Posturas nos cuidados corporais

10,122 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,122
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
50
Actions
Shares
0
Downloads
362
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Posturas nos cuidados corporais

  1. 1. ERGONOMIANOS CUIDADOS CORPORAIS Março/2013
  2. 2. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS Joaquim Lourenço ÍndiceINTRODUÇÃO 3A ERGONOMIA E A SUA APLICAÇÃO NO SETORDOS CUIDADOS CORPORAIS 5FATORES DE RISCO ASSOCIADOS ÀS CONDIÇÕESDE TRABALHO NO SETOR DOS CUIDADOS CORPORAIS 8ESPAÇO E DIMENSÕES DO POSTO DE TRABALHO 11UTENSÍLIOS E EQUIPAMENTOS DE TRABALHO 15AMBIENTE FÍSICO 20FATORES DE RISCO ASSOCIADOS ÀS CONDIÇÕESORGANIZATIVAS NO SETOR DOS CUIDADOS CORPORAIS 26POSIÇÕES/POSTURAS DE TRABALHO 31BIBLIOGRAFIA 36 Joaquim Lourenço Março/2013 Página 2
  3. 3. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISINTRODUÇÃOERGONOMIA é a ciência que estuda a relação entre o Homem e o trabalho que executa,procurando desenvolver uma integração perfeita entre as condições de trabalho, ascapacidades e limitações físicas e psicológicas do trabalhador e a eficiência do sistemaprodutivo.É uma maneira de pensar e planear o trabalho, organizando-o e adaptando-o às capacidades enecessidades da pessoa que o executa. É na sua expressão mais simples "uma ciência que tratade adaptar o trabalho ao trabalhador".Os princípios ergonómicos aplicam-se também a aspetos temporais do trabalho, horários,pausas, ritmos, formas organizativas, enriquecimento de tarefas para evitar o stress e controlara carga psíquica e mental do trabalho.A Ergonomia, para além de humanizar o trabalho pode contribuir para uma maior rentabilidadedo mesmo.Os critérios ergonómicos aplicados desde a fase do projeto, na estruturação do trabalho e nascondições de realização das tarefas, constituem importante medida preventiva para evitardoenças contraídas pela permanência prolongada no posto de trabalho.Tipos de ergonomia: • COGNITIVO - Preocupa-se com os processos mentais, tais como a perceção, raciocínio, resposta motora, na medida em que afetam as interações entre o ser humano e os outros elementos que fazem parte do sistema; • FÍSICO - Preocupa-se com as caraterísticas anatómicas, antroprométricas, fisiológicas e biomecânicas humanas na medida em que se relacionam com a atividade física; • ORGANIZACIONAL – Preocupa-se com a otimização dos sistemas sociotécnicos, incluindo a estrutura organizacional, politicas e processos O trabalho em pé, comum em alguns sectores industriais, comércio, serviços, implica só por si uma sobrecarga dos músculos das pernas, costas e ombros, mas tem também outros inconvenientes entre os quais se salientam:  a circulação sanguínea nas pernas faz-se mais lentamente o que pode provocar o aparecimento de varizes;  o repouso do corpo assenta numa superfície muito pequena e a manutenção prolongada do equilíbrio conduz a uma tensão muscular constante. Muitos profissionais dos salões de estética sofrem de perturbações músculo-esqueléticas, nomeadamente ao nível cervical, dos ombros e dos pulsos, devido a posturasincorretas e ao trabalho de pé. A função da esteticista obriga-a a reclinar-se para o cliente, Joaquim Lourenço Março/2013 Página 3
  4. 4. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISassim como a fazer movimentos repetidos de torção da coluna vertebral, sendo numerosas asposturas incorretas adotadas. É essencial que todos os representantes do setor compreendam que grande parte dosproblemas de segurança e saúde se relacionam com a não aplicação dos princípios daergonomia. Se tomarem consciência da importância da ergonomia, os trabalhadores melhoraras suas condições de trabalho, sobretudo se os empregadores compreenderem a relação queexiste entre produtividade e boas condições ergonómicas. Isto é, estamos perante umaresponsabilidade repartida que requer esforços e atuações de ambas as partes para enfrentarcom êxito a luta contra os problemas de saúde e de segurança. A filosofia crescente no culto do corpo, assumida por pessoas de todas as idades e sexo,obriga ao surgimento de novos produtos e serviços que se incorporam no mercado com umagrande aceitação. Alguns dos serviços que até há pouco se qualificavam “de luxo” passaram aconsiderar-se “necessários”. Mulheres, homens, jovens e seniores, são cada vez maisutilizadores dos serviços de cuidados corporais (tanto de cabeleireiro como de estética). E elesexigem serviços e profissionais qualificados, conhecedores das novas técnicas e da sua aplicaçãoe que se atualizem permanentemente nas novas tendências e modas. Nos últimos anos os problemas ergonómicos adquiriram uma importância considerável.Todos os anos se verificam milhões de lesões, o que implica horas de trabalho perdidas e umconsiderável custo sanitário. A generalização dos transtornos músculo esqueléticos nostrabalhadores de qualquer setor produtivo impõe a necessidade de iniciar ações preventivaspara evitá-los ou minimizá-los. Os trabalhadores dos serviços de cuidados corporais são dos mais afetados peloaparecimento de alterações musculares que se associam principalmente às condiçõesergonómicas do trabalho. Este trabalho tem como objetivo geral incentivar uma mudança de atitude para asensibilização e consciencialização preventiva dos profissionais dos cuidados corporais,generalizando o conhecimento da ERGONOMIA como técnica preventiva e a sua aplicação nosetor, introduzindo os princípios ergonómicos no posto de trabalho, por forma a seremaproveitados os seus benefícios na melhoria da saúde dos trabalhadores. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 4
  5. 5. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS A ERGONOMIA E A SUA APLICAÇÃO NO SETOR DOS CUIDADOS CORPORAIS Até há poucos anos, neste setor apenas se falava de cabeleireiros e apenas se distinguiao “salão de beleza” onde se faziam tratamentos diferentes dos habituais, como depilação emassagens. Posteriormente, perante a aparição de novas técnicas e ao aumento da procura, osserviços que se prestavam nos cabeleireiros e centros de beleza foram sendo cada vez maisvariados e sofisticados: lavagem, massagem capilar, corte, penteado, coloração, madeixas,massagem facial, maquilhagem, depilação com cera fria e quente, manicura, pedicura, etc.. Atualmente, nos serviços de cuidados corporais reúnem-se todas as atividades que seintegram num amplo conceito de beleza e cuidados pessoais. Perante a evolução do setor, os profissionais sentem necessidade de diversificar osserviços oferecidos e incorporar de forma progressiva os serviços e técnicas que começam a sermais procurados pelos clientes com o objetivo de responder às suas necessidades, se quiseremser mais competitivos. É evidente que isto vai trazer novas atividades, técnicas, produtos e oemprego de utensílios e aparelhos que, definitivamente, aumentam e modificam os riscoslaborais já existentes. A ergonomia é uma ciência que pode fazer melhorar de forma considerável as condiçõesde trabalho em qualquer setor produtivo. Podemos definir ergonomia como sendo o estudo da adaptação do trabalho àscaraterísticas fisiológicas e psicológicas do ser humano. Mas também se incluem outros fatoresque determinam as condições ambientais e que podem influir no desempenho adequado dotrabalho como a iluminação, o ruído, a temperatura, as vibrações, etc.. As condições de trabalho no setor dos cuidados corporais pode beneficiar imenso com aaplicação da ergonomia. Não podemos esquecer que as tarefas desempenhadas se caraterizam Joaquim Lourenço Março/2013 Página 5
  6. 6. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISpor serem fundamentalmente manuais, ocasionando posturas incorretas que afetam as costase pescoço, com movimentos repetitivos de braços, mãos e pulsos, ao mesmo tempo que éexigida grande acuidade visual. Isto faz com que cada vez haja mais trabalhadores que sofremde dores nas costas, costas, pescoço, inflamação de articulações e tensão ocular, aumentando orisco de transtornos e lesões músculo esqueléticas. Por isso, aplicar princípios ergonómicos implica vantagens a todos os que integram osetor: Para os empresários, melhora a qualidade, a eficiência do trabalho e a produtividade.Para os trabalhadores, evita lesões ou doenças dolorosas que limitam tanto a vida profissionalcomo a pessoal e facilita a execução das tarefas de uma forma mais cómoda. O objetivo da ergonomia é simples: facilitar a relação entre o trabalhador e o posto detrabalho, fazendo-o mais confortável e seguro. A ergonomia procura: • A adaptação da relação trabalho/trabalhador • O bem-estar do trabalhador no seu posto de trabalho • A adequação entre a pessoa e o posto de trabalho • A promoção da satisfação laboral Primeiramente, devem-se conhecer diferentes aspetos que, sem a aplicação das medidaspreventivas adequadas, podem ser fontes do aparecimento de riscos ergonómicos, quedestacamos: • Posturas incorretas e sofre-esforços durante a realização das tarefas • Exigências físicas do trabalho que provocam cansaço e fadiga • Condições ambientais inadequadas Podemos afirmar que a aplicação da ergonomia nos serviços de cuidados corporais controlao fator de risco mais importante: a carga física a que estão expostos os trabalhadores e quepodem contribuir para o aparecimento de transtornos músculo esqueléticos. Em concreto,estamos perante riscos de:  Projeto dos postos de trabalho: espaços limitados para os movimentos necessários e incorretos para os trabalhadores;  Desenho dos equipamentos de trabalho: uso continuado de ferramentas que vibram (secadores), impossibilidade de subir ou descer as superfícies de trabalho (marquesas de estética).  Posturas incorretas: a carga física estática ao manter uma postura de pé durante grande parte da jornada de trabalho, sobre esforços causados por torsões e inclinações do tronco, manter posturas forçadas (cabeça ligeiramente inclinada), movimentos repetitivos de membros e articulações superiores (rotações dos braços e punhos), aplicação de força excessiva e repetida com a mão (massagens), manipulação e levantamento de pesos de forma incorreta (no armazém dos materiais de trabalho). Perante esta realidade, é importante por iniciarmos por nos perguntar: ♦ Como se adapta o posto de trabalho ao trabalhador? ♦ Quanto tempo e que esforço é necessário para realizar cada tarefa? ♦ A tarefa é repetitiva? ♦ Poder-se-á diminuir o tempo de trabalho em pé? ♦ Realizam-se sobre esforços? Joaquim Lourenço Março/2013 Página 6
