Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Não mais maldição

212 views

Published on

De forma quase poética é desenvolvido por Octavius Winslow o tema da remoção da maldição de sobre o crente pelo fato de Jesus ter sido feito maldição no seu lugar.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Não mais maldição

  1. 1. 2 W778 Winslow,Octavius–1808-1878 Não mais maldição / OctaviusWinslow Tradução, adaptação e ediçãoporSilvio Dutra – Rio de Janeiro, 2017. 20p.; 14,8 x 21cm Título original: No more curse 1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé. 4. Alves, Silvio Dutra I. Título CDD 230
  2. 2. 3 "E não haverá mais maldição." (Apo 20: 3) O último cântico de Moisés, o servo de Deus, na terra, foi uma mistura de julgamento e misericórdia. Que Deus não lhe permitiu trazer a Igreja no deserto para a Terra Prometida, à fronteira com a qual ele a conduzira tão habilidosa e fielmente, era uma marca sinalizadora do desagrado Divino do pecado de não honrar a Deus - e isso constituiu a canção do JULGAMENTO. Deixando as planícies de Moabe, Deus gentilmente conduziu seu servo até a montanha mais alta, de cujo cume ele ordenou que ele contemplasse a terra de Canaã com seus vales férteis, planícies molhadas e colinas cobertas de videiras, e picos dourados, revelando a sua riqueza, beleza e grandeza aos seus olhos; e isso constituiu a canção da Misericórdia. Com este último olhar para a terra, Deus confirmando assim a fé de Seu servo e vindicando Sua própria fidelidade, abriu em sua visão
  3. 3. 4 maravilhada a sua primeira vista do céu! As sombras distantes da Canaã terrena dissolver-se-iam nas próximas e esplêndidas realidades da Celestial - o tipo perdido no antítipo - quando na altura de Pisga, Deus "beijou sua alma", como o afeto de uma mãe que acaricia o seu filho para dormir. "Doce foi a viagem para o céu Maravilhoso o profeta provou; “Suba o monte”, diz Deus, “e morra” - O profeta subiu e morreu. Suavemente sua cabeça inclinando ele colocou Sobre o peito de seu Salvador: O Salvador beijou sua alma, E deu descanso à sua carne. A Terra ainda tem seus "Nebos" e a Igreja de Deus seus "Pisgas", alturas sagradas e
  4. 4. 5 iluminadas pelo sol, que, na fé, a alma crente sempre vê "o Rei em Sua beleza e a terra que está muito longe". A experiência da Igreja ainda é: "Ele faz meus pés como os pés dos cervos, e me coloca sobre os meus lugares altos". A fé sendo um princípio divino, seu olho é espiritual e sua visão é de longo alcance. A "substância das coisas esperadas e a evidência das coisas não vistas", ela vai além do estreito presente, atravessa o futuro invisível e descortina as maravilhas e riquezas do mundo invisível, retorna, como os espias de Canaã, com os frutos ricos recolhidos da colheita do céu - as evidências e as promessas das coisas grandes e preciosas que Deus preparou para aqueles que o amam. Embora, ainda no limiar do nosso assunto, pode ser instrutivo observar o ponto de partida da fé em suas subidas do Pisga. A base do monte Pisga estava nas planícies de Moabe, e daquela base Moisés subiu ao cume. A graça divina, que é a glória iniciada na terra, encontra-
