Universidade
Cruzeiro do Sul
Carina Ribeiro RGM 991-1
Silvilene Oliveira RGM 966-1
Edgar Morin
• (Paris, 1921) é considerado um dos maiores pensadores do século XX.
• É doutor honoris causa em 17 universid...
Avaliação
Segundo o Projeto Político Pedagógico:
A avaliação é desenvolvida de forma contínua, sistemática e cumulativa
re...
• Os sete saberes são essenciais ao
ensino, porque tudo está integrado para
permitir uma mudança de pensamento;
para que s...
• Reconhecer as cegueiras do
conhecimento, seus erros e ilusões.
• Assumir os princípios de um
conhecimento pertinente
• C...
• Entende-se reconhecer as cegueiras do conhecimento, seus erros e
ilusões, é assumir o ato de conhecer como um traduzir e...
• Ensinar a identidade planetária tem a ver com mostrar a complexidade da crise
planetária que caracteriza o século XX. Tr...
Críticas à Educação
• Segundo Morin:
• “Há que se fazer uma total reorganização da educação. E essa
reorganização não se r...
Críticas à Avaliação
• De acordo com Morin:
• “Não sou a favor de nenhum tipo de segregação, uma
vez que ao longo da vida ...
• Para avaliarmos uma disciplina
precisamos avaliar o curso, o currículo, o
ensino e aí o papel do professor é
central: se...
Papel do Professor
• Mediador do processo de reconstrução do conhecimento.
Ele precisa possibilitar o acesso às ferramenta...
Conclusão
• A avaliação é um processo que deveria
ajudar o aluno a organizar o seu
conhecimento. No entanto, na maioria da...
Referências Bibliográficas
• BORBA. Sergio da Costa. A Complexa Arte da Avaliação: Contribuições da
Psicanálise, Filosofia...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Edgar morin avaliação

1,900 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,900
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Edgar morin avaliação