  7. 7. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS ♦ São necessárias as posturas forçadas (incorretas)? ♦ É possível ajustar-se a altura a que se realizam as tarefas? ♦ Utilizam-se assentos quando se trabalha de pé? ♦ Estão acessíveis os utensílios de trabalho? ♦ Há espaço suficiente para realizar o trabalho? ♦ Pode-se melhorar a iluminação? ♦ O nível de ruído é elevado? ♦ A temperatura pode ser regulada pelos próprios trabalhadores? ♦ As ferramentas e os utensílios a utilizar requerem torções da mão e/ou do punho? É fácil deduzir que é necessário examinar as condições de trabalho. Aplicar os princípiosda ergonomia ao desenho dos equipamentos, do posto de trabalho e às tarefas ou à forma emque estas se realizam pode melhorar consideravelmente a comodidade, a saúde e aprodutividade do trabalhador. Pelo contrário, a não aplicação dos princípios da ergonomia àsferramentas, utensílios e postos de trabalho obrigará os trabalhadores a adaptarem-se acondições de trabalho deficientes que se repercutirão na sua produtividade e na sua saúde. Como consequência, a curto prazo o trabalhador apresentará sintomas deincomodidade e dores durante e no fim do dia de trabalho. Esta situação dá indicação que seestá produzindo uma disfunção no organismo. Com o passar do tempo e não tomandomedidas, pode degenerar numa doença de carater permanente que incapacite gravemente otrabalhador, levando a impedi-lo de poder desempenhar as suas tarefas de forma adequada. A procura da adaptação do posto de trabalho ao homem coloca especial enfase nodesenho de postos de trabalho que se adaptem quer às caraterísticas dos trabalhadores queràs tarefas a realizar. Porém, tal não é fácil por uma série de razões:  O ser humano é extremamente adaptável, mas a sua capacidade de adaptação não é infinita;  Existem diferenças individuais, que podem ser muito grandes. Algumas são evidentes (como a constituição física ou a força), mas outras (como as diferenças culturais, de estilo ou de habilidade) são mais difíceis de identificar. Apesar disso, existem intervalos de condições ótimas para qualquer atividade. Uma dasregras da aplicação da ergonomia consiste em definir quais são estes intervalos e explorar osefeitos indesejados que se produzem quando se superam os limites. Por exemplo, o que sucedese uma pessoa desenvolve o seu trabalho em condições de calor, ruído ou vibrações excessivasou deficientes, ou se a carga física ou mental de trabalho é elevada ou reduzida. Os estabelecimentos dedicados aos serviços de cuidados corporais têm evoluídoconsideravelmente e continuam a fazê-lo em função da procura dos clientes e do surgimentode novos produtos, técnicas e serviços. Tudo isto coloca em evidência a importância que sereflete claramente em dois aspetos.  Imagem dos estabelecimentos. É uma preocupação grande a imagem dos locais de trabalho para que estes sejam atrativos e diferenciadores da competência com o objetivo de atrair e fidelizar o cliente;  A estética dos equipamentos, utensílios e aparatologia. Os fornecedores também estão contribuindo para que os centros sejam cada vez mais modernos e inovadores. A elevada concorrência juntamente com as exigências e Joaquim Lourenço Março/2013 Página 7
  8. 8. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS especificações de fabricação faz com que o setor disponha de utensílios, equipamentos, mobiliário e aparatologia cada vez mais ergonómicos. Considerando que a maioria do tecido empresarial do setor são microempresas, aergonomia não está suficientemente implantada, devido, principalmente, a: → As empresas, na sua grande maioria, não realizam avaliações de riscos ergonómicos, limitando-se à contratação da avaliação inicial dos riscos a uma entidade externa. Poderão ser identificadas posturas incorretas, movimentos repetitivos e lesões músculo esqueléticas, inclusive que se estabeleçam as medidas preventivas mais adequadas, mas será a própria empresa quem realmente deverá aplica-las. E quando as medidas a adotar fazem referência ao espaço físico ou à aquisição de nova aparatologia, há que ter em conta que a capacidade de investimento das microempresas ou autónomos é, geralmente, baixa. Os trabalhadores acumulam maus hábitos posturais que podem chegar a condicionar acontinuidade no setor. Por isso, é fundamental a vigilância da saúde, uma vez que permitedetetar situações de risco que poderiam desembocar em futuras incapacidades e/ou lesões. Os empresários não estão suficientemente conscientes quanto à existência de riscosergonómicos. Não consideram clara a relação de causalidade entre os fatores de riscosergonómicos e as lesões músculo esqueléticas, o que faz com que não existam ou a existampoucas medidas preventivas para o efeito. Nos trabalhadores a consciencialização é maior, mas não suficientemente importante. Aformação profissional específica e contínua ajudam a criar hábitos saudáveis. Com efeito,muitos dos trabalhadores corrigem os seus maus hábitos posturais no trabalho quandocomeçam a sofrer as primeiras dores físicas, mas a carga de trabalho nem sempre favorece quemantenha essa atitude. Isto faz com que, em muitas ocasiões, se atribua ao empresário aresponsabilidade de atuação perante estes riscos sem que chegue a adquirir bons hábitosindividuais. Os problemas não se manifestam a curto prazo, o que dificulta a que se tomem medidasdestinadas a minimizá-los. Os trabalhadores são afetados por um projeto mal concebido queatualmente representa pequenas queixas físicas, mas que podem chegar a certa gravidade amédio e/ou longo prazo, causando prejuízo quer a nível profissional quer a nível pessoal. Tudo isto nos conduz à necessidade de impulsionar as políticas preventivas ergonómicase a sua aplicação real nos postos de trabalho do setor, no ponto de vista organizativo. No quediz respeito aos trabalhadores, é importante fomentar a informação sobre as lesões e doençasassociadas ao não cumprimento dos princípios ergonómicos, sua sintomatologia e quais ascondições relacionadas com o trabalho que as causam e a formação necessária para asenfrentar com as melhores garantias. FATORES DE RISCO ASSOCIADOS ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO NO SETOR DOS CUIDADOS CORPORAISCondições ambientais A elevada concorrência no mercado faz com que os estabelecimentos que se dedicamaos serviços de cuidados corporais procurem elementos diferenciadores que atraiam osclientes. Nesta luta, a qualidade e/ou a atenção personalizada jogam um papel determinante. A Joaquim Lourenço Março/2013 Página 8
  9. 9. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISprópria imagem dos estabelecimentos para isso contribui. Por isso, os estabelecimentos tentamdesenvolver um ambiente atrativo para os clientes. Procura-se criar um estilo prático, harmónico, acolhedor e multifuncional queimpressione de forma positiva o cliente desde o primeiro momento em que entra noestabelecimento. Para isso, empregam-se materiais muito diversos, não existindo limites para ouso de cores ou texturas e desenhos atrativos, contemporâneos, clássicos ou em algumassituações mesmo atrevidos. Em geral, os centros de estética procuram ambientes agradáveis econfortáveis que inspirem bem-estar e relaxamento, ao passo que os salões de cabeleireirousam desenhos mais modernos que inspirem modernidade e confiança ao cliente. Para além da imagem global do estabelecimento, na hora de projetar o local énecessário o desenvolvimento das tarefas seja o mais cómodo possível para os trabalhadores.Deste ponto de vista, ao falar de condições ambientais referimo-nos a:  O projeto dos postos de trabalho deve ter como objetivo principal o diminuir o esforço a realizar, minimizar a frequência dos movimentos e adequar todos os elementos (mobiliário, utensílios, aparatologia) ao trabalhador que os utiliza em cada momento.  O ambiente físico (iluminação, temperatura humidade, ruído, etc.) que podem facilitar ou prejudicar o desenvolvimento das tarefas. Estes elementos têm um componente objetivo (medível e comparável com valores estandardizados e um subjetivo (sensação de conforto/desconforto). Têm que se manter dentro dos valores objetivos recomendados e procurar o conforto, ainda que este dependa em grande medida dos indivíduos.Conceção dos postos de trabalho O posto de trabalho é o lugar que um trabalhador ocupa quando desempenha umatarefa- Existem disposições mínimas de segurança e saúde nos lugares de trabalho que definemcomo “áreas do centro de trabalho, edificadas ou não, em que os trabalhadores devampermanecer ou que as podem aceder em razão do seu trabalho”. O que quer dizer: casas debanho. Armazéns e zonas de descanso têm que ser tratados como o próprio posto de trabalho. É muito importante que todos os espaços sejam bem projetados com um duploobjetivo: assegurar a produtividade e evitar acidentes e doenças relacionadas com odesempenho das tarefas. Por isso há que ter em conta o trabalhador e a tarefa que vai realizar,a fim de que esta seja desenvolvida comodamente e de forma eficiente. Se o posto de trabalhoestá projetado adequadamente, o trabalhador poderá manter uma postura corporal correta ecómoda, trabalhar com maior comodidade, eficácia e, por isso, será mais produtivo. Tudo istonão acontecerá se o trabalhador se sentir incómodo no seu posto de trabalho. E neste caso, háque considerar que o projeto do posto de trabalho foi errado e, portanto não é culpa dotrabalhador. Portanto, podemos dizer que o objetivo do projeto dos postos de trabalho é aeliminação das posturas prejudiciais e melhorar o rendimento do trabalhador, tendo em contaas suas necessidades biológicas e preferências, assim como os requisitos das tarefas. A adaptação do posto de trabalho ao homem é um dos princípios básicos da açãopreventiva. Mas, apesar disso nem todas as empresas projetam os postos de trabalho deacordo com os princípios ergonómicos: as grandes empresas fazem-no na sua grande maioria;no entanto os autónomos, micro e pequenas empresas farão menos. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 9