  5. 5. 6 nos no estado inferior da natureza, "mortos em delitos e pecados"; em inimizade contra Deus; vivendo segundo a carne; "sem Deus e sem Cristo e sem esperança neste mundo." É muito útil, amado, recordar à memória os dias de nossa não regeneração, quando Cristo foi atrás de nós, e nos encontrou e trouxe para casa para Si mesmo. O apóstolo nunca se esqueceu de que, antes que a misericórdia divina e a graça livre o chamassem, ele era um "blasfemo e um perseguidor", sim, o principal dos pecadores. Oh! Como essas retrospectivas confirmam o amor eleitor e exaltam a graça livre e soberana de Deus na conversão da alma! Como elas depositam no pó a glória de todo homem, erguendo em suas ruínas o "reino de Deus que é justiça, paz e alegria no Espírito Santo." Agora, é deste baixo vale que começamos nossa ascensão celestial. Ninguém jamais chegará ao cume de Pisga se não fizer deste o seu ponto de partida. Que grandes números partiram de um curso
  6. 6. 7 religioso sem nenhuma visão real e completa convicção de sua pecaminosidade! Eles fazem alguma eminência de si mesmos, elevando o ponto de partida, ao invés do vale do conhecimento do pecado e da auto- humilhação. Invertendo a ordem de Deus, eles trabalham a partir do cume, para a base, em vez de da base para o cume do monte; da circunferência para o centro, em vez de do centro para a circunferência. Mas, na cruz de Jesus, sob cuja sombra o pecado é visto, confessado e renunciado, a alma começa sua vida espiritual, sua ascensão celestial. A glória começa na menor quantidade e na forma mais humilde de graça. A semente pode ser insignificante, mas a árvore será grande; o broto pouco promissor, mas a flor linda; o pulso infantil, mas o crescimento gigantesco. No instante em que a alma se torna um objeto da graça, ela se torna herdeira da glória; e todo o seu futuro curso de sol e nuvem, de tempestade e calma, é um progresso gradual e certo para o mais
  7. 7. 8 alto estado de perfeição no céu. O que a bolota é para o carvalho, e a criança para o homem, é a graça presente para glória futura. Neste estado presente, a graça, embora real e preciosa, deve necessariamente ser limitada e defeituosa. Assim como as especiarias doces, importadas dos climas do sul, vêm a nós não em sua pureza e na fragrância originais, de igual modo as benevolências do espírito, divinas e celestiais são em muito desprovidas de sua beleza, e de sua doçura reais; mas quando chegarmos à terra em que cresceram, elas vão se desdobrar em esplendor, e exalar uma fragrância, inspirando cada alma com admiração e enchendo cada boca com louvor. E ao passar pelo véu - "A alma está feliz?" Recordar a menor medida da graça divina, o menor grau de fé preciosa, a mais fraca faísca do amor divino, o mais débil palpitar da vida espiritual naquela alma - eu até tomaria a menor evidência de graça - amor aos irmãos - e a questão da sua segurança está resolvida. Assim,
  8. 8. 9 podemos ter certeza do estado glorificado de nossos amigos por terem "provado que o Senhor é clemente". A graça é glória militante; a glória é graça triunfante; a graça é glória começada; a glória é a graça aperfeiçoada. A graça é o primeiro grau de glória; a glória é o grau mais elevado de graça. A graça é glória no broto; a glória é graça na flor desabrochada. "O Senhor Deus é um sol e escudo, o Senhor dará GRAÇA e GLÓRIA". A visão de Canaã que Deus apresentou a Seu servo Moisés foi negativa. Era Canaã vestida em sombras crepusculares, em vez de banhada pela luz do sol meridiano. Pareceria ao seu olho de crente mais o que não era, do que o que realmente era. Agora, sucede o mesmo com as visões negativas da verdade, a Canaã celestial da qual essas páginas tratam especialmente. E, assim, estudando-a em seus aspectos negativos, a fé inverte seu quadro, e aprendendo o que o céu não é, se obtém uma revelação mais vívida do que é o céu.
