Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A criança de seis anos no ensino fundamental

777 views

Published on

A criança de seis anos no ensino fundamental

Published in: Education
  • Be the first to comment

A criança de seis anos no ensino fundamental

  1. 1. Metodologia e organização do Ensino Fundamental Prof. Ms. Thiago Cellin Duarte thiago.duarte@anhanguera.com Pedagogia A criança de seis anos no Ensino Fundamental: algumas considerações.
  2. 2. “As crianças merecem o nosso respeito, a nossa confiança, a nossa amizade. É bom viver nesta atmosfera particular feita de sentimentos delicados, risos alegres, esforços entusiastas, primeiras admirações, alegrias puras e claras.” (KORCZAK, 1984, p.40)
  3. 3. A criança e seu direito à infância e à educação. • População infantil = silencio histórico → necessidades e especificidades não eram reconhecidas pelos adultos. • Passado = não havia reconhecimento social e cultural da criança e da infância. Criança = do latim creantia que significa “criar” Infância = do latim infantia, do verbo fari = falar, onde fan = falante e in constitui a negação do verbo.
  4. 4. A criança e seu direito à infância e à educação. • Como pensar a infância da criança diante das rápidas transformações do mundo atual? • Como lhe oferecer uma educação de qualidade para que elas possam realmente exercer a cidadania de maneira plena?
  5. 5. A criança e seu direito à infância e à educação. Caracterização de criança e infância. • Diferentes concepções constituíram o entendimento de infância e de criança • Infância = período de preparação, de inocência. • Criança = vista como uma tábula rasa, reprodutora de conhecimento. • Um ser natural, de propriedades naturais . • Um fator de suprimento do mercado de trabalho
  6. 6. A criança e seu direito à infância e à educação. • O conceito de criança ou infância sofreu mudanças • A infância é uma construção social. – Contextualizada em relação ao tempo, ao local e à cultura • As crianças são atores sociais, participando da construção e determinando a própria vida. – A criança é entendida como construtora desde o inicio da vida, do conhecimento, da cultura e da própria identidade.
  7. 7. A criança e seu direito à infância e à educação. • Interação e troca de experiências são fundamentais durante os primeiros anos de vida. • Crianças ainda não vivenciam plenamente a infância → entrada precoce ao mundo dos adultos. • Falta de orientação, e até mesmo de bom senso por parte da família e de alguns segmentos da sociedade.
  8. 8. A criança e seu direito à infância e à educação. • Brasil = concepção de criança cidadã. Mas... “(...) muitos são os problemas que afetam a infância brasileira nos primeiros anos de vida: o trabalho infantil, os maus-tratos, o abuso, a violência e a privação de direito do convívio familiar, como as crianças órfãs em abrigos. As crianças ainda sofrem cotidianamente maus-tratos e violência em suas casas provocados por seus pais” (FILHO; GARCIA, 2001, p.48)
  9. 9. A criança e seu direito à infância e à educação. Criança ainda vive num mundo paradoxal: • Afinidade por criança X menor número de filhos • Espontaneidade X submissão a regras • Importância X sem importância • Respeito à infância X criticas à infantilidade. • Dependência dos adultos X comportamento autônomo.
  10. 10. A criança e seu direito à infância e à educação. • As crianças devem ter direitos a desfrutar do ócio, de brincar e de sonhar. • Necessidade de criar instituições escolares voltadas para a infância, capazes de garantir um espaço de formação que atenda as especificidades das crianças e suas diferentes linguagens. • Educação capaz de contribuir para seu desenvolvimento físico, psíquico, social e intelectual.
  11. 11. A criança e seu direito à infância e à educação. Respeito aos direitos das crianças: • Direito a um professor qualificado; • Espaço adequado, rico e agradável aos olhos infantis; • Tempo bem planejado, capaz de satisfazer suas necessidades; • Construção de novos saberes; • Descoberta do mundo ao redor; • Brincar e ser feliz.
  12. 12. Implicações no E.F. de nove anos • Crianças carentes = nem todas possuem acesso à Educação infantil. • Não possuem certas habilidades que provavelmente farão falta para a aprendizagem de determinado do primeiro ano. • Educação Infantil = aprendizagens acontecem por meio de brincadeiras, da fantasia, da imaginação, da diversão e da interação com os pares. • Diferente nos demais níveis de ensino.
  13. 13. Implicações no E.F. de nove anos • Dinâmica da Educação Infantil desvalorizada culturalmente pela escola. • Brincadeiras = passatempos, sem muita utilidade para o aprendizado infantil. • A dinâmica nos primeiros anos é vista de forma que a obediência e o silêncio são fundamentais para o desenvolvimento do trabalho.
  14. 14. Ensino Fundamental Educação infantil Implicações no E.F. de nove anos
  15. 15. Implicações no E.F. de nove anos • Ingresso da criança de seis anos no ensino obrigatório. • Oportunidade para essa faixa etária do acolhimento de todas as crianças. • Oferecer conhecimentos de nossa cultura. • Desenvolvimento das diferentes linguagens.
  16. 16. Implicações no E.F. de nove anos • Aumento de tempo na escola não fará a criança ter acesso aos bens culturais da sociedade. • Qualidade do trabalho que é desenvolvido na sala de aula, independente do nível de ensino. • Interesses e necessidades devem ser contemplados na proposta pedagógica da instituição → preservar as características etárias e necessidades indispensáveis e indissociáveis da educação.
  17. 17. Implicações no E.F. de nove anos Ambiente • Organização do trabalho pedagógico para essa faixa etária: – Organização curricular – Organização do tempo e do espaço – Rotina de atividades – Papel do adulto nas inter-relações – Materiais disponíveis – Espaços pedagógicos disponíveis.
  18. 18. Implicações no E.F. de nove anos • Observar as múltiplas linguagens, bem como dialogar, negociar, combinar. • Organização das atividades = considerar as necessidade biológicas, psicológicas, sociais e históricas das crianças. • Organização da sala de aula: – Acessibilidade dos materiais; – Espaço para expor os registros das crianças, produções coletivas, fotos, conclusões.
  19. 19. Implicações no E.F. de nove anos Desenvolvimento do currículo na educação da criança de seis anos: • Pedagogia de projetos (projetos de trabalho) • Tema-problema que instigue • Análise, interpretação e crítica • Estabelecer relações entre os fenômenos. • Interdisciplinaridade.
  20. 20. Implicações no E.F. de nove anos • Necessidade de pensar no objetivos que se pretende alcançar com crianças de seis anos. • Reconhecer a curiosidade das crianças. • Unificação dos conteúdos da pré-escola com a primeira série = equivoco. – Elaboração de uma proposta adequada a essa faixa etária de maneira que a infância continue fazendo parte de sua vida.
  21. 21. Implicações no E.F. de nove anos Questões importantes no processo de ampliação do ensino fundamental de nove anos: • Reconhecimento da infância e respeito a essa fase. • Reorganização do tempo e do espaço a partir das necessidades das crianças • Articulação com a pré-escola → continuar a dar um atendimento adequado • Garantia do desenvolvimento profissional e formação continuada dos profissionais da educação.
  22. 22. Considerações finais • Acreditar na ampliação do Ensino Fundamental e no ingresso e permanência das crianças de seis anos nesse nível de ensino é dever não só da instituição escolar e seus profissionais, mas da instituição família e principalmente do Poder Público. • Garantir educação de qualidade tanto nas escolas infantis quanto nos primeiros anos do ensino fundamental.
  23. 23. Questão em grupo: Como vocês imaginam uma escola ideal que possibilite atender plenamente uma criança de seis anos?

×