Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Métricas no Fluxo Unificado

143 views

Published on

Apresentação sobre métricas no fluxo unificado para a Agile Floripa Meetup.

Published in: Leadership & Management

Métricas no Fluxo Unificado

  1. 1. Métricas no Fluxo Unificado Rafael Caceres | rafael@taller.net.br Celso Martins | celso@taller.net.br
  2. 2. O problema das filas
  3. 3. Gerenciar filas é a chave para melhoramento da economia no desenvolvimento de software
  4. 4. Tempo de espera vs Utilização Assumindo que é uma fila M/M/1/∞
  5. 5. Filas aumentam a variabilidade Assumindo que é uma fila M/M/1/∞
  6. 6. Reduzindo filas ● Capacidade extra é a melhor arma para lutar contra filas que a redução de variabilidade ● Filas grandes dificultam a definição de importância e urgência
  7. 7. Cumulative Flow Diagram (CFD) Tamanho da Fila Tempo na fila
  8. 8. Controle de Fila ● Não controle a capacidade, controle o tamanho das filas ● Não controle tempo no sistema, controle tamanho das filas ● Restringindo o trabalho em progresso conseguimos controlar o cycle time
  9. 9. O Pensamento Enxuto
  10. 10. Sistemas Puxados kanban com k minúsculo ● Mecanismo de Sinalização (virtual) ● Limita o WIP ● Previne sobrecarga dos trabalhadores ● Expõe os gargalos ● Permite mudança incremental no processo ● Ajuda a balancear a demanda com a vazão ● TOC e Kanban são exemplos
  11. 11. Tamanho do Lote ● Quando os produtos são invisíveis, o tamanho do lote e a fila são invisíveis ● Lotes pequenos são mais fáceis, baratos, granulares, testáveis e reversíveis ● Adicionam valor mais rápido (gráfico) ● Reduzem filas
  12. 12. Custo vs Tamanho do Lote *Do Livro “Principles of Product Development Flow”
  13. 13. Os novos princípios de Fluxo Aplicados a múltiplas fontes de demanda atendidas por um único processo de desenvolvimento
  14. 14. Como tomar decisões econômicas ● Decisões envolvem múltiplas variáveis ● Quantifique o custo do atraso ● A chave para o sucesso econômico é tomar boas decisões econômicas com a informação mais recente possível ● Para influenciar decisões financeiras, fale a língua do dinheiro!
  15. 15. Seleção de demandas Baseada em aspectos econômicos ● Dimensões econômicas por projeto ● Influenciar o cliente a definir os aspectos econômicos
  16. 16. Lidando com a variabilidade No tamanho e nos tempos de chegada das demandas
  17. 17. Variabilidade no desenvolvimento de produtos ● Mudanças no mercado ● Explorar novas informações ● Diferenças da manufatura
  18. 18. Na manufatura, é sempre desejável reduzir a variabilidade. No trabalho do conhecimento, eliminar a variabilidade significa eliminar a inovação
  19. 19. Assimetria e Opcionalidade Pequenas variações podem trazer grandes retornos assimétricos, ou seja, onde o ganho é alto e o custo de falha pequeno. Alta variabilidade cria um maior retorno econômico na presença de assimetria.
  20. 20. O Processo Como a Taller estrutura um projeto
  21. 21. ESP Enterprise Service Planning
  22. 22. Business Roadmap
  23. 23. Story Mapping
  24. 24. Story Mapping
  25. 25. Upstream Kanban
  26. 26. Flight Levels of Kanban Klaus Leopold Modelo genérico ● Flight Level 1 - Operação ● Flight Level 2 - Coordenação ● Flight Level 3 - Portfólio
  27. 27. Estrutura de Cadências ● Qual a disponibilidade? ● Qual o formato de comunicação?
  28. 28. Flight Level 1 ● cadências diárias ● nível tático ● alto detalhamento Ex: Daily;
  29. 29. Flight Level 2 ● cadências semanais ● consolidação e informações cross projetos. ● Várias equipes necessárias para gerar valor (services) Ex: Operations Review;
  30. 30. Flight Level 3 ● Estratégia ● Gestão de Porftóflio ● Consolidação Financeira Ex: Strategic Review
  31. 31. Como medir o sistema
  32. 32. Classes de Serviço ● As classes de serviço mapeiam os perfis de risco do sistema; ● Com as classes de serviço adequamos o nosso fluxo de trabalho à relevância de cada serviço, buscando a satisfação dos clientes deste fluxo;
  33. 33. Histograma de lead time geral Previsibilidade
  34. 34. Histograma de lead time projeto 1 Cauda fina ~80% de confiança
  35. 35. Projeto 1 Estado de Fluxo
  36. 36. Projeto 2
  37. 37. Ocupação do lead time por etapa
  38. 38. Ocupação no lead time por projeto
  39. 39. Burn Up Projeto 1
  40. 40. Burn Up projeto 2
  41. 41. Timeline da Pressão do Fluxo
  42. 42. Equilíbrio do Portfólio de Projetos
  43. 43. Fotografia do Portfólio de Projetos
  44. 44. Business Value Points
  45. 45. Perguntas e Respostas

×