  9. 9. 10 Deus, na maioria das vezes, adota o modo negativo em Seu trato com Seu povo, ao invés do positivo. Não vemos senão visões negativas de Sua própria majestade e glória pessoal. Assim Ele lidou com Moisés. "E disse o Senhor: Quando passar a minha glória, eu te porei numa fenda da rocha, e eu te cobrirei com a minha mão, enquanto eu passar, e tirarei a minha mão, e você me verá por detrás, mas o meu rosto não será visto." Deus tem um método e um fim em todas as Suas obras na criação. Pode ser apenas um violeta pequena protegida do calor do sol pela gota de orvalho; no entanto há um plano divino e propósito lá. Quão mais eminente é este princípio em Seu reino de graça, em Seu trato com os santos! Ele se move na "espessa escuridão", mas, para parecer cada vez mais glorioso como "revestido de luz". Ele fala do "lugar secreto do trovão", da "coluna nebulosa", do "turbilhão" e da "tempestade", que, quando passaram, o céu pode parecer mais sereno, e em seu
  10. 10. 11 espelho mais brilhante pode refletir mais claramente a verdade preciosa que, todas as coisas estavam trabalhando juntamente para nosso bem. Quando o anjo anunciou aos pastores a melhor notícia que a Terra já ouviu, "eles tiveram muito medo"; e contudo quão logo seus temores deram lugar à maior alegria! E não tem sido muitas vezes assim conosco? A nuvem pareceu escura, o trovão disparou, o relâmpago brilhou, mas agora o belo arco-íris apareceu brilhando, e tudo é paz doce! Assim, somos ensinados que os tratos de Deus, em sua maior parte, vêm a nós misteriosamente - Sua glória em suas "partes traseiras" - não vemos cara a cara - e assim aprendemos as lições e revelações de Sua lei como os estudantes hebreus ao ler sua Bíblia para trás, da direita para a esquerda, viajando desde o fim até o início. Mas oh! Quão abençoado é quando, de algum evento sombrio e esmagador da providência de Deus, nós nos encontramos presentemente descansando dentro dos braços paternos
  11. 11. 12 de Seu amor! Ao exagerar sobre as ATRAÇÕES NEGATIVAS DO CÉU, comecemos pela ausência da MALDIÇÃO - "E não haverá mais maldição". Um contraste maior dificilmente pode ser encontrado - um negativo do céu mais expressivo de sua bênção real e positiva. Varra do globo esta maldição, arremesse para longe o espírito mau da humanidade, e você restaurou a terra e o homem à sua beleza original. Mas, o nosso texto tem um evangelho e um ensinamento espiritual, e para isso diremos primeiro os nossos pensamentos. Na atual história e condição dos santos de Deus, a maldição original, como uma lei penal e condenatória, já está praticamente revogada. Há um sentido evangélico no qual se pode dizer: "Não há mais maldição". Isto Cristo tem feito. Assim, lemos: "Cristo nos resgatou da maldição da lei, sendo feito uma maldição em nosso lugar, pois está escrito, maldito seja todo aquele que for colocado no
  12. 12. 13 madeiro". Esta grande passagem evangélica coloca toda a questão em repouso sobre a presente relação da maldição na história dos santos de Deus. Como somente a Deidade podia pronunciar a maldição, somente a Deidade poderia anulá-la. Como somente Deus podia decretar a lei, somente Ele poderia revogá-la. Cristo cancelou a lei da maldição em nome de Sua Igreja, e Cristo é DEUS. A declaração do evangelho desta grande e preciosa verdade é simples e clara. O Filho de Deus consentiu em nascer de uma mulher, e assim nascido sob a lei que foi violada e quebrada pelo homem. Como tal, Ele tornou-se responsável perante a lei, veio sob os seus preceitos, assumiu a sua maldição, e suportou a sua condenação; e tudo isso Ele fez pelo amor que Ele deu à Sua Igreja. Ele honrou todos os preceitos da lei, esgotou cada átomo de sua maldição e condenação, assim "magnificando a lei e tornando-a honrosa". E agora, com esta oferta substitutiva, a maldição é transferida da
  13. 13. 14 Igreja para Cristo, e a justiça é transferida de Cristo para a Igreja - uma troca de lugar que envolve uma troca de condições, e, como resultado abençoado, todos os que creem em Jesus estão nesta vida presente libertados da maldição e condenação da lei. "Portanto, agora não há condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus". Mas, Cristo não somente revogou a maldição como uma lei condenatória, mas transformou até mesmo seus efeitos em bênçãos. Há enfermidade, tristeza, sofrimento e morte - todos os frutos e efeitos da maldição - no entanto, na mais profunda tristeza, no sofrimento mais acurado, na morte mais agonizante dos santos de Deus, não há qualquer amargura, o aguilhão e a condenação da maldição; desde que Jesus, se fez uma maldição para nós, tem por Sua graça maravilhosa transformado todos esses terríveis efeitos da maldição nas mais caras bênçãos. "Contudo, nosso Deus transformou a maldição em uma BÊNÇÃO."
