UNIVERSIDADE TIRADENTESJÉSSICAARAÚJO MACEDOTHAISA DOS SANTOS GONÇALVESVALDENIZE HENRIQUE SANTANAA IMAGEM DO AUTOMÓVEL NA P...
JÉSSICAARAÚJO MACEDOTHAISA DOS SANTOS GONÇALVESVALDENIZE HENRIQUE SANTANAA IMAGEM DO AUTOMÓVEL NA PUBLICIDADEBRASILEIRA NO...
JÉSSICAARAÚJO MACEDOTHAISA DOS SANTOS GONÇALVESVALDENIZE HENRIQUE SANTANAA IMAGEM DO AUTOMÓVEL NA PUBLICIDADE BRASILEIRA N...
“ O perigo de toda comunicação é acreditar que tenha tido êxito”George Bernard Shaw
RESUMOEste trabalho busca apresentar a história da comunicação impressa no Brasil, e a partir delatraçar um perfil sobre e...
RESUMENEste trabajo tiene como objetivo presentar la historia de la comunicación impresa en Brasil, yde ella trazar un per...
LISTAS DE FIGURAS1- Primeiro anúncio Gazeta do Rio de Janeiro em 1808........................................................
21- Anúncio Ford publicado em 18 de outubro de 1929 Jornal Estadão..................................4622- Anúncio de revis...
46- McDonalds 2012...........................................................................................................
67- Detalhe do anúncio Ford Landau - Revista Veja - Edição 721 - 30 de junho de 1982 - p. 78e 79.............................
80- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e ...
93- Detalhe do anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja - Edição 1860 -30 de junho de 2004 - p. 56 e 57....
LISTAS DE TABELAS1-Marcas de veículos presentes na revista Veja .............................................................
SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO..........................................................................................................
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................................................................101REFERÊNC...
161 INTRODUÇÃOPara a construção deste trabalho, tomou-se como base a ideia de que apublicidade, no seu mais singelo signif...
17feitas com muito texto e com imagens que davam detalhes do produto, pois não havia atelevisão para complementar o anúnci...
18“ponte” ligando o anunciante ao veículo), como modelos e exemplos para apresentar a seusclientes no Brasil.Segundo Sato ...
19a) Contenha situações ou sugestões de utilização do veículo que possam pôr emrisco a segurança pessoal do utente ou de t...
20espaço de tempo para a pesquisa e montagem do projeto.Além dessa pesquisa digital, também foram feitas pesquisas explora...
21como a partir desses escritos elaborou-se o referido trabalho. Para a melhor montagem eorganização das ideias, o trabalh...
22revista Veja durante o período demarcado.2 A HISTÓRIA DA PROPAGANDA IMPRESSA NO BRASILAs diversas inovações da tecnologi...
23Empresa de Publicidade e Comércio, que funcionaria até 1915 (TEICH, 2008). Com achegada dos imigrantes e dos trabalhador...
24redatores e diretores de arte que passam a desenvolver ações que antes eram realizadas pelosartistas plásticos, escritor...
25Figura 3: Capa da Revista Manchete de 04 de dezembro de 1954Fonte: http://carmen.miranda.nom.br/retorno2.htmlSegundo Alt...
26Figura 4: Anúncio do Fusca de 1976Fonte: http://paixaoporfusca.blogspot.com.br/2009/06/propagandas-do-fusca-dos-anos-70....
27Figura 6: Anúncio da agência DM9 bronze no Festival Cannes Lions 2010Fonte: Penteado, 2010Hoje mais do que nunca a tendê...
28a se percorrer, nem sempre as notícias chegavam a tempo, muitas vezes atrasavam dias ousemanas. "[...] a Acta Diurna era...
29Figura 8: Primeiro número da Gazeta do Rio de Janeiro, em 10 de setembro de 1808.Fonte: Barbosa, 2011Figura 9: Primeiro ...
30escrever sobre o que desejasse, não havia mais medo de ser preso devido à falta de liberdadede expressão. Outros estados...
31fofocas da Corte, destinados às mulheres. Só em 1869, o Brasil consegue a primeira revistailustrada, chamada de Semana I...
32Figura 11: Capa revista Manchete de 27 de outubro de 1956Fonte: http://revistamancheterevivendo.blogspot.com.br/2011_01_...
33Figura13: Capa da revista Realidade vetada pela ditadura Militar de janeiro de 1967Fonte: http://www.bansen.com.br/wordn...
342012, p.1).2.3 VejaEm 1968, a editora Abril lança a Veja, que conquistou o espaço no mercadoeditorial e hoje lidera o se...
352005, p.1).Atualmente a revista já faz parte do cotidiano de muitos brasileiros, com seçõesfixas sobre cinema, música, l...
363 A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDAAUTOMOBILÍSTICASegundo a Associação Nacional Memória da Propaganda (2006), a história doautomó...
37persuasivas e convincentes desenvolvidas até meados de 1973. A Volks também conseguiuatravés das ações de comunicação e ...
38montadoras construindo fábricas no Brasil posteriormente. Nesse ambiente, as montadorasnacionais reforçam os valores da ...
39automóvel buscam vender a ideia, mexer com o emocional, para isso, utiliza-se apenas umaspecto do carro para compor toda...
40Figura 5: Anúncio Corolla Toyota com o texto “Respeite a sinalização de trânsito”Fonte: http://blog.fisgo.com.br/2011/03...
41espaçamento entre as linhas deve ser no mínimo de 3,15 mm. A respeito das informaçõescontidas no anúncio ficou determina...
422019 o país continuaria na quinta posição, mas com um salto de 20% - chegando aos6,5 milhões de unidades vendidas (FIGUE...
434 A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDA IMPRESSA DA FORDDurante a criação da comunicação visual do anúncio, leva-se em consideração o...
44dos automóveis (BRITO, 2007) .Percebe-se que no anúncio dos anos 1919 (abaixo), foi utilizado o texto comoelemento predo...
45O anúncio de um automóvel da marca Ford, do ano de 1925, apresenta estruturabalanceada, um anúncio leve, em se tratando ...
46compartimento na parte traseira da carroceria” onde se podem transportar os mais diversosprodutos ou equipamentos.Figura...
47Figura 22: Anúncio de revista Super Deluxe Fordor Sedan 1947Fonte: http://www.propagandasdecarros.com.br/propagandas.php...
48Figura 23: Ford Consul 1952Fonte: http://www.propagandasdecarros.com.br/propagandas.php?id=5276Contrariando a evolução d...
49Figura 7: Alfa Romeo -Ford -2300 Ti 1977/78Fonte: http://autozani.blogspot.com.br/2009/06/bons-tempos-bons-carros.htmlMe...
505 CRITÉRIOS ESCOLHIDOS PARAANÁLISE VISUALDurante a pesquisa realizada nas edições da revista Veja, no acervo digital(htt...
51consumidor adquira o produto, ou talvez até troque sua marca favorita, experimentando novastendências, tocar o lado emoc...
52Espanha – 1982Coreia do Sul / Japão – 2002Na pesquisa geral, (incluindo todos os anos dos períodos estipulados), forampe...
53Olímpicos.A tabulação dos dados obtidos com essa análise identificou que os meses de junhoe setembro foram os que mais a...
54EDIÇÕES A SEREM ANALISADAS1980 25/06 - Edição: 616 - p.42 - Lançamento F-1001982 30/06 - Edição 721 - p. 78 e 79 - Ford ...
552012).Figura 8: Pintura rupestreFonte: https://www.ufmg.br/online/fotografia/arquivos/DSCN0225-pintura.JPGAlém dessas pi...
56criadoras dos símbolos que deram origem ao alfabeto grego, que inspirou o alfabeto etruscoque, por fim, deu origem ao al...
57Figura 9: Alfabeto Etrusco.Fonte: http://www.lucedistrega.net/pratica/scritture.htmFigura 31: Inscrições da Coluna de Tr...
58características, dá-se o nome de tipos, e cada tipo possui uma família com peculiaridadessemelhantes. As serifas são peq...
59Figura 34: Modelo da letra EscrituraFonte http://www.baixarfontes.com.br/d) Romana – Tem como características a harmonia...
60A legibilidade do texto é influenciada pela escolha correta das fontes utilizadas,sua espessura, a proporção, altura, la...
61a presença ou ausência de um detalhe na base das letras, a serifa (RIBEIRO, 2007). Os tipossem serifa transmitem elegânc...
625.2 Cores na ComunicaçãoA cor é de extrema importância para os anúncios publicitários, que poderáatrapalhar ou ajudar de...
63Figura 37: CMYKFonte: http://luzeled.com.br/luz/As cores são divididas em cores quentes e cores frias. Para padronizar e...
64deseja demonstrar como expõe Farina.a) Branco – paz, pureza, casamento, inocência, harmonia. Indicado para anúnciosde pr...
65Figura 41: Langeries TriFilFonte: Gomes, 2007d) Verde – vida, bem-estar, esperança, descanso, relaxamento. Anúncios quec...
66Figura 43: Cerveja ColôniaFonte: Crocetta, 2008f) Vermelho - sangue, perigo, movimento e paixão. Indicado para produtos ...
67Figura 45: Omo Progress+- OmoFonte: http://www.omo.com.br/wp-content/uploads/destaque_produto_560x3871.jpgh) Vermelho+Am...
68Figura 47: Tratores NavesaFonte: Cabal, 2008Segundo a definição de Farina, a publicidade é um reflexo parcial das tendên...
69liame entre a técnica do jornal e a arte da apresentação”. Em outras palavras, a diagramaçãobusca dar o padrão de repres...
70anúncio a ser montado, é necessário que se obedeça a regras básicas de agrupamento desseselementos, imagens e texto. Ess...
71Figura 4912: Cartaz WWFFonte: Zampar, 2009c) Continuidade – quando se dá continuidade a uma imagem independente,formando...
72perfeitamente. O perfil do público receptor da mensagem é que determina se a proporção daimagem deve ser simétrica ou as...
73Figura 52: Havaianas 2011Fonte:http://4.bp.blogspot.com/-3UM2RLjq-Nk/TqlKQAEZozI/AAAAAAAADn0/iWMZse_HsrA/s400/nova+campa...
74Figura 53: Utilitários RenaultFonte: http://www.ideiaoriginal.com.br/?page_id=245b) Z – o movimento é similar ao S, mas ...
75Figura 55: Coca - ColaFonte: http://www.birox.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/12/An_CC_NegPE_210x290mm_Blog1.jpgd) C...
76Figura 57: Anúncio Ford EcoSportTítulo: http://4.bp.blogspot.com/_WyENyviAF-A/TOZoomaCLRI/AAAAAAAACbE/8tuVA_nf1Pc/s1600/...
