Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Alguns alimentos utilizados na
alimentação animal
Nutrientes (% da MS)
% MSAlimento
ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO
1,499,477,961,911,19,691,120,1Pastagem de
milheto
1,08-7...
1,6427,2-72,17,210,192,615,9Resíduo industrial do
abacaxi
---60,613,0--21,0Resíduo industrial do
maracujá
1,0819,8-64,74,2...
1,9968,684,614,49,11,797,487,8Milho grão
1,7853,276,121,515,42,794,289,0Milheto
1,8153,084,417,39,71,797,688,3Sorgo
1,9337...
1,5717,951,834,040,46,891,889,9Farelo de
algodão 38%
1,259,055,058,930,04,895,190,6Torta de algodão
1,4516,358,846,032,85,...
1,5810,875,267,313,25,393,990,7Casca de soja
1,838,652,546,222,84,596,090,6Caroço de
algodão
1,6759,184,124,57,66,391,588,...
0,919,094,086,62,04,194,560,0Bagaço de cana
1,2584,297,131,92,01,697,120,8Massa ou bagaço
de mandioca
Nutrientes (% da MS)...
Classificação dos alimentos
• 1- Volumosos: >35% de FDN na MS;
– 1.1 Úmidos: silagens, pastagens e capineiras;
– 1.2 Secos...
Fatores antinutricionais presentes em
alguns alimentos
• Tanino;
• Pode diminuir o consumo e o desempenho animal quando a
variedade tem alta concentração de tanino ou alta
propo...
Fatores antinutricionais presentes na
mandioca
• Dois glicosídeos cianogênicos;
• Linamarina (92 a 98%);
• Lotoaustralina ...
• Gossipol;
• Encontrado na semente ou caroço do algodão;
• Prejudicial aos animais monogástricos;
• Não tem efeito nocivo...
• Sojina;
• Os efeitos provocados pela sojina são atribuídos a quatro proteínas que
agem de forma diferente nos animais mo...
A ureia na alimentação de ruminantes
• A amônia (NH3) é indistintamente utilizada pelas
bactérias do rúmen no processo de ...
Síntese de proteína microbiana no
rúmen
Nível de ureia na alimentação
• Máximo de 40 g de ureia/100 kg de peso vivo;
• Adaptação:
– 1ª quinzena: 33% ou 13 g/100 k...
Sintomas de intoxicação causados pela
ureia
• Respiração difícil;
• Salivação excessiva;
• Descoordenação motora;
• Nervos...
Tratamento
• Forçar a ingestão gradativa de 8 ou mais litros de vinagre;
• Uso do trocáter;
• A hidrólise da ureia é mais ...
Prevenção da intoxicação pela ureia
• Não fornecer alimentos com ureia para animais fracos ou
famintos;
• Realizar a adapt...
Formas de utilização da ureia
• Cana-de-açúcar;
– Até 15 dias (adaptação) = 0,5%;
– Após 15 dias = 1%;
• Sal mineral;
– 1ª...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Alimentos e alimentao

