Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teatro Grego

16,717 views

Published on

Teatro Grego

  1. 1. Teatro Grego Teatro de Dioniso – Atenas – 2011 Foto: Virginia M. Riccobene
  2. 2. Contexto Histórico-Social – Século VIa.Co Centro Cultural – Ática;o Primórdios da Democracia.
  3. 3. Os Festivais – Caráter Religioso eCivilo 561 a.C. – Pisístrato- Grandes Dionisias (Dionisíacas Urbanas);o Leneias;o Dionisias Rurais.
  4. 4. Duração dos FestivaisSegundo PEREIRA, os festivais duravamaproximadamente 5 dias.1º dia – προςόδιυμ – Procissão(sacrifícios, libações e Competição deDitirambos);2º dia – Competição de Ditirambos;3º dia – 3 Tragédias + 1 Drama Satírico + 1Comédia4º dia – 3 Tragédias + 1 Drama Satírico + 1Comédia5º dia – 3 Tragédias + 1 Drama Satírico + 1Comédia
  5. 5. Espaço para a performance: TeatroSegundo MALHADAS, o espaço para a performancedramática é dividida em:- θέατρον – “Théatron” - Plateia semicircular de madeiraapoiada em uma colina;- ὀρχήςτρα – “Orchestra” – Reservado ao coro para ocanto e dança (pista circular onde se erguia o altar deDioniso);- ςκηνή – “Skene” – Camarim (const. retangular demadeira) – Para outros autores, também é considerado olugar onde há a representação dos personagens;- λογεῖον – Palco onde os atores representavam ;- πάροδοι – “Parodoi” – Entre o theatron e a skene, ondeo coro tinha acesso à orchestra e o público ao theatron.
  6. 6. Espaço para a performance: Teatro
  7. 7. Teatro de Dioniso – Atenas –2011Foto: Virginia M. Riccobene
  8. 8. Teatro de Dioniso – Vista da Acrópole –Atenas – 2011Foto: Virginia M. Riccobene
  9. 9. Teatro de Dioniso – Atenas –2011
  10. 10. Teatro de Dioniso – Atenas –2011
  11. 11. Teatro de Herodes – Atenas– 2011Foto: Virginia M. Riccobene
  12. 12. Teatro de EpidauroFoto: Greice
  13. 13. Medeia – Teatro de EpidauroFoto: Greice Drumond
  14. 14. Teatro de Delfos
  15. 15. Teatro deDelos
  16. 16. TeatroDodoni
  17. 17. Gênero Trágico“É, pois, a tragédia, uma representação [mímesis] deuma ação séria e completa, com uma determinadaextensão e uma linguagem ornamentada, [...] compersonagens que atuam, e não por meio denarrativa, e, através da piedade e do terror, realiza acatarse desses sentimentos.” (Poét., VI, 1449b23-28)
  18. 18. Nascimento do Gênero TrágicoSegundo ROMILLY e JONES, o nascimento dogênero trágico deu-se entre 536 e 533 a.C. comTéspis, mas não possuímos nenhuma obra sua.
  19. 19. Origem da Tragédiao Elemento Religioso: Culto a Dioniso;o Elemento Político: Fundido com a religiosidadeatravés da própria instituição dos festivais, poistinha como plano de fundo uma “questão” política.o τραγωδία = τράγοσ + ῳδή = TRAGÉDIA
  20. 20. Estrutura das Peças Trágicas- Prólogo: “Parte que antecede a peça propriamentedita [...]. Trata-se de uma espécie de “prefácio” dapeça, no qual só se é correto falar ao público de algoque esteja fora da intriga e seja do interesse do poetae da própria peça.” (PAVIS)- Párodo: Entrada do coro;- Episódios: Ação realizada pelos atores separadospor trechos líricos executados pelo coro;- Stasima: Cantos corais que intercalavam com osepisódios
  21. 21. Tema da TragédiaDe acordo com JONES e ROMILLY, o tema datragédia é proveniente do mito da Epopeia, mascom características novas de acordo com onovo contexto social da Atenas do V século.
  22. 22. CoroColetivo;Canta;Dança;Elemento mais importante da tragédia;Une religião e política;Reflexão, conselho, exortação;Segundo ROMILLY: “impotente”.
  23. 23. Personagens – AtorIndividual;Enuncia, declama;Não dança, fica firme;Pode encenar vários personagens;Antes de Ésquilo: Um personagem;Ésquilo: Acrescentou mais um personagem;Sófocles: Acrescentou mais um, totalizandotrês;“Responsáveis” pela ação.
  24. 24. Tragediógrafoso Ésquilo;o Sófocles;o Eurípides.
  25. 25. SófoclesÁjaxAntígonaAs traquíniasÉdipo ReiElectraFiloctetesÉdipo em Colono
