Figuras de
construção ou
sintaxe
Elipse
Tal figura se caracteriza pela omissão de um termo na oração não
expresso anteriormente, contudo, facilmente identi...
Zeugma
Ao contrário da elipse, na zeugma ocorre a
omissão de um termo já expresso no
discurso. Constatemos, pois:
Maria go...
Anáfora
Essa figura de linguagem se caracteriza pela repetição intencional de um termo
no início de um período, frase ou v...
Polissíndeto
Figura cuja principal característica se define
pela repetição enfática do conectivo,
geralmente representado ...
Assíndeto
Diferentemente do que ocorre no polissíndeto,
manifestado pela repetição da conjunção, no
assíndeto ocorre a omi...
Anacoluto
Trata-se de uma figura que se caracteriza pela
interrupção da sequência lógica do pensamento,
ou seja, em termos...
Inversão
Como bem nos revela o conceito, trata-se da
inversão da ordem direta dos termos da
oração. Constatemos:
Eufórico ...
Pleonasmo
Figura que consiste na repetição enfática de uma ideia antes
expressa, tanto do ponto de vista sintático quanto ...
Observação importante:
O pleonasmo utilizado sem a intenção de conferir
ênfase ao discurso, torna-se o que denominamos de
...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Figuras de construção ou sintaxe

989 views

Published on

Figuras de Linguagem: figuras de construção.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Figuras de construção ou sintaxe

  1. 1. Figuras de construção ou sintaxe
  2. 2. Elipse Tal figura se caracteriza pela omissão de um termo na oração não expresso anteriormente, contudo, facilmente identificado pelo contexto. Vejamos um exemplo: Rondó dos cavalinhos [...] Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo... O Brasil politicando, Nossa! A poesia morrendo... O sol tão claro lá fora, O sol tão claro, Esmeralda, E em minh’alma — anoitecendo! Manuel Bandeira Notamos que em todos os versos há a omissão do verbo estar, sendo este facilmente identificado pelo contexto.
  3. 3. Zeugma Ao contrário da elipse, na zeugma ocorre a omissão de um termo já expresso no discurso. Constatemos, pois: Maria gosta de Matemática, eu de Português. Observamos que houve a omissão do verbo gostar.
  4. 4. Anáfora Essa figura de linguagem se caracteriza pela repetição intencional de um termo no início de um período, frase ou verso. Observemos um caso representativo: A Estrela Vi uma estrela tão alta, Vi uma estrela tão fria! Vi uma estrela luzindo Na minha vida vazia. Era uma estrela tão alta! Era uma estrela tão fria! Era uma estrela sozinha Luzindo no fim do dia. [...] Manuel Bandeira Notamos a utilização de termos que se repetem sucessivamente em cada verso da criação de Manuel Bandeira.
  5. 5. Polissíndeto Figura cuja principal característica se define pela repetição enfática do conectivo, geralmente representado pela conjunção coordenada “e”. Observemos um verso extraído de uma criação de Olavo Bilac, intitulada “A um poeta”: “Trabalha e teima, e lima, e sofre, e sua!”
  6. 6. Assíndeto Diferentemente do que ocorre no polissíndeto, manifestado pela repetição da conjunção, no assíndeto ocorre a omissão deste. Vejamos: Vim, vi, venci (Júlio César) Depreendemos que se trata de orações assindéticas, justamente pela omissão do conectivo “e”.
  7. 7. Anacoluto Trata-se de uma figura que se caracteriza pela interrupção da sequência lógica do pensamento, ou seja, em termos sintáticos, afirma-se que há uma mudança na construção do período, deixando algum termo desligado do restante dos elementos. Vejamos: Essas crianças de hoje, elas estão muito evoluídas. Notamos que o termo em destaque, que era para representar o sujeito da oração, encontra-se desligado dos demais termos, não cumprindo, portanto, nenhuma função sintática.
  8. 8. Inversão Como bem nos revela o conceito, trata-se da inversão da ordem direta dos termos da oração. Constatemos: Eufórico chegou o menino. Deduzimos que o predicativo do sujeito (pois se trata de um predicado verbo-nominal) se encontra no início da oração, quando este deveria estar expresso no final, ou seja: O menino chegou eufórico.
  9. 9. Pleonasmo Figura que consiste na repetição enfática de uma ideia antes expressa, tanto do ponto de vista sintático quanto semântico, no intuito de reforçar a mensagem. Observemos, pois, alguns exemplos: Vivemos uma vida tranquila. O termo em destaque reforça uma ideia antes ressaltada, uma vez que viver já diz respeito à vida. Temos uma repetição de ordem semântica. A ele nada lhe devo. Percebemos que o pronome oblíquo faz referência à terceira pessoa do singular, já expressa. Trata-se, portanto, de uma repetição de ordem sintática demarcada pelo que chamamos de objeto direto pleonástico.
  10. 10. Observação importante: O pleonasmo utilizado sem a intenção de conferir ênfase ao discurso, torna-se o que denominamos de vício de linguagem – ocorrência que deve ser evitada. Como, por exemplo: subir para cima descer para baixo entrar para dentro, entre outras circunstâncias linguísticas. Fonte: Vânia Duarte Graduada em Letras

×