  10. 10. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS As diversas tarefas executadas pelos trabalhadores requerem exigências e requisitosfísicos que requerem conceções específicas do posto de trabalho. Neste campo, tem um papelimportante a antropometria, que é a ciência que estuda as medidas do corpo humano tomandocomo referências as principais estruturas anatómicas. O primeiro princípio é evidente: a importância do homem como parte fundamental dequalquer projeto e a obrigação de manter a referência humana em todas as fases, desde oprojeto até à sua implementação. Para isso, há que considerar fatores antropométricos como:  Altura da cabeça: os objetos que deva observar devem estar à altura dos olhos ou um pouco mais abaixo, evitando a postura do pescoço para trás;  Altura dos ombros: colocando os objetos de habitual por baixo da altura dos ombros, minimizando a necessidade de elevar os braços;  Alcance dos braços: situando os objetos o mais perto possível (para evitar estender demasiado os braços) e em linha reta (para evitar curvar-se para os alcançar);  Altura do cotovelo: ajustando a superfície de trabalho à altura do cotovelo ou um pouco inferior para a maior parte das tarefas;  Longitude das pernas: adaptando a altura da superfície de trabalho e os assentos e prevendo espaços para poder esticar as pernas;  Tamanho das mãos: tentando que alças e os puxadores se adaptem às mãos;  Tamanho do corpo: deixando espaço suficiente para os trabalhadores de maior estatura possam mover-se com facilidade. Para considerar que um posto de trabalho está bem projetado há que considerar ascaraterísticas mentais do trabalhador, suas condições de saúde e segurança. Temos, por isso,que prestar atenção às seguintes condições:  A existência de vestiários e locais de descanso;  Espaço e dimensões do posto de trabalho  Mobiliário  Superfície de trabalho e distância dos utensílios a utilizar  Os utensílios e os equipamentos de trabalho  A aparatologiaExistência de vestiários e de locais de descanso Para além do espaço propriamente dedicado ao serviço ao cliente, os centros decabeleireiro e de estética devem dispor de outras instalações essenciais, a que habitualmentenão se presta tanta atenção. Falamos de: • Banheiros que, sempre que seja possível, sejam diferentes para clientes e pessoal; • Vestiários, com cacifos; • Zona de armazenamento, na qual se guardarão as toalhas, roupas, cosméticos, tintas, etc.. É necessário prestar atenção à sua organização, de modo a que os alcances estejam diretamente relacionados com o uso dos elementos (mais perto o de maior uso). Preparar-se-á um espaço adequado para a atividade de desinfeção/esterilização e o armazenamento e acondicionamento do material já utilizado; Joaquim Lourenço Março/2013 Página 10
  11. 11. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS • Zona de descanso, que deve permitir que se coma e beba quando seja necessário, uma vez que isso contribui para a redução da fadiga e a continuidade da produtividade;Espaço e dimensões do posto de trabalho Quando falamos de espaço de trabalho referimo-nos ao local onde se realiza umadeterminada tarefa, o espaço (volume) destinado a um ou vários trabalhadores e aos meios detrabalho que atuam em conjunto. Deve permitir desenvolver o trabalho com comodidade esegurança, assegurando que os trabalhadores de maior envergadura tenham bastante espaçopara circular comodamente à volta do cliente. Ao realizarem-se muitas tarefas de pé, podemos cair no erro de subvalorizar o espaçonecessário, mas juntando a existência de mobiliário móvel (carrinhos de ajuda, unidades delavagem, tabuleiros, etc.) pode tornar o espaço insuficiente.Não podemos esquecer que é necessário facilitar a mobilidade do pessoal sem criarincomodidades nem para os trabalhadores nem para os clientes. Por isso, para além do espaço de trabalho, há que ter em consideração o equipamentonecessário e onde se situará. Assim, falamos da dimensão do posto de trabalho quandoconsideramos o espaço de posto de trabalho e de todos os equipamentos necessários. Para defini-lo de forma adequada temos de prestar atenção às posturas que sãonecessárias, aos movimentos a realizar e à visibilidade espacial que é necessária, tentando quenão haja uma utilização excessiva de energia nem um grande esforço.Em geral, aquando do projeto do posto de trabalho, ter-se-á em atenção a principal postura dotrabalhador, de pé ou sentado. Em qualquer caso, tenhamos em atenção:  A posição de pé (serviços de cabeleireiro, massagens, etc.) permite ao profissional uma maior mobilidade, o que se deve valorizar para que haja o espaço suficiente; Para reduzir a curvatura excessiva da coluna e as correspondentes doenças na zonalombar, é recomendado elevar um dos pés apoiando-o num pequeno degrau, alternando cadapé ao longo do tempo. Para além disso, quando os profissionais não se ajustam à superfície detrabalho podem ser utilizadas pequenas plataformas ou estrados (com poucos centímetros dealtura). Joaquim Lourenço Março/2013 Página 11
  12. 12. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS  A posição sentada (manicura, foto depilação, limpeza facial, etc.) favorece uma maior precisão e exatidão, mas limita os movimentos. Nestes casos, deve haver espaço suficiente para os joelhos e pernas. Quando existirem duas posições principais, o mais adequado é alternar entre elas, num determinado espaço de tempo. Desta forma melhora-se a circulação sanguínea, mantendo os músculos em atividade com maior irrigação. Para isso, o ideal é dispor de cadeiras ou bancos perto do posto de trabalho para que, em certos momentos, os trabalhadores se possam sentar favorecendo a sua sensação de conforto.Plano de trabalho e distâncias Quando falamos de superfície ou plano de trabalho referimo-nos à zona na quaisefetivamente se realizam as tarefas (por exemplo, ao efetuar um corte de cabelo será a cabeçado cliente e, portanto, a altura a que esta se situa; no serviço de manicura, serão as mãos docliente ou a mesa sobre as quais se apoiam). O plano de trabalho determina a posição dos ombros e braços do trabalhador. Em geral,o plano de trabalho ótimo deverá situar-se ao nível dos cotovelos ou um pouco mais abaixoquando houver que aplicar força. Nesta posição aumenta-se a eficiência e minimizam-se aseventuais doenças no pescoço, ombros e braços.Evidentemente que a altura das pessoas que realizam o trabalho varia e, por isso, também variao nível a que se situam os seus cotovelos. Assim, as superfícies de trabalho têm de serreguláveis e os profissionais têm de conhecer o procedimento respetivo (como se ajusta a Joaquim Lourenço Março/2013 Página 12
  13. 13. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIScadeira do cliente para que se adapte à altura do trabalhador, ou a cadeira do trabalhador paraque se adapte à altura da mesa). Para além da superfície de trabalho, na maior parte das tarefas são utilizadosutensílios/ferramentas e por isso há que garantir que se acede a eles, quando necessário, deforma rápida e cómoda. A distância a que se situam é a que denominados de alcance. Osmateriais, ferramentas e controlos utilizados mais frequentemente devem localizar-se numazona de cómodo e fácil alcance.Mobiliário A maioria dos estabelecimentos de serviços de cuidados corporais procuramfuncionalidade e conforto quando se trata de escolher o mobiliário para o estabelecimento. Noentanto, a estas caraterísticas há que juntar ergonomia de modo a que o atrativo estético nãoseja o único critério na hora de decidir a aquisição. Os requisitos ergonómicos devem estar presentes em todo o mobiliário,independentemente de serem utilizados pelos trabalhadores ou pelos clientes. Os fabricantessabem isso e os projetos são mais confortáveis, funcionais, criativos e ergonómicos paratrabalhadores e para clientes. Por exemplo, as cadeiras reclináveis para cortar o cabelo têmmecanismos para adaptar a altura e permitem mobilidade adequada ao profissional, estandoconstruídas com encostos reclináveis e revestimentos cómodos. O mesmo acontece com orestante mobiliário: marquesas para massagens, mesas de manicura, carros auxiliares, etc. são,cada vez, mais ergonómicos tanto para o profissional como para o cliente. Ainda assim, em muitos casos a escolha do mobiliário está relacionada com orendimento do salão: as maiores empresas, as franchisadas e os salões dirigidos a uma clientelacom maior poder aquisitivo investem mais recursos, enquanto que as PME’s e microempresastentam não perder de vista a “imagem” e a atração do cliente, colocando os fatoresergonómicos para um segundo plano na hora da decisão. O mobiliário que, habitualmente, podemos encontrar é: No cabeleireiro:  Assentos – elemento indispensável devendo ser escolhido um modelo que seja cómodo para o cliente e ergonómico para o profissional. Sugere-se que o encosto seja ligeiramente curvo e reclinável, com ajuste hidráulico, com travão. Deverá ter um apoio para os pés.  Cadeiras de barbeiro –É a cadeira específica para cabeleireiro de homem. Deve permitir a inclinação e a rotação, dispondo de encosto ergonómico, apoio para os pés e apoios para os braços.  Toucadores – Frente à cadeira do cliente, define o posto de trabalho do profissional. O espelho deve ter umas medidas aproximadas de 1,80x0,75 e é aconselhável que Joaquim Lourenço Março/2013 Página 13