77Figura 59: Lençóis Infantis ArtexFonte: Pereira, 2010
786 PROPAGANDA DA FORD NA REVISTA VEJA DE 1980 A1985 E 2000 A 2005Durante a década de 1980, a montadora Ford ficou marcada...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ford

2,128 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,128
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A imagem do automóvel na publicidade brasileira nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005 na Revista Veja. Estudo de caso ford

  1. 1. UNIVERSIDADE TIRADENTESJÉSSICAARAÚJO MACEDOTHAISA DOS SANTOS GONÇALVESVALDENIZE HENRIQUE SANTANAA IMAGEM DO AUTOMÓVEL NA PUBLICIDADEBRASILEIRA NOS PERÍODOS DE 1980 A 1985 E 2000 A2005 NA REVISTA VEJA. ESTUDO DE CASO: FORDAracaju2012
  2. 2. JÉSSICAARAÚJO MACEDOTHAISA DOS SANTOS GONÇALVESVALDENIZE HENRIQUE SANTANAA IMAGEM DO AUTOMÓVEL NA PUBLICIDADEBRASILEIRA NOS PERÍODOS DE 1980 A 1985 E 2000 A2005 NA REVISTA VEJA. ESTUDO DE CASO: FORDMonografia apresentada à UniversidadeTiradentes como um dos pré-requisitos para aobtenção do grau de bacharel em ComunicaçãoSocial com habilitação em Publicidade ePropaganda.Orientador:Prof. Esp Cristiano Leal de Barros LimaAracaju2012
  3. 3. JÉSSICAARAÚJO MACEDOTHAISA DOS SANTOS GONÇALVESVALDENIZE HENRIQUE SANTANAA IMAGEM DO AUTOMÓVEL NA PUBLICIDADE BRASILEIRA NOSPERÍODOS DE 1980 A 1985 E 2000 A 2005 NA REVISTA VEJA. ESTUDODE CASO: FORDMonografia apresentada à UniversidadeTiradentes como um dos pré-requisitospara a obtenção do grau de bacharel emComunicação Social com habilitação emPublicidade e Propaganda.Aprovada em 04/12/2012.Banca Examinadora____________________________________Cristiano Leal de Barros LimaUniversidade Tiradentes____________________________________________Valéria BoniniUniversidade Tiradentes___________________________________________Sílvia DantasUniversidade Tiradentes
  4. 4. “ O perigo de toda comunicação é acreditar que tenha tido êxito”George Bernard Shaw
  5. 5. RESUMOEste trabalho busca apresentar a história da comunicação impressa no Brasil, e a partir delatraçar um perfil sobre evolução dos anúncios de veículos da marca Ford publicados narevista Veja nos períodos de 1980 a 1985 e 2000 a 2005. Como parâmetros para esta análiseforam observados itens como: a tipografia, as cores e a diagramação utilizadas na composiçãodas peças publicitárias. Serão abordados pontos relevantes da história da propaganda impressanuma visão geral e especificamente sobre a marca Ford ao longo de sua trajetória no mercadonacional, o que demonstra ao final que a publicidade fez parte do seu crescimento,apresentando ao público cada novo modelo de veículo, refletido na modernização dos seusanúncios. As pesquisas foram feitas a partir de livros, revistas disponibilizadas na bibliotecada Instituição bem como no acervo digital da revista Veja disponibilizado no site da mesma,onde se pôde pesquisar todas as edições dos anos selecionados e verificar as mudançasocorridas com a evolução das décadas.PALAVRAS-CHAVE: Anúncio; Ford; Veja; Publicidade e Propaganda
  6. 6. RESUMENEste trabajo tiene como objetivo presentar la historia de la comunicación impresa en Brasil, yde ella trazar un perfil acerca de la evolución de los anuncios de vehículos de la marca Forden la revista Veja publicados en los períodos de 1980 a 1985 y 2000 a 2005. Como parámetrosde este análisis se observaron elementos como: la tipografía, los colores y el diseño utilizadosen la composición de piezas publicitarias. Se abordarán los puntos relevantes en la historia dela publicidad impresa y en una visión general y específicamente acerca de la marca Ford a lolargo de su trayectoria en el mercado nacional, lo que demuestra al final que la publicidadhizo parte de su crecimiento, presentando al público cada nuevo modelo de vehículo, que serefleja en la modernización de sus anuncios. Las encuestas fueron tomados de libros, revistasdisponibles en la biblioteca de la institución, así como la colección digital de la revista Vejadisponible en sitio de esta, donde se pode pesquisar todas las ediciones de los añosseleccionados y ver los cambios ocurridos con la evolución de las décadas.PALABRA CLAVE: Anuncio; Ford; Veja; publicidad y propaganda
  7. 7. LISTAS DE FIGURAS1- Primeiro anúncio Gazeta do Rio de Janeiro em 1808..........................................................222- Anúncio de cigarro 1966.......................................................................................................243- Capa da revista Manchete de 04 de dezembro de 1954........................................................254- Anúncio do Fusca de 1976....................................................................................................265- Anúncio Valisére 1987..........................................................................................................266- Anúncio da agência DM9 bronze no Festival Cannes Lions 2010.......................................277- Acta Diurna - Império Romano 59 a.C................................................................................288- Primeiro número da Gazeta do Rio de Janeiro, em 10 de setembro de 1808.......................299- Primeiro número do jornal brasileiro (impresso em Londres), O Correio Brasiliense dejunho de 1808............................................................................................................................2910- Capa da Revista da Semana: Reprodução da Fundação Biblioteca....................................3111- Capa revista Manchete de 27 de outubro de 1956..............................................................3212- Primeira capa da revista Realidade de abril de 1966..........................................................3213- Capa da revista Realidade vetada pela ditadura Militar de janeiro de 1967.......................3314- Ford Escort 85.....................................................................................................................3715- Propaganda Chevrolet Ipanema SL/E 1990 - propaganda de revista.................................3816- Anúncio do carro Grand Vitara da Suzuki..........................................................................3917- Anúncio Corolla Toyota com o texto “Respeite a sinalização de trânsito”........................4018- Anúncio da Hyundai Tucson GLAutomático com as devidas informações sobre opagamento.................................................................................................................................4119- Anúncio Ford ano de 1919..................................................................................................4420- Anúncio Ford publicado dia 25 de janeiro de 1925 - Jornal Estadão................................45
  8. 8. 21- Anúncio Ford publicado em 18 de outubro de 1929 Jornal Estadão..................................4622- Anúncio de revista Super Deluxe Fordor Sedan 1947........................................................4723- Ford Consul 1952...............................................................................................................4824- Propaganda Corcel 1960.....................................................................................................4825- Alfa Romeo -Ford -2300 Ti 1977/78..................................................................................4926- Pintura rupestre...................................................................................................................5527- Hieróglifos..........................................................................................................................5528- Escrita com alfabeto fenício. 900 a.C. encontrada na Itália...............................................5629- Alfabeto Grego....................................................................................................................5630- Alfabeto Etrusco.................................................................................................................5731- Inscrições da Coluna de Trajano, em Roma.......................................................................5732- Modelo da letra Cursiva......................................................................................................5833- Modelo da letra Gótica.......................................................................................................5834- Modelo da letra Escritura....................................................................................................5935- Modelo da letra Romana.....................................................................................................5936- Modelo da letra Bastão.......................................................................................................5937- CMYK................................................................................................................................6338- Temperatura de cores..........................................................................................................6339- Dia do médico – Farmácia Pague Menos...........................................................................6440- Bloqueador solar – Avon.....................................................................................................6441- Langeries TriFil ..................................................................................................................6542- Havaianas – Ipê...................................................................................................................6543- Cerveja Colônia..................................................................................................................6644- Anúncio Athletic.................................................................................................................6645- Omo Progress+- Omo.........................................................................................................67
  9. 9. 46- McDonalds 2012.................................................................................................................6747- Tratores Navesa..................................................................................................................6848- Logomarca da Unilever.......................................................................................................7049- Cartaz WWF........................................................................................................................7150- Logomarca Carrefour..........................................................................................................7151- Logomarca Banco do Brasil...............................................................................................7252- Havaianas 2011...................................................................................................................7353- Utilitários Renault...............................................................................................................7454- Lençóis Infantis Artex.........................................................................................................7455- Coca – Cola.........................................................................................................................7556- Dia do motociclista.............................................................................................................7557- Anúncio Ford EcoSport......................................................................................................7658- Requeijão Blanche..............................................................................................................7659- Lençóis Infantis Artex.........................................................................................................7760- Anúncio Ford Ranger..........................................................................................................7861- Anúncio Ford F-100 - Revista Veja - Edição 616 - 26 de junho de 1980 - p.42.................7962-Detalhe do anúncio Ford F-100 - Revista Veja - Edição 616 - 26 de junho de 1980 -p.42............................................................................................................................................8063- Detalhe do anúncio Ford F-100 - Revista Veja - Edição 616 - 26 de junho de 1980 -p.42............................................................................................................................................8064- Direção de leitura do anúncio Ford F-100 - Revista Veja - Edição 616 - 26 de junho de1980 - p.42................................................................................................................................8165- Caixas de elementos do anúncio Ford F-100 - Revista Veja - Edição 616 - 26 de junho de1980 - p.42................................................................................................................................8266- Anúncio Ford Landau - Revista Veja - Edição 721 - 30 de junho de 1982 - p. 78 e 79.....83
  10. 10. 67- Detalhe do anúncio Ford Landau - Revista Veja - Edição 721 - 30 de junho de 1982 - p. 78e 79............................................................................................................................................8368- Caixa de elementos do anúncio Ford Landau - Revista Veja - Edição 721 - 30 de junho de1982 - p. 78 e 79........................................................................................................................8469- Direção de leitura do anúncio Ford Landau - Revista Veja - Edição 721 - 30 de junho de1982 - p. 78 e 79........................................................................................................................8470- Caixas de elementos do anúncio Ford Landau - Revista Veja - Edição 721 - 30 de junhode 1982 - p. 78 e 79...................................................................................................................8571- Anúncio Ford Del Rey - Revista Veja - Edição 824 - 20 de junho de 1984 - p. 42 e 43....8572- Detalhe do anúncio Ford Del Rey - Revista Veja - Edição 824 - 20 de junho de 1984 - p.42 e 43.......................................................................................................................................8673- Detalhe do anúncio Ford Del Rey - Revista Veja - Edição 824 - 20 de junho de 1984 - p.42 e 43.......................................................................................................................................8674- Caixas de cores do anúncio Ford Del Rey - Revista Veja - Edição 824 - 20 de junho de1984 - p. 42 e 43........................................................................................................................8675- Direção de leitura do anúncio Ford Del Rey - Revista Veja - Edição 824 - 20 de junho de1984 - p. 42 e 43........................................................................................................................8776- Caixas de elementos do anúncio Ford Del Rey - Revista Veja - Edição 824 - 20 de junhode 1984 - p. 42 e 43...................................................................................................................8877- Anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 - 23 dejunho de 2000 - p. 96 e 97.........................................................................................................8978- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................8979- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................90
