito, como, por exemplo: não pode ficar sem férias, mesmo recebendo-as em dinheiro, não ter registro em CTPS </li></ul>
  8. 8. Princípios Peculiares do Direito do Trabalho <ul><li>Princípio da Continuidade da Relação de Emprego </li></ul><ul><li>Há sempre a presunção deque o trabalhador não deseja deixar o emprego. Sempre que existir uma relação de trabalho, presume-se que esta será com vínculo de emprego. Isto quer dizer que, no caso de uma reclamação já Justiça, o empregador terá que provar que o trabalhador não era o seu empregado, mas exercia um serviço, digamos, autônomo. </li></ul><ul><li>Neste sentido é a Jurisprudência – Enunciado nº 212 do Tribunal Superior do Trabalho: “ Prova. Despedimento. O ônus de provar o término do contrato de trabalho, quando negada a prestação de serviço e o despedimento, é do empregador, pois o princípio da continuidade da relação de emprego constitui presunção favorável ao empregado </li></ul>

×