  1. 1. Universidade Cruzeiro do Sul Carina Ribeiro RGM 991-1 Silvilene Oliveira RGM 966-1
  2. 2. Edgar Morin • (Paris, 1921) é considerado um dos maiores pensadores do século XX. • É doutor honoris causa em 17 universidades de diversos países, tais como Itália, Portugal, Espanha, Dinamarca, Grécia, México, Bolívia e Brasil (em João Pessoa e Porto Alegre). • Tem formação pluridisciplinar, é sociólogo, antropólogo, historiador, geógrafo e filósofo, e acima de tudo um intelectual livre que nos propõe uma visão transdisciplinar do pensamento. • Tem mais de 40 livros de Epistemologia, sociologia, política e antropologia, publicados e traduzidos em diversas línguas. Merece ser destacada sua obra de 4 volumes, intitulada El Mètode que trata da transformação das ciências e do seu impacto na sociedade contemporânea. • É diretor do Centro de Estudos Transdisciplinares em Paris, (EHESS), presidente da Agência Européia de Cultura da UNESCO e presidente da Associação de Pensamento Complexo. É um apaixonado pelas artes em geral, principalmente pela literatura e pelo cinema. • Durante a II Guerra Mundial, foi combatente voluntário da resistência francesa nos anos de 1942 a 1944, lutando contra o nazismo e o stalinismo.
  3. 3. Avaliação Segundo o Projeto Político Pedagógico: A avaliação é desenvolvida de forma contínua, sistemática e cumulativa respeitando as características individuais, pois cada um aprende em tempo e ritmos diferentes. O conhecimento não é produto acabado e sim um processo que está sendo reformado, repensado e se adequando a nossa realidade. A avaliação é qualitativa e quantitativa (regime da escola), mas sempre se procura avaliar o aluno como um todo e não somente pelas notas obtidas pelas provas. Segundo Edgar Morin: É uma forma de segregação que não ajuda a organizar o conhecimento e suas relações entre as distintas informações. A avaliação não está de acordo com os sete saberes de Edgar Morin.
  4. 4. • Os sete saberes são essenciais ao ensino, porque tudo está integrado para permitir uma mudança de pensamento; para que se transforme a concepção fragmentada e dividida do mundo, que impede a visão total da realidade. Essa visão fragmentada faz com que os problemas permaneçam invisíveis.
  5. 5. • Reconhecer as cegueiras do conhecimento, seus erros e ilusões. • Assumir os princípios de um conhecimento pertinente • Condição humana • Identidade planetária • Enfrentar as incertezas • Compreender • Ética do gênero humano Quais são os 7 saberes de Morin?
  6. 6. • Entende-se reconhecer as cegueiras do conhecimento, seus erros e ilusões, é assumir o ato de conhecer como um traduzir e não como uma foto correta da realidade. Trata-se de armar nossas ates para o combate vital pela lucidez e isso o significa estar sempre buscando modos de conhecer o próprio ato de conhecer. • Por assumir os princípios de conhecimento pertinente, entende-se a necessidade de ensinar os métodos que permitam apreender as relações mútuas e as influências recíprocas entre as partes e o todo se mundo complexo. Trata-se de envolver uma atitude mental capaz abordar problemas globais que contextualizem suas informações parciais e locais. • Ensinar a condição humana deveria ser o objeto essencial de qualquer sistema de ensino e isso passa considerar conhecimentos que estão dispersos em várias disciplinas como as ciências naturais, as ciências humanas, a literatura e a filosofia. As gerações precisam conhecer a unidade e a diversidade do humano.
  7. 7. • Ensinar a identidade planetária tem a ver com mostrar a complexidade da crise planetária que caracteriza o século XX. Trata-se de ensinar a história da era planetária, mostrando como todas as partes do mundo necessitam ser intersolidárias, a vez que enfrentam os mesmos problemas de vida e de morte. • É preciso aprender a tentar as incertezas reveladas ao longo do século XX através da microfísica, da termodinâmica, da cosmologia, das ciências biológicas evolutivas, das neurociências e das ciências históricas. É preciso aprender a navegar no oceano das incertezas através dos arquipélagos das certezas. • Compreender é ao mesmo tempo meio e fim da comunicação humana, portanto não pode ser algo desconsiderado pela educação. E, para tanto, precisamos passar por uma reforma das mentalidades. • Por ética do gênero humano, entendo uma abordagem que considere tanto o indivíduo, quanto a sociedade e a espécie. E isso não se ensina dando lições de moral. Isso passa pela consciência que o humano vai adquirindo de si mesmo como indivíduo, como parte da sociedade e como parte da espécie humana. Isso implica conceber a humanidade como uma comunidade planetária composta de indivíduos que vivem em democracias.
  8. 8. Críticas à Educação • Segundo Morin: • “Há que se fazer uma total reorganização da educação. E essa reorganização não se refere ao ato de ensinar. Refere-se à luta contra os defeitos do sistema que estão cada vez maiores. Por exemplo, o ensino de disciplinas separadas e sem comunicação entre si produz uma fragmentação e uma dispersão que nos impede de ver globalmente coisas que são cada vez mais importantes no mundo. Existem problemas centrais e fundamentais que permanecem completamente ignorados ou esquecidos e que são importantes para qualquer sociedade e qualquer cultura”.
  9. 9. Críticas à Avaliação • De acordo com Morin: • “Não sou a favor de nenhum tipo de segregação, uma vez que ao longo da vida passamos por tudo: atrasos, progressos, encontros, desencontros, crises. Esse tipo de avaliação (quantitativa) é uma forma de segregação que não ajuda a organizar o conhecimento e suas relações entre as distintas informações”.
  10. 10. • Para avaliarmos uma disciplina precisamos avaliar o curso, o currículo, o ensino e aí o papel do professor é central: seu treinamento, seu estilo, suas crenças, atitudes, arte, inserção social, psique.
  11. 11. Papel do Professor • Mediador do processo de reconstrução do conhecimento. Ele precisa possibilitar o acesso às ferramentas necessárias para que o aluno possa elaborar uma nova forma de compreensão de sua prática social e de seus vínculos com a prática social global. • O professor(a) precisa trabalhar-se, trabalhar sua relação ao desejo de saber, desejo de ensinar e isso exige uma leitura plural: filosófica, antropológica, psicanalítica, sociológica: multirreferencial. O sujeito professor precisa colocar-se em questão: auto-avaliar-se, auto-questionar-se, perceber seu papel no instituído e no instituinte.
  12. 12. Conclusão • A avaliação é um processo que deveria ajudar o aluno a organizar o seu conhecimento. No entanto, na maioria das vezes é um meio utilizado para segregar os indivíduos, ou seja, separar os melhores dos piores.
  13. 13. Referências Bibliográficas • BORBA. Sergio da Costa. A Complexa Arte da Avaliação: Contribuições da Psicanálise, Filosofia, História, Pedagogia, Sociologia e Antropologia”. Maceió, EDUFAL, 2003 • MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios, 4 ed. – São Paulo: Cortez: 2007 • MORIN. Edgar. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. 5 ed. São Paulo: Cortez: 2002. • SÁTIRO, Angélica O pensamento complexo de Edgar Morin e sua Ecologia da ação. Revista Linha Direta. Publicação Mensal dos Sinepes e da AEBJ, Ano 5, nº 57, 2002 .

×