  11. 11. 80- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................9081- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................9082- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................9183- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................9084- Detalhe do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja - Edição 1655 -23 de junho de 2000 - p. 96 e 97...............................................................................................9185- Caixas de elementos do anúncio Check-up grátis na concessionária Ford - Revista Veja -Edição 1655 - 23 de junho de 2000 - p. 96 e 97.......................................................................9286- Anúncio Ford Fiesta - Revista Veja - Edição 1757 - 26 de junho de 2002 - p. 42 e 43......9387- Detalhe do anúncio Ford Fiesta - Revista Veja - Edição 1757 - 26 de junho de 2002 - p. 42e 43............................................................................................................................................9388- Detalhe do anúncio Ford Fiesta - Revista Veja - Edição 1757 - 26 de junho de 2002 - p. 42e 43............................................................................................................................................9389- Detalhe do anúncio Ford Fiesta - Revista Veja - Edição 1757 - 26 de junho de 2002 - p. 42e 43............................................................................................................................................9490- Detalhe do anúncio Ford Fiesta - Revista Veja - Edição 1757 - 26 de junho de 2002 - p. 42e 43............................................................................................................................................9491- Direção de leitura do anúncio Ford Fiesta - Revista Veja - Edição 1757 - 26 de junho de2002 - p. 42 e 43........................................................................................................................9592- Anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja - Edição 1860 - 30 de junhode 2004 - p. 56 e 57...................................................................................................................96
  12. 12. 93- Detalhe do anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja - Edição 1860 -30 de junho de 2004 - p. 56 e 57...............................................................................................9694- Detalhe do anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja - Edição 1860 -30 de junho de 2004 - p. 56 e 57...............................................................................................9695- Detalhe do anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja - Edição 1860 -30 de junho de 2004 - p. 56 e 57...............................................................................................9796- Caixas de cores do anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja - Edição1860 - 30 de junho de 2004 - p. 56 e 57....................................................................................9797- Direção de leitura do anúncio Serviço Atendimento ao cliente Ford - Revista Veja -Edição 1860 - 30 de junho de 2004 - p. 56 e 57.......................................................................98
  13. 13. LISTAS DE TABELAS1-Marcas de veículos presentes na revista Veja .......................................................................522-Anúncios por edição da revista Veja......................................................................................533-Edições a serem analisadas....................................................................................................544-Legibilidade de Caracteres....................................................................................................60
  14. 14. SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO....................................................................................................................162 A HISTÓRIA DA PROPAGANDA IMPRESSA NO BRASIL.......................................222.1 Jornal..............................................................................................................................272.2 Revista...........................................................................................................................302.3 Veja................................................................................................................................343 A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDAAUTOMOBILÍSTICA........................................364 A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDA IMPRESSA DA FORD........................................435 CRITÉRIOS ESCOLHIDOS PARAANÁLISE VISUAL.............................................505.1 Tipografia........................................................................................................................545.2 Cores na Comunicação....................................................................................................625.3 Diagramação...................................................................................................................686 PROPAGANDA DA FORD NA REVISTA VEJA DE 1980 A 1985 E 2000 A 2005.....786.1- Anúncio 1 “Ford F100” de 1980...................................................................................796.2- Anúncio 2 “Ford Landau” de 1982...............................................................................826.3- Anúncio 3 “Ford Del Rey” de 1984..............................................................................856.4- Anúncio 4 “Check-up grátis” de 2000...........................................................................886.5- Anúncio 5 “Ford Fiesta” de 2002..................................................................................926.6- Anúncio 6 “Serviço de Atendimento ao cliente Ford” de 2002..............................95
  15. 15. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................................................................101REFERÊNCIAS....................................................................................................................104APÊNDICES..........................................................................................................................110ANEXOS................................................................................................................................139
  16. 16. 161 INTRODUÇÃOPara a construção deste trabalho, tomou-se como base a ideia de que apublicidade, no seu mais singelo significado, “tornar público”, faz parte da história do povobrasileiro desde os remotos tempos dos tropeiros, que cortavam o território nacionaloferecendo seus produtos diretamente à população; passando pelos movimentosrevolucionários como a Inconfidência Mineira, com Tiradentes, que se utilizava de cartazes epanfletos para divulgar seus ideais de luta (JAPIASSÚ, 2012); não esquecendo os primeirosatos oficiais que tornaram a publicidade meio de divulgação amplamente difundida no País,com a implantação da Imprensa Régia por parte do Imperador D. João.A história oficial da publicidade impressa no Brasil se inicia no Período Colonialcom a chegada da Família Real e a instalação da Imprensa Régia, que editava a Gazeta do Riode Janeiro, no ano de 1808. De acordo com Teich (Exame, 2008), um anúncio que oferecia“uma morada de casas de sobrado” foi o primeiro a ser publicado no Jornal. A partir daí já erapossível divulgar os mais diversos produtos e serviços, inclusive recompensas por escravosfugitivos, comuns naquela época. Anteriormente a esse período, os anúncios eram feitos deforma amadora, rudimentar, sem técnica, manuscritos ou de boca em boca. No Brasil, apublicidade dava seus primeiros passos enquanto que na Europa já era uma prática comum.Nas primeiras décadas de 1900, os meios de comunicação impressos eram as principais fontesde notícias. Os clientes eram chamados de fregueses, não se fazia investimento em pesquisasde opinião, construção de perfil do consumidor e os procedimentos não eram padronizados(REIS, 2012).Em 1929 chega ao Brasil a Empresa Thompson, exclusivamente para prestarserviços à General Motors, que já era sua cliente no exterior. Inicialmente as campanhas eram
  17. 17. 17feitas com muito texto e com imagens que davam detalhes do produto, pois não havia atelevisão para complementar o anúncio, além do que era característica da época, ser racional,conhecer o produto, pois havia pouca concorrência e pouco conhecimento de cada produto(REIS, 2012).Este trabalho busca compreender a evolução da apresentação dos anúncios deveículos da marca Ford ao longo dos anos dentro da revista Veja.A história da publicidade no Brasil entra em paralelo com o período dedesenvolvimento do País, crescendo e tornando-se mais profissional com a chegada dasprimeiras fábricas de automóveis que necessitavam de produção na realização de seusanúncios (JAPIASSÚ, 2012). A fábrica da Ford foi a primeira a se instalar no País no ano de1919.Segundo Teich (EXAME, 2008, p.1), “a evolução gráfica despertou o surgimentode novos jornais e revistas, contribuindo para o desenvolvimento do texto publicitário, comotambém o desenvolvimento da composição e utilização das imagens nas peças”.No final do século XIX, com a tecnologia mais avançada e a possibilidade deprodução de mercadorias em massa, com um padrão de qualidade equivalente, tornou-senecessário o estímulo do mercado, para poder dar vazão a essa produção (Vestergard;Schoreder, 2000, apud BERTOMEU, 2006).A possibilidade do uso de cores trouxe para a publicidade impressa,principalmente, uma nova gama de possibilidades para ilustrar os anúncios a cada dia maisutilizados nos meios impressos. Segundo Guanaes (apud EXAME, 2008, p.1) “[...] A cadanovidade que surge (tecnologia), a propaganda se reinventa [...]”.A publicidade veiculada em revistas no Brasil foi vista primeiramente através dasedições importadas, que traziam anúncios mais trabalhados, que ocupavam páginas inteiras eeram utilizadas pelos agenciadores de propaganda (termo utilizado para aqueles que faziam a
  18. 18. 18“ponte” ligando o anunciante ao veículo), como modelos e exemplos para apresentar a seusclientes no Brasil.Segundo Sato (NOVA ESCOLA, 2009, p.1), “foi Manoel Antônio da Silva Serva,um português, quem editou e vendeu em Salvador As Variedades ou Ensaios de Literatura,revista de 30 páginas que durou apenas dois números, mas foi a partir daí que iniciou ahistória desse tipo de periódico no Brasil”.A revista “O Cruzeiro” (1928-1975) foi a primeira no Brasil a investir emconceitos gráficos e ilustração, tornando-se um referencial para as demais impressões(GARBOGGINI; CARUSO, 2007). Nesse intervalo de existência da revista “O Cruzeiro”,surgiram várias outras revistas de variedades, com grande circulação no País, entre essas arevista Veja, lançada no mercado no ano de 1968 (JUCA, 2005). A revista sempre apresentouanúncios diversificados, que foram evoluindo graficamente de acordo com o crescimento darevista, da tecnologia de manipulação de imagens e com a força de entrada da mesma emvárias camadas da sociedade.Na década de 1980, foi oficializada a existência do Conselho Nacional deAutorregulamentação Publicitária (Conar), a publicidade no Brasil também viveu o apogeu dacriatividade e foi o período em que mais se restringiu o investimento na área, por conta daditadura e da crise financeira que o País vivia (SEVERINO; GOMES; VICENTINI, 2010).Apesar dessas restrições, foi um período no qual vários modelos de automóveis foramlançados e precisavam ser apresentados aos consumidores, (GUIMARÃES, 1989) e naspáginas da revista Veja esses modelos foram amplamente anunciados.No início dos anos 90, foi promulgado o Código de Publicidade queregulamentava o modo como os anúncios poderiam ou não ser apresentados, contendo artigosindividuais para cada tipo de produto e serviço, inclusive, automóveis. Observa-se:Artigo 22.º - A (Veículos automóveis)1 - É proibida a publicidade a veículos automóveis que:
  19. 19. 19a) Contenha situações ou sugestões de utilização do veículo que possam pôr emrisco a segurança pessoal do utente ou de terceiros;b) Contenha situações ou sugestões de utilização do veículo perturbadoras do meioambiente;c) Apresente situações de infração das regras do Código da Estrada, nomeadamente,excesso de velocidade, manobras perigosas, não utilização de acessórios desegurança e desrespeito pela sinalização ou pelos peões.2 - Para efeitos do presente Código, entende-se por veículos automóveis todos osveículos de tração mecânica destinados a transitar pelos seus próprios meios nas viaspúblicas. [...] (CÓDIGO DA PUBLICIDADE /Decreto Lei 330/90 p. 8-9).Nessa mesma época o Brasil passa a ser considerado a terceira potência mundialem criação publicitária, devido à quantidade de prêmios que conquistou em festivaisinternacionais e os elogios recebidos pelos países de Primeiro Mundo (BRASIL, 2009).Destaca-se não somente o progresso tecnológico, mas também o reflexo daevolução do consumidor, a forma de captação da mensagem e o efeito dela sobre osreceptores, que em parte acompanharam a trajetória da tecnologia e os que chegaram a ummercado publicitário já evoluído tecnologicamente.Os anúncios da Ford, pesquisados na revista Veja 1980-1985, possuempredominância verbal, apesar de também apresentarem a imagem do veículo. Descreviam-sequase todos os itens que o veículo possuía, dando destaque ao item que estava sendoincorporado àquela versão do automóvel, como um motor mais potente, tipo de banco, forçano chassi. A principal intenção do anúncio era mostrar que possuir o automóvel era essencialpara o dia a dia do possível comprador, frisando que era um bem de necessidade.Observando os anúncios do período 2000-2005, percebe-se a predominância daimagem, o foco dos anúncios é mostrar a beleza do veículo, o status em possuí-lo. Persuadir opossível comprador mais pelo apelo visual, do que pelas palavras. Os anúncios são maisdiretos, enfatizam o valor do carro em R$ (reais) e a possibilidade de mudança ou ratificaçãode estado, de condição financeira, aos olhos da sociedade.O trabalho foi construído primeiramente a partir de pesquisas no acervo digital darevista Veja, onde se observaram as principais marcas de automóveis anunciantes na referidarevista. A delimitação dos anos a serem pesquisados se faz necessária, tendo em vista o curto