Material excelente

  • Be the first to comment

Alimentos e alimentao

  1. 1. Alguns alimentos utilizados na alimentação animal
  2. 2. Nutrientes (% da MS) % MSAlimento ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO 1,499,477,961,911,19,691,120,1Pastagem de milheto 1,08-79,173,89,410,388,528,3Campim Tanzânia 1,3312,861,370,210,38,891,829,2Capim mombaça 1,26-84,780,09,16,993,127,3Capim braquiária decumbens 1,289,075,065,910,37,889,930,3Capim braquiária brizantha marandu 1,1315,983,770,77,26,792,534,8Capim braquiária brizantha 1,195,286,372,98,53,996,127,5Capim andropogon 1,3944,191,954,52,73,192,028,9Cana-de-açúcar Forragens verdes VALADARES FILHOVALADARES FILHO etet al. (2010)al. (2010)
  3. 3. 1,6427,2-72,17,210,192,615,9Resíduo industrial do abacaxi ---60,613,0--21,0Resíduo industrial do maracujá 1,0819,8-64,74,23,890,327,0Cana-de-açúcar 1,7018,964,948,29,411,185,126,0Girassol 1,36-77,371,88,910,290,025,1Milheto 1,4333,084,855,37,35,093,431,6Milho 1,3325,585,257,76,85,893,431,1Sorgo Nutrientes (% da MS) % MSAlimento ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO Silagens VALADARES FILHOVALADARES FILHO etet al. (2010)al. (2010)
  4. 4. 1,9968,684,614,49,11,797,487,8Milho grão 1,7853,276,121,515,42,794,289,0Milheto 1,8153,084,417,39,71,797,688,3Sorgo 1,9337,559,324,413,78,889,389,0Farelo de arroz integral -21,092,650,35,12,496,729,1Batata doce 1,5676,693,516,53,43,295,535,0Mandioca (raiz) Nutrientes (% da MS) % MSAlimento ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO Concentrados energéticos VALADARES FILHOVALADARES FILHO etet al. (2010)al. (2010)
  5. 5. 1,5717,951,834,040,46,891,889,9Farelo de algodão 38% 1,259,055,058,930,04,895,190,6Torta de algodão 1,4516,358,846,032,85,392,391,4Farelo de girassol 1,8628,843,115,448,86,492,788,5Farelo de soja 2,0524,135,519,638,75,093,191,4Soja grão ---282,60,299,997,7Ureia Nutrientes (% da MS) % MSAlimento ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO Concentrados proteicos VALADARES FILHOVALADARES FILHO etet al. (2010)al. (2010)
  6. 6. 1,5810,875,267,313,25,393,990,7Casca de soja 1,838,652,546,222,84,596,090,6Caroço de algodão 1,6759,184,124,57,66,391,588,6Polpa cítrica Nutrientes (% da MS) % MSAlimento ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO Concentrados “fibrosos” VALADARES FILHOVALADARES FILHO etet al. (2010)al. (2010)
  7. 7. 0,919,094,086,62,04,194,560,0Bagaço de cana 1,2584,297,131,92,01,697,120,8Massa ou bagaço de mandioca Nutrientes (% da MS) % MSAlimento ELL (Mcal/kg MS)CNFCHOFDNPBMMMO Subprodutos VALADARES FILHOVALADARES FILHO etet al. (2010)al. (2010)
  8. 8. Classificação dos alimentos • 1- Volumosos: >35% de FDN na MS; – 1.1 Úmidos: silagens, pastagens e capineiras; – 1.2 Secos: feno, palhas e casca de algodão; • 2- Concentrados: <35% de FDN na MS; – 2.1: Concentrados energéticos: <20% PB na MS (milho, sorgo, milheto, trigo, cevada, aveia, triticale); – 2.2: Concentrados proteicos; >20% PB na MS (farelo de soja, farelo de algodão, farelo de amendoim, ureia); – 2.3: Concentrados fibrosos: casca de soja, caroço de algodão e polpa cítrica.
  9. 9. Fatores antinutricionais presentes em alguns alimentos
  10. 10. • Tanino; • Pode diminuir o consumo e o desempenho animal quando a variedade tem alta concentração de tanino ou alta proporção de sorgo grão na dieta; • Reduz a palatabilidade pelo efeito do sabor adstringente e também afeta a digestão; • Mais importante para animais monogástricos e bezerros que ainda não têm o rúmen funcional. Fatores antinutricionais presentes no sorgo