  14. 14. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS disponha de apoio para os pés. É conveniente que tenha alguns complementos que facilitem e tornem mais cómodo o trabalho: um espaço para poder colocar os utensílios e um “cabide” para o secador de mão.  Cadeiras ou assentos de trabalho – Atualmente, está-se generalizando o seu uso, uma vez que permite adotar uma posição mais cómoda para realizar determinadas tarefas, assim como descansar nos intervalos do trabalho. Devem ser reguláveis (permite adaptar-se à altura do cliente), com rodas e de pequenas dimensões.  Rampas de lavagem – O apoio para a cabeça deve ser em cerâmica basculante. O “chuveiro” mais adequado deverá ser um misturador. Uma vez que se trabalha com água, é imprescindível que se evite o seu derramamento. Alguns modelos incorporam um sistema “anti gotejamento”  Carros auxiliares – Permitem “ter à mão” tudo o necessário para determinados trabalhos (rolos, madeixas, manicura). Há uma grande variedade de modelos, mas o mais habitual é que disponham de rodas (para o movimentar mais facilmente), de gavetas, de tabuleiros. Podem ser de plástico para que pesem pouco. Um tipo especial de carrito é o misturador de tintas, que dispões de tabuleiros para fazer, de forma cómoda, as misturas das tintas. Os recipientes são extraíveis para facilitar a limpeza. Na esteticista:  Marquesas - Elemento importantíssimo para o cliente que vai fazer tratamento a um centro de estética e para o profissional. Podem ser classificadas em função de diferentes parâmetros: o modelo da marquesa (eco postural, spa, estética …), o modo de elevação (elétrica, hidráulica, …), o material (madeira, metálica, …), oJoaquim Lourenço Março/2013 Página 14
  15. 15. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS tamanho (2 ou 3 corpos) e os componentes (estantes/prateleiras, iluminação, …), etc.  Lupas – è recomendável que tenham um zoom 3 vezes e tenham incorporada a iluminação (de preferência fluorescente). Assim diminui o esforço visual eliminando zonas de penumbra. A iluminação não será imprescindível, mas é muito útil em determinadas tarefas (depilação, limpezas, micro maquilhagem, etc.). A maior parte dos modelos são com pé (com rodas), mas existem outros modelos que estão incorporados noutros elementos.  Carrinhos de manicura/pedicura – São semelhantes aos carrinhos auxiliares de cabeleireiro e devem dispor de rodas para poderem ser movidos mais facilmente, gavetas suficientes para guardar utensílios, tabuleiros e sempre que possível, elementos adicionais.  Assentos de manicura/pedicura – Devem ser reguláveis em altura (mecanismo hidráulico, elétrico ou mecânico) e reclináveis. Devem dispor de apoio para os pés.  Mesas de manicura – Devem dispor de espaço suficiente para o profissional e para o cliente e o assento deve permitir manter os joelhos dobrados ao mesmo nível que os quadris. Devem incorporar aspirador e iluminação. Utensílios e equipamentos de trabalho Uma avaliação do ponto de vista ergonómico dos utensílios e equipamentos de trabalho utilizados nos Cuidados Corporais permite-nos chegar à conclusão de que, em geral, evoluíram de forma importante. São maneáveis, de tamanho, dimensão e peso apropriados. São desenhados conforme as prescrições da ergonomia, procurando a comodidade, adaptabilidade e funcionalidade de utilização, evitando desenhos deficientes que poderiam ter consequências negativas para a saúde e diminuir a produtividade do trabalhador. O desenho dos utensílios e ferramentas que se utilizam no cabeleireiro e na estética deve preocupar-se em minimizar a fadiga do trabalhador e, objetivamente, procurar:  Facilitar a posição reta do pulso, sem que haja a “obrigação” de o dobrar ou curvar, devendo ser a ferramenta que curve quando necessário;  Adaptá-los aos profissionais, às suas dimensões corporais e à mão “dominante” (esquerda ou direita);  Ter o centro de gravidade perto do centro de pressão;  Diminuir a força necessária para trabalhar com eles, equilibrando-os;  Evitar a pressão excessiva na mão (palma da mão, articulações, dedos …) aumentando o tamanho para permitir o ajuste a toda a mão. Deve ser evitado o desenho de ferramentas que exijam pressão excessiva;  Evitar a exposição a vibrações (principalmente pelo uso de secadores e cortadores). Os utensílios que, habitualmente, encontramos num centro de Cuidados Corporais, são:No cabeleireiro: Joaquim Lourenço Março/2013 Página 15
  16. 16. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS♦ Pentes – Para além do material de que são feitos, podemos classifica-los pela respetiva função: para escolher/pegar o cabelo e para pentear: A sua forma, o tamanho e a separação dos dentes variam segundo o uso. Devem ser limpos depois de cada utilização e ser esterilizados periodicamente;♦ Escovas – Podem ter diversas formas e ser fabricadas com diversos materiais. Podemos distinguir Três partes numa escova: os “espigões/dentes” (mais ou menos flexíveis e em número variável), a placa de suporte em que se inserem (de diferentes formas e materiais) e o punho. Temos de procurar que tenham pouco peso e sejam equilibradas e que o punho permita uma aderência fácil com toda a mão. Devem ser limpas depois de cada utilização e, periodicamente, esterilizadas;♦ Tosquiadeiras/cortadoras – Compostas por dois pentes de aço, um fixo e outro móvel. Existem dois tipos de navalhas – a manual, (típica nos celeireiros de homem) e a elétrica. Devem ser leves e de fácil manuseio, com punho ergonómico, cabeças trocáveis, de funcionamento anti vibratório, engrenagens metálicas duradouras e sistema de arrefecimento interno para evitar aquecimentos;♦ Tesouras – Há diversos tipos de tesouras, em função do seu comprimento e espessura (retas, curvas, denteadas, de desbastar, etc.). Devem ser robustas, mas leves, de aço. Devem ser limpas após cada utilização. Para evitar a deterioração devem utilizar-se apenas para cortar o cabelo e não outro tipo de materiais, uma vez que se podem estragar com facilidade;♦ Navalhas e lâminas – Tradicionalmente são compostas por uma folha e um punho. A montagem tem duas placas para proteger tanto o profissional de possíveis cortes como a lâmina de danos. Pelo uso, distinguem-se em navalhas de barbear e de cortar. O principal risco com a sua utilização são os cortes.♦ Secadores de mão – Aceleram o processo de secagem natural do cabelo. Utilizam-se com diferentes acessórios (difusores, bicos …) para realizar trabalhos específicos. É necessário ter em atenção o peso, vibrações que produz e a forma de aderência.♦ Ferros de alisar e de frisar – Permitem melhorar os acabamentos. São ligados à eletricidade, sendo necessário que o cabelo esteja completamente seco antes de osJoaquim Lourenço Março/2013 Página 16
  17. 17. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS utilizar. Trabalham com elevadas temperaturas, pelo que devem dispor de um sistema de controlo da temperatura e de indicador de ligado/desligado e sistema de ventilação adequado. O cabo deve ser de material estável e que não transmita o calor. Para os limpar é preciso cuidado para que não se risquem e esperar que estejam frios evitar queimaduras. ♦ Borrifadores – São utilizados para borrifar o cabelo. Devem ser de pequeno tamanho para evitar peso excessivo. ♦ Estojos de trabalho portátil – Avental dianteiro que permite ao profissional ter à mão todo o material necessário para pentear ou cortar. ♦ Misturadores – Escovas ou pincéis para a aplicação de tintas, que devem ser leves, maneáveis e de material lavável.Na estética: • Lâmpadas de pé – Lâmpada com pé em estrela com 5 rodas para uma maior estabilidade. Permite altura regulável e braço extensível, articulado e equilibrado. O foco orientável deve ter interruptor na parte superior para maior comodidade do profissional. • Pinças – São utilizadas para a eliminação de pelos em zonas localizadas e devem ser fáceis de “pegar”. As suas extremidades deverão estar em contato corretamente, tendo atenção periódica que o contato das extremidades continue a ser o adequado. Devem ser desinfetadas. • Tesouras – São de tamanho mais reduzido que as de corte e caraterizam-se por ter as extremidades iguais e terminadas em pontas. • Alicates para unhas e cutícula – Semelhantes às tesouras, tanto em material como na sua utilidade, há que ter em atenção a pressão necessária e o centro em que se exerce a força. Como todas as ferramentas de corte, deve-se verificar o perfeito estado das lâminas de corte. • Palitos de laranjeira – São feitos de madeira de laranjeira (como o nome indica) e são de forma arredondada, com uma das extremidades em forma de ponta pontiaguda e outra em forma de cunha. • Limas – São utilizadas para acertar ou polir a borda da unha, adaptando-se à espessura e dureza. São fabricadas em diferentes materiais (cartão, borracha ou metal) sendo mais aconselháveis e utilizadas as de cartão.Aparatologia Definimos aparatologia como sendo os aparelhos que são criados para a aplicação detratamentos específicos e que têm tanta importância como o conhecimento técnico dosprofissionais. Ao longo dos últimos anos, principalmente como consequência dodesenvolvimento dos tratamentos estéticos, a aparatologia revestiu-se de grande importância.Na análise da aparatologia é necessário prestar atenção a três elementos:  Interpretação simples – A forma e conteúdo da apresentação da informação devem ser compatíveis com as caraterísticas da informação necessária, sem ambiguidades.  Utilização – Os controlos e os comandos de funcionamento devem ser compatíveis com a parte do corpo pela qual devem ser utilizados, normalmente os braços. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 17
  18. 18. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS  Otimização do espaço – O peso e as dimensões dos aparelhos sejam razoáveis relativamente à utilização que se lhes dá.A aparatologia que, habitualmente, podemos encontrar:  Esterilizador – Elemento indispensável para um centro de Cuidados Corporais uma vez que previne e evita contágios e infeções. Esteriliza tesouras, pentes, etc. e evita a corrosão de alguns instrumentos. Podem ser para colocar numa mesa ou para fixar na parede. É recomendável que desligue automaticamente ao abrir a porta.No cabeleireiro: ♦ Secador de cabelo – Produz corrente de ar quente, o que permite secar o cabelo de forma rápida. Podem ser de pé ou aéreos. ♦ Irradiador – Gera infravermelhos através de uma resistência que aquece com a passagem da corrente elétrica, que se converte em calor ao ser absorvida pela radiação. Utiliza-se para secar o cabelo (mais cómodo que os secadores de cabelo) ou para preparar a pele exposta para uma massagem capilar. Podem ser de pé e com rodas. ♦ Vaporizador (simples ou com ozono) – Produz vapor ao passar a água através de uma resistência quente, chegando a uma camada de condensação. Alguns modelos comportam um depósito de gás de ozono, permitindo que em cada momento de decida entre vapor de água ou vapor de ozono. A sua função principal é humidificar o cabelo para o proteger perante os tratamentos químicos (coloração, descoloração, etc.). São com pé e com rodas.Em estética ♦ Cerificador – Aquece a cera até ao ponto adequado de utilização (entre 38 e 45º). Dispõe de dois depósitos a diferentes alturas para facilitar a filtragem da cera, passando do mais elevado para o mais baixo, passando pelo filtro coador. O termostato e o interruptor são independentes para cada depósito. É recomendável que os termostatos permitam selecionar temperaturas entre 0 e 90º. Utiliza-se para depilação a quente. Para além dos riscos gerais, estamos perante possíveis queimaduras. ♦ Depósito e aplicador de cera “morna” – Aquece a cera de cartucho até ao ponto adequado de utilização (entre 27 e 39º.).É composto por diferentes compartimentos, de forma que o profissional possa utilizar um enquanto o outro atinge o ponto ótimo de aquecimento. É utilizado para a depilação “morna” (que afeta menos a pele). Praticamente, todo ele (o cartucho, o rolo, a cera e as bandas) é descartável, pelo que evita riscos de infeção. ♦ Gerador de altas frequências – Produz correntes elétricas. Através de um elétrodo que tem a forma de pente ou de barra, a corrente aplica-se diretamente sobre a pele. A frequência e a potência podem regular-se de forma independente. Utiliza-se como complemento da massagem manual. Deve utilizar-se com as mãos secas, uma vez que trabalha com corrente elétrica. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 18