  20. 20. 20espaço de tempo para a pesquisa e montagem do projeto.Além dessa pesquisa digital, também foram feitas pesquisas exploratóriasbibliográficas em livros na biblioteca da Universidade. A pesquisa bibliográfica serviu comoreferencial teórico para o embasamento das ideias que surgiram no decorrer da elaboração doprojeto.Essa delimitação de espaço e de tempo também serviu para diferenciar o modocomo as marcas anunciavam, como se deu o processo de mudança com o passar dos anos, otipo de linguagem e apresentação que as mesmas utilizavam.Utilizou-se a pesquisa tanto quantitativa como qualitativa, pois os anúncios foramtabulados de acordo com quantidade de vezes em que a marca Ford apareceu, no período de1980-1985 e 2000-2005.A escolha da revista Veja deu-se pela importância editorial que a mesma apresentadentro do cenário de mídia impressa no País, bem como pela existência de acervo digitaldisponibilizado na internet, onde se pode pesquisar dentre as diversas edições já publicadas,de forma integral incluindo seus anúncios, que são o alvo central dessa pesquisa.Trata-se de uma revista de informações gerais, de circulação nacional, com umacirculação média de 1.070.158 exemplares semanais (IVC jan-mai 2012), por isso possuigrande poder de entrada nas classes A (21%), B(50%) e C(25%), tendo como leitores em suamaioria os residentes na região Sudeste (58%), sendo quase igualitários os leitores do sexofeminino (51%) e masculino (49%); no quesito idade caracteriza-se pela oscilação das faixasetárias que leem a Veja (EGM - Estudos Marplan - 1º Trimestre 2012).O presente trabalho tomou como base para sua produção a pesquisa bibliográfica,e virtual pela internet, onde se buscou montar um perfil de como a publicidade se apresentou eevoluiu ao longo de sua existência no cenário nacional. Nos capítulos seguintes serãoapresentados textos e autores que escreveram a respeito da comunicação impressa no Brasil, e
  21. 21. 21como a partir desses escritos elaborou-se o referido trabalho. Para a melhor montagem eorganização das ideias, o trabalho foi dividido em capítulos que expõem um apanhado dosprincipais conceitos a respeito do tema.No capítulo “A história da propaganda impressa no Brasil”, é apresentado umresumo da história da publicidade, desde a chegada da Imprensa Régia no País, até o uso dosatuais recursos gráficos para construir anúncios que exploram a emoção e conseguem emitirsua mensagem para o público receptor.O item “A evolução da propaganda automobilística”, refere-se à chegada dasprimeiras fábricas de automóveis no País que demandou uma grande necessidade de anunciarao possível comprador, afinal, o produto já existia no mercado, bastava então fazer com queesse produto chegasse ao conhecimento do público, e este chegasse até o produto. Demonstraque com o decorrer da experiência em fazer propaganda, e a criação de agências publicitárias,anunciar foi se tornando algo primordial para o desenvolvimento do País, pois, tornandopúblico a existência de tal produto, conseguia-se movimentar a renda e trazer benefícios paraa sociedade de consumo.No capítulo que trata da “Evolução da Propaganda Impressa da Ford”, pesquisou-se como ocorreram as modificações na apresentação do produto e na abordagem do possívelcomprador, nos anúncios publicados nas mídias impressas.No capítulo que se refere aos “Critérios escolhidos para análise visual”, foramapresentadas as delimitações que serviram como molde para a pesquisa e montagem doreferido trabalho, guiando o leitor para que esse possa acompanhar a leitura e entender comose deu o processo de criação.O item “Propaganda da Ford na revista Veja de 1980 a 1985 e 2000 a 2005”,apresentou o que se pode chamar de principal do trabalho, nele foi demonstrado o resultadoobjetivo da pesquisa, como os anúncios da Ford evoluíram e foram apresentados dentro da
  22. 22. 22revista Veja durante o período demarcado.2 A HISTÓRIA DA PROPAGANDA IMPRESSA NO BRASILAs diversas inovações da tecnologia em se tratando de bens de consumo e bensduráveis só puderam ser aceitas e tão bem aderidas nos hábitos de milhões de consumidoresdevido à propaganda. Foi através dela que se deu origem aos grandes mercados, o consumoem grande escala, o desenvolvimento econômico, além de ter um papel importante adesempenhar na motivação, educação e orientação do consumidor, no sentido de que suaparticipação no mercado fosse útil e construtiva, individual e socialmente.Em 1808 surge o primeiro anúncio, referente à venda de imóvel, publicado naGazeta do Rio de Janeiro, sem muita linguagem publicitária, textos pequenos, maisinformativos e sem ilustrações (BERTOMEU, 2002).Figura 1Primeiro anúncio Gazeta do Rio de Janeiro em 1808Fonte: http://www.facsaoluis.br/paginas/noticias.aspx?c=2110Em 1891 é fundada em São Paulo a primeira agência de propaganda do Brasil, a
  23. 23. 23Empresa de Publicidade e Comércio, que funcionaria até 1915 (TEICH, 2008). Com achegada dos imigrantes e dos trabalhadores rurais para as grandes cidades em 1900, apopulação multiplica-se, surgem fábricas de alimentos e bebidas evidenciando uma novademanda de serviços e mídia de massa. Com isso busca-se uma maior cobertura, daí surgemos anúncios em bondes, cartões-postais, ações promocionais nas ruas, as revistas ilustradasganham espaço e fazem muito sucesso. Com essa evolução, têm origem as primeiras agênciasnacionais, que surgem com a forte influência da propaganda americana, pois as ideias e aprodução dos anúncios eram muito rudimentares se comparado com o que se produzia naEuropa, principalmente na Inglaterra, França e Alemanha (QUEIROZ, 1990).Muitas agências surgiram e desapareceram muito rápido, não dando espaço paraserem lembradas até os dias de hoje, diferente da agência Eclética que permaneceu ativa pormais de 40 anos, e sobreviveu para que seu proprietário Julio Cosi, um dos mais respeitadospublicitários da primeira metade do século, pudesse contar sua história. É ela quem recebe oregistro de primeira agência de propaganda no Brasil, foi quem teve mais visibilidade(CADENA, 2001).Nos anos de 1930 a 1940, as agências e os anunciantes não se interessavam tantoem pesquisas, não se preocupavam em avaliar os efeitos de seus anúncios ou campanhas a fimde medir sua eficácia, bastavam as informações fornecidas pelas vendas. Um fato importanteda época foi a fundação do IBOPE – Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística pelojornalista Auricélio Penteado (QUEIROZ, 1990, p.100). O IBOPE tem papel importante napublicidade, pois contribui para orientar as agências na compra de espaço no rádio e televisão.Em meados de 1950 são criadas quase que simultaneamente a Editora Abril e aTV Tupi Difusora, ambos veículos que revolucionaram a propaganda. Em seguida a revistaManchete e a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). A partir dos anos 60começou-se a valorizar a criatividade nos anúncios, pois surgem as duplas de criação, com
  24. 24. 24redatores e diretores de arte que passam a desenvolver ações que antes eram realizadas pelosartistas plásticos, escritores e poetas, formando um layout organizado: as fotos tomam o lugardas ilustrações, a propaganda assume uma forma diferente, inclusive porque passa a competircom a televisão, o texto fica mais conciso, mais persuasivo, mais interessante (QUEIROZ,1990). O anúncio impresso arrecadava já 52% das verbas destinadas à publicidade noterritório nacional. O total de cada veículo configurava-se da seguinte maneira: 32% emjornais, 20% em revistas, 18% em televisão, 16% em rádio, 8% ao ar livre, 6% em mala direta(SIMÕES, 2006).Figura 2: Anúncio de cigarro 1966Fonte: http://www.bricabrac.com.br/reclames_cigarros_03.htm
  25. 25. 25Figura 3: Capa da Revista Manchete de 04 de dezembro de 1954Fonte: http://carmen.miranda.nom.br/retorno2.htmlSegundo Altinho João de Barros, as capas da revista O Cruzeiro eramdisputadíssimas, com um ano de antecedência; a Coca-Cola e Gessy Lever tinham,praticamente, o privilégio de renová-las todos os anos. A circulação de revistas, na década de50, já variava entre 150 e 200 mil exemplares, sendo que em 1954, com a morte de GetúlioVargas, O Cruzeiro chegou a ter 700 mil exemplares impressos. As grandes reportagens é quevendiam as revistas, cujo maior problema era a qualidade de impressão, que no final dadécada de 50 passou a ter uma melhoria na qualidade (QUEIROZ, 1990).Entre 1970 e 1980 a propaganda começava a ganhar o formato dos anúncios quese costuma ter nos dias atuais, descobriu-se que a decisão de compra do consumidor passatambém pelo ponto de venda precisando adotar estratégias de campanhas voltadas paraagregar valores à marca, nesse mesmo período revelam-se três importantes agências nahistória da propaganda brasileira: a Talent de Júlio Ribeiros, W/Brasil de Washington Olivettoe a DM9 de Nizan Guanaes.
  26. 26. 26Figura 4: Anúncio do Fusca de 1976Fonte: http://paixaoporfusca.blogspot.com.br/2009/06/propagandas-do-fusca-dos-anos-70.htmlFigura 5: Anúncio Valisére 1987Fonte: http://dc268.4shared.com/doc/sKHSkuw2/preview010.pngJá nos anos 2000 o Brasil se consolida como celeiro de profissionais criativosganhando vários prêmios no Festival de Cannes, os anúncios dão maior destaque às imagens ereduzem o tamanho dos títulos e dos textos predominando o apelo visual (BERTOMEU,2002).
  27. 27. 27Figura 6: Anúncio da agência DM9 bronze no Festival Cannes Lions 2010Fonte: Penteado, 2010Hoje mais do que nunca a tendência é valorizar as situações de emoções, decomportamento, persuadir o consumidor de forma leve, apresentar argumentos que levem ocliente a experimentar o novo, são nesses momentos em que a criatividade é o maior e melhoraliado.2.1JornalO primeiro meio de comunicação de massa que se tem notícia foi o jornal. Apesarde não haver exatidão histórica sobre sua criação, sabe-se que ele é derivado do Acta Diurna,publicação diária criada pelo Imperador Romano Júlio César por volta do ano 59 a.C. Estapublicação servia para que o Imperador pudesse divulgar as conquistas militares do seuexército, as descobertas científicas e as decisões políticas do seu governo. Para redigir oinformativo os Correspondentes Imperiais (profissionais precursores dos atuais jornalistas),foram enviados a todas as regiões do Império. Por conta das dificuldades técnicas e distâncias
  28. 28. 28a se percorrer, nem sempre as notícias chegavam a tempo, muitas vezes atrasavam dias ousemanas. "[...] a Acta Diurna era publicada em grandes placas brancas de papel e madeira[...]. Estas placas eram expostas nas principais praças das grandes cidades para que as pessoaslessem de graça" (MOTA, 2010).Figura 7: Acta Diurna - Império Romano 59 a.C.Fonte: http:// 1.bp.blogspot.com/ -dQCKfRSQ2VY/ UDwW6oa3ZhI/ AAAAAAAAAEA/ U4xcVCWOEMM/s1600/ preview009.jpgNo Brasil o primeiro jornal impresso foi Gazeta do Rio de Janeiro em 10 desetembro de 1808, que era influenciado a veicular notícias de interesse da corte, compropósito de moldar a opinião pública favorecendo a realeza, assim como o Acta Diurna emrelação ao Império Romano também o fazia.O Correio Brasiliense editado por Hipólito da Costa, em Londres a partir de 1808ganhou destaque pelos textos críticos, dinâmicos e modernos e evidenciou ainda mais pelofato de Costa ter se tornado o patrono da imprensa brasileira. Em 1822 surge o Diário doGoverno. Com o crescimento de vendas os jornais ganharam força no mercado e os anúnciosaumentaram gradativamente, que com o passar do tempo acabaram por se chamar declassificados (BAHIA, 1990).
  29. 29. 29Figura 8: Primeiro número da Gazeta do Rio de Janeiro, em 10 de setembro de 1808.Fonte: Barbosa, 2011Figura 9: Primeiro número do jornal brasileiro (impresso em Londres), O Correio Brasiliense de junho de 1808Fonte: http://www.novomilenio.inf.br/idioma/200009v.htmCom o fim da censura no Brasil a partir de 1821, tornava-se livre o direito de
  30. 30. 30escrever sobre o que desejasse, não havia mais medo de ser preso devido à falta de liberdadede expressão. Outros estados também podiam desfrutar das leituras dos jornais, pois já existiaa distribuição em várias bancas e a criação de jornais locais. Ganhava-se uma maior qualidadena tipografia, na linguagem, na forma de organização. O Jornal do Brasil nasce em 1981 eadota a forma de jornal livre e independente, com linguagem dura e direta (BAHIA, 1990).2.2 RevistaA revista diferencia do jornal devido à melhor qualidade do papel e da impressão,pela possibilidade de melhor visualização de cores, além dos assuntos abordados poderem sermelhor explorados com mais detalhes nas informações devido ao tempo que se tem paraelaborar as matérias. Por conta desses e outros detalhes a revista também possui uma vida útilmaior que o jornal que é imediatista (NASCIMENTO, 2002).O pioneirismo da revista no Brasil, conforme alguns especialistas, teria sido arevista Ensaios de Literatura, que relatava sobre vários temas, dentre eles ficção, textoshistóricos, narrativas de viagens em 1812. Logo mais em 1813, surge O Patriota, que temuma permanência maior que a anterior (QUEIRÓZ, 1990).Pela diversidade de assuntos tratados nas revistas, aumentava-se o interesse dosconsumidores em ler o que se publicava. Como não havia televisão, tudo que saia de novo eradivulgado nas revistas, atingindo um segmento amplo e diversificado, pois despertava acuriosidade. As revistas passaram a ter publicações segmentadas por tema para atingirpúblicos específicos diferenciando os tipos de cada uma delas. O Programador das CiênciasMédicas, lançada em 1827, tratava de assuntos destinados aos médicos, O Correio das Damase o Jornal das Moças Solteiras publicavam artigos publicados de moda, comportamentos,
  31. 31. 31fofocas da Corte, destinados às mulheres. Só em 1869, o Brasil consegue a primeira revistailustrada, chamada de Semana Ilustrada e somente no início do século XX a ilustração étrocada por fotografias, feito registrado nas páginas da Revista da Semana (QUEIRÓZ, 1990).Figura 10: Capa da Revista da Semana: Reprodução da Fundação BibliotecaFonte: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/gente-da-historia/a-primeira-eleicaoA maioria das revistas desses períodos não obteve muito sucesso, com poucotempo de existência devido à falta de recursos e de assinantes, circularam poucas vezes, comtiragem baixa. As que ficaram por mais tempo não passaram de dois anos, diferente do queaconteceu com O Cruzeiro que se tornou a mais inovadora durante décadas.Em 1952, a revista Manchete é lançada por Adolpho Block, ganhou popularidadepelas grandes reportagens históricas, como o relato da inauguração de Brasília em 1960,possuía estilo mais moderno, usando a fotografia como um dos elementos mais importantes(NASCIMENTO, 2002).Primava por um jornalismo que se esgotava no visual de suas ilustrações; nãochegava a ser uma publicação de reportagens verticalizadas e sua periodicidade,limitada ainda pelas deformações do entendimento do que deva ser a atualidade nojornalismo, representava obstáculo praticamente insuperável para sua redação.(FARO, 1999, p. 93).