  14. 14. 15 Ó amado! Aceita a disciplina do juízo e do sofrimento, por mais escurecida que seja a sua sombra ou amargo o seu cálice, como entre todas as coisas da aliança da graça sobre a qual não reside um átomo da maldição, em que não brilha uma faísca do inferno, que são realçadas algumas das mais caras bênçãos sagradas de sua vida. Faça uma pausa e, em silêncio, adore e siga fielmente aquele Salvador amoroso e gracioso que, para nós, foi lançado fora como uma coisa maldita, para que possamos morar eternamente naquele mundo abençoado do qual se diz - "E não haverá mais maldição." "Jesus também, para santificar o povo com o Seu próprio sangue, sofreu fora da porta, saiamos a Ele fora do arraial, trazendo Seu opróbrio." Agora, sobre o estado da Igreja na nova Jerusalém; nos novos céus e na nova terra; todo elemento da maldição estará totalmente ausente. Que a morada final e eterna dos santos ressuscitados e glorificados será material, e não espiritual, um lugar, e não uma condição
  15. 15. 16 meramente, não admite, penso eu, ser duvidada. O Apóstolo Pedro escreve: "Nós, segundo a Sua promessa, aguardamos novos céus e uma nova terra, onde habita a justiça". Tal era também a visão gloriosa do evangelista exilado - "E eu vi um novo céu e uma nova terra, porque o primeiro céu e a primeira terra passaram". "Eu vou preparar um lugar para você", disse Jesus. Agora será um elemento essencial e distintivo da morada dos santos que, não haverá mais maldição. Nem mais maldição eclesiástica. Que mundo glorioso será aquele, onde a paisagem não será destruída, nem os habitantes esmagados sob a opressão da maldição! A terra não produzirá mais espinhos e cardos; o homem não mais ganhará seu sustento pelo suor de seu rosto; nenhum Simei amaldiçoará os ungidos de Deus. "Não haverá mais maldição." Assim, subamos pela fé o monte de Pisga, e vejamos a boa terra que está longe, e nos deleitemos na perspectiva desse negativo glorioso. Examine aquele país
  16. 16. 17 prometido que o leva suavemente a suas costas sagradas e pacíficas, onde as flores sempre florescem, e o fruto cresce sempre, e a primavera sempre permanece, e a paisagem sempre sorri, e o homem é sempre feliz; onde todo vestígio da maldição é aniquilado, e tudo é divino, perfeito e imortal. A corrente divisória do Jordão é estreita, e é rapidamente passada. Um passo - uma lágrima - um suspiro, e o espírito está do outro lado, percebendo, como ali somente pode ser compreendida a profundidade do significado e a preciosidade inexprimível dessas palavras maravilhosas - "E NÃO HAVERÁ MAIS MALDIÇÃO." "A SUA BÊNÇÃO ESTÁ EM SUA PESSOA." Nós moramos este lado do rio Jordão, No entanto, muitas vezes vem um feixe brilhante Do outro lado do rio; Enquanto visões de uma multidão santa,
  17. 17. 18 E som de harpa e canção serafínica Parece suavemente soprar. O outro lado! Ah, há o lugar Onde os santos restaurados na alegria, E pensam em provações desaparecidas. O véu retirado - eles veem claramente Que tudo na terra precisava ser Para trazer para casa com segurança. No outro lado não há maldição Tão brilhantes são as vestes abençoadas Alvejadas no sangue de Jesus; Nenhum grito de dor, nenhuma voz de aflição, Para prejudicar a paz que seus espíritos conhecem Sua constante paz com Deus.
  18. 18. 19 Do outro lado, sua margem tão brilhante É radiante com a luz dourada Da cidade de Sião; E muitos queridos idos antes Já pisaram a costa feliz - Parece que os vemos lá. O outro lado! Oh, adorável vista - Na luz sem nuvens, eterna, Por mim um ente querido espera; E alguém me chama - Não tema, eu sou seu guia, Até os portões perolados. Do outro lado, do outro lado! Quem não enfrentaria a maré inundante De trabalho terreno e cuidados,
  19. 19. 20 Para acordar um dia, quando a vida é passada, Passado o rio, finalmente em casa, Com todos os abençoados lá?

×