  19. 19. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS É muito importante responsabilizar os trabalhadores no projeto do seu próprio posto detrabalho. A melhor fonte de informação para melhorar os postos de trabalho está naspessoas que devem trabalhar neles todos os dias. Podem propor soluções simples para osproblemas quotidianos.Medidas preventivas Algumas medidas são muito simples, não necessitando de grandes investimentos detempo e/ou de dinheiro. Simplesmente é necessário valorizar aspetos relacionados com:O posto de trabalho:  Manter a área de trabalho limpa e livre de elementos estranhos;  Colocar os elementos auxiliares perto do trabalhador assegurando-nos que não incomodam o espaço de passagem;  Valorizar tanto a tarefa como as ferramentas e utensílios necessários para desempenhar a tarefa e para definir o espaço de trabalho de forma a que seja possível alternar a postura/posição;  Utilizar apoio para os pés fixos ou móveis para transferir o peso do corpo para uma ou outra perna.A superfície de trabalho e os alcances:  Modificar e ajustar a altura do plano de trabalho (cadeiras, mesas, marquesas …) ou do trabalhador (plataformas, cadeiras reguláveis …) de forma que a posição dos cotovelos e braços seja adequada e se minimizem as rotações da cabeça;  Permanecer o mais perto possível da superfície de trabalho, evitando inclinações;  Organizar os objetos e elementos em função da frequência de utilização de modo que se possam alcançar facilmente;O mobiliário:  Selecionar o mobiliário de acordo com a disponibilidade de espaço; Joaquim Lourenço Março/2013 Página 19
  20. 20. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS  Permitir a liberdade de movimentos quer para o trabalhador quer para o cliente;  Utilizar o mobiliário que disponha de regulação em altura, fácil de usar e acessível ao trabalhador;  Dispor de assentos para uso durante o trabalho ou pausasOs utensílios, equipamentos e aparelhos:  Atendendo ao risco elétrico:  Utilizar equipamentos de funcionamento anti vibratório e com dispositivos anti golpes e anti quedas;  Desligar corretamente os equipamentos através dos interruptores. Se é necessário desliga-los completamente, agarrar pela tomada, sem puxar pelo cabo;  Ter disponíveis os manuais de utilização dos equipamentos (secadores, vaporizadores, aquecedores de cera …) dado que conhecendo a sua utilização evitam-se posturas e utilizações inadequadas.  Atendendo ao risco de corte:  Nunca utilizar material deteriorado;  Utilizar proteções nas folhas de corte;  Preferir sempre que seja possível ter punhos antiderrapantes e pegar-lhes de forma adequada.  Atendendo à forma de utilização:  Escolher punhos antiderrapantes, arredondados e adaptáveis à mão;  Não fazer rotações bruscas com os pulsos e evitar mantê-los flexionados durante longos períodos de tempo;Atendendo ao trabalhador:  Manter uma postura direita durante a maior parte do tempo;  Controlar os tempos de descanso, evitando as posturas forçadas e os movimentos que faz ao longo do tempo de trabalho;  Programar as tarefas diárias, tentando planear tarefas que requeiram diferentes posturas;  Evitar a manipulação de cargas excessivas ou repetidas;  Usar cadeiras, carrinhos auxiliares, apoios de pés ou qualquer outro elemento que permita ao profissional mudar de posição e relaxar a tensão muscular.Ambiente físicoIluminação As tarefas que se realizam nos serviços de Cuidados Corporais são de precisão quer emcabeleireiro (lavagem, corte, coloração, madeixas, etc.) quer em estética (manicura, pedicura,massagem, depilação …). Assim, na altura de projetar o posto de trabalho é necessário ter ematenção as necessidades de iluminação previstas. E, para isso, é necessário pensar para além donível geral de iluminação e ter em conta aspetos como o encadeamento, reflexos, uso eaplicação de cores, uma vez que são aspetos relacionados com o conforto visual. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 20
  21. 21. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS A perceção visual depende do órgão da visão. O processo inicia-se quando os raiosluminosos procedentes dos objetos (porque os refletem ou porque os irradiam) chegam aoolho, atravessam a córnea e o cristalino e acedem à retina, onde se forma uma imageminvertida do objeto. Convertida em impulsos nervosos, passa diretamente ao cérebro atravésdo nervo ótico. É ali descodificada transformando-se de novo em imagens reconhecíveis. Para podermos apreciar os objetos em três dimensões é necessária a participação deambos os olhos, o que se chama visão binocular.Falamos de iluminação quando existe uma fonte produtora de luz e um objeto a iluminar. Háque distinguir as seguintes dimensões: • Fluxo luminoso – indica a potência luminosa própria de uma fonte; • Intensidade luminosa – indica a forma em que se distribui no espaço a luz emitida pela fonte; • Iluminância ou nível de iluminação – indica a quantidade de luz que incide sobre o objeto; • Luminância – indica o aspeto luminoso de uma fonte de luz ou de uma superfície iluminada numa dada direção. Para projetar a iluminação de um centro de atendimento de serviços de Cuidados Corporais, atendendo à ergonomia, é necessário ponderar alguns condicionantes: ♦ A estrutura – Análise da posição dos pontos de luz, a distribuição da iluminação (se é dispersa ou concentrada), o tipo e desenho dos pontos de luz e a ralação da luz natural/luz artificial. ♦ O ambiente – Valorizar as dimensões do espaço de trabalho, as cores, a forma dos objetos e equipamentos a utilizar e a textura dos materiais. ♦ O individuo – Avaliar a capacidade de visão do trabalhador, isto é, a sensibilidade visual e ao contraste e a rapidez de perceção. ♦ A tarefa – Considerar o contraste entre o objeto e o fundo, as dimensões dos objetos a manipular, o contraste e a dificuldade da tarefa. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 21
  22. 22. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS ♦ A regulamentação – Comprovar que se cumprem os regulamentos obrigatórios e que nos aproximamos dos recomendados. Em geral, os regulamentos respeitantes à iluminação dependem de dois aspetos:  Os riscos para a segurança e saúde dos trabalhadores que dependem das condições de visibilidade.  As exigências visuais que o tipo de tarefa a desenvolver requerem. Tendo em conta que as tarefas que se realizam nos serviços de cabeleireiro e estéticaRequerem uma sensibilidade de visão alta e muito alta, é necessário manter uma iluminaçãoque possa garantir o conforto visual, por isso, deveremos:  Optar pela iluminação natural sempre que seja possível e não existam problemas técnicos. Se não se garantir a visibilidade, complementar-se-á com iluminação artificial, tentando que seja o mais semelhante possível. Existem lâmpadas especiais que imitam a luz natural, não cansam a vista e não alteram a perceção das cores.  Criar uma iluminação artificial geral, de modo a que elimine os encadeamentos, mantendo um nível de iluminação equilibrada, não deixando nenhuma das zonas de trabalho abaixo de 75% da iluminação média e evitando variações bruscas na zona de trabalho e entre esta e as circundantes.  Incluir elementos de iluminação pontual que evitam zonas de penumbra nas áreas de trabalho.  Utilizar fontes de iluminação de foco quando as necessidades da tarefa assim o exijam (maquilhagem, depilação, manicura, etc.) Joaquim Lourenço Março/2013 Página 22
  23. 23. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS  Acrescentar, pontualmente, fontes de luz quentes para ajudar a criar um ambiente confortável tanto para o cliente como para os trabalhadores Um aspeto a ter em conta são os encadeamentos, que podem provocar que ostrabalhadores adotem posturas forçadas e incómodas para os evitar. Em qualquer salão deprestação de serviços de Cuidados Corporais existem muitas luzes que podem incidir sobre oprofissional (encadeamento direto). Para evitar aconselha-se a utilização de persianasorientáveis ou vidros foscos que não impeçam a iluminação natural do posto de trabalho. Para além disso, poderemos estar rodeados de espelhos e de superfícies do mobiliárioque podem ser brilhantes e refletir a luz (encadeamento indireto). Para minimizar esse efeito, érecomendável utilizar superfícies mate e distribuir adequadamente as luminárias. Sem dúvida e apesar das indicações anteriores, em muitos casos as condições deiluminação dos locais de trabalho não são as mais adequadas. Na melhor das hipóteses haverádesconforto. Mas poderão surgir dores de cabeça, incomodidade, fadiga visual e problemasmúsculo esqueléticos. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 23