  32. 32. 32Figura 11: Capa revista Manchete de 27 de outubro de 1956Fonte: http://revistamancheterevivendo.blogspot.com.br/2011_01_01_archive.htmlA editora Abril em 1966 lança a Realidade que teve circulação até meados de1975, com abordagens investigativas aprofundada dos fatos, textos bem elaborados, ousadianos temas que publicava, de forma que a Realidade passou a ser reconhecida como o exemplode revista com qualidade jornalística (NASCIMENTO, 2002). Em 1967 teve uma ediçãovetada pela ditadura militar devido o relato de reportagens polêmicas não aceitas na época,como aborto, virgindade, separação no casamento entre outros (BANSEN, 2010).Figura12: Primeira capa da revista Realidade de abril de 1966Fonte: http://revistaalfa.abril.com.br/estilo-de-vida/motor-esporte/pele-70-anos-o-garoto-da-capa/
  33. 33. 33Figura13: Capa da revista Realidade vetada pela ditadura Militar de janeiro de 1967Fonte: http://www.bansen.com.br/wordnews/?p=827Outras revistas que possuem destaque na imprensa nacional são: a IstoÉ, a Épocae a Veja que será abordada num item exclusivo, logo a seguir. A IstoÉ foi criada em 1976 porMino Carta, e, segundo Domingo Alzugaray, a revista deu voz a quem não tinha oportunidadepor causa repressão da ditadura, e dessa forma contribuiu decisivamente para as grandesmudanças ocorridas no Brasil nos últimos 35 anos, ela ainda ousou desafiar o regime emnome de uma sociedade que clamava por mudanças. Após nove meses da sua primeira edição,passou a ser semanal, ganhou respaldo pela sua independência, não sofria influências degrupos políticos ou econômicos, com isso publicava muitas reportagens importantes sobrefatos políticos e sociais. Segundo a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, “a IstoÉ é filha deuma imprensa livre, com características investigativas e pluralizadas, adquiridas na luta pelaliberdade de expressão durante os primeiros anos de sua existência, nos anos de censura depensamentos e ações” (ISTOÉ, 2011). A Época de 1998, da editora Globo, é uma revistasemanal que, conforme diz Helio Gurocitz, possui como diretriz principal estar sempre àfrente de seu tempo, seguindo a linha de editoração da Globo que além desse, possui outrostítulos também sofisticados que buscam atender a um público cada vez mais exigente emmatéria de informação. Entre eles estão a Época Negócios e a Época São Paulo (GUROVITZ,
  34. 34. 342012, p.1).2.3 VejaEm 1968, a editora Abril lança a Veja, que conquistou o espaço no mercadoeditorial e hoje lidera o segmento de revistas semanais de informação, mas nem sempre foiassim. Criada para ser concorrente da revista Manchete, ela seria composta nos moldes daLife, revista americana que apresentava um alto padrão, mas foi fechada antes mesmo da Vejaser lançada. Como Roberto Civita já possuía experiência na direção da revista Realidade, quejá havia dado bons resultados, surge o grande interesse de participar do novo projeto, mas seulançamento não teve tanto sucesso quanto as edições posteriores e até 1973 a revista sóacumulou prejuízos e somente a partir de 1976 firma-se e passa a operar um número médio de170 mil exemplares/semana (VILLALTA, 2002).Baseada nos consagrados semanários norte-americanos Time e Newsweek, a Vejanão deixava de possuir características próprias e diferentes das revistas já existentes na editoraAbril, por isso que no início houve o estranhamento, conforme relata Mino Carta, pois aspessoas não estavam acostumadas a ver publicações como ela fazia, era diferente de tudo quejá havia sido publicado, como abordagens a temas sobre a política, guerras, conflitosterritoriais, utilizando-se de fotos pequenas para dar maior ênfase aos textos que na maioriadas vezes eram extensos. Com a implantação dos assinantes, em 1972 ganhou-se maisrespaldo perante a sociedade e uma maior segurança, pois já havia como cumprir com ospagamentos dos gastos mensais (VILLALTA, 2002).Silva afirma que quando a Veja consolidou editorialmente mostrou a que veio: umarevista partidária do sistema capitalista e de interesses específicos de grandesempresários, multinacionais, conglomerados, agindo na construção da hegemonia doprograma neoliberal de forma sistemática, didática e, sobretudo política (SILVA,
  35. 35. 352005, p.1).Atualmente a revista já faz parte do cotidiano de muitos brasileiros, com seçõesfixas sobre cinema, música, literatura e as famosas entrevistas das páginas amarelas, quenormalmente são encontradas no início de cada edição, composta também de reportagenselaboradas com utilização de ironia, metáfora, a busca pela verossimilhança, o uso de dadosde institutos de pesquisa, índices e gráficos, sempre procurando mostrar os acontecimentos domundo utilizando relatos de pessoas entendidas no assunto abordado, como médicos,professores, pesquisadores entre outros, mostrando dados comprobatórios, gráficos,porcentagens. Por isso tamanha credibilidade da revista e o seu sucesso até os dias atuais comtantas edições publicadas semanalmente.
  36. 36. 363 A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDAAUTOMOBILÍSTICASegundo a Associação Nacional Memória da Propaganda (2006), a história doautomóvel no Brasil se confunde com a descoberta do petróleo e com o desenvolvimento dasiderúrgica. Em 1926 instala-se no Brasil o Departamento de Propaganda da General Motors,trazendo a experiência competitiva do mercado americano (QUEIRÓZ, 1990).O desejo da humanidade em se locomover através de um automóvel é um sonhoantigo assim como a possibilidade de viajar rápido, com comodidade, exigindo o mínimo deesforço dos ocupantes e ao máximo de segurança, que são objetivos comuns até os dias dehoje. Se no início a maior dificuldade era transmitir as vantagens e características do produto,exaltando o porta-malas, a economia e as características físicas do produto, o cenário atual étotalmente diferente. Busca-se atingir o consumidor através da emoção, uma vez que a maiorparte dos carros possuem características similares e a concorrência entre as montadoras émuito maior.A Volkswagen, montadora alemã, teve seu nome dado pelo ditador Adolf Hitler,mas ficou popularmente conhecida pelo público brasileiro simplesmente como Volks. Possuíamodelos bastante diferentes dos conhecidos, a princípio causando estranheza aosconsumidores. Em 1962 a DDB, agência americana que desenvolvia os anúncios da Volks,recebeu o desafio de conseguir através de suas campanhas publicitárias chamar a atenção dosconsumidores para o uso de peças originais na manutenção dos automóveis, por receio daempresa que esses optassem pela concorrência. Após o lançamento de vários anúnciosmostrando as vantagens em relação aos concorrentes, apresentando os benefícios paracomeçar a ganhar a confiança do consumidor, finalmente conseguiu com que a empresaalcançasse sucesso de vendas na manutenção com as peças originais, utilizando mensagens
  37. 37. 37persuasivas e convincentes desenvolvidas até meados de 1973. A Volks também conseguiuatravés das ações de comunicação e de marketing atingir o público-alvo e manter apreferência por carros de duas portas, pois nessa época os veículos de quatro portas jácirculavam no mercado. No início foi complicado para a DDB fazer com que os consumidoresoptassem pelos carros da Volks, primeiramente pelo fato da sua origem não ser americana,como os concorrentes, Ford e General Motors, que já possuíam mais popularidade entre osconsumidores (FANELLI, 2012).No início da década de 80, a publicidade usa de todos os recursos visuais etecnológicos para anunciar os modernos lançamentos automobilísticos, alinhados à indústriaeuropeia: Monza, Escort, Santana e Uno. Nota-se mais criatividade nos anúncios e a imagemsobressai ao texto.Figura 14: Ford Escort 85Fonte: Lopes, 2011Na segunda metade da década, com a crise econômica e baixas vendas, o mercadodeixa de ser abastecido por novidades, cabendo à publicidade anunciar apenas derivações demodelos (REIS, 2012).Com a abertura das importações, a partir de 1990 a publicidade tem o desafio deapresentar ao consumidor brasileiro novas marcas e modelos, inclusive com novas
  38. 38. 38montadoras construindo fábricas no Brasil posteriormente. Nesse ambiente, as montadorasnacionais reforçam os valores da fidelidade, do relacionamento, da confiança e da referência.O varejo também se consolida devido à estabilização econômica do plano Real. O que antessó era possível anunciar em jornais propagandas com o preço descrito, passava-se a ter outrorecurso, podendo utilizar em comerciais de TV e em propagandas de revista.Figura 4: Propaganda Chevrolet Ipanema SL/E 1990 - propaganda de revistaFonte:http://www.propagandasdecarros.com.br/uploads/imgs/propagandas/big/48e31aaee6ec53117c429613d9dcd0f1.jpgAssim como os países emergentes, o Brasil vivia em uma realidade de economiaforte e aquecida com o varejo ganhando força, o que se via era o discurso “a ordem é vender”.Com o excesso de muitos produtos, marcas, lançamentos, modelos, entre outros, o mercadopassa a ficar saturado e há um esgotamento da criatividade na propaganda, viam-se muitasideias sendo repetidas. As séries especiais deixam de ter a função de diferenciação epersonalização e viram um instrumento a serviço do varejo.Em 2003, nota-se que ao adquirir um carro, o comprador não leva apenas umobjeto que irá proporcionar o deslocamento com mais rapidez e sim um status, um objeto queo tornará desejável e digno de ser invejado (REIS, 2006). Os anúncios modernos de
  39. 39. 39automóvel buscam vender a ideia, mexer com o emocional, para isso, utiliza-se apenas umaspecto do carro para compor toda imagem que estará presente na campanha. Pode-seobservar que diferentemente do modelo de criação antigo, a força do anúncio está na imagem.O texto é persuasivo, técnico e direto. O apelo visual é o que mais caracteriza as peças,abusando muito das ilustrações, e de conceitos.Figura16: Anúncio do carro Grand Vitara da SuzukiFonte:http://1.bp.blogspot.com/_8kecXMQJlhY/TP5CQjiRRwI/AAAAAAAACME/D_OUQpt6cHo/s1600/Anuncio-Nagai---297x520mm.jpgAtualmente para publicar certos anúncios é preciso observar algumas leis jáestabelecidas como, por exemplo, os anúncios de bebidas e cigarros, que só podem serpublicados nos meios de comunicação junto com as mensagens que alertam para o perigo doexcesso de consumo e o mal que as substâncias causam ao organismo.Também foi determinado que as propagandas automobilísticas passassemmensagens de educação no trânsito, para alertar os motoristas dos perigos que podem vir aacontecer se não atentar para os devidos cuidados e cautela na direção, com a utilização defrases similares a “Use o cinto de segurança”, “Dirija com cuidado”, “Respeite a sinalizaçãode trânsito” dentre outras, essa é uma Lei Federal 12.006, em complemento ao Código deTrânsito Brasileiro (CTB). (CLARO, 2009).
  40. 40. 40Figura 5: Anúncio Corolla Toyota com o texto “Respeite a sinalização de trânsito”Fonte: http://blog.fisgo.com.br/2011/03/31/convidados-de-peso/Segundo Pinto (2012),Com o avanço das indústrias automobilísticas no Brasil houve-se a necessidade dacriação de normas e órgãos para regulamentar a publicidade nesse mercado como oTermo de Ajustamento de Conduta assinado entre os Ministérios Públicos do Estadodo Paraná, Rio de Janeiro, Bahia, Alagoas, Distrito Federal, Rio Grande do Norte,Santa Catarina, Amapá, Goiás, Acre, Maranhão, Ceará, Mato Grosso do Sul,Roraima, Paraíba e Minas Gerais que passou a atuar a partir do dia 30 de outubro de2010 e a Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor (MPCON).De acordo com essa regulamentação, itens como cores e tamanho das letras dostextos dos anúncios impressos mereceram atenção especial. Segundo o Ajuste de Condutafirmado, as cores das letras referentes aos preços dos veículos não deverão ser iguais ou comtons semelhantes ao fundo da imagem, para que não prejudiquem a legibilidade do texto.Também não poderão estar borrados ou rasurados. No que se refere ao espaçamento entre oscaracteres, a tipografia deve possuir um estilo regular, cuidando para que os caracteres nãoencostem uns nos outros. Quanto ao tamanho das letras as especificações são bem detalhadas,para que não se fuja da padronização estipulada, para isso determinou-se que as letras devempossuir no mínimo 1,4 mm, e o texto com o máximo de 90 caracteres a cada 10 cm de linha, o
  41. 41. 41espaçamento entre as linhas deve ser no mínimo de 3,15 mm. A respeito das informaçõescontidas no anúncio ficou determinado que quando se tratar de pagamento parcelado o valorda primeira parcela, bem como o número de pagamentos, preço final, taxas de juros epossíveis acréscimos, deverão constar do texto com a tipografia e diagramação já mencionadaanteriormente. Tratando-se das informações sobre o frete é necessário especificar se o valordo mesmo já está incluso no preço do veículo, se não estiver, é necessário que se acrescente aexpressão "mais frete". Os anúncios devem informar que as taxas e promoções poderão sofreralterações sem prévio aviso, e que a validade das ofertas fica a cargo do anunciantedeterminar o prazo de encerramento das mesmas, isso pode ser determinado por dataespecífica ou pela expressão "enquanto durarem os estoques", desde que se informe tambémqual a quantidade de veículos em estoque (PINTO, 2012, p.1).Figura 68: Anúncio da Hyundai Tucson GL Automático com as devidas informações sobre o pagamentoFonte: http://thiagoranielli.com.br/wp-content/uploads/2012/09/Anuncio-govesahyundai1.jpgSegundo Figueredo,O Brasil ocupa atualmente a quinta posição no ranking global de vendas deautomóveis. Em 2011 o país fechou com 3,6 milhões de emplacamentos, atrás deChina, Estados Unidos, Japão e Alemanha. Segundo a projeção da J. D. Power, em
  42. 42. 422019 o país continuaria na quinta posição, mas com um salto de 20% - chegando aos6,5 milhões de unidades vendidas (FIGUEREDO, 2012, p.1).No mercado competitivo das marcas sempre haverá espaço para o anúnciopublicitário. Não há vendas sem divulgação, usa-se a publicidade até mesmo para divulgar osucesso de vendas e manter o produto em evidência, como também apresentar as ações sociaisque a empresa pratica e criar um vínculo emocional com o consumidor através de anúnciosinstitucionais. A publicidade bem direcionada consegue alcançar os seus objetivos de acordocom a expectativa depositada na campanha. Esses objetivos podem ser dos mais variadosdesde aumentar o fluxo de vendas do produto, reativar uma marca esquecida pelo consumidor,bloquear a entrada de concorrentes no mercado, entre outros (LANATONI, 2010).