  11. 11. Fatores antinutricionais presentes na mandioca • Dois glicosídeos cianogênicos; • Linamarina (92 a 98%); • Lotoaustralina (2 a 8%); • Maior concentração nas folhas novas e nas cascas das raízes; • Os dois liberam o ácido cianídrico (HCN); • Pode causar intoxicações agudas e morte em animais e seres humanos quando a mandioca é consumida crua; • Plantar variedades com baixo HCN (“mandioca mansa”).
  12. 12. • Gossipol; • Encontrado na semente ou caroço do algodão; • Prejudicial aos animais monogástricos; • Não tem efeito nocivo sobre os ruminantes adultos; • Nível máximo admitido é de 0,04%. Fatores antinutricionais presentes no farelo de algodão
  13. 13. • Sojina; • Os efeitos provocados pela sojina são atribuídos a quatro proteínas que agem de forma diferente nos animais monogástricos; • Inibem a atividade das enzimas tripsina e quimiotripsina; • Inibem a digestão das proteínas; • Provocam hipertrofia do pâncreas; • A soja crua não deve ser usada em conjunto com a ureia nas rações, em virtude da urease contida nas sementes da soja desdobrar a ureia em amônia. • A urease e a sojina são destruídas pelo aquecimento, e a sojina é destruída também pelos microrganismos do rúmen; • Após a trituração do grão, fornecer ao animal rapidamente para evitar rancificação. Fatores antinutricionais presentes na soja grão
  14. 14. A ureia na alimentação de ruminantes • A amônia (NH3) é indistintamente utilizada pelas bactérias do rúmen no processo de síntese de proteína microbiana, tanto a partir da hidrólise da ureia quanto das proteínas verdadeiras; • Existem duas situações comuns no uso da ureia: – Período seco; – Diminuição do custo da ração
  15. 15. Síntese de proteína microbiana no rúmen
  16. 16. Nível de ureia na alimentação • Máximo de 40 g de ureia/100 kg de peso vivo; • Adaptação: – 1ª quinzena: 33% ou 13 g/100 kg de peso vivo; – 2ª quinzena: 66% ou 26 g/100 kg de peso vivo; – 3ª quinzena em diante: 40 g/100 kg de peso vivo; • A quantidade de ureia não pode ultrapassar 1% do total da MS da ração.
  17. 17. Sintomas de intoxicação causados pela ureia • Respiração difícil; • Salivação excessiva; • Descoordenação motora; • Nervosismo e inquietação; • Tremor muscular, prostração, convulsão e morte.
  18. 18. Tratamento • Forçar a ingestão gradativa de 8 ou mais litros de vinagre; • Uso do trocáter; • A hidrólise da ureia é mais intensa quando o pH do rúmen é elevado, devido à maior atividade da enzima urease presente nas bactérias do rúmen; • O ácido acético do vinagre reduz o pH do rúmen, consequentemente reduzindo a hidrólise da ureia. Com isso, a passagem da amônia pela parede do rúmen é diminuída.
  19. 19. Prevenção da intoxicação pela ureia • Não fornecer alimentos com ureia para animais fracos ou famintos; • Realizar a adaptação dos animais; • Misturar a ureia nos alimentos de forma homogênea; • Nunca fornecer ureia misturada aos alimentos na forma de “sopão”; • Evitar acúmulo de água nos cochos de sal mineral; • Não deixar sacos de ureia ou já misturados com outros alimentos ao fácil acesso dos animais; • Ter sempre estocado 20 a 30 litros de vinagre.
  20. 20. Formas de utilização da ureia • Cana-de-açúcar; – Até 15 dias (adaptação) = 0,5%; – Após 15 dias = 1%; • Sal mineral; – 1ª semana = 90 kg de sal mineral + 10 kg de ureia; – 2ª semana = 75 kg de sal mineral + 25 kg de ureia; – 3ª semana = 60 kg de sal mineral + 40 kg de ureia; – Abastecer o cocho em uma quantidade necessária para uma semana no período seco e 2 a 3 dias no período chuvoso; – Quebrar a crosta formada na superfície da mistura; – Verificar os bebedouros (distância do cocho de sal, vazão, boia, etc., pois o consumo de água irá aumentar).

×