  24. 24. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISTemperatura, ventilação e humidade A temperatura, ventilação e o grau de humidade não são fatores de risco especialmenterelevantes no setor, mas podem chegar a tornar-se em fontes de doenças e de transtornosdesnecessários. As condições ótimas de conforto térmico conseguem-se quando o corpo mantém atemperatura nos limites fisiológicos normais (interna de 37º C e cutânea de 33,5º C), semnecessidade de recorrer a qualquer modificação da temperatura à volta do trabalhador. Masisto depende, em grande medida, do balanço térmico individual de cada trabalhador. O organismo tenta manter-se dentro de uma temperatura corporal própria, que seobtém da diferença entre o calor produzido e o calor eliminado. A produção do calor(termogénese) dá-se através de reações metabólicas. O arrefecimento consegue-se a partir dosmecanismos da vasodilatação – o suor e a respiração. A passagem de calor entre objetos (incluindo o corpo humano) dá-se através de quatromecanismos: • Condução – por contato direto • Convecção – através do ar • Radiação – sem contato direto • Evaporação – com o exterior No momento de configurar as condições térmicas no local de trabalho, no ponto devista ergonómico, devemos ter em conta:  O ambiente envolvente – Avaliar cada um dos postos de trabalho de forma individual, tendo em consideração as diferentes fontes (de calor e de correntes de ar) que incidem sobre o mesmo;  O individuo – Ter em atenção a variabilidade individual (idade, altura, peso, sexo …) que determinam o consumo metabólico e, por isso, a sensação de conforto/desconforto.  A tarefa – Avaliar as necessidades da mesma que implicam um consumo energético diferente e, portanto, alterações da temperatura do profissional. Como ocorre com a iluminação, o cumprimento dos regulamentos específicos pode nãosignificar sensação de conforto. Os profissionais estão expostos a correntes de ar, espaços Joaquim Lourenço Março/2013 Página 24
  25. 25. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISpouco ventilados, diferenças de temperatura ocasionadas por fontes diretas (ar condicionado,aquecimento, etc.) ou indiretas (equipamentos em funcionamento) que podem ocasionartranstornos como dores de cabeça, enjoos e náuseas, pele seca, irritação (dos olhos, nariz,garganta e/ou brônquios), congestão nasal, tosse por variações de temperatura, fadiga porcalor, lombalgias e dores musculares por correntes de ar excessivas ou extremas. Algumas das medidas que nos permitem evitar os riscos e ficarmos próximos do nível deconforto, são: ♦ Instalar um sistema de ventilação geral que renove o ar interior, diluindo e eliminando os contaminantes e expulsando-os para o exterior; ♦ Eliminar as correntes de ar, evitando a incidência direta sobre os profissionais durante a realização da tarefa (orientação do ar condicionado) ♦ Dispor de uma correta climatização (temperatura e humidade) evitando excessos e variações bruscas entre as diferentes áreas e/ou postos de trabalho. ♦ Usar roupa de trabalho leve e cómoda que permita a transpiração do corpo de acordo com a atividade física que cada trabalhador desenvolve. Devem ser de fibras naturais que permitam a transpiração, como o algodão e evitar a largura excessiva das peças de roupa que podem prender-se. ♦ Minimizar a radiação excessiva, sobretudo a radiação solar através de janelas. Para isso podem usar-se persianas orientáveis ou vidros foscos.Ruído ambiental Geralmente as tarefas que se desenvolvem num centro de serviços de CuidadosCorporais não representam um risco grave, ainda que possa resultar incómodo para osprofissionais. A maior parte dos profissionais reconhece que em determinados momentos dodia e em datas concretas há um elevado nível de ruído, mais pela quantidade de fontes deruído do que pelo volume do mesmo: secadores em funcionamento, clientes conversando,telefones tocando, conversações de diferentes pessoas, ar condicionado, ruído da rua … Isto passa-se especialmente no cabeleireiro, uma vez que na estética os equipamentossão menos ruidoso e existe um esforço para gerar ambientes relaxados, chegando a utilizar-se amássica ambiente. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 25
  26. 26. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS A perceção dos sons depende do órgão da audição, composto pelo ouvido (que se divideem ouvido externo, médio e interno) e os centros auditivos do cérebro. O processo começaquando as ondas sonoras que se propagam pelo ar chegam ao pavilhão auricular e sãocanalizadas para o canal auditivo, fazendo vibrar o tímpano. Esta vibração transmite-se atravésdos ossos do ouvido médio e transforma-se em impulsos nervosos no ouvido interno. Atravésdo nervo auditivo chega ao cérebro, onde se descodifica e se identificam como sons. Os humanos têm uma capacidade de perceção do espetro sonoro limitada. Para que um som recebido se qualifique como ruído (e não como palavras ou musica) énecessário que seja interpretado como desagradavel ou incómodo e isto depende, em grande medidada subjetividade do individuo. Em certas ocasiões, qualifica-se como incómodo quando interfere com oque se está fazendo, ou quando a intensidade seja especialmente alta. Estabeleceu-se que o valor limite de exposição diário seja 87 dB (decibel – unidade demedida do ruído) em jornadas de 8 horas. Ainda assim, o nível não deve ultrapassar nunca, nointerior do local de trabalho, os 80 dB, como forma de garantir que não se atinge o limite. Nos centros de serviços de Cuidados Corporais, apesar de existir um nível de ruídoelevado, não é suposto ultrapassar os níveis legais. Mas isso não significa que não afete o bem-estar dos trabalhadores no desempenho das suas funções. As jornadas de trabalho intensasfazem com que, ainda que os níveis sonoros não sejam perigosos, sejam incómodas devido aotempo de exposição. De facto, ainda que se mantenha em níveis “adequados” o ruído de fundoé muito incómodo. Assim, o ruído de fundo é incómodo quando impede a comunicação entreos profissionais que podem ter que elevar o tom de voz para se fazer ouvir, gerando ainda maisruído. Para atingir um estado de conforto acústico, podemos tomar as seguintes medidas: → Utilizar música ambiente uma vez que quebra a monotonia do trabalho, alivia a carga mental e “encobre” os restantes ruídos. É uma prática habitual no Cabeleireiro e na Estética chega a incorporar-se no próprio serviço; → Minimizar o ruído produzido pelos equipamentos. Para isso, além de selecionar os modelos mais silenciosos, devem os equipamentos situar-se a uma distância mínima, das paredes e colunas, de 70 cm, evitando a possível vibração contra as paredes e o efeito de eco Joaquim Lourenço Março/2013 Página 26
  27. 27. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS . Quando a exposição ao ruído é prolongada e contínua pode provocar interferências naComunicação, diminuindo a coordenação e a concentração (chega a diminuir a produtividade eocasiona percentagens elevadas de absentismo). Para além disso, faz elevar a tensão arterial(chegando a provocar transtornos cardíacos), interfere no processo digestivo (provocandoúlceras), provoca tensão muscular (sobretudo no pescoço e mãos) e altera o sistema nervoso(provocando nervosismo, insónias e fadiga).Medidas preventivas gerais: 1) Evitar o risco 2) Quando não se pode evitá-lo, minimizá-lo, antecipando a proteção coletiva à individual e priorizando as medidas: a) Sobre a fonte do ruído b) Sobre a via de transmissão c) Sobre o individuoFATORES DE RISCO ASSOCIADOS ÀS CONDIÇÕES ORGANIZATIVAS NO SETOR DOS CUIDADOS CORPORAISIntrodução às condições organizativas Para além das condições ambientais, o trabalho é afetado pela forma em que seorganiza. Fatores com o tempo, ritmo de trabalho e estilo de direção enquadram o título defatores psicossociais. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 27
  28. 28. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS Torna-se necessário avaliar a transformação no conceito de processo de trabalho, queprogressivamente vem diminuindo a importância das tarefas físicas e aumentando a das tarefasmentais. A quantidade de informação a processar aumenta e assim a possibilidade de que seexceda a disponibilidade dos profissionais. Estamos perante situações de carga mental.Organização do trabalho A organização do trabalho determina-se por três fatores chave: ♦ A estruturação organizativa ♦ A distribuição do tempo ♦ As caraterísticas próprias da organizaçãoEstruturação organizativa No momento de caraterizar uma organização é necessário que se analisem os fatores:  Comunicação – Tem de ser fluida, independentemente das funções do trabalhador ou da sua categoria profissional. É um conceito mais abrangente do que transmitir informação especifica (relativa ao posto de trabalho) ou geral (sobre as tarefas a desempenhar). Uma adequada comunicação cria um ambiente de trabalho produtivo e é claro que, quando é inadequada gera insatisfação pessoal e laboral.  Estilo de direção – A gestão empresarial não é tarefa fácil e ainda se pode complicar mais se o gestor é, ao mesmo tempo, um trabalhador mais. Esta é uma situação habitual neste setor de atividade, ao ser um setor de microempresas e de autónomos. Por isso é importante formar adequadamente os que desempenham esta função. Considera-se que o estilo de direção mais usual é o denominado democrático, em que se valorizam os trabalhadores e as tarefas que desempenham estabelecendo-se uma comunicação direta e de consulta às decisões que a todos podem afetar.  Decisões – A participação dos trabalhadores na tomada de decisões da empresa é um fator de satisfação e motivação. Quando se implementa um estilo participativo e de consulta, é obtida uma maior fidelidade e rendimento por parte dos trabalhadores. Caso contrário, pode originar ansiedade e um sentimento de inferioridade. No caso das decisões que estão relacionadas com a prevenção de riscos e de saúde do trabalho, não podemos esquecer que para além de ser recomendável, é uma obrigação do empresário.  Distribuição de tarefas – A distribuição adequada de tarefas é imprescindível para conseguir a motivação do trabalhador. Se forem demasiadas, sentir-se-á Joaquim Lourenço Março/2013 Página 28