  26. 26. Gênero Cômico“A comédia é, como dissemos, imitação dehomens inferiores; não, todavia, quanto a toda aespécie de vícios, mas só quanto àquela parte dotorpe que é o ridículo. O ridículo é apenas certodefeito, torpeza anódina e inocente; que bem odemonstra, por exemplo, a máscaracômica, que, sendo feia e disforme, não tem[expressão de] dor.” (Poét., V, 1449a34-37)
  27. 27. Gênero CômicoComédia Antiga – V séc. a.C.Comédia Intermediária – IV séc. a. C.Comédia Nova – III séc. a. C.
  28. 28. Nascimento do Gênero CômicoKômos (invectiva pessoal) – elemento jocoso + ode;Fertilidade: aiskhrologia (vocabulárioobsceno), escatologia (elementos finais –fezes, gazes, arrotos);Introduzida aos festivais dramáticos em 486 a.C;Contexto histórico: Hegemonia e democraciaateniense – liberdade de expressão total.
  29. 29. Estrutura das Peças Cômicas- Prólogo: Apresentação da peça; o “herói” fala da ideia genialque ele teve, mas que geralmente não são aceitas;- Párodo: Entrada do coro – função de adjuvante – auxilia ou seopõe ao herói – árbitro;- Agón (seção) – competição – debate de ideias;- Parábase: pausa na ação da peça - os atores e o coro secolocam de lado no sentido físico e estrutural. O CORIFEUcomeça a falar em nome do autor. Fala sobre as questõesurgentes da cidade. – Caráter pedagógico;- Episódios: em muitas peças, consistem em “sketches”. Mostramas consequências e resultados da ação do herói;- Estásimos: fazem a passagem de um episódio para outro;
  30. 30. Temas da ComédiaTem como enredo uma distinção muitogrande com relação a tragédia: a comédia éinovadora, pois não se baseia no mito.Faz referência direta a política e aosindivíduos políticos.Fala do contexto histórico do seu tempo.
  31. 31. PersonagensHeróis - As pessoas do povo, os não aristocratas“inferiores”; “piores” no sentido da origem(aiskhrologia, obscenidade);Nomes dos personagens: vem antes do “éthos”(caráter);Todas as personagens da comédia são de ação;O herói passa do infortúnio para ofortúnio, diferentemente da tragédia, que é ocontrário.
  32. 32. CoroDe acordo BRANDÃO, o corodesempenha, na primeira parte da peça, emque o“herói” propõe uma mudança, o papel de ator.Na segunda parte, o de porta-voz do poetapor meio de um de seus componentes – ocorifeu - durante a parábase.
  33. 33. Coro: Dançarinos com enchimento no abdômen e nas nádegas.Vaso coríntio de figuras negras. Data: Século VII.Copenhagen, Nationalmuseet.
  34. 34. Auleta e coro teatral de cavaleiros. Ânfora ática de figurasnegras. Data: -550/-525. Berlim, Antikensammlung. Foto:Janice Siegel, 2003.
  35. 35. ComediógrafosAristófanes – Comédia Antiga e deTransiçãoMenandro – Comédia Nova
  36. 36. AristófanesAcarnenses (425)Cavaleiros (424)Nuvens (423)Vespas (422)Paz (421)Aves (414)Lisístrata (411)Tesmoforiantes (411)Rãs (405)Assembleia de Mulheres(392)Pluto (388)
  37. 37. BibliografiaARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Souza. São Paulo: ArsPoetica, 1993.JONES, Peter V. (org.). O mundo de Atenas: uma introdução à culturaclássica ateniense. Tradução Ana Lia de Almeida Prado. São Paulo:Martins Fontes, 1997.LESKY, A. A Tragédia Grega. Tradução de J. Guinsburg; GeraldoGerson de Souza;Alberto Gulzik. São Paulo: Perspectiva, 1992. [Col. Debates]MALHADAS, Daisi. Tragédia Grega: o mito em cena. São Paulo: AteliêEditorial, 2003.PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. Trad.: J. Guinsburg e Maria LúciaPereira. 3 ed. São Paulo:Perspectiva, 2007 [1987].PEREIRA, Maria H. da Rocha. Estudos de História da Cultura Clássica:Cultura Grega. 7ª ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1993.ROMILLY, Jacqueline de. A Tragédia Grega. Tradução de Ivo Martinazzo.Brasília:Universidade de Brasília, 1998. [1970]VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e Tragédia na

×