  43. 43. 434 A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDA IMPRESSA DA FORDDurante a criação da comunicação visual do anúncio, leva-se em consideração operfil do público consumidor, e por consequência delimitam-se os meios como essamensagem será veiculada, como chegará ao receptor final. A delimitação desse "alvo" facilitaa estratégia de alcance do consumidor nessa disputa frenética que existe no mercado, ondecada vez mais as marcas/produtos investem em demandas visuais para conquistar um públicodeterminado e fazer com que ele se fidelize. Para a construção de um grande projeto énecessário que esse, possua três específicas características:1a) Ser claro;b) Gerar expectativa;c) Causar surpresaPara que a comunicação visual seja adequada aos objetivos é necessárioprimeiramente definir o problema ou problemas a serem resolvidos, e essa solução encontradaserá uma versão, uma possibilidade, pois, sob cada diferente olhar que analise o problema,esse será capaz de sugerir as mais diversas soluções, de acordo com a interpretação pessoalque se tenha (FUENTES, 2006).A montadora Ford chegou ao Brasil em 1919 e aos poucos foi se estabelecendo nomercado nacional. E com lançamento de novos modelos demandava investimento empublicidade. Era comum que as grandes montadoras tivessem seus próprios departamentos depropaganda. Os anúncios apresentavam muito texto que explicava bastante as características1Após pesquisa por meio virtual na internet, e pesquisa bibliográfica na biblioteca da Instituição, não foipossível conseguir resultados sobre a evolução das propagandas da Ford, pois as matérias que abordam o assuntona internet apresentam-se muito resumidas e na biblioteca nada consta a respeito. Entrou-se em contato com odepartamento de marketing da empresa Ford, repassando um pequeno questionário para obter mais informações,mas não se obteve resposta em tempo hábil.
  44. 44. 44dos automóveis (BRITO, 2007) .Percebe-se que no anúncio dos anos 1919 (abaixo), foi utilizado o texto comoelemento predominante. A assinatura da marca localiza-se na parte superior do impresso, emletras maiores e já com a tipografia que acompanhou a marca por muitos anos. Com umportuguês mais rebuscado, próprio da época, o anúncio explana sobre as qualidades doveículo, e o custo-benefício sobre outros produtos. O texto faz referência à superioridade dosveículos Ford em relação à concorrência e apresenta os preços praticados em São Paulo paracada modelo fabricado. Ao final ainda traz a mensagem para que os interessados se apressemem adquirir o seu modelo, pois há grande procura pelos veículos: “Recommendamos aosinteressados que façam seus pedidos immediatamente, devido à grande procura pelosmesmos”. Uma frase estratégica para aguçar o interesse e a vontade do futuro comprador.Figura 19: Anúncio Ford ano de 1919Fonte: http://www.propagandasdecarros.com.br/propagandas.php?id=5163Com o avanço profissional e tecnológico da década de 20, iniciam-se as primeirasgrandes campanhas de empresas multinacionais. Bayer, Ford, Shell destacam-sejuntamente com as brasileiras Antárctica, Mappin e Casas Pernambucanas(GONÇALEZ, 2009, p 14).
  45. 45. 45O anúncio de um automóvel da marca Ford, do ano de 1925, apresenta estruturabalanceada, um anúncio leve, em se tratando do uso de imagem e texto. Apresenta-se emimpresso preto e branco, com a assinatura da montadora no canto superior direito, a gravurado veículo localiza-se no canto esquerdo do anúncio. Logo abaixo, encontra-se a frase que dizque esse é o carro mais econômico do mundo por consumir pouco combustível. Em seguidaindica os endereços das agências onde o veículo encontra-se à venda. De modo geral, oanúncio apresenta uma atmosfera aristocrata para o produto.Figura 20: Anúncio Ford publicado dia 25 de janeiro de 1925 - Jornal EstadãoFonte: Scholz, 2011Com o decorrer dos anos os investimentos em publicidade foram se fortalecendo,tanto na mídia impressa como no rádio e televisão que foram se instalando no Brasil.Entre os anos de 1930 a 1960 a publicidade se adaptou, desenvolveu,profissionalizou, e passou a ter interferência direta no cotidiano das pessoas. A partir dos anosde 1960 com a experiência vivida nos anos anteriores, e a valorização da criatividade, osanúncios de um modo geral passaram a ter uma melhor apresentação, deixando de serartesanais e passando a um visual mais profissional com a utilização de fotografias no lugardas gravuras e com textos que tivessem uma leitura mais fácil, menos formal (BRITO, 2007).A Ford Motor Company. Exports. Inc assina este anúncio do modelo Voiturette,trata-se de um conversível, caracterizado pelo conforto, elegância, velocidade. O anúncioexpõe os benefícios e qualidades do automóvel, inclusive a vantagem de possuir um “amplo
  46. 46. 46compartimento na parte traseira da carroceria” onde se podem transportar os mais diversosprodutos ou equipamentos.Figura 21: Anúncio Ford publicado em 18 de outubro de 1929 Jornal EstadãoFonte: Scholz, 2011Já o anúncio Ford Sedan dos anos 1940 com ilustração em gravuras, com textosem forma de depoimentos, ressalta-se as qualidades do novo motor V-8. No centro do anúnciouma imagem do carro.
  47. 47. 47Figura 22: Anúncio de revista Super Deluxe Fordor Sedan 1947Fonte: http://www.propagandasdecarros.com.br/propagandas.php?id=5300O anúncio abaixo é alegre, colorido, e une imagem e texto, ao apresentar agravura de dois dançarinos e o título que diz “Beleza em movimento”. Modelo de carro defabricação britânica, exaltando qualidades como o “funcionamento suave e poderoso”. Nocanto esquerdo do impresso estão as gravuras coloridas do casal de dançarinos e mais trêspessoas sentadas numa mesa conversando e assistindo a performance deles. Para esse anúnciofoi construído um cenário em tons de verde para combinar com a cor do carro apresentadomais ao centro da composição. A assinatura da marca ficou logo abaixo da figura.
  48. 48. 48Figura 23: Ford Consul 1952Fonte: http://www.propagandasdecarros.com.br/propagandas.php?id=5276Contrariando a evolução do processo gráfico da época, quando a fotografia jáestava sendo utilizada para ilustrar os anúncios, o Corcel, modelo da montadora Ford,utilizou-se de gravuras para demonstrar o veículo “por dentro”. Além disso, ainda era comumo uso de muito texto que detalhava as qualidades do veículo. A assinatura da Ford vem nocanto inferior direito da peça.Figura 24: Propaganda Corcel 1960Fonte: http://www.propagandasdecarros.com.br/buscar.php?s=ford+1960
  49. 49. 49Figura 7: Alfa Romeo -Ford -2300 Ti 1977/78Fonte: http://autozani.blogspot.com.br/2009/06/bons-tempos-bons-carros.htmlMesmo com a chegada dos novos veículos de comunicação TV, rádio, internet apublicidade impressa não deixou de ser utilizada. Com ela ainda é possível descrever emdetalhes os benefícios do produto em relação aos seus concorrentes.Com o que se pôde coletar, por conta do pouco material disponível paracomplementar a pesquisa é possível perceber que houve sim uma evolução no materialimpresso, mesmo porque, nesse período a tecnologia gráfica também evoluiu, possibilitandoque os anúncios da Ford passassem de simples folhetos ilustrados com gravuras, para peçasmais trabalhadas enaltecendo inclusive a imagem dos veículos apresentados.Observa-se que do primeiro exemplo de anúncio de 1919, até o último do finaldos anos 1970 houve mudanças inclusive na valorização do produto, pois uma simplesilustração sem recursos visuais não consegue passar ao consumidor uma visão mais próximado produto que se está expondo, ao contrário da fotografia colorida dos quatro veículos quemostram ao cliente as opções que ele pode encontrar daquele produto.
  50. 50. 505 CRITÉRIOS ESCOLHIDOS PARAANÁLISE VISUALDurante a pesquisa realizada nas edições da revista Veja, no acervo digital(http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx), observou-se que os anúncios deautomóveis eram os mais constantes dentre os produtos que figuravam nas páginas dapublicação. Foram pesquisadas as edições a partir do nº 591 de 01 de fevereiro de 1980 até onº 903 de 25 de dezembro de 1985, na primeira metade da década de 1980 – enquanto que naprimeira metade dos anos 2000, observaram-se as edições a partir do nº 1630 de 05 de janeirode 2000, até edição 1937 de 28 de dezembro de 2005, formalizando um total de 621 edições.O design do anúncio é montado a partir de estudos e ideias que permeiam,transitam entre três pontos principais:1. A definição do problema a ser resolvido, ou seja, a análise do mercado, dosconcorrentes, do que já se vê nas ruas;2. a criação, criatividade, a escolha dos melhores meios a serem utilizados, oestudo do alcance que essa mensagem obterá;3. a solução, o projeto pronto para ser divulgado. (FUENTES, 2006)De acordo com Fuentes, não existe uma forma exata de fazer uma campanhavencedora que alcance o sucesso. Existem, sim, os estudos, os debates, as tentativas para queum projeto nasça e alcance o seu objetivo: o cliente, o consumidor, o comprador. Oaprofundamento do estudo sobre o cliente produzirá um trabalho mais completo e menossuperficial, e com isso o alcance dos resultados terá maiores chances de acontecer. Para que alinguagem seja de acordo com o objetivo é necessária a identificação dos fins a que sesubmeterá essa comunicação (FUENTES, 2006).Quando a finalidade for persuadir, segundo palavras de Fuentes, fazer com que o
  51. 51. 51consumidor adquira o produto, ou talvez até troque sua marca favorita, experimentando novastendências, tocar o lado emocional do receptor, o tipo de linguagem será diferente, de quandoo objetivo for apenas expor o lado institucional da marca, produto, mostrar um lado maisconcreto, menos emocional, construção de imagem e identidade. Não se trata de iludir,enganar, induzir a um possível erro. Persuadir não é isso. É fazer o consumidor parar, pensar ecomparar, dar a ele uma escolha, clarear sua visão para os benefícios e qualidades do novoproduto, em relação a outro da concorrência que já seja do seu conhecimento. Entende-secomo institucional, o modo como a marca/produto quer se mostrar aos olhos do consumidor(FUENTES, 2006).Para a análise individual dos anúncios estabeleceram-se os seguintes critérios:a) Considerar os anos pares nos dois períodos estudados;b) Considerar a ligação dos anúncios com as datas esportivas especificadas: JogosOlímpicos e Copa do Mundo de Futebol;c) Observar a incidência dos anúncios nos meses anteriores e posteriores a essasdatas, ou seja, de junho a setembro.Por conta dessa segmentação, somente serão analisados os anos pares: 1980,1982, 1984, 2000, 2002 e 2004.De acordo com dados obtidos no site oficial do Comitê Olímpico Brasileiro(COB), foram as seguintes Olimpíadas ocorridas nesse período:Moscou (Rússia) – 1980Los Angeles (EUA) – 1984Sidney (Austrália) – 2000Atenas (Grécia) – 2004De acordo com dados obtidos no site oficial da Fédération Internationale deFootball Association (FIFA), foram disputadas as seguintes Copas do Mundo de Futebol:
  52. 52. 52Espanha – 1982Coreia do Sul / Japão – 2002Na pesquisa geral, (incluindo todos os anos dos períodos estipulados), forampesquisados 1390 anúncios de veículos e tabularam-se os seguintes dados de acordo com aquantidade de vezes que os anúncios apareciam nas revistas:MARCAS DE VEÍCULOS PRESENTES NA REVISTA VEJAMARCA DO VEÍCULO Nº ABSOLUTOS PORCENTAGEM %FORD 439 31,58VOLKSWAGEM 425 30,58FIAT 204 14,68CHEVROLET 170 12,23RENAULT 152 10,93Tabela 1: Marcas de veículos presentes na revista VejaFonte: Pesquisa das autorasAs quatro primeiras marcas anunciam desde as primeiras edições pesquisadas eapareceram com maior frequência no primeiro período estipulado (1980 a 1985). Nesseperíodo, os anúncios ocupavam páginas aleatórias. No segundo período (2000 a 2005) nota-sea presença deles, em sua maior parte, veiculados nas páginas iniciais até o meio da edição.Raros são os casos em que o anúncio foi encontrado na quarta parte da revista.Dentro da proposta de pesquisar nos anos pares da revista Veja, de acordo com aocorrência dos Jogos Olímpicos e da Copa do Mundo de Futebol, foram analisadas 104edições, observando a interação dos anúncios da marca Ford com os eventos esportivossupracitados. Observou-se que em 36 dessas edições não ocorreram anúncios da referidamontadora de automóveis, e que nas demais 68 edições que apresentavam anúncios, nenhumdeles era correlacionado com os eventos esportivos, Copa do Mundo de Futebol e Jogos