  29. 29. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS sobrecarregado e explorado. Pelo contrário, a pouca ou nula distribuição de tarefas pode fazer com que se sinta inferior e menosprezado. Distribuição do tempo Na distribuição do tempo tem de considerar-se tanto o tempo de trabalho como as pausas e descansos que se estabelecem. Alguns fatores condicionantes: • Tempos de trabalho – Considera-se tempo de trabalho o tempo que um profissional dedica à realização das tarefas para que foi contratado. A distribuição semanal ou diária do tempo de trabalho deverá ser feita com acordo entre as partes (empresa e trabalhador) com algumas limitações, tendo em atenção que o estabelecido legalmente, o tempo de trabalho não pode ultrapassar 8 horas/dia e 40 horas/semana. • Horas extraordinárias – São as que se realizam ultrapassando a duração máxima da jornada de trabalho estabelecida. O número de horas extraordinárias não pode ser superior a oitenta horas anuais, salvo se forem realizadas por causa de força maior. • Descansos – Permitem que o trabalhador recupere do esforço realizado, evitando a fadiga e o cansaço. Devem obedecer ao estabelecido legalmente no Código do Trabalho. Nos serviços de Cuidados Corporais é muito habitual que o horário de funcionamento sejaalargado para conseguirem atrair e satisfazer o maior numero de clientes, o que implicaestabelecer horários individualizados conjugados para que não se ultrapasse o horário máximolegal individual. Na maior parte das situações, a solução utilizada é recorrer a turnos rotativos,ainda que não se abranja a noite. Neste sentido, é necessário recordar que este sistema afeta oritmo biológico e ocasiona problemas relacionados com a vida pessoal e familiar. Para alémdisso, pode afetar o descanso, quer em quantidade quer em qualidade.Caraterísticas próprias da organização • Atividade – É necessário avaliar o espaço físico disponível, dado que a sua falta pode provocar angústia e incomodidade. Os trabalhadores relacionam a sua própria imagem com a do salão onde trabalham. Se é adequada provoca satisfação pessoal e sensação de prestígio profissional. Pelo contrário, se é inadequada pode gerar sensações de inferioridade. Quando as condições organizativas não são adequadas, aparecem os riscos psicossociais.Podem definir-se como os fatores relativos à conceção, organização e gestão do trabalho, bemcomo a um contexto social e ambiental que podem chegar a causar danos físicos, sociais epsicológicos aos trabalhadores. Os fatores psicossociais relacionados com a organização do trabalho, são:  Exigência mental – situações em que tem de se trabalhar com extrema rapidez e eficácia, com um nível de concentração elevado e uma especial responsabilidade.  Pouco ou nulo desenvolvimento e criatividade pessoal – tarefas em que não existe autonomia nem capacidade para ser criativo.  Falta de apoio – Trabalhos distribuídos sem apoio humano, com tarefas mal definidas ou sem a adequada informação. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 29
  30. 30. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS  Pouco ou nulo reconhecimento – Alterações no posto de trabalho ou serviço contra a vontade do trabalhador, sem nenhum tipo de aviso ou de justificação. A estes há que acrescentar o que se pode denominar “dupla presença”, em referênciaao duplo tempo de trabalho (trabalho profissional e trabalho doméstico) que muitas mulheresassumem. É um aumento de exigências diárias que há que tomar em consideração num setorem que a maior parte dos trabalhadores são mulheres. Os efeitos da exposição aos riscos psicossociais sobre a saúde, manifestam-se a curto,médio e longo prazo, afetando física, mental e socialmente. Podemos enumerar sintomas quese manifestam de forma emocional (ansiedade, depressão, apatia, sentir incompreensão, infeliz…), comportamental (principalmente abuso de comida, álcool, tabaco, café …) e fisiológica (dorde peito, falta de ar, ansiedade, enjoos, sudoração excessiva, contração muscular …). Geralmente, estes sintomas agrupam-se em dois sinais bem conhecidos: o stress laborale o sinal de esgotamento psíquico (burnout). O stress laboral pode ser considerado como sendo o segundo problema de saúde dotrabalho mais frequente, logo a seguir aos transtornos músculo-esqueléticos. O surgimento dostress não tem uma única causa e depende quer das características do ambiente de trabalhoquer da forma como se enfrentam os problemas e adversidades do individuo. Neste sector assituações relacionadas com a organização do trabalho que poderão ocasionar quadros de stresslaboral são as seguintes:  Ambiente de trabalho inadequado, destacando-se a sobrecarga de trabalho (grande afluência de clientes em datas/horas concretas) e as condições de trabalho que não estão de acordo a proporcionar conforto;  Alteração de ritmos biológicos, especialmente nos locais de trabalho em que está estabelecido o trabalho por turnos;  Grau de responsabilidades e de tomadas de decisões, destacando-se a dupla função de encarregado/gerente que trabalha no mesmo espaço físico e tendo funções semelhantes aos empregados ao mesmo tempo que os devem “dirigir”;  Condições de trabalho deficientes, remuneração baixa, muitas horas de trabalho … O sinal de esgotamento psíquico (burnout) também se manifesta de várias formas: umasensação de fracasso e uma experiência de esgotamento (cansaço) que resulta de umasobrecarga por exigência de energia, recursos pessoais e força psicológica do trabalhador.Características físicas Para definir as características físicas de uma determinada tarefa é necessário queprestemos atenção:- A postura de trabalho que se mantém de uma forma habitual como as que são “forçadas” ecom “sobreesforços”;- Os movimentos repetitivos que produzem uma fadiga muscular (por acumulação de trabalho);- Os movimentos bruscos ou especialmente intensos que podem produzir sobrecargas e lesõesagudas; À soma de todas as características físicas necessárias para a realização do trabalho,chamamos actividade física ou carga física. Quando a carga física ultrapassa a capacidade do Joaquim Lourenço Março/2013 Página 30
  31. 31. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIStrabalhador de uma forma pontual ou por acumulação e ao necessitar de tempo para arecuperação, aparece a fadiga. Como é evidente, a quantidade de atividade física que um trabalhador pode realizarantes de se sentir fatigado depende, em grande medida da própria pessoa. Não podemos esquecer que o objetivo básico da ergonomia é conseguir a eficiência emqualquer atividade, alcançando o resultado desejado sem desperdiçar recurso, sem erros e semdanos para a pessoa envolvida ou nos outros. Por isso, não é eficaz desperdiçar energia outempo num mau projeto de trabalho, do espaço de que dispomos, do ambiente ou dascondições de trabalho. Como consequência de uma elevada e continuada carga física, podemaparecer problemas ao nível músculo-esquelético – as doenças localizadas na coluna, bemcomo nas extremidades superiores (ombros, braços, antebraços, cotovelos, mãos e punhos).Afetam a qualidade de vida das pessoas, dos custos (diretos e indiretos) tanto a nívelempresarial com a nível nacional, pelo que a prevenção dos riscos músculo-esqueléticos, emqualquer setor de atividade deve ser prioritária. O sistema músculo-esquelético tem duas funções principais: de sustentação ou suportee de movimento. Para isso, é composto, basicamente de três elementos: 1. Ossos e articulações 2. Músculos 3. Tendões OSSOS E ARTICULAÇÕES: A sua principal função é suportar os restantes elementos do corpo. Os ossos proporcionam a necessária rigidez, enquanto as articulações permitem o movimento. Para esse efeito, existem entre dois ossos, que se ajustam entre si, os ligamentos, os tendões e as cartilagens. São tecidos vivos com a capacidade de regeneração. MÚSCULOS Exercem a força necessária para permitir os movimentos. Podem exercitar-se, de modo a que se aumente o seu volume e capacidade, criando maior resistência ao cansaço. É necessário permitir a reparação do músculo: quando a utilização de um músculo ultrapassa a sua capacidade, produz-se uma deterioração e dor a que se segue um processo de recuperação. Passando tempo suficiente para essa adequada reparação, aumenta a capacidade do músculo. Mas se o tempo for insuficiente, aparece uma fadiga muscular que se pode tornar crónica. São a principal fonte de dor, principalmente por roturas musculares, desligamentos e distensões. TENDÕES Permitem a fixação do músculo ao osso. Estão rodeados por umas vias que contém um líquido que permite a sua lubrificação e proteção ao mesmo tempo. É através deles que se transmite a força, uma vez que a contração de um músculo produz um estiramento de um tendão fazendo com que as fibras que o formam se tornem mais rígidas. Por isso, quando se mantém a contração do músculo, mantém-se o estiramento do tendão. A circulação do sangue até ao tendão depende da tensão, de forma inversamente proporcional: quando a tensão é muito alta a circulação diminui, chegando a eliminá-la por completo. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 31