  53. 53. 53Olímpicos.A tabulação dos dados obtidos com essa análise identificou que os meses de junhoe setembro foram os que mais apresentaram anúncios.Como é possível observar na tabulação a seguir, houve um empate entre doismeses, junho e setembro e para melhor filtrar o período para análise individual dos anúnciosdevido ao grande número de imagens e a escassez de tempo para fazer o descritivo de cadauma, acordou-se os seguintes critérios para filtragem das edições e anúncios:a) Foi escolhido o mês de junho por ser final de semestre e as montadoras játerem feito os lançamentos dos modelos novos do ano corrente;b) Na eventualidade de ocorrerem dois anúncios na mesma edição, teriamprioridade os anúncios de página dupla, se ocorrer mais de um anúncio de página dupla namesma edição a escolha será aleatória entre ambos;c) Observando que no mês de junho/1980 houve apenas uma inserção em páginasimples, na quarta semana de edição da revista do referido mês/ano, serão analisados osanúncios constantes nesse mesmo período de edição nos anos seguintes.Tabela 2: Anúncios por edição da revista VejaFonte: Pesquisa das autoras.A partir dessa divisão de critérios, serão utilizados os anúncios constates nasedições:ANÚNCIOS POR EDIÇÃO DA REVISTA VEJAMÊSANOSTOTAL1980 1982 1984 2000 2002 2004JUNHO 1 4 2 5 4 5 21JULHO 4 2 2 4 4 3 19AGOSTO 2 1 2 4 2 3 14SETEMBRO 4 5 3 5 4 2 21
  54. 54. 54EDIÇÕES A SEREM ANALISADAS1980 25/06 - Edição: 616 - p.42 - Lançamento F-1001982 30/06 - Edição 721 - p. 78 e 79 - Ford Landau1984 20/06 -Ed 824– p.42/43 Del Rey2000 23/06 - Edição: 1655 - p.96 e 97 - Check-up grátis na concessionáriaFord2002 26/06 - Edição 1757 - p. 42 e 43 - Fiesta2004 30/06 – Ed.1860 – p.56/57 Anúncio Serviço Atend ao Cliente(autorizadas)Tabela 3: Edições a serem analisadasFonte: Pesquisa das autoras.Para essa análise serão levados em consideração os itens Tipografia, Cores eDiagramação, que compõem a estrutura básica do anúncio impresso e quando bem escolhidose bem combinados são responsáveis por chamar a atenção do leitor, permitir uma boalegibilidade e entendimento do texto e mensagem, bem como, atingir ao objetivo principal detoda comunicação, chegar ao receptor de forma compreensiva através de seu toque emocionalou racional (JUNIOR, 2012).5.1TipografiaO estudo da tipografia inicia com uma visão geral da forma primitiva como ohomem se comunicava ao longo da sua evolução com as primeiras pinturas rupestresencontradas nos sítios arqueológicos. Deixar registrado através dessas figuras, nas cavernasonde moravam, tudo o que faziam, foi o método com o qual os homens primitivos secomunicavam antes de desenvolverem a fala por volta de 30.000 a 25.000 a.C. (CECCHINI,
  55. 55. 552012).Figura 8: Pintura rupestreFonte: https://www.ufmg.br/online/fotografia/arquivos/DSCN0225-pintura.JPGAlém dessas pinturas, o homem, ao longo da sua evolução, foi deixandomarcas pelo mundo que serviram como registro para contar um pouco de sua história, entreesses registros estão os hieróglifos encontrados no Egito e nos sítios arqueológicos mexicanosresiduais das civilizações Mesopotâmias (RIBEIRO, 2007).Figura 27: HieróglifosFonte: Coelho, 2010O alfabeto com as letras hoje utilizadas é proveniente da civilização fenícia,
  56. 56. 56criadoras dos símbolos que deram origem ao alfabeto grego, que inspirou o alfabeto etruscoque, por fim, deu origem ao alfabeto romano, a princípio com apenas 21 símbolos, porquealgumas letras tinham funções múltiplas. A língua é viva e está em constante evolução -também evoluiu dos 21 símbolos iniciais para os 27 que são utilizados hoje (LOPES, 2012).Figura 28: Escrita com alfabeto fenício. 900 a.C. encontrada na ItáliaFonte: http://historiandonanet07.wordpress.com/2011/05/23/fenicios-persas-e-hebreus/Figura 29: Alfabeto GregoFonte: http://detailedworld.wordpress.com/2011/04/28/alfabeto-grego/
  57. 57. 57Figura 9: Alfabeto Etrusco.Fonte: http://www.lucedistrega.net/pratica/scritture.htmFigura 31: Inscrições da Coluna de Trajano, em Roma.Fonte: http://maxvartuli.com/2011/08/o-design-na-pedra/O alfabeto hoje utilizado possui 26 letras, e com elas formou-se uma grandevariedade de tipos, que conseguem imprimir diferentes formas de escrita, a depender dascaracterísticas de cada uma passando uma expressão própria, uma emoção, uma formaparticular de chamar a atenção do leitor. Essa particularidade tem a função de transmitir amensagem de maneira mais séria ou cômica, leve ou rígida, masculina ou feminina. A essas
  58. 58. 58características, dá-se o nome de tipos, e cada tipo possui uma família com peculiaridadessemelhantes. As serifas são pequenos traços ou prolongamentos nas hastes das letras,proporcionam uma base retangular, transmitindo a elas equilíbrio e estabilidade. Algumasfamílias possuem diferenças bem acentuadas como as a seguir:a) Cursiva – Levemente inclinada, serifada, utilizada primeiramente paraeconomizar espaço na página (RIBEIRO, 2007).Figura 32: Modelo da letra CursivaFonte: http://www.tipos-de-letras.com.ar/categoria_cursiva.phpb) Gótica – Utilizada como letra de adorno e para dar destaque, predominou poralguns séculos no ocidente europeu. Possui características peculiares que lhe atribuem umestilo visual mais trabalhado.Figura 33: Modelo da letra GóticaFonte: http://www.tipos-de-letras.com.ar/categoria_goticas.phpc) Escritura – Caracteriza-se por sua aparência de caligrafia manuscrita. Possuium estilo clássico muito utilizado em documentos antigos, bem como convites atuais.
  59. 59. 59Figura 34: Modelo da letra EscrituraFonte http://www.baixarfontes.com.br/d) Romana – Tem como características a harmonia nas proporções, comelementos retos e curvos. Utiliza maiúsculas e minúsculas distintas, possui serifas.Figura 35: Modelo da letra RomanaFonte: http://www.tipos-de-letras.com.ar/categoria_primitivas.phpe) Bastão - Caracteriza-se pela ausência de serifas, o que torna sua leitura maisfácil, por causa do distanciamento entre as letras. Muito utilizada em publicações comerciais ede caráter técnico. Família também conhecida na indústria como: Kabel, Lapidária, Futura,entre outros.Figura 10: Modelo da letra BastãoFonte: http://www.tipos-de-letras.com.ar/categoria_sans-serif.php
  60. 60. 60A legibilidade do texto é influenciada pela escolha correta das fontes utilizadas,sua espessura, a proporção, altura, largura e o contraste com o papel. O espaçamento entre asletras facilita a leitura e compreensão do texto.LEGIBILIDADE DOS CARACTERESDimensão O tamanho das letras influencia na leitura, no interesse doleitor pelo texto. Letras muito pequenas são cansativas.Simplicidade A tipografia quanto mais simples é melhor para a leitura, oexcesso de enfeites, efeitos distrai o leitor.Orientação É recomendado o uso dos caracteres na posição vertical,evitando letras oblíquas.Harmonia O uso de tipos diferentes no mesmo texto polui a imagem. Se ouso for necessário, que a transição entre elas seja feita deforma suave.Força Letras com pouca altura e com hastes mais grossas tornam apalavra escura e a deixam difícil de ler.Tabela 4: Legibilidade de Caracteres.Fonte: Ribeiro, 2007, p. 68,69 e 70Segundo Ribeiro, por causa da grande variedade de tipos, Francis Thibaudeau,resolveu agrupá-las pela semelhança e uma característica que chamou a atenção do gráfico foi
  61. 61. 61a presença ou ausência de um detalhe na base das letras, a serifa (RIBEIRO, 2007). Os tipossem serifa transmitem elegância e beleza, por conta da uniformização do peso da letra. Aescolha dos tipos deve seguir uma estratégica básica para harmonizar a relação entre as letrase, por consequência, das palavras, também. Evitar os conflitos e excessos de contrastes ajudaa montar um texto com mais concordância e que não canse o leitor.De acordo com Ribeiro (2007, p 56),O conhecimento dos estilos, das características e das possibilidades expressivas decada tipo de letra facilita sua seleção. Com uma só família de tipo bonito, legível,harmonioso e atraente, que tenha letra redonda, normal, preta ou cursiva, pode-seconseguir ênfase, agilidade, vigor, facilidade de contraste e simplicidade, que tornamuma composição sugestiva e eficaz.São várias as possibilidades de escolha de tipos (fontes), e a escolha de cada umadefine um padrão visual, uma linha de pensamento e intenção que se pretende demonstrar. Aescolha mais acertada será aquela que conseguir imprimir ao título ou texto publicitário, umapersonalidade própria para o produto ou marca. O conjunto das palavras torna agradável aleitura, formando uma estrutura capaz de chamar a atenção sem excessos. O anúncio impressose materializa aos olhos de quem o vê (FUENTES, 2006).Aurélio Buarque de Holanda Ferreira define tipografia como:A arte que compreende as várias operações que conduzem a impressão dos textos,desde a criação dos caracteres, à sua composição e impressão, de modo que resultenum produto ao mesmo tempo adequado, legível e agradável (SILVA, 1985, p.71).Outras características tipográficas utilizadas para dar destaque aos textos são:a) Negrito – caracterizado pelo traço forte escuro empregado principalmente emtextos corridos. Ex: NEGRITOb) Caixa alta – Também conhecido como Capital ou Versal, são as letrasutilizadas em maiúsculas. Ex: CAIXAALTA (RIBEIRO, 2007).
  62. 62. 625.2 Cores na ComunicaçãoA cor é de extrema importância para os anúncios publicitários, que poderáatrapalhar ou ajudar dependendo da forma que for utilizada, pois cada cor possui uma açãomóvel, por exemplo, uma parede preta parece aproximar-se, enquanto a branca amplia oespaço, do ponto de vista sensorial as cores recuam ou avançam. O emprego indevido da corpode criar confusão e tornar o anúncio menos efetivo. Para a criação publicitária o que maisinteressa é chamar atenção do consumidor por um detalhe motivacional, como a cor, para quese fixe e memorize com rapidez, pois se sabe que o tempo médio para prender a atenção a umobjeto é de 2 a 10s (FARINA, 1986).As mulheres têm grande poder de decisão na escolha de um automóvel e nota-seque a compra do veículo pode ser adiada quando a cor desejada não está disponível paravenda imediata, fazendo com que elas prefiram aguardar a chegada do veículo da cordesejada. (FARINA, 1986).Henry Ford preocupou-se muito a respeito, enquanto seus engenheiros se dedicavamao carro, Ford pesquisava o gosto das pessoas, espalhando seus informantes entre opúblico para conhecer a cor preferida para um carro, assim como a apresentaçãoestética do mesmo (FARINA, 1986).De acordo com Brito, a cor é um elemento fundamental na comunicação,transmite sensações que interferem nas decisões de compra, emociona e chama a atenção parao produto. Cada cor indica uma sensação. Na publicidade impressa utiliza-se o sistema decores denominado CMYK (Cielo, Magenta, Yellow e Black), derivado do processo subtrativoonde se absorve ou subtrai a cor branca. O que não é absorvido de luz é refletido para osolhos. A quantidade de pigmentos vermelho, amarelo e azul determinam a cor final. E amistura delas em quantidade maior origina o preto (BRITO, 2009).