  32. 32. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS A forma mais simples de avaliar os requisitos/características físicas é analisar quais as zonas do corpo que são mais afetadas. Falaremos, então, de:  Coluna (áreas cervical, torácica, lombar e sacra)  Extremidades superiores (ombro, pescoço, antebraços, punho e mão)  Extremidades inferiores (pernas, tornozelos e pés)Basicamente, a coluna: 1. Sustenta o corpo, pelo que deve ser sólida e forte. Por isso é composta por ossos muito resistentes e músculos potentes; 2. Permite o movimento, pelo que deve ser flexível. Por isso, não é um único osso, mas sim vértebras separadas, dispostas umas por cima de outras e sistentadas por músculos e ligamentos; 3. Contribui para manter estável o centro de gravidade em repouso e, sobretudo, em movimento. Por isso a musculatura da coluna compensa os movimentos do restante corpo, atuando como um contrapeso. 4. Protege a espinal medula num protetor de osso. Para isso, as vértebras possuem um canal central por onde circula a medula. A coluna vertebral do ser humano é composta por 33 vértebras que se unem entre si através dos ligamentos e, ao mesmo tempo, separam-se através dos discos intervertebrais. Podemos destacar as diferentes áreas: • Cervical que é composta por 7 vértebras e suporta e controla os movimentos da cabeça; • Torácica que é composta por 12 vértebras e suporta a parte superior do corpo, com um movimento limitado; • Lombar que é composta por 5 vértebras e suporta o movimento do tronco, proporcionando uma grande flexibilidade; • Sacra que é composta por 5 vértebras fundidas entre si proporcionando o osso sacro; • Coccix composto por 4 vértebras fundidas entre si e que formam a extremidade inferior da colunaPOSIÇÕES/POSTURAS DE TRABALHO: Quando falamos de posições de trabalho referimo-nos à posição que adotada por umaou várias articulações e que se mantém por tempo mais ou menos prolongado. Tem grandeinfluência no bem-estar e conforto dos profissionais, seja qual for o setor de atividade em quedesenvolvam a respetiva tarefa, dado que: ♦ É a fonte da carga músculo-esquelética. Seja qual for a posição que adotemos, os músculos exercem forças para equilibrar a nossa postura e controlar os movimentos. Mesmo numa postura relaxada, quando o trabalho muscular é relaxado, os tendões e as articulações podem mostrar sinais de fadiga. ♦ Verifica-se uma estreita relação com o equilíbrio e a estabilidade. Algumas posturas são, por natureza, instáveis (por exemplo quando tentamos alcançar um objeto distante) e isto, junto a que nem sempre se pode garantir a estabilidade da torção, pode conduzir- nos a uma perda do equilíbrio, sendo esta uma causa muito frequente de acidentes de trabalho. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 32
  33. 33. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISAssim, aquando de um projeto do posto de trabalho, a posição de trabalho é um fator decisivo,sendo necessário ter em consideração: → Que tipos de tarefas há que realizar e como fazer para as executar; → Quantas tarefas há que realizar; → Qual a ordem que se deve seguir para as executar; → Que equipamentos e materiais são necessários; → Que espaço é necessário; → Que esforços se fazem, o peso e a natureza das ferramentas/utensílios e máquinas de trabalho Geralmente devem ser proporcionados elementos técnicos que evitem situações de fadiga. Evitar-se-ão posturas indesejáveis e sem que sejam prolongadas, uma vez que provocam a fadiga corporal. Deve optar-se pela posição sentada como postura principal. De qualquer forma devem facilitar-se as mudanças/alternâncias de posturas. Do ponto de vista da segurança e da saúde no trabalho, o importante é identificar asposturas deficientes para evitar adquirir maus hábitos de trabalho que possam desencadeardoenças profissionais. Neste setor, as atividades desenvolvem-se fundamentalmente de pé, sobretudo noscabeleireiros (penteado, corte, lavagem, colorações, madeixas, etc.), ainda que atualmente jáse está a generalizar a utilização de cadeiras auxiliares que permitem aos profissionais sentar-separa realizarem algumas das tarefas. Mas no esteticismo, a variabilidade é maior, existindo tratamentos em que oprofissional se mantém sentado (manicura, pedicura, foto-depilação, higiene facial, tec.) eoutros que se realizam de pé (depilação tradicional, maquilhagem, massagens, etc.). Joaquim Lourenço Março/2013 Página 33
  34. 34. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS Por estas razões, os transtornos músculo-esqueléticos sejam mais frequentes naprofissão de cabeleireiro do que nos de esteticismo, uma vez que estes aproveitam os trabalhosque realizam sentados para relaxar os músculos que possam ter estado submetidos a algumatensão. Um posto de trabalho ergonómico deve permitir ao trabalhador a possibilidade deadaptar-se e escolher entre as diferentes posturas e alterações frequentes, dispondo , paraisso, de suficiente espaço. A postura de pé é natural no ser humano. Na postura de pé, o corpo é suportado pelasplantas dos pés apoiados no chão horizontal. Tem a vantagem de que a sua utilização aumentaa mobilidade, mas tem a desvantagem de suportar uma tensão muscular constante na coluna epernas. Esta tensão aumenta ao inclinar-se para a frente o que provoca uma menor qualidadede trabalho do profissional.Para além disso, manter-se de pé, dificulta a circulação sanguínea, acumulando-se na parteinferior das pernas.Uma vez que esta é a posição maioritária nos trabalhos deste setor, podemos dizer queestamos perante profissões que requerem algumas características físicas importantes: trabalha-se com todo o corpo e adquirem-se, com grande facilidade, maus hábitos utilizando posturasdesnecessárias e até mesmo perigosas. Trabalhar regularmente de pé, pode causar cansaço muscular generalizado, problemasde saúde nos pés, problemas de circulação sanguínea (inflamação, formigueiros e inclusivevarizes), dores na parte baixa da coluna e tensões articulares na nuca e ombros, entre outros.Perante isto, temos de destacar que existem ajudas e suportes que servem de apoio amúsculos, facilitam que as posturas adotadas durante o trabalho sejam adequadas, queminimizam a carga e diminuem as dores que vão aparecendo. Exemplificamos com oscinturões, faixas lombares, meias de compressão, punhos elásticos, etc., que devem serutilizados com o objetivo de diminuir os efeitos negativos do trabalho em pé. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 34
  35. 35. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS ~ A posição de sentada, faz com que o corpo disponha de um apoio suplementar (oassento) de forma que o peso do corpo se distribui entre o assento e o chão diretamente. Aótima posturas é aquela que consegue um equilíbrio entre as massas corporais que descansamsobre o assento e as que descansam sobre o solo. Consegue-se com o tronco direito, emposição vertical com a coluna reta, os ombros para trás, as pernas em posição vertical e os pésdescansando horizontalmente sobre o chão.Outras posturas, como inclinação para a frente, torcer o tronco, manter uma perna cruzadasobre a outra, etc., não são adequadas, uma vez que criam tensões.Tem a vantagem de minimizar a tensão da coluna e pernas, mas cria cargas estáticas devido àrestrição de movimentos. Para além de que aumenta a pressão sobre os discos vertebrais, umavez que a coluna não está preparada para se manter sem movimentos durante longos períodosde tempo. A posição de sentada provoca uma modificação da coluna vertebral que deixa de tera sua formatação normal para adotar uma forma mais tensa e contraída.Ao sentarmo-nos, os músculos do tronco, pescoço e ombros mantém uma posição fixa e asveias comprimem-se. Baixa o ritmo cardíaco e o fluxo sanguíneo, pelo que limita a chegada dosangue a outros músculos que continuam ativos, acelerando-se a sensação de cansaço. Umtrabalhador sentado durante todo o dia e sem exigências físicas importantes sente-sefrequentemente cansado, no final do dia.Posturas forçadas e esforços Definimos posturas forçadas como sendo as posições de trabalho que impliquem queuma ou várias zonas anatómicas deixam de estar numa posição natural de conforto paraficarem para uma posição (forçada) que gera super extensões, super flexões e/ou super Joaquim Lourenço Março/2013 Página 35
  36. 36. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAISrotações com a consequente produção de lesões por sobrecarga. São exemplos o manter otronco flexionado e em torsão, inclinar o tronco, elevar um ou ambos os braços acima dosombros, torções forçadas dos punhos e a realização de força com as mãos e braços.S efeitos vão desde as queixas ligeiras até à existência de uma verdadeira incapacidade,podendo ter um início lento, agravando-se pela realização de movimentos repetitivos.Geralmente, evoluem de queixas de incomodidade, impedimento ou dor persistente, podendodefinir três etapas no aparecimento dos transtornos com origem nas posturas forçadas: ♦ Na primeira etapa aparece dor e cansaço durante as horas de trabalho, desaparecendo depois. Parece sem importância e o profissional ignora esses sintomas; ♦ Na segunda etapa, os sintomas surgem ao iniciar o dia de trabalho e não desaparecem à noite. Provoca alteração do sono e descanso o que faz com que diminua a capacidade de trabalho e de produtividade. ♦ Na terceira etapa, os sintomas persistem durante o período de descanso. Afetam a realização das tarefas mais sensíveis. Para evitar a dor, o trabalhador adota posturas inadequadas do ponto de vista biomecânico que vão afetar as articulações.Movimentos repetitivos São a realização de movimentos contínuos, mantidos durante algum tempo queimplicam a ação conjunta dos músculos, dos ossos, das articulações e do sistema nervoso deuma parte do corpo.Por outro lado, o trabalho repetitivo pode ser definido como sendo a realização continuada deciclos de trabalho semelhantes relativamente à sequência temporal, ao emprego de força e àscaracterísticas espaciais do movimento.Um trabalho estático e repetitivo pode provocar fadiga mesmo que a força a aplicar seja muitoleve. As posturas extremas aumentam o risco de lesões. Do mesmo modo, a velocidade domovimento e a duração (minutos por dia e o número de anos) tem influência nos riscos delesões nos trabalhos repetitivos.Portanto, a intervenção ergonómica tem como objetivo a redução do número de movimentosrepetitivos e de contrações estáticas tanto quanto seja possível. Os fatores de risco que temosde considerar nos movimentos repetitivos são: a manutenção de posturas forçadas dos punhose ombros, a aplicação de uma força manual excessiva, ciclos de trabalho muito repetidos queoriginam movimentos rápidos de pequenos grupos de músculos e tempos de descansoinsuficientes. Mas, também importante é o trabalho prolongados sem possibilidade dedescansar e de recuperar dos esforços. Joaquim Lourenço Março/2013 Página 36
  37. 37. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS BIBLIOGRAFIA♦ O Corpo e a beleza ao longo dos tempos – Dossier Temático – Biblioteca Escolar♦ www.google.pt♦ www.tecnet.pt♦ www.almedina.pt♦ www.livrarialeitura.pt♦ www.youtube.com♦ www.formate.ptJoaquim Lourenço Março/2013 Página 37
  38. 38. ERGONOMIA - POSTURAS NOS CUIDADOS CORPORAIS♦ www.google/images.com♦ www.act.pt♦ www.wikipedia.com♦ Comissão Europeia – Melhorar a qualidade e a produtividade no trabalho: estratégia comunitária de saúde e segurança no trabalho (2007-2012). Bruxelas: CCEE.2007♦ Enciclopédia de Saúde e Segurança. OIT, 2001Joaquim Lourenço Março/2013 Página 38

×