  63. 63. 63Figura 37: CMYKFonte: http://luzeled.com.br/luz/As cores são divididas em cores quentes e cores frias. Para padronizar euniversalizar as tonalidades das diversas combinações que podem ser efetuadas a partir dessasquatro cores iniciais foi desenvolvida uma escala com descrição detalhada da quantidade depigmentos para elaboração de cada cor. Trata-se da escala Pantone, que possui um catálogocom 14 cores básicas (JUNIOR, 2010).Figura 38: Temperatura de coresFonte: Souza, 2011De acordo com Brazolin, as cores transmitem sensações que atingem a emoção dopúblico e é a partir de cada definição que a publicidade se utiliza para ilustrar seus anúncios.A cor faz parte do dia a dia de cada um, ela impressiona os olhos, emociona e constrói, poiscom sua simbologia ilustra e expressa por linguagem própria a ideia da comunicação que
  64. 64. 64deseja demonstrar como expõe Farina.a) Branco – paz, pureza, casamento, inocência, harmonia. Indicado para anúnciosde produtos médicos, hospitais.Figura 39: Dia do médico – Farmácia Pague MenosFonte: http://potopublicitario.files.wordpress.com/2010/10/paguemenos-mani.jpgb) Amarelo (dourado) – ouro, calor, luz. Não é naturalmente motivadora. Indicadapara anúncios de produtos de verão.Figura 40: Bloqueador solar - AvonFonte: Gomes, 2007c) Rosa – feminilidade, afeto, amor, calma. Produtos femininos.
  65. 65. 65Figura 41: Langeries TriFilFonte: Gomes, 2007d) Verde – vida, bem-estar, esperança, descanso, relaxamento. Anúncios quecaracterizem o frio, natureza.Figura 42: Havaianas - IpêFonte: http://ccsp.com.br/ultimas/34958/resultado-buscae) Laranja – outono, por do sol e euforia. Também indicado para produtos quedenotem energia, verão.
  66. 66. 66Figura 43: Cerveja ColôniaFonte: Crocetta, 2008f) Vermelho - sangue, perigo, movimento e paixão. Indicado para produtos deginástica.Figura 44: Anúncio AthleticFonte: http://images02.olx.com.br/ui/2/03/93/18770093_1.jpgg) Azul – calmante e higiene. Indicado para produtos de limpeza e higienepessoal.
  67. 67. 67Figura 45: Omo Progress+- OmoFonte: http://www.omo.com.br/wp-content/uploads/destaque_produto_560x3871.jpgh) Vermelho+Amarelo – Estimulante. Indica sensação de fome, apetite. Utilizadoem restaurantes, anúncios de alimentos.Figura 46: McDonalds 2012Fonte: http://3.bp.blogspot.com/-TD93RN4M46E/T33qqoCpPQI/AAAAAAAAAS4/5KWO3UvUTfw/s1600/Sem%2BT%25C3%25ADtulo-1.jpgi) Vermelho+Verde – Estimulante. Utilizado em anúncios de produtos rurais.
  68. 68. 68Figura 47: Tratores NavesaFonte: Cabal, 2008Segundo a definição de Farina, a publicidade é um reflexo parcial das tendênciasque se vê no comportamento da sociedade, a transmissão da imagem que ela pretende passar éfiltrada com base apenas nos aspectos positivos existentes, pois uma de suas principaiscaracterísticas é não apresentar ao público seus pontos frágeis ou negativos. Pode serconsiderada uma ilusão que se prende a uma realidade colorida e feliz, levando em conta osaspectos emocionais com o qual se expressa e a fácil assimilação a que se pretende atingir aopúblico que se dirige. Para alcançar esse objetivo utiliza-se a cor como elemento principal. Acor possui capacidade de despertar a atenção, que é um requisito básico para se alcançar oobjetivo final da comunicação, atingir ao público alvo. (FARINA, 1986)5.3 DiagramaçãoSegundo Silva, “[...] enquanto a paginação quer dizer a montagem de títulos,notícias e fotos, a diagramação é a consciência dos elementos gráficos com a estética – o
  69. 69. 69liame entre a técnica do jornal e a arte da apresentação”. Em outras palavras, a diagramaçãobusca dar o padrão de representação gráfica, ligando harmonia e técnica. (SILVA, 1985, p.41)Com a tecnologia cada vez mais sendo aprimorada, com possibilidade de uso deplataformas de manipulação, é possível hoje apresentar qualquer tipo de imagem nas maisdiversas situações, sem que para isso seja necessária a montagem real de cenários oulocações. A dosagem do uso dessa ferramenta é que traduz a qualidade ou não do projetoapresentado, principalmente quando se trata de anúncios publicitários, pois levar o produto auma realidade muito distante daquela que o consumidor vivenciará torna toda estratégia decomunicação um fracasso, pois o consumidor não se sentirá participante daquela realidade, ouainda pior, poderá exigir depois que ele mesmo alcance aquela realidade apresentada noanúncio, deixando a marca/produto numa situação desagradável perante a opinião pública.Deve-se primar pelo equilíbrio, para que a imagem não perca a sua essência básica(FUENTES, 2006).As composições são formadas com base em quatro princípios básicos: contraste,equilíbrio, unidade e proporção. A escolha do contraste, entre o papel, o peso, a direção, ostipos, as cores utilizadas e a disposição dos textos e imagens evita que a composição fiquesem variedade.A disposição dos elementos gráficos na composição visual do projeto proporcionaum melhor entendimento e leitura da mensagem. O direcionamento dos olhos nos pontosprincipais do anúncio possibilita que a visão direta e periférica seja melhor aproveitada. Osolhos buscam e caminham pela página de acordo com a força com que os elementos gráficosatraem a atenção do leitor. De forma inconsciente os olhos percorrem esse traçado, se adisposição não estiver bem formada, o leitor terá uma leitura equivocada da mensagem(JUNIOR, 2011).Segundo Odair C. Junior, para montar uma boa relação entre os elementos do
  70. 70. 70anúncio a ser montado, é necessário que se obedeça a regras básicas de agrupamento desseselementos, imagens e texto. Essas regras são formadas a partir da Teoria da Gestalt do Objeto,que explica o porquê da percepção dessas imagens por parte de cada receptor ser diferenciada,também explica como se podem criar ilusões, que modificam a maneira como a mensagemserá recebida. Para esse agrupamento ser bem sucedido devem-se seguir alguns critériosbásicos (JUNIOR, 2011):a) Proximidade – quando se agrupa os elementos que estão mais próximos entresi. O cérebro tende a agrupar os demais elementos de acordo com o primeiro. O que se vê aseguir, nada mais é do que figuras dispostas independentemente umas das outras, mas pela leida proximidade a visão agrupa-as formando a letra U, por conta da proximidade existenteentre elas, formando uma conexão lógica.Figura 11: Logomarca da UnileverFonte: Leonel, 2011b) Semelhança – agrupamento de elementos iguais ou parecidos. Itenssemelhantes tendem a ser agrupados. Por conta da semelhança entre as cores e formato doselementos, o cérebro agrupa-os de forma que se vê a figura da tartaruga.
  71. 71. 71Figura 4912: Cartaz WWFFonte: Zampar, 2009c) Continuidade – quando se dá continuidade a uma imagem independente,formando uma sequência inteira. Na figura a seguir, observam-se traços independentes, mas océrebro entende que se trata de um tracejado contínuo, formando um caminho que os olhospercorrem sem interrupção compondo a letra C.Figura 50: Logomarca CarrefourFonte: http://iluminesuasideias.com.br/wp-content/uploads/carrefour.gifd) Simetria - característica observada em imagens que possuem divisão exata eperfeita em seu eixo principal, formando metades idênticas. Imagens que se completam
  72. 72. 72perfeitamente. O perfil do público receptor da mensagem é que determina se a proporção daimagem deve ser simétrica ou assimétrica, pois tanto o excesso de um ou de outro podeafastar o interesse e prejudicar a leitura.Figura 51: Logomarca Banco do BrasilFonte: http://www.edsouza.net/descubra-o-significado-do-logotipo-do-banco-do-brasil-e-um-pouco-de-sua-historiaAlém desses princípios deve-se também observar o alinhamento dos objetos napágina. Para que não se perca a proporção deixando um lado visualmente mais pesado que ooutro. Esse alinhamento pode ser à direita, esquerda, central ou justificado. Segundo Almeida,o alinhamento é que determina a aparência da página, deixando-a mais alegre, séria ousofisticada. O contraste também é um elemento que deve ser observado, para conseguir que apágina chame a atenção do leitor, utiliza-se desse recurso através da variação de cores defundo e texto, fontes, o direcionamento das linhas. Do mesmo modo a repetição de elementos,é usada para marcar um conceito, criar interesse visual pela página, levando-se em conta queo excesso de repetição deixa a visualização cansativa (ALMEIDA, 2008).
  73. 73. 73Figura 52: Havaianas 2011Fonte:http://4.bp.blogspot.com/-3UM2RLjq-Nk/TqlKQAEZozI/AAAAAAAADn0/iWMZse_HsrA/s400/nova+campanha+para+Havaianas.jpgO equilíbrio entre as imagens e o texto demonstra que a página possui o mesmovolume, peso visual.Segundo Junior (2011), a diagramação dos elementos na página é feita com ointuito de direcionar o olhar e dar sensação de movimento à imagem. Esse direcionamento deleitura pode ser em:a) Cruz – transmite um ar de modernidade dinamismo à peça publicitária, além deaproveitar melhor o espaço.
  74. 74. 74Figura 53: Utilitários RenaultFonte: http://www.ideiaoriginal.com.br/?page_id=245b) Z – o movimento é similar ao S, mas com mais vigor e intensidade por contado ângulo reto formado nos cantos da imagem. Esse tipo de diagramação é muito utilizado emanúncios.Figura 54: Lençóis Infantis ArtexFonte: Pereira, 2010c) S – transmite a ideia de um movimento leve sinuoso como a própria letra S é.
  75. 75. 75Figura 55: Coca - ColaFonte: http://www.birox.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/12/An_CC_NegPE_210x290mm_Blog1.jpgd) Círculo – permite à composição um fluxo maior, dando a ideia de movimentosequencial das imagens, que convergem para um ponto central da composição.Figura 56: Dia do motociclistaFonte: http://vladpaiva.files.wordpress.com/2009/10/anun-vix-motos.jpge) Triangular ou Pirâmide – Nesse caso há o uso da simetria que estabiliza acomposição dando harmonia ao conjunto. A simetria é construída a partir da base da imagem.
  76. 76. 76Figura 57: Anúncio Ford EcoSportTítulo: http://4.bp.blogspot.com/_WyENyviAF-A/TOZoomaCLRI/AAAAAAAACbE/8tuVA_nf1Pc/s1600/ford-ecosport-propaganda.jpgf) Diagonal – O olhar é direcionado a partir de um vértice criando uma linhaimaginária que divide a imagem em pontos opostosFigura 58: Requeijão BlancheFonte: http://vladpaiva.files.wordpress.com/2009/10/jor_yara_anun-requeijao-rolo-e-faca-copy.jpgg) Ângulo reto ou L – o movimento do olhar vai direto para a informação.
  77. 77. 77Figura 59: Lençóis Infantis ArtexFonte: Pereira, 2010
  78. 78. 786 PROPAGANDA DA FORD NA REVISTA VEJA DE 1980 A1985 E 2000 A 2005Durante a década de 1980, a montadora Ford ficou marcada pelas transformaçõese lançamentos feitos no mercado automobilístico, chegando inclusive a formar aliança com aconcorrente Volkswagen para o compartilhamento de peças e criação em conjunto de novosprodutos. Essa aliança chamada oficialmente de Autolatina, durou dez anos sendo encerrada em 1995.Atualmente a Ford é a quarta montadora em participação no mercado alcançando a marca de9,21% (EXAME, 2012).Os anos 2000 marcaram a publicidade com a volta dos anúncios criativos, quecaíram no gosto da crítica e principalmente do público através de peças que remetiam aemoção, humor, reflexão. Os anúncios passaram a ser mais visuais do que textuais.Figura 60: Anúncio Ford RangerFonte: http://roupanovaral.files.wordpress.com/2008/10/12138.jpg?w=755&h=520Como mencionado anteriormente, a escolha da revista Veja se deu por conta daacessibilidade de seu acervo de forma digital, por meio da internet. A revista foi lançada em

×